jornal do cariri - 12 a 18 de junho

Download Jornal do Cariri - 12 a 18 de junho

Post on 12-Mar-2016

244 views

Category:

Documents

29 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal do Cariri

TRANSCRIPT

  • O peridico do Cariri independente

    SANTANA DO CARIRITIMBABAS

    REGIO DO CARIRI l DE 12 A 18 JUNHO DE 2012 l ANO XIV l NMERO 2538 R$ 1,50

    Crack leva crianas prostituio

    JUAZEIRO DO NORTE

    INFRAESTRUTURA BAIRRO SO JOS

    ELEIES 2012 PARQUE ECOLGICOPALEONTOLOGIACAMPANHA

    CRATO

    Rapel ganhadestaque noVale dos Azedos

    Parque educa com atividades ambientais

    Acesse e veja a programao completa: www.bnb.gov.br/cultura

    Dia 12, tera-feira.ARTE RETIRANTE Local: Praa Padre Ccero.19h00 - A Noite dos Solitrios -Recital Roteiros PoticosBomios Pseudo-Romntico e Show Musical comVal Andrade.

    Dia 13, quarta-feira.TROCA DE IDEIAS19h30 - Dissertao No Bicho-papo -Simone Pessoa - Fortaleza-CE.Dia 15, sexta-feira.CLUBE DO LEITOR17h30 - Harmonia no Caos: a FusoEU/COSMOS na Poesia de Augusto dosAnjos. Facilitador: Wellington Teixeira.

    TRADIO CULTURALLocal: Terreiro do Mestre Chico Cear -Arajara - Barbalha-CE.20h30 - Maculel Arte e Tradio -Barbalha-CE.Dia 16, sbado.PERCURSOS URBANOS15h00 - Dizem que Sou Louco...Mediadora: Ceclia Menezes,

    historiadora - Crato-CE.CINECAF17h30 - Um Corpo que Cai.Dia 17, domingo.ARTE RETIRANTELocal: Largo da RFFSA - Crato-CE.18h30 - Literatura em Revista:Seguidores do Rei do Baio -Cia. Anjos da Alegria - Crato-CE.

    MSICA19h00 - Zabumbeiros Cariris -Luiz Gonzaga de Cabo a Rabo -Juazeiro do Norte-CE.Dia 18, segunda-feira.Fechado.

    Destaques da programao de 12 a 18 de junho de 2012.

    Cracolndias proliferam por diversos pontos da cidade, onde dezenas de pessoas se renem para consumo da droga, agravando um drama urbano com ingrediente ainda mais preocupante: muitas crianas e adolescentes esto vendendo o prprio corpo para sustentar o vcio. Em algumas casos, os programas so pagos com a prpria pedra de crack, em lugares, aparentemente, acima de qualquer suspeita. O trfico, o descaso e a dependncia mostram suas foras.

    5

    CLINIMAGEM de Juazeiro do Norterealizando exames

    especiais

    Foto

    : Sam

    uel M

    aced

    o

    Infraero rescinde contrato com empresa e para obras do Aeroporto

    Venda de terrenos da Diocese do Crato em Juazeiro anulada pela Justia

    As obras do Aeroporto Regional do Cariri esto paralisadas devido a problemas com a Eurobravin, empresa responsvel pela reforma. A Infraero decidiu rescindir o contrato com a empresa responsvel.

    O Tribunal de Justia do Cear deu ganho de causa Diocese de Crato na ao movida contra a empresa a empresa FP Construo e Empreendimentos Imobilirios, em terreno no bairro So Jos.

    Arnon faz articulaes para garantir candidatura

    Promessa do Stio Fundo j completa trs anos

    Jovens desvendam mistrio dos fsseis

    Raimundodesiste deDuda Mendona

    Marcos Cunha: Discusso de Ronaldo no nos interessa

    A assinatura da ordem de servio pelo governador Cid Gomes para construir em seis meses o Parque Estadual Ecolgico do Sitio Fundo, est completou, esta semana, trs anos. No perodo, foram muitos discursos, promessas e ameaas de ao civil pblica por parte do Ministrio Pblico por omisso do Estado ao meio ambiente.

    A regio do Cariri tem contado com a ajuda de muitas pessoas e instituies para o desenvolvimento de atividades. Agora, so os jovens paleontlogos que entram em campo para realizar pesquisas na rea com tantas riquezas locais. A atividade coordenada pelo professor da Urca e gelogo Idalcio Freitas. Os alunos esto empolgados com a ajuda histrica.

    No h razes oficiais para a desistncia, mas a principal deve ter sido o preo. Duda cobra R$ 9 milhes por uma campanha. Outro motivo que ele estar sendo julgado a partir de 1 de agosto pelo Supremo Tribunal Federal(STF) no escndalo do mensalo e tudo que Raimundo no precisa de rudo em sua campanha.

    5

    6 9

    4

    4

    7

    Foto

    : Sam

    uel M

    aced

    o

    7Coluna do Donizete 4

    13

  • A dura rotina de crianas, adolescentes e mulheres que vendem o prprio corpo para consumir droga pode-ria ser apenas histria de filme dramtico, mas realida-de crua e intragvel. A esperana de dias melhores parece fugir das mos precoces de pessoas ainda em formao, que no sabem exatamente o que esperar da vida, quando dela s conseguem extrair a dor do vcio, o sofrimento da memria e o alvio do entorpecente. Se no h sada, melhor continuar usando droga e deixar a soluo para amanh, pensam algum usurios.

    A mesma tecla precisa ser batida at que salte da superfcie com uma soluo ainda oculta. a ao devas-tadora do crack, que leva o jovem para as ruas, amarrado a um ciclo vicioso e perptuo, com um nico destino: a morte.

    Quando a destruio est apenas na famlia entre-vistada no programa policial, tudo bem. Tudo bem? O que muitos pais de famlia no imaginam que o vcio uma corrente, que pode muito bem alcanar o seu filho e

    torn-lo mais um zumbi do crack.No h limites para o trfico de drogas. Ele est na

    porta do colgio, da faculdade, do trabalho, nas ruas, nas caladas, nas paradas de nibus e, infelizmente, tambm no quarto ao lado. O crack pode dividir espao com os li-vros na mochila surrada, longe de qualquer suspeita, dis-tante da preocupao dos familiares. Quanto mais o pro-blema abafado, mais se fortalece e nos pega na curva, desprotegidos e atnitos, procurando soluo para uma equao de muitas variveis.

    A criana no lembra da ltima vez que brincou de boneca. As unhas agora so rudas e as pontas dos de-dos queimadas. Ela se prostitui para manter o vcio. So meninas de 13, 14, 15 anos, espalhadas entre as centenas de esquinas de Juazeiro do Norte, espera do prximo cliente que ir sustentar a compra das pedras malditas. Ainda h, acreditem, homens capazes de pagar por um programa, sabendo que aquilo pode custar a vida de ou-tra pessoa, especialmente de criana. Quando no h di-

    nheiro, as profissionais aceitam uma ou duas pedras de crack como pagamento.

    Ignoramos o problema ou o combatemos com de-terminao e eficincia? Quando refletimos sobre todo o ciclo e como a questo encarada, com desdm, preve-mos um futuro ainda mais doloroso. As autoridades que deveriam nos proteger, legislar a favor da sociedade e coibir crimes esto inclumes questo ou do interesse deles que assim continue? As duas alternativas so ruins, mas surgem diante do cenrio assombrador dsa ruas.

    Alm de tirar jovens do caminho certo, do estudo, do trabalho e da civilidade, o crack est destruindo a nos-sa infncia, as nossas crianas. Continuaremos calados, satisfeitos e tranquilos com o problema que aparece ape-nas no programa policial? Somos inalcanveis? S nos interessa o que acontece porta adentro?

    melhor revermos as nossas prioridade, enquanto sonhamos com um pas mais justo, soberano e livre de mazelas. Acordemos!

    Editorial PRECISO MAIS QUE ASSOMBRO E INDIGNAO

    Envie sua carta para jornaldocariri@jornaldocariri.com.br e d sua opinio faa sua sugesto, uma crtica. Esse espao aberto para voc, caro leitor.

    SEXTILHA CARTA

    SE ERROU NO ADIANTADESESPERO OU SOFRIMENTO... LEVANTAR A CABEATER O RECONHECIMENTOASSUMIR AS CONSEQUNCIASREERGUER-SE NO MOMENTO!

    Welington Costa

    Os nossos jovens esto morrendo pelas mos de traficantes, que no medem esforos para corromper e viciar as nossas crianas. A matria do Jornal do Cariri mostrou bem o que acontece com quem se torna refm do crack, uma das drogas mais perigosas do mundo. As autoridades precisam fazer alguma coisa e urgentemente. No podemos ficar de braos cruzados enquanto crianas e adolescentes morrem.

    Empresrio de Juazeiro do Norte (preferiu no revelar identificao)

    A SEMELHANA DO JOGO DE XADREZ COM A POLTICA

    CHARGE

    EURPEDES BARSANULFOChego a pensar que se ele, Eurpe-

    des Barsanulfo, houvesse pertencido aos quadros da Igreja Catlica e hoje seria um dos seus canonizados. Isto porque exerceu na mais absoluta correo os ensinos que Jesus, alm de exercitar a prtica fiel do Bem no seu rigoroso sentido, trazendo benefcios aos necessitados, em Minas Ge-rais, na cidade de Sacramento, prxima de Uberaba, onde estive em 1983. L visitei a antiga propriedade onde morara, um pou-co afastada do ncleo urbano, mas a que se pode chegar sem maiores esforos.

    Naquela vez, conheci uma sobri-nha de Eurpedes, que me recebeu com cordialidade, Heigorina Cunha, mdium responsvel por livros psicografados, den-tre os quais Cidades no alm, este junta-mente com Francisco Cndido Xavier, de autoria dos espritos Andr Luiz e Lucius.

    Nascido em 1. de maio de 1880, na pequena Sacramento daquela poca, teve existncia de curta durao, pois morreu aos 38 anos de idade, em 1. de novembro de 1918. Nesse meio tempo, realizou obras sociais dignas de nota, quando fundou o primeiro colgio esp-

    rita do Brasil, o Colgio Allan Kardec, cujas instalaes tam-bm as visitei na mesma opor-tunidade. Apesar de estar de-sativado, mantm-se intacto na sua arquitetura original.

    No perodo em que exer-ceu apostolado, Barsanulfo atravessou srias dificuldades de aceitao, porquanto o Espi-ritismo Cristo apenas iniciava histria em terras brasileiras, sendo alvo de combate doutras religies, o que encetou firme, ha-vendo inmeras ocasies de provar o valor que possui pela conformao e no escla-recimento diante das lutas deste mundo.

    Em face das perseguies com que se deparou, Eurpedes sofreria forte como-o e traumatismo, para, em seguida, co-nhecer, no prprio corpo, o despertar de vrias faculdades medinicas, a contar, em especial, com o dom da cura, o que aceita-ria como misso e lenitivo. Um dos primei-ros casos de cura que realizou seria da sua genitora, que se tornaria valiosa assessora nos servios que viria a desenvolver.

    Os fenmenos que produziu atra-

    ram centenas de pessoas, as quais nas multides sucessivas, sem distino de classe, credo ou cor, mediante o auxlio dos Benfeitores Espirituais.

    Existe um livro que con-ta a histria desse