jornal do cariri - 15 a 21 de janeiro de 2013

Download Jornal do Cariri - 15 a 21 de janeiro de 2013

Post on 14-Mar-2016

222 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

REGIÃO DO CARIRI l DE 15 A 21 DE JANEIRO DE 2013 l ANO XIV l NÚMERO 2569

TRANSCRIPT

  • O peridico do Cariri independente

    graduao rock cordel 2013

    gesto z de amlia

    6

    6

    REGIO DO CARIRI l DE 15 A 21 DE JANEIRO DE 2013 l ANO XIV l NMERO 2569 R$ 1,50

    Medicina da UFC a mais disputada no Sisu

    Evento discutir cultura musical do Cariri

    Esquema frauda emprstimos e desvia R$ 2 milhes da Cmara de Juazeiro

    o ex-presidente da cmara de Juazeiro do Norte, Jos de amlia Jnior (Psl) e funcionrios da Casa, podem ter desviado, s em 2012, a quantia de R$ 2 milhes atravs de emprstimos fraudulentos junto instituies financeiras. O esquema foi denunciado vereador cludio luz (Pt), envolvendo reajustes do salrios de servidores em at 873%, o que onerou a folha de pagamento do Legislativo

    em mais de 110% em 2012. A exorbitncia no aumento de salrios serviu para viabilizar as operaes de emprstimo e pode ter contado com a colaborao de funcionrios de bancos como Caixa Econmica Federal, Bic Banco, Bradesco e a Multi Financeira. Os salrios reajustados garantiam que as parcelas dos emprstimos fossem descontadas em folha sem comprometimento de renda.

    Serena Morais

    Serena Morais

    religioAMPLIAO DO AEROPORTO REGIONAL

    Ccero Valrio

    Operao Romeiro prepara Festa de Nossa Senhora das CandeiasDesapropriaes comeam com liberao de R$ 12 milhescomearam as discusses acerca da Romaria de Nossa Senhora das Candeias, realizada todos os anos entre o final de janeiro e incio de fevereiro. Segurana, sade, infraestrutura e maior humanizao so garantias que a Secretaria de Cultura e Romarias busca para os visitantes.

    a ampliao do aeroporto Regional do Cariri est cada vez mais prxima. Com a entrega do relatrio sobre as desapropriaes da rea do entorno, feita pelo superintendente da Infraero na regio Nordeste, Fernando Niccio, a prefeitura municipal j est apta a comear as desapropriaes. Aps as desapropriaes, a rea ser incorporada Infraero, tendo incio as obras de mdio e longo prazo. O prefeito de Juazeiro, Raimundo Macedo, vai solicitar audincia no Ministrio dos Transporte, acompanhado do presidente da Infraero, Gustavo do Vale, para discutir a liberao de pelo menos uma parte dos recursos.

    crato

    Folha de vereadores cresce e servidores so demitidosa nova mesa diretora est promovendo adequaes e implantando medidas moralizadoras na Cmara do Crato. Por causa dos altos valores da folha de pagamento, houve demisses de funcionrios, diminuio de gastos e outros ajustes internos. Mas, aps oito anos, os edis tiveram seus salrios aumentados para R$ 10 mil. Amadeu de Freitas (PT) acha que a medida foi imprudente e sugere nova discusso sobre o assunto. J Darcio Luiz considera justo o reajuste, ao considerar o perodo de oito anos sem equiparao salarial na Cmara Municipal.

    caririau

    Ex-prefeito e atual gestor abremdebate sobre gesto da cidade Para o prefeito de Caririau, Joo Marcos, a responsabilidade sobre o atraso nas obras da sua administrao deve-se gesto anterior, em funo de dados omitidos durante o processo de transio. O ex-prefeito Edmilson Leite rebate as acusaes e diz que todas as informaes administrativas foram repassadas.

    camPeoNato ceareNse 2013

    saldo

    Crato enfrenta dificuldades com falta de patrocnio

    Comrcio de Juazeiro inicia temporada de liquidao

    uma folha de pagamento de pouco mais de R$ 50 mil a principal preocupao dos dirigentes do Crato Esporte Clube. Por falta de recursos, a diretoria foi forada a dispensar cinco jogadores, fragilizando o elenco. O resultado foi a derrota nos dois primeiros jogos do Campeonato.

    em Juazeiro do Norte, est aberta a temporada de promoes na maioria das lojas do centro comercial e shopping local. Segundo o presidente da CDL, Michel Araujo, os descontos chegam at 70% e abrangem diferentes segmentos. Por enquanto, os setores mais procurados pelos compradores so os caladistas e vesturios.

    7 6

    4

    5

    8

    3

    3

    coluNa doNizete

    Empresrio Silvio Rui volta a atacar nas terceirizaes com parceria de Raimundo

    Manuel Santana ainda mora em Juazeiro e tripudia da nova gesto

    3Prefeito de Misso Velha acusa rombo de R$ 26 milhes

    Sere

    na M

    orai

    s

  • 2 REGIO DO CARIRI(CE), DE 15 A 21 DE JANEIRO DE 2013opinio

    editorial

    Envie sua carta para jornaldocariri@jornaldocariri.com.br e d sua opinio faa sua sugesto, uma crtica. Esse espao aberto para voc, caro leitor.

    QUEM SOCORRE SOCORRIDOQUEM PERDOA PERDOADOQUEM GUARDA MGOAS NO PEITOCONDUZ UM FARDO PESADONUNCA ALGUM SE ARREPENDEUPOE TER O BEM PRATICADO!

    Wellington Costa

    Mais um, mais outro, todos os dias, em qualquer lugar e a qualquer hora. Matam por nada, sem constrangimento, cruelmente. Matam idosos, crianas, gestantes, sem distino. Adultos, maioria dos quais reincidentes e que liberados no hesitam em matar; crianas e adolescentes que j matam e todos seguem impunes. Agem como profissio-nais do crime posto que visam e atingem lugares mortais e no apenas para intimidar, imobilizar, para matar mesmo. A cada instante famlias so destrudas por esses crpulas, excrees da nossa sociedade e os Poderes constitudos permanecem de braos cruzados, omissos e impotentes. A fora policial encontra-se perseguida, acuada e j no impe temor aos bandidos, pelo contrrio. O que assistimos de pleno conhecimento daqueles que poderiam esboar reaes de indignao, sentar-se mesa e agir com a firmeza e prontido compatveis e oportunas, mas que permanecem inertes, impassveis, o que denota crnica insensibilidade e desprezo para com a populao que os alou ao poder. Alguns, desdenhando, atrevem-se at apresentar propostas absurdas que resultam apenas em benefcios e mordomias aos marginais, assassinos cruis, irrecuperveis.

    Jos Hildeberto de Aquino

    E O ROMEIRO, RAIMUNDO?!

    CHARGE

    JOS PEDRO DE FREITASMdium brasileiro conhecido inter-

    nacionalmente devido s operaes e curas que realizou. Z Arig, como era conheci-do, realizava operaes cirrgicas, desde as mais simples at outras bastante delicadas, apenas com o auxlio de uma faca de cozi-nha ou canivete no muito limpos.

    Diagnosticava com espantosa rapi-dez e preciso, descrevia receitas modernas e complexas sem ao menos ter terminado o curso primrio. Atendeu diariamente a mais de 300 pacientes, por aproximadamente 20 anos; nunca aceitava qualquer pagamento por seu trabalho.

    De origem humilde, Z Arig tra-balhou no campo durante a infncia e es-tudou apenas at o terceiro ano primrio. Dessa poca datam suas primeiras vises. Constituam-se de uma espcie de nuvem luminosa que flutuava no espao, acompa-nhada, algumas vezes, pelo som de vozes.

    Arig julgava que estas manifesta-vam-se em alemo. Foi tambm nesse pe-rodo que comeou a entrar e m contato com a entidade que mais tarde alegaria in-corporar, o Dr. Fritz. Dizia Arig que este era um mdico alemo falecido em 1918, e que no s fazia parte integrante de seu traba-lho, mas tambm era a essncia de toda a sua percia e poderes extraordinrios.

    O mdium de Congonhas do Cam-

    po era simples e espontneo. Fa-lava sem rodeios, tornando-se por vezes extremamente brilhante. Era muito sensvel e afetuoso. Em 1942, casou-se com Arlete Soares, sua prima, que lhe deu 6 filhos. Antes de se dedicar exclusivamen-te ao atendimento de doentes do Centro Esprita Jesus Nazareno, em sua cidade natal, trabalhou na extrao de minrio.

    Nessa poca ganhou reputao como organizador trabalhista e foi acusado de ter simpatias comunistas. Por este moti-vo, fez inimigos polticos, alguns dos quais tentaram mais tarde, desmoraliz-lo como curandeiro. No existem informaes preci-sas a respeito de suas primeiras manifesta-es medipunicas. O que se sabe que em 1956 o senador Lcio Bitencourt revelou publicamente que fora operado por Arig num quarto do Hotel Itatiaia, em Belo Ho-rizonte.

    Atig declarou que no se lembrava do fato e que era catlico devoto, com hor-ror a qualquer forma de espiritismo. Suas relaes com a Igreja de sua terra sempre foram boas, o que no impediu que a So-ciedade Brasileira Mdica e a Igreja Catlica iniciassem processo contra ele por prtica ilegal da medicina e feitiaria.

    Em 1958, teve seu pri-meiro choque com a justia sendo condenado a 30 me-ses de priso. Sua pena foi anulada devido a ajuda do ento presidente da Repbli-ca Juscelino Kubitschek, que era tambm mdico. Foi no-vamente atingido pela lei em

    1964, ficando preso por pouco mais de 7 meses. J era o mais famoso cirurgio esp-rita do Pas.

    Seu trabalho foi presenciado e es-tudado por mdicos brasileiros quanto por americanos, sempre em pblico e em con-dies de luz normais, permitindo que todo seu mtodo de trabalho e suas operaes fossem filmadas. Em janeiro de 1971, com apenas 49 anos, Arig faleceu num aciden-te de automvel na estrada Belo-Horizonte / Braslia. Acredita-se que tenha sofrido um ataque cardaco enquanto dirigia. Em sua carreira relativamente curta, deve ter aten-dido a 2 milhes de pessoas, desde cien-tistas, estadistas, mdicos e aristocratas de vrios pases at pobres e desamparados.

    almrio carvalhoSecretrio da Cmara do Crato

    A inaugu-rao do Estdio Olmpico Mauro Sampaio, O Ro-meiro, h 42 anos, ainda hoje uma lembrana muito forte na me-mria dos despor-tistas de Juazeiro do Norte. O perodo de construo foi acompanha-do com interesse e empolgao, tornando-se programa de visita obrigatria da populao ao Co-losso do Piraj, notadamente aos domingos. Fizemos parte des-sa procisso e, ao mesmo tempo, divulgamos a obra em jornais e re-vistas de todo o Brasil. Uma nota publicada na revista PLACAR, com fotografia area do estdio, obteve repercusso e admirao, principalmente por parte de com-panheiros da crnica esportiva da capital. Com o advento do Romeiro, se projetava uma verdadeira redeno do futebol caririense com sua necessria pro-fissionalizao. E foi isso que ocor-reu, saindo-se das competies domsticas para o Campeonato Estadual a parti