jornal canudos edição 347

Download Jornal Canudos Edição 347

Post on 19-Feb-2016

235 views

Category:

Documents

16 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • Campeonato de futebol de vrzea vai voltar

    Atltico Xis completa 25 anos

    Campanha

    da vacinao

    contra a gripe

    chega ao fim

    Uma homenagem a elas,razo do nosso existir

    Pg. 3

    Pg. 14

    Pg. 8

    Pg. 2

    Novo Hamburgo | Ano VIII | Edio 347 | 9 a 15 de maio de 2014 www.jornalcanudos.com.br

    Diadas Mes

    Na quinta-feira, dia 8, as trs novas estaes do trem, Industrial, Fenac e Novo Hamburgo, passaram a cobrar tarifa, no valorde R$ 1,70. A operao comercial seiniciou aps cinco meses de passe livre.

    Acaba o passe livre nasnovas estaes do trem

    Pg. 9

    Vem a a revista Nova Fonte

  • CANUDOSJORNAL2 Novo Hamburgo, 9 a 15 de maio de 2014

    Grupo Editorial Nova Fonte Ltda. CNPJ: 09.514.835/0001-34

    Rua Gal. Daltro Filho, 1089 - Novo Hamburgo / RS

    comercial@jornalcanudos.com.br reportagem@jornalcanudos.com.br

    Colaboradores: Dr. Adalberto Snel Dra. Maysa Garcia Sindilojas Francisco Batistti Luiz Denardin Zezinho GuimaresDr. Raul Cassel

    Os artigos assinados so de inteira responsabilidade dos autores, no sendo necessariamente a opinio do jornal

    Diretor: Joo Valderi dos Santos Comercial: Rejane T. M. da Rosa Reportagens: Kau Mallmann e Carlos A. Bastos Diagramao: G.I. Studio Arte e DesingSecretria/Telefonista: Joice Mendes Circulao: Everton Mendes

    Fones: (51) 3036.5010 / 3582.3479

    Dr. Adalberto Alexandre Snel

    OAB/RS1.665advocacia@kt.adv.brFone: 51-3593-1766

    Rua David Canabarro, 94 - centro/NH

    FIQUE POR DENTRO

    Impresso Grupo Editorial Sinos - Tiragem 5 mil exemplares semanaisFundado em 17 de maro de 2007

    Unies Informais Num passado no muito distante as unies informais no Brasil eram relacionadas pobreza e dificuldade de acesso a cartrios, fatores que dificultavam a formalizao dos casamentos. Contudo, recentemente, o fenmeno passou a ocorrer nos grandes centros urbanos e nas classes sociais mais elevadas. O casamento tradicional, ligado ao estilo de vida das camadas mais escolarizadas, est mu-dando e isso decorre do fato de a vida hoje ser mais orientada por valores profanos, civis, do que por valores religiosos. Tambm o pragma-tismo fator que contribui para a opo por uni-es informais. Muitas pessoas que vivem uma segunda unio conjugal optam por esse tipo de relacionamento. Tambm jovens recorrem a unies consensuais em carter experimental, podendo ser formalizadas aps alguns anos. Por fatores culturais e econmicos, alm da tradio, na regio Norte, mais da metade (53%) das unies so consensuais. No Sudeste, a taxa de 31%. O cdigo civil introduziu muitssimas alteraes em relao aos bens, nome, etc. o que j refletiu no casamento. Sem dvida os casamentos civis e religiosos cederam espao no pas para as chamadas unies consensuais, em que o casal no formaliza a relao. Segundo dados do Censo divulgados pelo IBGE, esse tipo de unio j representava mais de um tero (36,4%) do total em 2010. Em 2000, equivalia a 28,6%.No mesmo perodo, a parcela de casais unidos tanto no civil como no religioso caiu de 49,4% para 42,9%. Houve queda ainda entre aqueles casados em apenas um desses modelos. Registra-se ainda que a proporo de divor-ciados e desquitados foi de 5,3% para 8,1% da populao.A queda no casamento civil e religioso um fenmeno que se faz sentir h mais de uma dcada, em razo de comportamento, questes culturais, secularidade, etc. Em compensao, vm aumentando as unies consensuais e os recasamentos de desquitados e divorciados.

    Termina na quarta-feira, dia 9, a campanha de vacinao contra a gripe em todo o pas. Em Novo Hamburgo, at a quarta-feira, 21.101 pessoas j haviam se imunizado. O nmero equivalente a 42,23% da meta da cidade, que de 49.963 pessoas pertencentes aos grupos prioritrios (idosos, crianas de 6 meses a 4 anos, pacientes crnicos, trabalha-dores da sade, gestantes e mes que deram a luz em menos de 45 dias). Conforme o prefeito Luis Lauermann, essencial que a comunidade continue procurando as unidades de sade. Queremos imunizar o mximo de pessoas, aponta.

    Campanhada vacinaochega ao fim

    A Sociedade Novos Ta-lentos promove no sbado, dia 10, em sua sede, na Rua Joo Luciano da Rosa, 727 Canudos, um jantar com baile em homenagem ao Dia das Mes. O evento acontece a partir das 22h. Os convites custam R$ 15 o masculino e R$ 10 o feminino. Haver doces, salgados e torta gigan-te, e a animao da festa fica por conta do grupo Talentos Show.

    Jantar e baile em Canudos

    O Grupo Adote Um Amigo-RS (AUA-RS) realiza no s-bado, dia 10, o bazar e brech em prol dos animais especial de Dia das Mes. Com artigos a partir de R$ 1,00, e verba revertida para aes voltadas proteo dos animais, o evento acontece na Rua Primeiro de Maro, 555 Centro, esquina com a Rua Tupi, das 9h30 s 15h30.

    Sbado tem brech pelos animais

  • CANUDOSJORNAL 3Novo Hamburgo, 9 a 15 de maio de 2014

    Os vereadores rejei-taram, na segunda-feira, dia 5, a Moo 10/2014, que manifesta protesto ao Governo do Estado pela convocao do efetivo da Brigada Militar de Novo Hamburgo para atuar na segurana da Copa do Mundo, durante a reali-zao de jogos em Porto Alegre. No texto, os autores Professor Issur Koch (PP), Raul Cassel (PMDB), Ins-petor Luz (PMDB) e Ser-gio Hanich (PMDB) apon-tam que os veculos de comunicao noticiaram o deslocamento de 2 mil policiais do interior para Porto Alegre para a co-bertura dos jogos da Copa do Mundo. E destacam a constante insegurana que assola Novo Hamburgo, que figura no ranking das cidades com mais alto n-

    Maioria dos vereadores favorvel retirada de policiais de Novo Hamburgo durante a Copa

    dice de criminalidade.

    Justificativas Raul Cassel foi tribuna pedir a aprovao da moo. Segundo ele, a Copa do Mun-do um evento privado. Luz destacou que a iniciativa foi feita para chamar a ateno das autoridades para a neces-sidade de um policiamento ostensivo. Issur frisou que a moo foi feita a partir de um pedido da comunida-de hamburguense. Antonio Lucas (PDT) disse entender que a Copa requer essas alte-raes. Temos que ajudar a deixar uma imagem positiva do Brasil. Luiz Fernando Farias (PT) disse que foi ao comando da Brigada para ter mais informaes sobre as medidas que sero tomadas para cobrir essa lacuna. O vereador explicou que, nesse perodo, sero suspensas as frias. Gilberto Koch Beti-

    nho (PT) disse que preciso trabalhar para que a Copa do Mundo no Brasil no fiquei marcada negativamente. No votaram Entre os que no votaram, o vereador Sergio Hanich (PMDB) e Enfermeiro Vilmar (PR) justificaram a ausncia por estarem em viagem pela Cmara. O vereador Ger-son Peteffi (PSDB), disse que tinha um compromisso inadivel e teve que deixar a sesso mais cedo, mas lem-brou que totalmente fa-vor da moo, e que se disse surpreendido que alguns vereadores tenham votado contra uma moo to im-portante para a comunidade. O presidente da Cmara, Naasom Luciano (PT), que no vota em moes por ser presidente, disse que o assunto importante, mas que tinha medo de que o tema seja usado de forma

    poltica em um ano eleitoral. A vereadora Patrcia Beck (PTB), assim como Peteffi, deixou a sesso mais cedo, mas no justificou a sada e nem deu sua opinio sobre o tema.

    favor da moo Jorge Tatsch (PPS)Issur Koch (PP)Raul Cassel (PMDB)Jorge Luz (PMDB)

    Contra a mooAntonio Lucas (PDT)Cristiano Coller (PDT)Gilberto Koch (PT)Luiz Fernando Farias (PT)Roger Corra (PCdoB)

    No votaram Sergio Hanich (Serjo) (PMDB) Gerson Peteffi (PSDB)Patrcia Beck (PTB)Vilmar Heming (PR)Naasom Luciano (PT)

    O comandante regional da Brigada Militar, Tenente Coronel Carlos Armindo Thom Marques, participou da sesso da Cmara de quarta-feira, 7. Ele falou sobre o deslocamento de policiais de Novo Hamburgo para Porto Alegre durante a Copa. Segundo o comandante, para cobrir a ausncia ser feita a operao Fecha Quartel, que colocar toda a parte administrativa na rua. Alm disso, haver horas-extras para os soldados que permanecerem e no haver frias a partir do dia 15 de maio.

    Comandante falouna Cmara

    No Brasil, o Dia da Mes comemorado desde 1918, sob forte influncia dos Estados Unidos, que qua-tro anos antes, comeou a comemorar a data em homenagens s mulheres que perderam os filhos na guerra civil. Porm, foi em 1932 que o presidente Getlio Vargas oficializou a comemorao. J por volta de 1949, a data comeou a ganhar ape-lo comercial, com aumento das propagandas, com o in-tuito de aumentar as vendas de presentes. A partir da, a data foi perdendo o carter de homenagem, e se trans-formou no segundo melhor

    Dia das Mes e de bons negciosmomento do comrcio no ano, perdendo apenas para o Natal. Por esse motivo tambm o Dia das Mes no tem data fixa, e acontece no segundo domingo do ms de maio, prximo aos pa-gamentos dos trabalhadores. Expectat iva de 6,55% no incremento de vendas Os lojistas de Novo Ham-burgo e Campo Bom, Sapi-ranga, Araric e Nova Hartz esto animados, o que diz o Sindilojas-NH, que repre-senta as cidades. A entidade realizou mais uma edio da sua pesquisa de expec-tativa de vendas em datas

    especiais. No resultado, 82% dos entrevistados estavam otimistas com as vendas. Ainda segundo o Sindilojas, o aumento deve chegar aos 6,65%. O levantamento traz um dado importante: o grau de otimismo inferior ao apresentando na mesma data do ano passado, quando atingiu 84%. Isto reflexo da dificuldade de vendas que muitos esto enfrentando, comenta o presidente do Sindilojas, Remi Scheffler. Dos entrevistados pelo Sindilojas-NH, 16% res-ponderam que no esto otimistas e 2% se disseram mais ou menos otimistas. Sessenta e oito por cento

    tm grau bom ou timo de otimismo, com notas entre 8 e 10; 22% tm grau regular, com notas entre 5 e 7; e 10% no esto otimistas, com notas entre 0 e 4. O incremento mdio previsto de 6,55%, mas tem lojista que aposta todas as suas fichas e acredita em incremento de 40%. H, tambm, pre