Jornal do Cariri - 03 a 09 de janeiro de 2012

Download Jornal do Cariri - 03 a 09 de janeiro de 2012

Post on 31-Mar-2016

232 views

Category:

Documents

11 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal do Cariri - Edio - 2515 - 03 a 09 de janeiro de 2012.

TRANSCRIPT

  • FISCALIZAOCRAJUBAR

    O peridico do Cariri independente REGIO DO CARIRI l DE 03 A 09 DE JANEIRO DE 2012 l ANO XIV l NMERO 2515 R$ 1,50

    Bafmetros j so utilizados pelos Demutrans de Crato e Juazeiro7

    8 5

    4

    3

    3

    6

    6

    3

    AMPLIAO

    SAMUEL ARARIPE

    ORAMENTO

    SEGURANA PBLICA ECONOMIA

    VACINAO JUAZEIRO

    ESPORTE

    XXXX

    Aeroporto Regional para 42 mil pessoas por msCcero ValrioSe em 2011 pouca coisa foi feita para a melhoria do Aeroporto Regional do Cariri, 2012 promete ser um ano de grandes obras. A Infraero, agora responsvel pela ferramenta, calcula que 1,4 mil passageiros passem pelas salas de embarque e desembarque por dia, trazendo mais investimentos para a regio. O projeto inclui reforma e ampliao das pistas de vo, com obras paralelas, como a reforma da praa e duplicao da avenida que leva ao aeroporto.

    Times buscamreforos paratemporada2012

    Sistema eltrico de Paulo Afonso comemora 50 anos

    Para mais uma rodada, o Icasa e Guarani de Juazeiro investem em seus elencos, apostando em novas contrataes. O Verdo do Cariri j acertou com 15 jogadores para 2012. O Leo do Mercado, apesar de receber trs novos jogadores, mantm a base do time que atuou na ltima temporada.

    A arte est na essncia do nordestino. Na forma de agir, pensar e, claro, na riqueza e diversidade de manifestaes que nascem

    e ganham vida nesta terra. Por isso, nada mais justo do que este povo, h 13 anos, ter no Centro Cultural Banco do Nordeste um

    mltiplo espao para experimentar e viver a cultura da Regio e do mundo. Banco do Nordeste. A nossa cultura investir na sua.

    SAC Banco do Nordeste Ouvidoria: 0800 728 3030

    www.bnb.gov.br/cultura /ccbnb/ccbnb

    n Crescimento de 40% de passageiros s em 2011

    Investimentos em habitao e sade so metas para 2012O prefeito de Juazeiro do Norte, Manoel Santana, afirma que 2011 foi positivo, embora tenha comeado com o que ele chamou de turbulncia poltica. Para este ano, Santana promete entregar mais de duas mil moradias, diminuindo assim, o dficit habitacional de Juazeiro. Das novas casas, 1.280 sero entregues em maro, atravs do Programa Minha Casa Minha Vida.

    Deixarei a Prefeitura sem dvida algumaEntrando em seu ltimo ano do segundo mandato, o prefeito do Crato, Samuel Araripe (PSDB), afirma que deixar um legado positivo para o prximo gestor. O tucano avalia seus sete anos de gesto e promete entregar ao sucessor uma prefeitura sem dvidas e um municpio pronto para avanar.

    Tumulto em votao na Cmara do CratoO clima poltico ficou tensona Cmara Municipal doCrato, no momento em queo prefeito Samuel Araripeconvocou os vereadores parasesso extraordinria da matria que altera oprojeto do oramento domunicpio para 2012.

    Ano difcil para a Polcia Civil de Juazeiro do Norte

    Aumento no mnimo garante que renda no seja inferior inflao

    A Polcia Civil de Juazeiro do Norte teve um dos perodos mais difceis neste ano de 2011, no s na questo administrativa, mas no alto ndice de ocorrncias registradas na 20 Delegacia Regional de Polcia Civil. Mais de 80 homicdios foram oficializados na regional, afora acidentes fatais de trnsito, leses corporais e furtos.

    O salrio mnimo passa de R$ 545 para R$ 622 a partir de fevereiro,em todo o pas. Como no Cariri o custo de vida considerado maisbaixo do que em outras regiesl, esse aumento parece mais vantajosopara os assalariados. A diferena no a esperadas, mas garante que arenda familiar no fique abaixo da inflao.

    Campanha contra raiva imuniza 22 mil ces e gatosDas 35.750 doses de vacina anti-

    rbica, o Centro de Combate a Zoonose de Juazeiro do

    Norte imunizou cerca de 20 mil felinos e caninos.

    Especialistas alertam que vacinar a nica maneira de prevenir a raiva, doena milenar que afeta o sistema nervoso central e mata rapidamente animais ou at humanos.

    4

  • O ano de 2012 comea com o Brasil em um momen-to de relativa estabilidade econmica, tendo ultrapassado o Reino Unido como sexto maior produto interno bruto e a crise internacional aparentemente barrada em nossas fronteiras, a despeito da queda das expectativas de cres-cimento.

    O Cear vive as agruras de uma crise no sistema de segurana pblica, h tempos anunciada e que encon-tra na sua raiz uma estrutura obsoleta, mal organizada e engessada por regimes jurdicos que impedem mudanas de grande efeito nessa rea.

    O Cariri, no ano que se inicia, tem a grande opor-tunidade de deixar de ser uma promessa eterna e se converter em um motor autnomo do desenvolvimento regional. A experincia frustrada dos plebiscitos separa-tistas do Estado do Par demonstram que a federao no encara mais com a passividade de outrora a criao de novas unidades. A soluo separatista, que sempre vol-ta aos debates polticos caririenses, torna-se menos real. Agora, porm, tempo de reforar a identidade do Cariri

    como uma microrregio com caractersticas e potenciali-dades diferenciadas e, mesmo sem independncia pol-tica, retomar a ideia de uma autonomia administrativa e econmica.

    Nesse sentido, os grandes desafios para 2012 pas-sam pela consolidao ou pela reviso de projetos pol-ticos municipais. Quem liderar os destinos da regio pelo prximo quadrinio o grande ponto a ser resolvi-do. Quais prefeitos seguiro com suas administraes e quais deles devero ser substitudos! Eis o ponto central de 2012, o que atende a uma lgica decorrente da grande virada ideolgica ocorrida nas anteriores eleies, quan-do a onda vermelha varreu o Cariri e tragou lideranas tradicionais. A experincia recente tem demonstrado que, a despeito de fracassos de gesto, o poderio da mquina administrativa enorme e sua capacidade de influenciar os eleitores e alterar os rumos das campanhas.

    Independentemente disso, o Cariri precisa avaliar seus lderes e afastar os projetos fracassados, dando vez a quem possa realmente fazer algo de bom pela regio. E,

    por outro lado, manter aqueles programas que se revela-ram positivos e que se apresentaram, apesar de dificulda-des transitrias, como capazes de responder s demandas sociais.

    No final de 2011, o JC promoveu, sob os auspcios da Secretaria de Assuntos Estratgicos e Aes de Longo Prazo da Presidncia da Repblica -SAE, um importan-te frum de discusses sobre a regio Sul cearense, com a presena de grandes nomes do cenrio poltico local e nacional. As principais concluses desse encontro foram sintetizadas, com grande felicidade, por Sergio Braga, se-cretrio especial da SAE: o Cariri precisa apostar na in-teligncia como fator de transformao. Pensar grande e converter-se em um novo Vale do Silcio, um plo vetor do desenvolvimento em termos de pesquisa e tecnologia, com a atrao de jovens acadmicos e o uso do parque universitrio disponvel para essa finalidade.

    O incio de um ano sempre o tempo para se pro-por ao novo e mudana de velhos hbitos. Que 2012 seja o ano da vocao regional do Cariri para o futuro.

    Editorial2012: O ANO DA VOCAO REGIONAL PARA O FUTURO

    2Opinio

    REGIO DO CARIRI(CE), DE 03 A 09 DE JANEIRO DE 2012

    Envie sua carta para jornaldocariri@jornaldocariri.com.br e d sua opinio faa sua sugesto, uma crtica. Esse espao aberto para voc, caro leitor.

    SEXTILHA CARTACADA DIA UMA PGINA

    QUE NESTA VIDA ESCREVEMOS

    NOSSOS ATOS FORMARO

    O LIVRO QUE VIVEREMOS

    AS SEMENTES QUE PLANTARMOS

    UM DIA NS COLHEREMOS!

    Welington Costa

    O povo brasileiro lamenta o nvel da poltica partidria. A corrupo tomou conta dos noticirios e o povo est indignado. Jesus foi trocado por Barrabs. Pilatos lavou as mos e foi omisso diante da possibilidade de salvar o Salvador da humanidade. Ns no seremos omissos! Iremos responder aos verdadeiros culpados evitando votar em corruptos. Ou fazemos assim, ou seremos a herana impura para as futuras geraes. Quem vota em corrupto est sendo corrupto. Est elegendo um representante altura de quem votou nele. No faremos como Pilatos! Seremos justos e buscaremos a verdade mesmo que o preo seja alto. O Brasil necessita de mudanas! A mentalidade de tomar vantagem em tudo no pode prevalecer. Com a conscincia tranquila de um bom voto, vamos fiscalizar as contas pblicas e saber direitinho para onde vai o dinheiro dos nossos impostos. O preo da liberdade a eterna vigilncia!

    Paulo Roberto Giro Lessa, Fortaleza

    Tim Maia, agora vale tudo. Depois que tu foste embora, tudo mudou. Vale o que quiseres nas novelas da Globo. Agora que vale danar homem com homem e mu-lher com mulher. Vale a Madonna beijando a Brithey Spears. A Globeleza agora s beleza, mulheres esculturais e maravilhosas, transando nas telas da televiso e do cine-ma.

    o doce de coco da Juliana Paes, a ovelhinha da Priscila Fantin, o suco de sapoti da Camila Pitanga. a amndoa da Malu Mader, a Vera Fischer novamente internada. Agora, vale tudo, Tim. Vale o que quiseres, tem muita gente querendo trocar de lugar, ou melhor, de posio.

    Manja a Simone? A cantora? Pois , dizem que ela agora mudou muito, isso bom e gado novo no mercado. As transas

    nas novelas esto mais calientes e quando as novelas acabam, as gostosas mudam de parceiros. Olha Tim, surgiu muitas minas novas depois que tu foste embo-ra. O Rio de Janeiro, como dizia o Gil, continua lindo, est dife-rente daquele dos anos sessenta.

    Mas a praia de Copa-cabana continua sendo a mais democrtica. A mais bela. Hoje, o carioca s olha para o mar. Ele no olha pr trs pra no ver a misria dos morros no posto quatro, a praia dos mauricinhos no posto seis. A que vale tudo! a praia do fumac. Na praia do pepino, continua a so-frida 2 tribo do morro da rocinha.

    Agora Tim, na poltica, o pas liberou geral e a sacanagem total. Os polticos se

    locupletam, a agiotagem est oficializada. E na msica brasi-leira, nada aconteceu, chupa que de uva. E voc, que agora est to distante, no sabe como avaliamos a msica que tanto defendeu. uma tristeza univer-sal. S ouvimos forr, e no aquele que o Gonzago projetou e o brasileiro gostava e danava na sala de Reboco. E ai, Tim,

    a corrupo anda de vento em popa. Saem cinco, aparecem seis. Saem seis, vem sete, e para no ir muito longe, assim por diante.

    Almrio CarvalhoRadialista e Secretario Cmara do Crato

    LEMBRANDO TIM MAIA

    REFGIOREGIO DO CARIRI E SEUS GARGALOS DE CRESCIMENTOEu estive presente ao 1 Ciclo de de-

    bates do Jornal do Cariri e como caririense que sou no pude deixar de me inquietar com as provocaes dos debatedores. Con-fesso que fiquei frustrado com a falta de um debate mais denso. Fui como curioso, voltei com a inquietao socrtica de quem no viu nada de novo sendo apresentado, ex-ceo da prpria iniciativa do Jornal do Ca-riri. Pergunto-me, ento, como posso con-tribuir para que este debate no se restrinja a duas ou trs palavrinhas genricas que os polticos costumam oferecer, como se todos fizssemos parte do grupo de seus seguido-res que nunca revelam que esto vendo o rei desnudo?

    Comeo, pois a oferecer uma peque-na contribuio para este mar de elementos a serem analisados por gente de todos os campos, ideologias e matizes. O objetivo deste artigo apresentar um dos gargalos que nada tem que ver com os aspectos ge-ogrficos, e nem sei bem ao certo se tenho qualificao para embrenhar-me nele, mas vou mesmo ser teimoso e tentar...

    Nossa Regio ainda guarda o rano dos tempos do cangao, dos coronis, dos que se sentiam como um misto de legisla-dores, juzes, padres e verdugos. Temos um grupo considervel de pessoas que enalte-cem as aventuras dos que viviam fora da lei, que tentam resgatar o modo de agir dos antigos coronis que nada tinham de vida militar e seus capatazes. Este problema cresce ainda mais pelo fato de sermos uma

    regio que faz fronteira com trs estados o que facilita os crimes de pistolagem, o contrabando de armas e o consrcio de tra-ficantes.

    Somado a este problema, h o fato de que muitos dos nos-sos polticos e policiais, mdicos e advogados, acadmicos e empre-srios, lideranas e demais profis-sionais pensam que so autorida-des inquestionveis. Os intocveis esto se multiplicando em nossa Regio e, como ela no muito grande, daqui a pouco estar instituda a nova alcateia, onde ningum aceitar que outroseja o que vai estar acima do bem e do mal. Seno para que tenhamos uma Regio digna do sculo XXI, ao menos para que no nos sejamos os lobos de nos-sos anseios, desejos e sonhos: um novo pac-to dos coronis se faz necessrio j: carece-mos, para isso, de um novo Padre Ccero que tenha ascendncia moral sobre todos os que aqui habitam o que ser impossvel se todos se acharem bons demais para serem chamados ateno.

    muito estranho, por exemplo, a quantidade de assassinatos sem explica-o, sem pistas e sem suspeitos que passem a acusados e, por consequncia a julgados e condenados. Portanto, um dos gargalos do nosso crescimento eticamente aceitvel para uma sociedade civilizada o problema visceral de um grupo de pessoas que se sen-tem semideuses que fabricam suas proprias

    leis: a ocorre o choque inevit-vel.Estamos beira da sociedade de lobos pr-contratualista. Os neo-coronis (ou boa parte da nova elite caririense): que esto ocupando esta posio por serem de um grupo que se sobrepuse-ra por mrito osacadmicos, profissionais da rea de sade, advogados, policiais, ricos acre-

    ditam que tambm esto acima de qualquer questionamento. O conflito certo e quem perde com toda esta avalan-che de comportamentos dos que no acei-tam No! como resposta a suas vontades (leia-se vaidades) a nossa Regio.

    Precisamos, urgentemente, recupe-rar os argumentos de julgamento tico para que no tenhamos aqui a reestruturao da barbrie visto que j esto institudos os novos semideuses da impunidade, da ar-rogncia, da violncia, da prepotncia, do abuso de autoridade, do descaso, do casu-smo e da vaidade que se digladiam tendo como meta mostrar que os fora-da-lei de-vem ditar as regras do viver e do morrer.

    Filsofos Caririenses, uni-vos! Deixe-mos de lado as vaidades pessoais, recupere-mos nosso papel de moscas que incomodam esta enorme vaca que rumina preguiosa espera da prxima rao de insanidade e barbrie!

    Tiago Gomes LandimFilsofo

    M i g r a r para bem longe, lugar aonde nunca chegaro car-caas de som indisciplinados em traseira de t r a n s p o r t e s usados ao toque de es-banjar agressividade. L longe, nas quebradas de serras em que se ouam to apenas pssaros insis-tentes na copa de rvores altas, trinados maravilho-sos, ecos infinitos da bon-dade absoluta.

    E esse lugar exis-te dentro da gente... O repouso das tragdias cotidianas, a paz alm de tudo sobranceira, he-rica, tica, vitoriosa. No interior da alma, pouso reservado s dobras da natureza bem pura, no ntimo mais ntimo dos viventes. Nesse recanto busco andar quando que-ro escrever, na viagem constante das palavras costuradas, entes libertos dos sentimentos ao dis-por da imaginao, que concebem independncia ao nvel das mos do es-prito criador.

    Ouvi Ziraldo falar, na televiso, que as ideias circulam constantes pelo ar, restando aos artistas colh-las. Elas voam aqui perto, quais frutos de r-vores ao dispor das pes-soas acesas, dedicadas a produzir novidades.

    Nas aes de for-mular os resultados des-sas atitudes criativas, a viso apresenta faces inesperadas, inditas, ao gosto dos andarilhos da inventividade, atravs dos meios ao dispor de quem

    produz bens sim-bl...