Jornal Acesso Real 19 Edio

Download Jornal Acesso Real 19 Edio

Post on 11-Mar-2016

224 views

Category:

Documents

6 download

DESCRIPTION

Piracuruca e o mundo em destaque.

TRANSCRIPT

  • Piracuruca - Piau - Ano II - N 19 01 a 30 de janeiro de 2009 - R$ 2,00

    Rdio Comrcio

    (86) 3343-2676

    AM Sete Cidades

    (86) 3343-1107

    Sucesso FM

    (86) 3343-1912

    O 22 de

    Janeiro

    movimenta

    Piracuruca

    Jornal Acesso Real

    P u b l i c a o M e n s a l

    Tiragem: 500 exemplares

    Fechamento desta edio:

    Calidoscpio

    Cultural

    . S

    Na coluna de Augusto

    Brito, o resgate do

    B u m b a - m e u - b o i e m

    Piracuruca eus dias de

    glria e seu quase que

    t o t a l

    d e s a p a r e c i m e n t o .

    Pag.: 04

    Sob os Flash de

    NevinhaAniversarios, festas e

    tudo que movimentou

    piracuruca em janeiro.

    Pag.: 05

    CEAA: Ao pelo meio

    ambiente.

    Pag.: 07

    MunicpioN o t c i r i o d a

    Cmara Municipal. Uma

    mensagem do presidente

    da casa, Valter Cesar..

    Pag.: 02

    Esporte:T o r n e i o d o

    Chafariz, na sua reta

    decisiva.

    A deciso vai ser

    entre Chafariz x Nova

    Esperana

    Pag.: 10

    Teatro ao ar livre remonta a histria da luta

    pela independncia do Brasil.

    O Governador Wellington Dias em entrevista

    exclusiva ao jornal Acesso Real, falou da

    importncia deste ato para Piracuruca.

    O 22 de janeiro foi reconhecido como o

    Marco de Participao da cidade de Piracuruca

    no conflito histrico da Independncia do Brasil

    pelo atual governo estadual.

    O evento teve um bom publico que

    pde assistir a uma pea teatral - A Batalha do

    Jenipapo. Onde se encenou-se o que

    possivelmente aconteceu em uma das ou talvez a

    nica batalha sangrenta ocorrida no Brasil pela

    sua Independncia de Portugal.

    Leia mais! Pag. 09

    Na volta as aulas vem pra Real Centro de Piracuruca, fone: 3343-2676

    A c o m p a n h e u m a

    entrevista com Eduardo

    Lima, scretrio de Sade

    de Piracuruca.

    Pg.: 08

  • 02

    Editorial

    Municpio

    Nonatinho Arajo

    Piracuruca - Piau - Ano II - N 19 01 a 31 de janeiro 2008

    Mensagem de posse do

    Vereador Valter Cezar de Brito

    (Beb) Presidente da Cmara

    Municipal de Piracuruca.

    uero inicialmente na condio de Presidente

    eleito desta Casa, democraticamente eleito Qpelo processo estabelecido segundo o

    regimento interno deste parlamento, agradecer a

    meus colegas parlamentares que concederam a mim

    esse voto de confiana.

    Quero tambm mostrar gratido a todos os

    partidos e destacar que procurarei ser um presidente

    que exercer de forma incansvel respaldando a

    todos os trabalhos desta bancada. Quero dizer

    tambm que serei respeitoso com as principais

    normas que regem a conduo dos trabalhos neste

    Legislativo; respeitando a todos porque tenho a

    convico e a certeza absoluta de que tambm serei

    respeitado como todos os outros presidentes o foram.

    Como muitos, posso dizer que chego a essa

    condio de presidente, em primeiro lugar, para

    mostrar que esta Casa sempre teve condies

    suficientes e maturidade de seguir o processo

    democrtico e de cumprir acordos.

    Est de parabns esta cmara e tenho certeza

    que a imprensa sentiu este reflexo e mostrou para a

    sociedade piracuruquense que ns que fomos eleitos

    democraticamente pelo povo, e que este sabe eleger

    democraticamente aqueles que formam o

    Legislativo .

    Gostaria de registrar que iniciaremos os

    trabalhos de sesses legislativas no dia 15 de

    fevereiro, quando o processo de recesso encerrar.

    Por fim, mais no menos importante (Para

    mim, de vital importncia!), quero agradecer a

    minha famlia que tem dedicado apoio

    incondicional a minha pessoa durante meu

    mandato. Se no fosse pelo apoio dos que me

    amam, eu talvez no estivesse nem dentro desta

    casa.

    Ento quero registrar que s estou aqui

    presidente hoje por que a minha famlia me guindou

    desde a eleio de 2000 para o cargo de vereador e

    tambm aos meus cabos eleitorais, assessores e

    amigos que esto permanentemente junto de mim,

    apoiando e estimulando meu trabalho at hoje,

    2009.

    Quero dizer que Piracuruca maior do

    qualquer famlia, do que qualquer partido ou

    poltico que aqui est nesta terra. Ns iremos

    conduzir o trabalho deste legislativo tal como

    prescreve e nos direciona a Carta Magna desta

    cidade.

    Muito Obrigado.

    Foto: Rodrigo

    NAS FOTOS: POPULARES E

    A U T O R I D A D E S L O C A I S N A

    SOLENIDADE DE POSSE DOS

    VEREADORES.

    Fotos: Rodrigo Almeida

    2009 chegou e com ele novas

    possibilidades, novos desafios e aquela

    vontade de fazer tudo certo; pois mais uma

    chance de consolidar o conquistado e abrir

    caminhos para vos mais longnquos

    Assim importante analisarmos de

    maneira coerente nossas novas diretrizes para

    no se cometer talvez os mesmos erros

    anteriores e, consequentemente, frustrar

    sonhos e projetos a serem implementados.

    muito comum a cada comeo de ano,

    decidir-mos: Ah! Nesse ano vou me preparar,

    vou estudar, vou economizar, vou fazer aquele

    to sonhado regime; vou retomar sonhos

    abandonados. Mas depois a rotina e os antigos

    vcios levam-nos a deixar tudo para trs. E nos

    perguntamos, por vezes, onde ficaram nossos

    sonhos?

    Programar, organizar deve ser o

    primeiro passo. O segundo, pr em prtica;

    agora ai sim, depois de tudo est encaminhado;

    vem o ingrediente mais importante - a

    perseverana. Pois s os perseverantes

    colhero os frutos do trabalho e dos sonhos

    plantados.

    Desta forma, ns, do Jornal Acesso

    Real, queremos incentiv-lo a acreditar; a

    sonhar e querer o melhor para si e para sua

    famlia.

    E que voc continue bem informado

    com o nosso perseverante jornal Acesso Real.

    Demora no incio de Estrada deixa populao

    apreensiva

    povo de Pi-

    racuruca no v

    a hora de ter um Ode seus maiores sonhos

    realizados: A estrada

    P i r a c u r u c a a A l t o

    Alegre. Mas, a obra

    ainda nem comeou. E

    com isso j se vo vrios

    meses de atraso, desde a

    a u t o r i z a o d o

    governador Wellington

    Dias para a construo

    da obra.

    Segundo um

    dos moradores das

    p r o x i m i d a d e s d a

    estrada: ... apenas uma

    mquina foi vista no

    local e assim mesmo

    pouco fez. Logo em

    seguida j foi embora.

    Quem transita pelo local reclama

    da m qualidade da estrada que torna

    difcil a vida. J que, chegar a suas casas,

    demorado e uma aventura que muitas

    vezes acaba em acidentes.

    A obra tem como executora a

    Construtora Sucesso S/A, do Grupo

    Claudino e est orada em quase 09

    milhes de reais, conseguidos por emenda

    parlamentar do Deputado Federal Osmar

    Junior do PC do B.

    Bem, enquanto h vida, h

    esperana!

    Por GK

    Motoqueiros que transitam pela estrada

    INFORMATIVO CMARA

    MUNICIPAL DE PIRACURUCA

  • Piracuruca - Piau - Ano II - N 19 01 a 31 de janeiro de 2009

    0301 a 31 de setembro de 2008

    CASA DO

    CARPINTEIRO

    O SHOP DA

    CONSTRUO

    FOLHA ESPECIAL CASA DO CARPINTEIROAbaixo uma linda mensagem, fotos de Amigos,Funcionrios e Colaboradores da Famlia Casa do Carpinteiro.

    A o L a d o o

    e m p r e s r i o

    Edson Vitoriano.

    A o L a d o o

    e m p r e s r i o

    Edson Vitoriano.

    ueremos que saibam que a ajuda de vocs foi de grande valia neste ano de 2008. Vocs foram

    atenciosos, carismticos e amigos; Pessoas assim, que esto sempre prontas a fortalecer a Qunio fraterna, so merecedoras de nosso maior apreo.

    Ns procuramos olhar dentro dos coraes das pessoas, porque sabemos que de l que extramos o

    que temos de melhor, e vocs so pessoas humanas de coraes bons.

    Nosso obrigado pela ateno e carinho dedicado a cada fregus e a ns. Vocs esto de parabns e

    por isso que tudo que fazemos pensando em ajudar o prximo, que pela prpria lei da natureza nos

    devolvida em dobro.

    S entendemos direito o milagre da vida quando deixamos que o inesperado acontea.

    Que o Universo cubra a cada um (a) de vocs de bnos e sejam todos muito felizes.

    A todos vocs funcionrios e amigos que nos ajudam no dia-a-dia com trabalho, respeito, amizade e

    dedicao, o nosso muito obrigado e que neste ano a nossa convivncia e a participao de vocs continuem

    progredindo a cada dia mais.

    Com carinho, de todos da Casa do Carpinteiro e da Grfica Globo. Nas fotos: flagras na festa

    de confraternizao da

    Casa do Carpinteiro onde

    compareceram familiares,

    funcionrios e amigos.

  • 04Piracuruca - Piau - Ano II - N 19 01 a 31 de janeiro de 2009

    Calidoscpio CulturalAaugustobrito.humanas@ig.com.br

    Augusto Brito

    Espao Grfica Ideal

    O meu boi morreu, o que ser de mim?...Manda buscar outro, Iraci, l no Piau! A estrofe

    transcrita acima est presente em diversas

    composies relativas ao folguedo Bumba-meu-boi, Brasil afora, denotando a forte tradio que tem o ciclo do

    gado como representao da origem da sociedade

    piauiense, nascida da ocupao do solo para instalao

    dos primeiros currais, a partir de finais do sculo XVII e

    incio do sculo XVIII.

    A conquista do territrio compreendido entre os

    macios da Ibiapaba, Dois Irmos e Tabatinga, a leste, e o

    rio Parnaba, a oeste, futuros domnios da Capitania do

    Piau, se d segundo os interesses do consrcio formado

    pela Coroa portuguesa e instituies Catlicas, levados a

    termo por sesmeiros, posseiros, membros de ordens

    religiosas e extensas manadas de gado vacum. A relao

    de confronto entre o colonizador branco e as naes

    silvcolas locais, porm, ocorre de forma extremamente

    violenta, culminando com a dizimao total desses

    ltimos, em solo piauiense. Ao processo de amalgama

    racial e cultural conflituoso, adiciona-se, depois, o

    elemento negro, vindo da frica, na condio de mo-de-

    obra escrava. A mistura tnica, que se precipita por cerca

    de trezentos anos, resulta no surgimento do caboclo, o

    verdadeiro nordestino, aquele que, como ningum, sabe

    conviver com o boi e, com ele, rompe as fronteiras dos

    sertes inspitos, construindo as bases econmicas e

    histricas do Piau de hoje.

    Segundo especialistas no assunto, o bumba-meu-boi

    tem, como precursores, as tradies espanholas e

    portuguesas de encenar peas religiosas, de inspirao

    erudita mas destinadas ao povo, para comemorar festas

    catlicas nascidas na luta da Igreja contra o paganismo. As

    Tourinhas Minhotas e os Touros de Canastra so

    considerados algumas das reminiscncias europias do

    bumba-meu-boi brasileiro, assim como, tambm, o

    Monlogo do Vaqueiro (1502), de autoria do Mestre

    Gil. A esse respeito, Mrio de Andrade, em sua Pequena

    Histria da Msica, assim escreve: Tambm de

    Portugal nos veio origem primitiva da dana-dramtica

    mais nacional, o bumba-meu-boi. E complementa: As

    fadigas do pastoreio se transformam em arte, celebrando

    ritualmente a morte e a ressurreio do boi.

    Remontando as caractersticas dos autos medievais,

    que lhe d carter de veculo de comunicao, o folguedo

    do boi retomado no Brasil colonial, por iniciativa dos

    padres Jesutas, em sua obra de evangelizao, conforme

    apontam vrias linhas de pesquisas. A lenda fundante se

    espalha por todo o Brasil atravs dos tempos, contada e

    recontada especialmente a partir da tradio nordestina,

    adquirindo contornos de stira, comdia, tragdia e

    drama. A tradio, nesse processo, sofre diversas

    modificaes de nomes, ritmos, formas de apresentao,

    adereos e personagens, nas diferentes regies onde

    encenado. Apesar das diferenciaes, a estria no se

    afasta de seu tema central, que a relao entre o homem e

    o boi, evidenciando, por um lado, a fragilidade do homem

    e a fora bruta do boi, e, por outro, a inteligncia do

    homem e a estupidez do animal. Reflete, tambm, as

    relaes desiguais entre o proprietrio de terras e do gado

    e seus serviais ou a discrepncia scio-econmica

    verificada entre a casa da fazenda e a choupana de taipa e

    palha.

    O Bumba-meu-boi do Piau segue a tradio

    original nordestina, onde se reveste de especial

    popularidade e significao mstica, em face da ntima

    relao do boi com a sobrevivncia local. Em Teresina, a

    Fundao Cultural do Piau (FUNDAC) vem

    promovendo, anualmente, durante o ms de julho, o

    Encontro Nacional de Folguedos, oportunidade em

    que os grupos organizados da capital recebem maior

    visibilidade, exemplo dos bois Riso da Mocidade,

    Imperador da Ilha, Terror do Nordeste e Estrela

    D'alva, dentre outros.

    Na Piracuruca, conforme informaes obtidas

    aqui e ali, o Bumba-meu-boi vive dias de glria entre o

    final dos anos 30 e incio dos anos 70, perodo em que

    alguns grupos populares se manifestam, com

    ocorrncias nos meses de janeiro e de junho. O chamado

    Boi de Janeiro, Boi Careta ou Boi de Santos Reis,

    integra os originais autos natalinos ibricos,

    apresentados entre o dia de natal e a festa de reis.

    Desenvolve-se atravs de cantigas e danas de enredo

    simples, reproduzindo dilogos entre o patro e o

    magarefe ou vaqueiro. Ficam famosos, na histria dos

    Bois de janeiro piracuruquenses, o Canrio, depois o

    Bandeira Verde, ambos encenados pelo grupo do

    Raimundo Piscanheta.

    Arreda, arreda!

    Deixa o pai da barra entrar,

    Sou espinho de xique-xique,

    Roseta de ju,

    Nunca meti minha cabea,

    Pr ver o corpo apanhar.

    Matei boi no Pacuj,

    Matei boi na Caraba,

    E os vaqueiros dos campestres,

    Pr isso tinham o Situba,

    Por cima do teu cupinho,

    O meu machado colinho,

    L vai quem te derruba.

    Caiu dois mas s morreu um,

    Eu sou cabra danado,

    Do Estado do Cear,

    Nunca matei um garrote,

    Que no fosse pr sangrar,

    Quero saber se voc

    Tem pedra de amolar.

    O Boi de junho, como o prprio nome sugere,

    compe o ciclo das festas juninas, originrias da tradio

    latina do solstcio e de fim da colheita. Ocorre durante as

    festividades alusivas a Santo Antnio, So Pedro e So

    Joo. O auto uma espcie de pera popular, histria

    que se desenrola em torno do Senhor Meu Amo, seu boi

    de estimao, o empregado Pai Francisco, sua mulher

    Catirina, e, ainda, dezenas de outras personagens.

    Dentre os Bois de junho piracuruquenses, destacam-se:

    Dois de Ouro (1939), Dois de Espada (1940) e

    Dois de Paus (1941), todos organizados pelo Benedito

    Batalha. Tambm deixa seu registro o boi T-na-

    moda, do grupo do Gaioso. Diversas formaes e

    denominaes se seguem, levando beleza e alegria s

    praas e terreiros, tais como os bois Estrela,

    Corao, Cupido e Fita Verde, dentre outros.

    Te alevanta Boi Estrela,

    h, tan g l - ,

    Te alevanta pr vadi,

    h, tan g l - ,

    Brinca e folga genite,

    h, tan g l - .

    Apesar de os costumes das fazendas de criar

    exercerem forte influncia na formao cultural e

    econmica da regio, o Bumba-meu-boi parece ter

    perdido, na Piracuruca, j h vrios anos, sua importncia

    no sistema de idias e imagens de representao coletiva.

    Mesmo considerando-se as rupturas culturais provocadas

    pelo desenvolvimento das diversas mdias, o processo de

    morte do boi piracuruquense reflexo, em parte, pelo

    menos, do desinteresse da sociedade organizada e seus

    representantes, em face da ausncia de polticas de

    incentivo na rea cultural. Faa-se justia, contudo, a

    algumas iniciativas isoladas, excees regra perversa,

    como o trabalho desenvolvido entre os anos de 1989 e

    1992, perodo da administrao municipal de Adelino

    Fortes de Morais Melo. Outras manifestaes de

    representao desse importante elemento cultural

    restringem-se, basicamente, ao mbito das escolas,

    ltimos ncleos de resistncia ao total desaparecimento

    do Bumba-meu-boi, na plaga abenoada pela Virgem do

    Monte do Carmo.

    Buscando uma adaptao estrofe inicial, a

    realidade catica de nossa cultura atesta que o nosso Boi

    de janeiro morreu e que o Boi de junho, por sua vez,

    agoniza em seus ltimos momentos. Mas, onde mandar

    buscar outro boi? No vizinho Maranho?... Quem sabe,

    na amaznica Parintins? No! No parece conveniente

    entender que a ressurreio ou a cura dos males que

    acometem os nossos bois, e, de resto, diversos outros

    elementos representativos do imaginrio popular local,

    necessitem do auxlio de estruturas j transformadas em

    cultura de massa. A tarefa de reanimar nossas tradies

    mostra-se rdua e de resultado incerto, visto que a maioria

    das personalidades detentoras do saber emprico - danas,

    letras, msicas, toadas, rezas, alegorias j brincam em

    bois divinos, por terras do Senhor. As poucas mentes que

    teimam em sobreviver esto encerradas nos calabouos

    do esquecimento e da senilidade, caso do Manoel Soares

    Feitosa, popularmente conhecido por Fragoso.

    Segundo a conceituada historiadora Sandra Jatahy

    Pesavento, O imaginrio, comporta crenas, mitos,

    ideologias, conceitos, valores, construtor de

    identidades e excluses, hierarquiza, divide, aponta

    semelhanas e diferenas no social. Dentre as

    atribuies de legisladores e executores da coisa pbica

    h, por certo, o dever de recuperar, manter e evidenciar os

    bens histricos e culturais, tarefa que lhes exige

    competncia e vontade poltica. A construo de uma

    agenda positiva para a cultura consubstanciar projetos

    bem montados, pesquisas cuidadosas, aes organizadas

    e eficazes e, por ltimo, registros adequados, como forma

    de legar posteridade os valores mais caros da nossa

    secular sociedade.

  • 05Piracuruca - Piau - Ano II - N 19 01 a 31 janeiro de 2009

    PaPaPassei no vestibulaaarrr!

    Carminha Gomes

    Francisco Warlinton

    Tuany

    Francisca Flvia

    Lena Laiz

    Larissa Magalhes

    E mais...

    LICENCIATURA PLENA EM

    HISTRIA (UESPI)

    James de Sousa Amaral

    Italo Bruno de Oliveira Silva

    Gleiciane Carvalho Silva

    Caroline Alves de Meneses

    Elvison Rafael de Sousa Monteiro

    Rogerio Paulo Pereira

    Isaac de Sousa Castro

    Maria do Carmo Oliveira Rodrigues

    Antonia Elizeuda Gomes da Silva

    Jairo Borges Fausto

    Georgia Cavalcante Lima da Silva

    Josimara de Sousa Rodrigues

    Edielson de Sousa Amancio

    Maria de Fatima de Carvalho Sousa

    Naylane Carvalho Sales da Silva

    Simone Emanuelle de Oliveira Silva

    Raquel Maria da Conceio Sousa

    Joo Neres

    Antonio Regildo dos Santos

    Eliene de Sousa Fontenele

    Fabio de Melo Sousa

    Fernanda Aparecida Gertrudes

    Cloves Tadeu Oliveira Veras

    Vera Lucia Vieira

    Paulo Cesar Marques Carvalho

    Sebastiao Pinheiro dos Santos Filho

    Talita Damascena Ramos de Carvalho

    Isaac Daniel da Silva Teles

    Carlos Andre de Sousa

    Francisca Rezende de Sousa

    Iolete Fontenele de Brito

    Maria Elizete da Silva

    Andr da Silva Alves

    Dilma de Aguiar Magalhaes

    Renan Dias Oliveira

    Jonas de Araujo Tavares

    Maria dos Remedios de Brito

    Fontenele Benvindo

    Gardenia Alves Portela

    Leidiana Sousa de Azevedo

    Francinalda dos Santos Carvalho

    Claudia Celina Tude Rodrigues

    Hissette

    Ivonete Barros de Sousa

    Tatila Rayane de Sampaio Brito

    Monica Alves Lustosa

    Litelmria de Jesus Sampaio

    Luziana Silva de Lima

    LICENCIATURA PLENA EM

    LETRAS/ESPANHOL (EAD)

    Lenilda Pereira da Silva

    Francisca Flavia Oliveira Amaral Machado

    Carmelita da Silva Barbosa

    Janaria Raquel Santos da Silva

    Marlene Borges de Carvalho

    Dina Marcia de Sousa Pessoa

    Gina Ysna de Sousa Pessoa

    Nina Cassia Sousa Pessoa

    Andreia Sammya Andrade Martins

    Helisney Siqueira Castro

    Ivoneide Arajo da Silva

    Maria Denis Rocha Araujo

    Maria de Lourdes Alves Gomes

    Raimundo Nonato Silva Damasceno

    Oscar Batista de Sousa

    Dasy Karoline Avelino de Carvalho

    Adriana de Carvalho Vieira

    Marilda de Brito E Sousa

    Francisco Gleyson de Carvalho

    Claudia Beatriz Vedia

    Paulo Adriano Ribeiro dos Santos

    Victor Hugo Fretes Gaete

    Marsilene de Amorim Oliveira

    Antonio Ivo Ramos dBrito

    Maria Nalva de Sampaio dos Santos

    Joo Paulo de Arajo Viana

    Leilane Rodrigues Gomes

    Vilmara Quaresma de Carvalho

    Neusa Maria Fortes de Meneses Machado

    Silva

    Vernica Carvalho Cerqueira

    Francisca Maria Sousa Medeiros

    Francineide da Silva Ribeiro

    Nayara Brito de Cerqueira

    Ana Maria Machado

    Marcia Gabrielle de Sousa Rocha Veras

    Layana Marcia Carvalho Pereira

    Joo Gualberto da Costa Ribeiro Junior

    Karoline Maria Pereira de Franca

    Carlos Renato Pereira Florindo

    Vagner Oliveira da Silva

    Francisco Sales Lopes de Sousa

    Genival Alves Nascimento

    PARABENIZAMOS OS NOVOS

    UNIVERSITRIOS

    O FUTURO NA ENFERMAGEM EM

    PIRACURUCA

    Aprovados no (Vestibular

    CRISFAPI )

    Caio Csar Michele Machado

    Os feras receberam a boa notcia e vo ter motivos de sobra

    para festejar em 2009. Se voc um deles, Parabns! Caso contrrio,

    levante a cabea e mantenha o foco no prximo vestibular.

    Cidados Piauienses em DestaqueConfira nas fotos alguns destaques na Festa de Outorga de Medalhas

    do Mrito Renascena no Grmio Recreativo Piracurucaquernse.

    Nbia Fontenele de Carvalho CordeiroFrancisco Lopes de Amorim Joaquim de Sousa Cerqueira

    Francisco Airton de Carvalho Afrnio Klebe de BritoRaimundo Ribeiro Magalhes

    Maria do Livramento Escrcio MendesJarbas Gomes Machado AvelinoMarlcia de Melo Bona Fontenele

    Joaquim Jos de Oliveira FilhoOtvio Tavares dos SantosFrancisca C. Macedo de Sousa

    Paulo Raimundo dos SantosJos de Lima MeloIvanara Meneses de Carvalho Fortes

    Emanoela Cristina

  • 0601 a 31 de janeiro de 2009Piracuruca - Piau - Ano II - N 19

    APAGANDO AS VELINHASMande voc tambm a sua foto para o quadro Apagando as velinhas.

    Carla Gabrielly

    Brilhando no auge

    de seus 15 aninhos.

    Parabns, voc

    merece!

    Parabns tambm professora

    Graciele ( direita) irradiando

    alegria ao lado de sua amiga

    Cristiane.

    *Tatiane Verusca;

    *Evinha;

    *Laurentino;

    *Bruno Rangel;

    *Francielma;

    *Pablo;

    *Ingrid;

    *Tnia Perez;

    *Pedro Gabriel;

    *Ansio Magalhes;

    *Joo Neto;

    *Clara Rita;

    Homenagem especial aos colunistas do Jornal Acesso Real - Francisco

    Algusto, pelo recebimento da Medalha do Mrito Renascena do Piau e

    Nevinha, que neste ms esteve de aniversrio. Ambos merecem toda a

    felicidade do mundo.

    PARABNS!PARABNS!

  • 07Piracuruca - Piau - Ano II - N 16 01 a 31 de outubro de 2008Piracuruca - Piau - Ano II - N 19 01 a 31 de janeiro de 2009

    MOTO PRMIO NOSSA SENHORA

    DO CARMO S ALEGRIA!

    NESTE FINAL DE ANO, TROUXE

    A PIRACURUCA IVONILDO DO

    NORDESTE E JOEL SANFONEIRO

    o dia 30 de dezembro, a praa Dr Jos de Brito Magalhes viveu

    momentos de muita alegria, pois alm das vrias motos sorteadas os Npiracuruquenses ainda foram presenteados com um super show de dois grades nomes da msica do Nordeste: Ivonildo do Nordeste e Joel Sanfoneiro.

    Centro de Educao ambiental e Assessoria (CEAA) agora em novo endereo

    Centro

    de Edu-

    c a o OAmbiental e Assessoria

    (CEAA), entidade no

    governamental que atua

    em Piracuruca e na

    regio norte do estado do

    Piau na defesa do meio

    ambiente e na assessoria

    a assentamentos rurais,

    agora est em novo

    endereo - atrs do

    Banco do Brasil. Nesse

    mesmo prdio que j

    utilizou por muitos anos

    e que est aberto ao

    publico em geral de

    segunda a sexta.

    A entidade, que

    em 2008 teve

    u m a a g e n d a

    b a s t a n t e

    movimentada,

    a c r e d i t a q u e

    neste ano os

    t r a b a l h o s s e r o

    dobrados; tanto em

    assessoria, como nas

    a e s d e

    c o n s c i e n t i z a o

    ambiental na cidade e

    nas regies vizinhas. O

    fato se deve luta

    i n c a n s a v e l p a r a a

    preservao da Fauna,

    da Flora e das Bacias

    Hidrogrficas existentes

    neste pedao de terra.

    Isso no s em palavras

    - ao verdadeira como

    a Campanha S.O.S. Rio

    Piracuruca, conhecida

    de todos ns.

    O CEAA, hoje

    conhecido tambm pela

    classe estudantil, serve

    de fonte de pesquisa

    t an to em ques tes

    a m b i e n t a i s q u a n t o

    culturais. A mesma

    instituio luta

    assiduamente

    n o s a s s e n -

    tamentos pelos

    valores locais -

    estimulando os

    m o r a d o r e s d e

    a s s e n t a m e n t o s a

    r e s g a t a r e m s u a s

    tradies e costumes;

    s e n d o b a s t a n t e

    requisitada nos trabalhos

    da escola desses alunos.

    O C E A A

    tambm, incentiva por

    meio de Artesanato - a

    reciclagem de garrafas

    p e t , e d e o u t r o s

    m a t e r i a i s c o m o

    pudemos constatar em

    evento realizado no

    Grmio Recreativo na

    festa de encerramento

    d o s c u r s o s d e

    Capacitao de Jovens,

    filhos de assentados,

    onde foram mostrados

    modelos de bolsas

    e c o l g i c a s p a r a

    incentivar o uso das

    mesmas em vrias

    ocasies como por

    exemplo: em compras

    de pes e fe i ras .

    Diminuindo assim, o

    uso de sacolas plsticas,

    que aps serem usadas

    s o d e s c a r t a d a s ,

    a u m e n t a n d o e m

    n m e r o s b e m

    expressivos a produo

    de lixo nas cidades.

    Por GK

    CEAA - Incentivando a Preservao do Meio Ambiente

    de Piracuruca e da regio com aes educativas.

    O Cent ro de

    Educao Ambiental e

    Assessoria (CEAA) tem

    em sua nova sede,

    prxima ao Banco do

    Brasil, um ambiente de

    exposio de produtos

    f e i to s a pa r t i r da

    confeco de sobras de

    tecidos, plsticos, garra-

    fas pet, tubos de creme

    dental e muitos outros

    materiais reciclveis.

    Podem ser visto no

    espao, bolsas ecolgi-

    cas, cortinas, enfeites

    para ambientes e outra

    grande infinidade de

    produtos produzidos pe-

    los parceiros do CEAA.

    As coordena-

    doras da instituio, Da

    Luz Fonseca e Ana

    Fonseca, avisam aos

    artesos da cidade e aos

    artistas em geral que o

    espao est aberto a

    todos e que os interessa-

    dos em expor seus

    produtos devem pro-

    curar as mesmas na sede

    do CEAA em horrio

    comercial das 08h00 s

    12h00 ou das 14h00 s

    17h00.

    A s e g u i r ,

    a l g u m a s f o t o s d a

    diversidade de produtos

    que podem ser adqui-

    ridos no espao de

    exposio do CEAA,

    inclusive as bolsas

    ecolgicas apresentadas

    por alunas do Consrcio

    Social da Juventude Ru-

    ral em dezembro ltimo

    no Grmio Recreativo

    Piracuruquense.

    GANHADORES DO DIA 15 DE JANEIRO

    O moto Prmio Nossa Senhora do Carmo j entregou 39

    motos; confira os ganhadores deste dia 15 de janeiro:

    !Manoel Machado de Brito (Manoel Biano)

    !Manoel de Jesus da Silva

    !Jos Vieira de Brito

    !Loana Cerqueira de Brito

    !Todos de Piracuruca

    Avisamos que estamos com uma seo de eletros e

    bicicletas:

    Foi premiado recebe quitado!

  • 08Piracuruca - Piau - Ano II- N 19 01 a 31 de janeiro de 2009

    Dados do entrevistado:

    Eduardo Felipe de Lima Melo

    Sampaio, 27 anos, Economista, especialista

    em Administrao Pblica. Professor

    universitrio da Federal do Piau, com

    experincia nas reas do Setor Pblico e

    Finanas. Teve passagem pelo Tribunal de

    Contas do Estado como estagirio. Mestrando

    em Cincia Poltica pela UFPI / Unicamp.

    ENTREVISTA!

    (JAR )Quais motivos o levaram a aceitar a

    pasta da sade municipal?

    R= Primeiro, o desejo de contribuir com nosso

    trabalho para a populao de Piracuruca; esta seria uma

    oportunidade mpar para tal contribuio. Segundo, o

    desejo de que a administrao de Raimundo Louro d

    certo. Ajudei a construir o projeto poltico que nos deu a

    vitria; estive desde o princpio lutando para que Piracu-

    ruca conseguisse ser contemplada com o que verdadeira-

    mente configura uma democracia legtima: a participao

    do povo no governo. E isso que farei na pasta da sade -

    Ouvir o povo. As modificaes e adequaes nas polticas

    pblicas da sade de Piracuruca devem surgir das

    necessidades da populao, e para que isso ocorra, a

    receita muito simples: humildade. Sem demagogia,

    porque essa deveria ser a essncia do pensamento de todo

    gestor pblico; infelizmente nem sempre assim. O

    gestor no deve utilizar o cargo para amealhar riquezas;

    perpetuar-se no poder; ou impor sua arrogncia

    populao. O poder passageiro, efmero. No sou

    secretrio, estou secretrio. Desde o momento em que fui

    convidado para assumir o cargo tenho conscincia de que

    o legado que deverei deixar o trabalho, o empenho, a

    prestao de servio. Esse pensamento muda muito a cara

    da Sade de Piracuruca, e pra melhor. Tenha certeza disso.

    (JAR) Sabendo do desafio que administrar

    to importante secretaria - a Sade, visto que esta

    requer o mnimo de deslizes possveis, j que luta

    diretamente com vidas, como o Secretrio encara essa

    responsabilidade?

    R= Com tranqilidade. Sei que tenho compro-

    misso com o trabalho, com o povo e tenho plena

    conscincia da responsabilidade do cargo a mim confiado.

    Sei tambm que a luta no ser fcil. Recebo a sade de

    Piracuruca muito debilitada. A populao carece de uma

    prestao de servios a contento; e de um atendimento

    com qualidade, presteza e humanizado. Qualquer um dos

    piracuruquenses que no tiver sua necessidade em sade

    correspondida um paciente com risco de morte. Isso

    muito delicado. Nosso objetivo chegar ao momento em

    que o atendimento de sade de Piracuruca seja perfeito.

    Como isso no , nunca foi, nem ser possvel, devido ao

    carter do prprio ser humano; buscaremos a mxima

    eficincia possvel. Isso se faz com profissionais qualifi-

    cados, equipamentos de qualidade, medicamentos

    disponveis, e uma dose de esmero e ateno que a

    populao merece. O tratar bem fundamental. O

    povo vai em busca da cura para seus males fsicos e deve

    tambm ter sua auto-estima elevada. Por mais que saia

    com a receita e o medicamento no bolso, se ele for mal-

    tratado; no receber a ateno e o sorriso que merece,

    voltar para casa machucado pela carncia de ateno. O

    povo de Piracuruca deve se dirigir aos postos, ao Pronto-

    Socorro, Maternidade, e aos demais servios de sade

    do municpio e sair feliz por ter alcanado a melhora de

    sua sade e a ateno de quem o atendeu. Assim sua dor

    ser diminuda com mais eficcia.

    (JAR) O quadro disponvel na Secretaria

    de Sade suficiente para atender a populao?

    Caso estando completo o quadro, mesmo assim,

    existe uma programao para futuros concursos na

    rea?

    R=Temos carncia de profissionais de nvel

    superior, no quadro efetivo por isso contratamos

    prestadores de servio. O custo para que eles se estabi-

    lizem no municpio relativamente elevado.

    Independente desse custo, daqui a poucos dias estaremos

    ofertando a quantidade de profissionais que possam

    atender satisfatoriamente todos os piracuruquenses;

    diminuindo filas e demais transtornos que ocorreram nos

    ltimos meses. Quanto a concurso pblico ainda cedo

    para planejarmos. Uma coisa certa - quando nos dispu-

    sermos a realizar concurso pblico no ofereceremos

    salrios medocres aos profissionais. Hoje um mdico,

    um enfermeiro e um dentista concursados em Piracuruca

    recebem um vencimento bsico de um salrio mnimo,

    tornando-se preso ao administrador municipal para

    poder usufruir de uma gratificao: A forma como os

    concursos foram feitos na sade deixaram os aprovados

    refns do poder poltico.

    (JAR) Como ficaro os atendimentos

    mdicos nos postos de sade do municpio? Haver

    consultas diariamente ou estas ocorrero em datas

    especficas?

    R= Estamos tentando que o atendimento

    mdico seja de trs a quatro dias na semana, em todos os

    postos. A dificuldade tem sido essa, pois os profissionais

    no desejam permanecer a semana inteira no interior.

    Assim, estamos fazendo um arranjo para que isso seja

    possvel. No temos medido esforos, essa a

    recomendao do prefeito Raimundo Louro. Com vinte

    dias de governo conseguimos contemplar todos os postos

    de sade da zona urbana com atendimento mdico. Esta

    semana comearemos a rotina no interior. Havia uma

    demanda reprimida de trs meses. Por hora ainda teremos

    lotao nos postos, mas em breve tudo se estabilizar.

    (JAR) Quais as medidas e inovaes que a

    Secretaria est planejando realizar em sua

    administrao?

    R= As gestantes tero uma ateno especial.

    Estaremos com um programa de maior ateno gestante,

    sendo um complemento do acompanhamento do pr-

    natal j feito pelo PSF. Elas devero participar de encon-

    tros e palestras visando a melhoria do seu bem-estar

    enquanto gestante e para o ps-parto. Construiremos um

    novo Centro de Odontologia Especializada para acomo-

    dar os consultrios que hoje funcionam na CEMEPI. A

    CEMEPI tem uma arquitetura pssima. A utilizao do

    espao no suficiente, pois no podemos acomodar

    muitos especialistas em um mesmo horrio pela falta de

    consultrios. Assim, retirando o CEO da CEMEPI, tere-

    mos espao para mais dois consultrios mdicos. A sade

    preventiva ter maior ateno. Tentaremos trazer do Mi-

    nistrio da Sade e da Secretaria Estadual da Sade todos

    os programas e projetos que sejam da necessidade de

    Piracuruca.

    (JAR) Suas consideraes finais!

    As dificuldades tm sido muitas. Recebemos a

    secretaria como o que se chama um presente de grego,

    totalmente sucateada. s vezes, me pergunto se tanto mal

    que foi feito ao patrimnio pblico e populao tem

    justificativa. Para mim, no. O governo impessoal. Eu

    teria vergonha de entregar a secretaria de sade a quem

    me sucedesse da forma que recebi. Mas o passado no

    agrega, vamos em frente. Saber que no estamos nem com

    um ms de governo e as coisas esto andando, me deixa

    tranqilo. No arredarei o p de minhas responsabilida-

    des. Os servios de sade de um municpio devem estar

    disponveis para todos, sem distino de raa, credo, cla-

    sse social ou posio poltica. E esse nosso propsito:

    sade de qualidade para todos.

    Como na edio passada o Jornal Acesso Real

    ofereceu o espao a ex-secretria de Sade Maria do Carmo

    estamos oferecendo tambm o mesmo, para as consideraes

    de quem hoje o responsvel pela mesma secretaria .

    Na Horizontal

    2. Tradiconal acontecimento do

    ms de julho da cidade?

    5. Bloco Carnavalesco?

    7. Fonte de riqueza da regio?

    9. Que atrai turistas?

    10. Jornal...

    12. Escola com nome de

    escritor piracuruquense local?

    13. Que acumula gente?( Ponto

    de encontro!)

    14. Metlica: Onde se passa

    vages?

    Na Vertical

    1. Senador que deu nome

    rua...?

    3. Logoa que presenciou

    grande batalha?

    4. Castelo...

    5. Piracuruquense fundador

    da Rdiodifuso no

    municpio?

    6. Sete somado com cidade?

    8. Cantor famoso que esteve

    em Piracuruca? (Nome de

    Guerra!)

    11. Local onde circulava

    grande riqueza de

    Piracuruca?

    PALAVRAS CRUZADAS

    LABVIDALaboratrio de Anlises Clnicas

    Piracuruca / Batalha / Cocal

    Fone: (86)3343-2702

    9945-3835

    Jornal Acesso Real

  • 09Piracuruca - Piau - Ano II - N 19 01 a 31 de jeneiro de 2009

    Espao Literrio

    Teresa Sousa (flordecaju)Teresa Sousa (flordecaju)Fiquei ali em cima do cajueiro vendo meu pai me chamar, ou melhor;

    literalmente gritava:' Desce da, menina levada. Eu no entendia bem a razo de

    tanto estardalhao. Ora, eu apenas queria subir e r at as nuvens! Era um direito meu!

    Ergui os braos e eiCf corno mamo maduro ao cho Os cajus no estavam maduros!

    ). O certo aue aps os cuidados de minha santa me Inocncrs( O nome era dela por

    direito de conquista! ), fiquei de castigo por urna semana sem assistir televiso que

    era outro de meus vcios afora subir em rvores.

    Aqui agora me encontro tentando em simples palavras corno manda a natureza (Acho

    que tentar voar do alto da rvores mais srnples!!!) passar ao leitor do Recanto um

    pouco de mim. Bem...faamos o seguinte, na prxima safra do caiu eu prometo trazer

    castanhas assadas ou um saboroso doce de caju com

    castanhas, feito por minha irm a vocs e fico dispensada dos cornentnos sobre

    mim...Ouvi uma resposta de confirmao e j estou saindo..Cheiro no corao de

    todos.

    Causo de pescador

    Em conversa de pescador h sempre exageros. Mas fui quase obrigada a

    ouvi-los. Afinal, numa casa de sete pescadores tinha de ter sempre uma conversa de

    exagero! Esta aconteceu com meu pai. O velho no dispensava uma pescaria...

    Tmida e amorosa minha santa me murmurou um Que Deus te

    acompanhe!, ao tempo em que o velho enlaando-a pela cintura, ainda um pouco

    delineada, beijava-a nos lbios (De selinho, pois nunca os vi em arroubos de

    paixo!).

    Era alto, tez de um homem conservado em seus cinqenta anos. O olhar

    realava no rosto masculino. Esses olhos eram faceiros e eu em minha ingenuidade

    de meus quinze anos achava meu pai o homem mais charmoso da cidade.

    Razes tenho muitas para lembr-lo em algumas linhas. Deve ser saudade

    paterna!

    Mas as coisas que relato a partir de agora so verdadeiras. Deixo os

    pescadores parte.

    Existem, em minha cidade, vrios locais apropriados a uma boa pescaria

    noite. s margens do rio Piracuruca, h frondosas rvores e grandes pedras de

    arenito. Por ocasio dessas noitadas em busca de peixes que sobem e descem o rio

    antes da piracema... l saiu o velho, tarrafa mo, rede de pesca em um saco e uma

    outra rede para dormir.

    No caminho, pedalando sua bicicleta Monark , farol aceso... fez um desvio

    do percurso natural. Foi casa de (...). O nome no vem ao causo! No se remexe na

    memria tanto! H um local de lembranas intocveis! Espere! Recordei de um tipo

    de manga que eu costumava pegar na casa de um vizinho - peito de moa! Pronto!

    Darei esse nome mulher de minha histria.

    Redes de pesca estendidas no sentido transversal ao curso do rio... uma

    fogueira acesa... peixe assado na brasa... um gostoso banho nas guas mornas do rio

    com Peito de Moa ... nus... os dois... foram deitar na rede armada de uma rvore

    outra.

    Imaginem um homem cinqento dentro de uma rede com uma mulher

    chamada Peito de Moa! Sugestivo, hem? Pareciam ter sado de um braseiro.

    Chamas entre os corpos! Imaginem agora peito de Moa por cima de meu pai e os

    gemidos dele! (...) As cordas da rede a balanar... A ranger no tronco das rvores! E

    ento, ouve-se um grito rasgando a noite.

    Escondidos atrs de umas rvores, na noite semi-escura, outros pescadores

    da regio sem bem entender (?) o sucedido, deixaram o local de observao (No to

    passiva!!).

    Meu pai, ao cho, gritando de dor, enquanto Peito de Moa no sabia o que

    cobrir com as mos. Mulher, s vezes, fica na dvida se cobre a parte de cima ou a de

    baixo! E o velho no cho!

    _ Tambm, Seu Batista, armar uma rede to alta e no verificar se tinha pedra

    embaixo!!

    Oh! Benzinha! Agora vai cuidar das costelas quebradas de seu marido!

    Quase ouvi o pensamento de um dos pescadores to cheio desses causos quanto meu

    pai!

    Teresa Sousa (flordecaju)

    dessa maneira que a poeta Teresa Cristina Cerqueira de Sousa-

    piracuruquense- apresenta seu perfil no Recanto das Letras (editora virtual) e

    encanta com seu versejar... H a uma nova mulher, uma criana que com brinca com

    suas lembranas, que resgata coisas de suas fantasias; que nos enternece ao falar de

    maneira simples e em bom portugus do Brasil (e suas variantes para nos fazer sentir

    o que escreve e nos transportar a seu mundo) de amores vividos, fictcios e como no

    poderia deixar de s-lo- de amores sonhados e ricamente amados!

    Voc pode acessar a pgina da autora piracuruquense atravs do

    link...http://recantodasletras.uol.com.br/autores/teresasousa

    Segunda edio de comemoraes da independncia em

    Piracuruca teve grande programao

    Governador Wellington Dias disse que Piracuruca est consolidada no

    calendrio turstico do estado.

    A festa estava muito bonita. Foi o que pudemos ouvir dos piracuruquenses no

    transcorrer da festa e depois dela; sendo esta, um reconhecimento da grande

    contribuio do povo piracuruquense na conquista pela atual rea geogrfica do Brasil.

    O 22 de janeiro foi reconhecido como o Marco de Participao da cidade de

    Piracuruca no conflito histrico da Independncia do Brasil pelo atual governo estadual,

    somente no ano passado (2008). Ocasio onde realizou a primeira edio desta grande festa

    que cada vez mais fascina o povo de Piracuruca. No dia 22 de janeiro deste, na sua segunda

    edio, teve um bom publico que pde assistir a uma pea teatral - A Batalha do Jenipapo.

    Onde se encenou-se o que possivelmente aconteceu em uma das ou talvez a nica batalha

    sangrenta ocorrida no Brasil pela sua Independncia de Portugal.

    A programao, depois da pea teatral, seguiu e logo realizou-se um culto na

    Igreja Crist Evanglica localizada Avenida Aurlio Brito; aps o culto uma missa na

    Igreja de Nossa Senhora do Carmo, Padroeira de Piracuruca; seguindo, a entrega de

    comendas do Mrito Renascena no Grmio Recreativo Piracuruquense onde o

    Governador Wellington Dias condecorou piracuruquenses e personalidades do estado

    como tambm de outros estados da federao.

    Ainda no evento, segundo a programao do cerimonial, logo aps, haveria um

    show musical na Praa Irms Dantas. Tendo sido cancelado devido chuva que no cedeu

    durante todo o evento e que segundo historiadores ocorreu tambm durante as batalhas

    travadas em solo piauiense.O Governador ainda aproveitou a solenidade e a presena do

    Secretario Nacional de Reordenamento Agrrio, Ademar Almeida, e deu como inaugurado

    dois assentamentos do Crdito Fundirio, sendo eles: os assentamentos So Miguel e

    Coivaras na zona Rural de Piracuruca. Ainda deu como inaugurado a quadra de esportes da

    Unidade Escolar da rede Presidente Castelo Branco; na qual foram investidos recursos do

    Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica e de Valorizao dos

    Profissionais da Educao (FUNDEB).

    Wellington Dias disse ainda que a primeira edio da festa em Piracuruca tinha

    sido um aprendizado, e que hoje tem a participao dos Governos Federal, Esta-dual e

    Municipal e o reconhecimento de autoridades e da populao de Piracuruca. Que estava

    satisfeito por as pessoas reconhecerem cada vez mais a importncia de Piracuruca no

    processo de Independncia do Brasil e que a cada ano o evento vai elevar a auto-estima do

    Nosso Povo. E afirmou aindaque Piracuruca est cada vez mais consolidada no Calendrio

    Festivo do Estado.

    Por GK

    Nome dos homenageados com a Ordem Estadual do Mrito Renascena do Piau

    Categoria Cavaleiro:

    Atualpa Rodrigues de Carvalho

    Etevaldo Alves da Silva

    Flix Jos de Melo

    Francisca Cardoso Macedo de Sousa

    Joaquim de Sousa Cerqueira

    Joaquim Jos de Oliveira Filho

    Maria da Graa Sousa

    Marlcia de Melo Bona Fontenele

    Osmar Escrcio de Brito

    Otvio Tavares dos Santos

    Paulo Raimundo dos Santos

    Categoria Oficial:

    Afrnio Klebe de Brito

    Ezequiel Cassiano de Britto

    Francisco Airton de Carvalho

    Francisco Lopes de Amorim

    Gerardo Alves de Almeida

    Ivanara Meneses de Carvalho Fortes

    Jesus Rodrigues Alves

    Jos de Lima Melo

    Luiz Coelho de Brito

    Manoel Joaquim de Carvalho

    Maria do Livramento Escrcio

    Mendes

    Maria de Loudes Sampaio

    Paulo de Tarso Soares de Arajo

    Raimundo Gomes de Arajo Fortes

    Raimundo Ribeiro Magalhes

    Raimundo Rodrigues Sobrinho

    Categoria Comendador:

    Dlson Lins da Trindade

    Francisco Augusto de Oliveira Brito

    Jarbas Gomes Machado Avelino

    Josino Ribeiro Neto

    Nbia Fontenele de Carvalho Cordeiro

  • Piracuruca - Piau - Ano II - N 19 01 a 31 de janeiro 2009

    10VARIEDADES01 a 31 de setembro de 2008

    A FORA DO ESPORTE

    EXPEDIENTEDIRETOR GERAL: Nonatinho Arajo

    DIRETOR DE DIAGRAMAO: GK

    DIRETOR COMERCIAL: GK

    REPORTAGENS: GK, Nevinha, Nonatinho Arajo

    COLABORAO: Assis Carvalho e Teresa Sousa

    EDIO: Nonatinho Arajo e GK

    Jornal acesso real

    Rua tertulino Vieira, s/n, centro

    1 andar, Piracuruca-pi

    Fones: (86) 3343-2676 / 8815-1519 / 8823-0658

    Email:nonat.rv@hotmail.com / acessoreal@gmail.com

    www. Jornalacessoreal.com.br

    Os especialistas no cessam de discutir em que momento um simples

    exerccio deixa de s-lo para se converter em uma atividade esportiva.

    s a n t i g o s

    c l u b e s d e

    bairros foram, Odurante muito tempo , a

    opo mais adequada

    para a pr t ica de

    esportes. Atualmente,

    esses clubes esto

    sendo substitudos por

    ginsios sofisticados,

    q u e a s s o c i a m

    p r o f i s s i o n a i s

    q u a l i f i c a d o s e

    e q u i p a m e n t o s d e

    tecnologia avanada.

    E n t r e t a n t o , o

    entusiasmo em praticar

    exerccios fsicos no se

    r e s t r i n g e a e s s e s

    recintos fechados:

    c o m u m h o m e n s e

    mulheres de diversas

    idades serem vistos

    c a m i n h a n d o o u

    correndo em parques e

    praas, na esperana de

    manter a boa sade e

    melhorar a forma.

    Esse saudvel

    costume de praticar

    algum esporte no

    novidade; sua histria

    longa e se renova a cada

    dia. H cerca de 4500

    anos, os egpcios da I

    dinastia disputavam

    difceis torneios de luta

    livre. Dez sculos mais

    tarde, na China da

    d i n a s t i a S h a n g ,

    circulava o Kung Fu,

    um manual de ginstica

    que continuam at hoje.

    A p e s a r d e t a n t o s

    indc ios , nenhuma

    dessas civilizaes

    antigas pode atribuir a si

    o d i r e i t o d e t e r

    inventado o esporte.

    Para buscar sua origem,

    necessrio analisar

    um passado bem mais

    remoto, ou seja, o

    momento em que o

    h o m e m c o n s e g u i u

    apoiar-se sobre suas

    pernas e comeou a

    andar. Essas criaturas,

    que ensaiavam seus

    primeiros passos em um

    ambien te bas tan te

    h o s t i l , t e r i a m s e

    submetido s mais

    d u r a s p r o v a s ,

    s implesmente pa ra

    conseguir o sustento

    dirio. Naquela poca

    remota, a destreza e o

    prepara fsico - duas

    condies essenciais

    para qualquer esportista

    - eram imprescindveis

    p a r a a l g o m a i s

    importante do que obter

    bons escores, pois

    r e p r e s e n t a v a m a

    condio bsica de

    sobrevivncia.

    Definitivamen

    te, qualquer esforo

    fsico, desde passar

    aspirador de p ou lavar

    pratos, at mudar um

    pneu no automvel ou

    caminhar rapidamente

    at a estao para no

    perder o trem, so

    formas de exerccio,

    mesmo que nenhumas

    destas aes estejam

    catalogadas como tal, ou

    seja, como esporte. A

    diferena que as

    pessoas jogam tnis,

    basquete ou golfe por

    p r a z e r , e n q u a n t o

    dificilmente lavar pratos

    ou trocar um pneu

    proporciona alguma

    d i v e r s o . E m q u e

    momento se deu a

    separao entre as

    atividades fsicas feitas

    por obrigao e as

    a t i v i d a d e s f s i c a s

    agradveis?

    Essa uma

    concepo que se perde

    no tempo e no espao.

    Talvez tenha acontecido

    quando o homem das

    cavernas descobriu que

    a lana, que havia sido

    incorporada aos seus

    instrumentos de caa

    pouco tempo antes,

    servia no somente para

    matar b i ses , mas

    tambm para comprovar

    s u a f o r a q u a n d o

    atiradas ao ar ou para

    provar sua pontaria

    quando arremessadas

    contra uma rvore.

    Nessa poca, tambm

    seria descoberto que a

    ao de correr no se

    dava apenas com a

    finalidade de pegar uma

    presa; era possvel

    realizar corridas com o

    nico propsito de

    disputar com seu vizinho

    e, acima de tudo, para se

    divertir e se sentir bem.

    Sem perceber, esse ser

    p r i m i t i v o e s t a v a

    c o l o c a n d o e m

    andamento princpios

    essenciais prtica de

    esportes: o jogo e a

    competio, a diverso e

    o desafio.

    F o r a m o s

    gregos que dedicaram

    um lugar especialmente

    a essa prt ica. Os

    clebres jogos olmpicos

    da antigidade eram um

    d o s m a i o r e s

    a con t ec imen tos da

    cultura Helnica. Esse

    nobre cos tume fo i

    mantido at que a Grcia

    caiu em mos dos

    macednios. Mais tarde,

    os gregos ficaram sob

    domnio Romano e os

    jogos foram declarados

    extintos por decreto do

    imperador Teodsio I, o

    Grande, no ano de 393.

    O cristianismo, que se

    propagaria nessa regio,

    tampouco se preocupou

    com o a ginstica ou com

    os esportes: os torneios e

    competies sofreram

    um longo eclipse, que se

    prolongou at o final do

    sculo XVIII . Seu

    r e n a s c i m e n t o f o i

    registrado na Inglaterra,

    de onde provm o termo

    "sport". Juntamente com

    a denominao foram

    estabelecidas diferentes

    regras para os diversos

    jogos, que j estavam

    sendo praticados. Era

    preciso regulamentar

    a q u e l e s a n t i g o s

    certamens, nos quais

    prevalecia a fora fsica,

    em uma forma de evitar a

    violncia desmedida

    praticada no passado.

    Por: O.C

    Esporte Local (Assis Carvalho)

    JORNAL ACESSO REAL INCONFUNDVEL

    AGORA NA INTERNET

    www.jornalacessoreal.com.br

    Campeonato do Chafariz de

    Futebol de areia

    3 Campeonato

    d e F u t e b o l

    C a m p o d e OAreia do Bairro de

    Ftima chegou s suas

    fases finais. Foram

    disputadas no sbado

    (dia 17) e domingo (dia

    18), as quartas de

    final.Na partida de

    sbado, a equipe da

    Esplanada do padroeiro

    So Francisco, passou

    facilmente com o placar

    elstico de 4 x 1 no

    S a r d i n h a e a g o r a

    enfrenta a equipe do

    Chafariz, time que teve

    mui to t rabalho em

    vencer o atual campeo

    de 2008, o Baixa da Ema

    - por 2 x 1.

    O o u t r o

    confronto (domingo)

    saiu do jogo envolvendo

    o Guarani x Andara, o

    qual com um placar de 1

    x 0 passou o time do

    Guarani que agora

    e n f r e n t a o N o v a

    Esperana do desportista

    D a n i e l B o l o q u e

    eliminou o Veneza por 2

    x 0.

    O s s e m i -

    f i n a l i s t a s e n t o

    classificados partiram

    neste domingo (25) para

    a definio de quem

    disputaram a grande

    final neste Domingo

    prximo, dia primeiro de

    fevereiro, no horrio das

    15h45min.

    A definio e

    os resultados da semi-

    final realizada no ultimo

    domingo dia 25 foi o

    seguinte:

    O Esplanada

    empatou em 3 x 3 com o

    Chafariz no tempo

    n o r m a l , s a i n d o o

    classificado para final

    em deciso de pnaltis,

    no qual o time da casa

    venceu por 4 x 3 - jogo

    esse na primeira partida

    do domingo dia 25, que

    aconteceu s 16h;

    T a m b m

    empatando no tempo

    normal, em 2 x 2, o

    Guarani e o Nova

    Esperana decidiram

    sua vaga nos pnaltis.

    Sendo, a vitria, do

    t i m e d o N o v a

    E s p e r a n a , d o

    desportista - Daniel

    Bolo, por 2 x 0. Jogo

    que aconteceu logo

    aps o do Esplanada e

    Chafariz.

    Recapitulan-

    do, ento, a grande final

    est prevista para

    acontecer neste dia

    primeiro de fevereiro s

    15h45min, num grande

    domingo esportivo no

    campo do Chafariz, no

    bairro de Ftima e com

    expectativa de grande

    pblico.

    Comparea!

    P o r A s s i s

    Carvalho

    Nas fotos momentos dos

    jogos da Semi-Final.

    Pgina 1Pgina 2Pgina 3Pgina 4Pgina 5Pgina 6Pgina 7Pgina 8Pgina 9Pgina 10