jornal do cariri - 05 a 11 de junho

Download Jornal do Cariri - 05 a 11 de junho

If you can't read please download the document

Post on 14-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal do Cariri - Número 2537

TRANSCRIPT

  • O peridico do Cariri independente REGIO DO CARIRI l DE 05 A 11 JUNHO DE 2012 l ANO XIV l NMERO 2537 R$ 1,50

    PROJETO

    SEGURANA BARBALHA

    IRREGULARIDADES TRADIO

    SANTANA DO CARIRI

    CULTURA

    Acesse e veja a programao completa: www.bnb.gov.br/cultura

    Dia 05, tera-feira.ARTE RETIRANTE15h00 - Contao de Histrias -Jogos e Brincadeiras Populares coma Palhaa Alegria - Franoi Fernandes -Juazeiro do Norte-CE.Local: Biblioteca Pblica Municipal PadreAgostinho Mascarenhas - Barbalha-CE.Dia 06, quarta-feira.

    ARTES CNICAS19h00 - Sabor Chocolate -Cia. Art&Fato - Juazeiro do Norte-CE.Dia 07, quinta-feira.ARTES CNICAS17h00 - Esperando Comadre Daiana - Cia. Livre Mente - Juazeiro do Norte-CE.19h00 - Esperando Comadre Daiana - Cia. Livre Mente - Juazeiro do Norte - CE.

    Dia 08, sexta-feira.LITERATURA EM REVISTA19h30 - Disseonrio - Assislan de Paiva -Juazeiro do Norte-CE.Dia 09, sbado.ATIVIDADES INFANTIS15h00 - Teatro Infantil - ChapeuzinhoVermelho dos Tempos Modernos - Grupo Cena Educativa - Fortaleza-CE.

    17h00 - Teatro Infantil - ChapeuzinhoVermelho dos Tempos Modernos - Grupo Cena Educativa - Fortaleza-CE.Dia 10, domingo.Fechado.Dia 11, segunda-feira.CURTAS Curador: Elvis Pinheiro - Juazeirodo Norte-CE.

    Local: Teatro Adalberto Vamozi - Sesc Crato.15h00 - Rua das Tulipas; No Passo da Via; Maria Capacete; e ABC Brasil.Associaes/Comunidades Convidadas - Associao do Stio Pscoa - ASP e Escola de Ensino Fundamental Dom Quintino.

    Destaques da programao de 05 a 11 de junho de 2012.

    5

    4

    4

    5'

    Filhos e esposas de detentos soborientao

    Policiamento na Ponta da Serra insuficiente

    Hilrio critica Z Leite, mas confirma aliana

    Cooperativa de jovens artesos buscaorganizao

    MPF abre Inqurito Civil Pblico sobre creches

    Festa do Pau da Bandeira atrai milhares de pessoas

    Cariri ter parque temtico em estilo europeu

    CLINIMAGEM de Juazeiro do Norterealizando exames

    especiais

    Foto

    : Sam

    uel M

    aced

    o / A

    rte: E

    vand

    o F.

    Mat

    ias

    10

    VozesdoCaririBosco Peixoto,40 anos de boa praa no Crato

    AEROMODELISMO

    Paixo que ultrapassa geraes

    O pice da festa foi no domingo, mas ela ainda se estende por mais dez dias. O principal responsvel pela organizao do festejo o capito do pau da bandeira. A ele cabe a escolha da rvore, o dia apropriado para o corte, o hasteamento e as questes de segurana do evento. De uns anos para c, mais uma atividade foi atrelada a sua funo: resolver os entraves com os rgos de defesa ambiental.

    O ex-prefeito de Barbalha, Joo Hilrio, lder maior do PMDB da cidade, garantiu a manuteno da aliana com o PT de Z Leite. A dobradinha se repetir, mas o quadro ser mais difcil que o das eleies passadas.

    A arquitetura europeia encanta a todos que vo passear por l. Mas quem no tem possibilidade de ir ver ao vivo, pode dar uma passadinha em Santana do Cariri. Est prevista a inaugurao, em julho de 2013, de um parque temtico em estilo europeu no distrito de Araporanga. O empreendimento segue os mesmos moldes da Euroville, complexo de casas localizadas no mesmo municpio.

    11

    SANTO ANTNIO

    Noite das solteironas abre festejos

    6

    Uma das drogas mais nocivas dos ltimos tempos invadiu as ruas de Juazeiro do Norte. So jovens e adultos de diversas classes sociais dependentes dessa devastadora droga. O consumo tem aumentado tanto que j possvel encontrar na cidade pontos com razovel concentrao de usurios, o que tem caracterizado esses locais como pequenas cracolndias.

    Cracolndias se espalhamem Juazeiro

    O DRAMA DO VCIO

    5

    5 9 7

    Samuel Macedo

  • Envie sua carta para jornaldocariri@jornaldocariri.com.br e d sua opinio faa sua sugesto, uma crtica. Esse espao aberto para voc, caro leitor.

    SE TEMPO VOC NO TEMPARA SEU FILHO ESCUTARCUIDADO QUE O TRAFICANTETEMPO DE SOBRA TERQUEM NO CUIDA DO SEU FILHOA RUA QUEM VAI CUIDAR!

    Welington Costa

    O sonho da Univerdade Federal do Cariri est se tornando realidade aos poucos. Os passos dados ainda so pequenos para a dimenso necessria do empreendimento. A regio vai ganhar mais educao, mais profissionais qualificados e mais ateno do estado. No basta ser grande economicamente, precisamos do mesmo incentivo na educao.

    Rafael Souza, estudante de Juazeiro

    O MUNDO DA BOLACHARGE

    INDIGNIDADESSer que estamos perdendo, definitiva-

    mente, a nossa capacidade de se indignar e reagir, at da forma mais contundente possvel, diante do que vamos sabendo como se rouba em meio a negcios firmados por uma gesto pblica? Agora dizem as notcias que o Ministrio Pblico Federal denuncia a maracutaia que vem ainda da admi-nistrao municipal vigente em 2008, privilegiada por uma licitao, e atravessa para a seguinte, a presente, lesando os recursos parcos do Fundeb, em quase 2,9 milhes. Segundo as notcias, esto sendo denunciados apenas dois indivduos. Mas, pela identificao dos cargos, funes e responsa-bilidades de ambos, nos perguntamos de imedia-to: que autonomia havia destes dois para fechar, unilateralmente, negcio to expressivo? Tudo isto faz parte, como sabemos, de uma estrutura que comporta muito mais responsabilidades, todas assumidas constitucionalmente. Quando devero ser citados prefeitos, seus vices e outros executi-vos, secretrios, seus adjuntos e outros comissio-nados envolvidos? elementar que num contrato de transporte escolar deve ser do conhecimento pleno o percurso a ser realizado. Evidentemente que se foram os tempos em que, por uma ques-to de respeito, e sem fazer proselitismo, prefeito e secretrio, deveriam vir a pblico para nos dizer o que foi pactuado, diante do servio necessrio

    e esperado pela comunidade, sem esconder nenhuma circunstncia, ne-nhum detalhe que tornasse o contra-to escuso, suspeito e criminoso. Mas, no. Sacramenta-se a triste rotina na qual figuram gestores que assinam a conivncia com o desmando, com a roubalheira. No h dvida que os recursos so parcos, como referi. Mais ainda se tornam quando se constatam ine-quvocos procedimentos de desvios. O Ministrio da Educao tem feito o possvel para introduzir regras internas que procuram limitar as brechas com as quais boa parte dos recursos passa pelo ralo. Isto parece no ter fim. Parece que est in-crustado na nossa matriz cultural. E, evidente, no chegando para o gasto, demanda, cada vez mais, maiores somas. Agora mesmo est em discusso no Congresso os melhores aportes para a Educa-o, em frentes que postulam at 10% do PIB bra-sileiro e tambm at 50% do Fundo Social do Pr--Sal. Nada mais oportuno e coerente uma vez que riqueza deve gerar riqueza, sendo esta a melhor que poderamos conceber para as geraes futu-ras que conduziro esta nao ao bem estar que ela tanto merece. Os mais experimentados dizem que o nosso caso no de recursos, mas da gesto pblica sobre estes valores. De tal sorte que certos

    programas nem estimulam muito os gestores. Veja-se o caso do programa de creches. O ex-ministro Haddad saiu da cadeira sem inaugurar uma s das mais de seis mil preconizadas. Os prefeitos fogem da adeso ao pro-grama porque temem o custeio. Que ginstica far o governo para deslan-char com este novo Brasil Carinhoso?

    Mas, tentando levantar melhores informaes sobre mais este ocorrido em Juazeiro do Norte, la-mentavelmente tive que ouvir esta semana de um sujeito a seguinte ponderao: Se distribuirmos o prejuzo na populao de Juazeiro do Norte, cada um de ns s perdeu uns 10 reais. Isso para 600 dias, faz de conta que foi uma esmola. Cana-lha!!! Se ns abrirmos mo de manifestar a nossa indignao em horas como estas, fazendo uma conta ridcula de que a troco de mseros 10 reais no estaramos perdendo grande coisa, com que cara ns ainda teremos qualquer iniciativa para ir a uma luta intransfervel pela dignidade humana, nas esquinas da vida? Como j dizia Paulo Frei-re, voc pode at mudar de esquina, mas o que voc no pode fazer mudar de luta.

    Renato CasimiroHistoriador

    domingo. Bola rolando no gra-mado do estdio. Ver a vitria do time do corao empolga, emociona; j o resul-tado negativo entris-tece. Mas o otimismo dos torcedores tem que prevalecer sobre todos os as-pectos. Em geral, o resultado dos jogos consequncia do futebol ser uma caixinha de surpresa. Sendo que o passaporte para en-carar a liderana e invencibilidade em determinados campeonatos consiste em saber lidar com a presso e o desgaste fsico do elenco.

    Na tradio do futebol, jogos tipo semifinais e clssicos, o nervosismo toma conta dos jo-gadores, das torcidas e da equi-pe tcnica - que tem a misso de se desdobrar fazendo o possvel e impossvel para terminar em final feliz. No Brasil, a frequn-cia de pblico (torcedores) que comparecem aos estdios para prestigiar, aplaudir e vibrar pelo timo, uma varivel. O fiel torcedor at compare aos jogos, onde demonstra sua indignao diante dos resultados no alcan-ados pelo seu clube. Essa mes-ma torcida tem pulso para opi-nar, reclamar e, algumas vezes at tem sido ouvida e atendido pelos dirigentes esportivos. O es-porte transmite muita emoo, um jogo de futebol, s com jo-gadores, sem o barulho do tor-cedor no tem brilho; eles ani-mam e incentivam os jogadores.

    No universo da partida de futebol, o torcedor sujeitar--se a sofrer, a vibrar pelo time de sua simpatia, at o ltimo minu-to de jogo, na esperana de ver o gol da vitria.

    Todo time tem em sua equipe, a pea principal de destaque, que chuta forte, que em termos defensivos, um des-falque (ausncia do jogador) pode chegar a comprometer o

    rendimento do time. O jogar fu-

    tebol com outras selees, em que a seleo brasileira es-teja jogando, faz dos erros no passe com bola, por jogadores de ambas as selees

    (times), so quase semelhantes. Isso se deve a exportao de talen-tos Nacionais para compor o elen-co do futebol Europeu. Ou sej