jornal a voz da razÃo - ediÇÃo 523

Download JORNAL A VOZ DA RAZÃO - EDIÇÃO 523

Post on 08-Mar-2016

228 views

Category:

Documents

8 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Primeira quinzena do Jornal A Voz da Razão com circulação na região de Blumena

TRANSCRIPT

  • 11/07/2012BLUMENAU /SC N 523ANO XXIV Deus bomR$ 1,0024 ANOS

    AOS SBADOS FEIJOADAPOR APENAS R$ 12,90

    AOS SBADOS FEIJOADAPOR APENAS R$ 12,90

    10 VEZES NOCARTO

    VISA E MASTER

    Buffet todos os diascom comida caseira

    n g

    F

    Atenderemos nos seguintes horrios:De segunda sexta: das 8 s 19 horas

    Aos sbados: das 9 s 18 horas.Venha nos visitar, ser um prazer em atend-lo

    Fones: 3334 - 0910 / 3041- 0911

    Comunicamos nossaclientela que neste dia16 de Julho estaremos

    atendendo em novoendereo, em uma

    ampla salaconfortvel, anexo aoVale Auto Shopping,

    com amploestacionamento

    RECICLAGEM VAIDUPLICAR EM 2014

    COMERCIANTES DA RUA 25 DEJULHO QUEREM UMA ILHA DE

    SEGURANA AQUI

    Depois que a prefeitura de Blumenau implantou o Binrio da Rua Paris,este trecho da Rua 25 de Julho no Bairro Fortaleza se transformou emuma pista de corrida. Comerciantes se mobilizam. Pgina 6

    Fotos: Jos Carlos Goes

    De acordo com o Samae, que mantm parceria com a cooperativa Reciblu, nova esteira dever ser instalada nos prximos meses, no local da reciclagem, atrs do Terminal Aterro

    Pgina 4

  • A VOZ DA RAZO Blumenau/SC - 11/07/2012 224anos OPINIO

    Associado a:

    Fundado em 3 de maro de 1988 - Diretor Fundador: Airton Floriani DRT/SC 027 -Um jornal da AM Editora de Jornal Ltda. CNPJ: 80.7141810001/57Redao: Rua XV de Novembro, 1336 sala 07 - Sobre Loja -Ed. Braslia - CEP 8910.002 - Blumenau (SC) - Fones (47) 3322-9780 - 3322-0064jornalavozdarazao@terra.com.br -

    Circulao em Blumenau e Vale do Itaja

    Todo o material, fotos, e conceitos emitidos nas reportagens com matrias assinadas ecolunistas so de responsabilidade dos entrevistados e autores.

    Fechamento desta edio: 10/07/2012, s 11h45min

    Realidade OcultaRoberto Rivelino Rautenberg

    robertorautenberg@yahoo.com.br

    Opinio

    Cooperativismo

    Altair Carlos PimpoDiretor da TV Galega

    VO RASANTE

    FOTO DA SEMANA

    FOTO DO PASSADO

    EDITORIAL

    LIXO: A RESPONSABILIDADE DE CADA UM

    PERIGO AOSANIMAIS:

    Foto: Jos Carlos Goes

    Cientista Social e Professor de Sociologia

    FIM DA GREVE - Uma liminarconcedida pelo juz da Vara daInfncia e do Adolescente, na tardeda ltima quinta-feira, obrigando avolta ,em 48 horas aos locais detrabalho ,ps fim a greve deservidores pblicos e professores da

    Foi uma sexta-feira de agonia dos servidores sob a figueirarede municipal de ensino deBlumenau ,sem que as classestivessem chegado a um acordo ,parazerar as perdas salariais , em tornode 71,40%. A assembleia realizadana sexta-feira pela manhantecedida por um culto religioso

    sob a figueira ,confirmou a derrotatrabalhista da classe . Desde ontem,escolas e creches esto emfuncionament. (Noticia publicadaneste jornal, no dia 15 de julho de1994, edio 116 )

    Foto: Arquivo Jornal A Voz da Razo

    No aconteceu aqui na nossaaldeia, mas na capital da repblica,Braslia. Avio da FAB, por puraexibio do piloto, passou em vorasante e velocidade supersnica.O resultado foi a quebra de vidraasno Palcio do Planalto e em outrosedifcios governamentais, bemcomo em propriedades particulares.De poluio sonora nem se fala.Um absurdo que no pode serrepetido. Tais vos no deixam derepresentar um srio perigo para

    quem ocupa as edificaes por ondepassam os aventureiros dos ares. AFora Area Brasileira distribuiucomunicado afirmando que vaiassumir a responsabilidade. O pilotoj teria sido afastado de seu Mirage.Na minha modesta opinio, oirresponsvel deveria ser obrigado apagar os prejuzos. Foi quebrado umnmero grande de vidraas e,felizmente, os estilhaos no feriramas pessoas. Descontando do seusoldo os militares infratores jamais

    voltariam a cometer tal atoirresponsvel. No acredito queestavam cumprindo ordenssuperiores. Mas, se o foi, a contadeveria ser paga pelo comandante.A FAB chama para si aresponsabilidade e com isto quempaga a conta o pagador deimpostos brasileiros Sim, pois deonde que sair a verba para opagamento?

    No primeiro sbado do ms dejulho, comemorado o diainternacional do cooperativismo.Data que no pode passar embranco, precisamos neste dia, nomnimo refletir sobre os problemasque o atual modelo econmico vemcausando a humanidade. Asconsequncias malficas do atualmodelo so as mesmas que oencontro Rio+20 infelizmentedeixou sem respostas. Evidente queno culpa do nosso pas, mas simpelo no comprometimento dosque mais consomem.

    Um problema a considerar sem dvida a naturalizao que hem torno do capitalismo. Essanaturalizao faz com que sualgica parea insubstituvel. No verdade, h sim meios de conviverem harmonia com a natureza.Vamos a um exemplo. Oagronegcio no Brasil vem batendorecordes a cada ano, seja no que serefere a gros ou carne, entretanto,esse processo traz algunsproblemas graves. Florestas sodestrudas, rios contaminados,

    pessoas ingerindo defensivos epesticidas. E o mais interessante que cerca de 70% do que o povobrasileiro consome vem daagricultura familiar, que no utilizanenhum tipo de agrotxico, e commuita frequncia se organiza emforma de cooperativas. Para ondevo os produtos do agronegcio?So exportados, e seus lucros soconcentrados, aumentando assim oabismo social.

    O mesmo cooperativismo semostra eficiente quanto distribuio da sua prpriaproduo, poder ser umaalternativa para tornar odesenvolvimento menos agressivo natureza. Teremos ento, em ummodelo econmico, a possibilidadede justia social aliada preservao do meio ambiente. Ens, que nos auto-definimos comoseres racionais, temos o dever depensar nas prximas geraes.

    O cenrio acima de um diaantes da abertura, ao trfego, doltimo trecho do Binrio da RuaParis. Ele compreende entre ocruzamento da Rua Romrio daConceio Badia e a Primeiro de

    Janeiro no Bairro Itoupava Norte. Oque chamou a ateno foi a grandequantidade de cachorros quecirculava no local, muitos delesabandonados. Com a trfego intensono local a partir de agora, o quepreocupa e a mortandade dessesanimais, que correm o risco de serematropelados.

    Cada um de ns blumenauensesproduz 680 gramas de lixo por dia,ou seja mais de meio quilo. Comosomos mais de 300 mil, issosignifica que empurramos para opoder pblico recolher e dar adestinao correta para 6,3 miltoneladas de dejetos.

    Antigamente no havia tantolixo, porque no havia tantaindustrializao. Os sacos plsticos,por exemplo no existiam. Aspessoas iam na venda comprar arroze feijo e traziam o produto empacotes de papel, depois de pesadona balana de pndulo. Ocomerciantes tinha o arroz e o feijoguardados fora das embalagens.

    Depois vieram ossupermercados e a industrializao.Agora a gente encontra tudoprontinho, pesado, s pegar apassar no caixa. Mas toda essa

    comodidade h um preo: o lixo quevai mais tarde agredir o meioambiente porque ainda no h acultura da reciclagem.

    E isso se reflete nos nmeros queso apresentados pelo Samae de

    Blumenau. Enquanto 6,3 miltoneladas so recolhidos junto populao de Blumenau, apenas 300toneladas so recicladas.

    Por isso, estampamos na capadesta edio a notcia de que o lixo

    reciclado vai ser dobrado em 2014.H um trabalho em andamento paraque isso ocorra, com a implantaode mais uma esteira de seleo nausina de lixo instalada atrs doTerminal Aterro.

    No aquilo. Mas pelo menos alguma coisa. Esperamos que essesnmeros da reciclagem tripliquemlogo aps o ano de 2014.

    E isso vai depender tambm danossa conscientizao. Cabe a cadaum de ns selecionar os tipos demateriais-detritos que produzimosno dia a dia. Deixemos para ocaminho do lixo, apenas oorgnico, ou seja, aquele que no plstico, metal ou papel.

    E quem vai agradecer anatureza e os nossos netos, porquepelo menos evitamos que grandeparte do espao ambiental hoje sejaocupado por lixes.

    As pessoas iam na vendacomprar arroz e feijo etraziam o produto empacotes de papel, depois depesado na balana depndulo

  • jornalavozdarazao@terra.com.brda redao

    A VOZ DA RAZO Blumenau/SC - 11/07/2012 324anos OPINIO/INFORMAO

    PLENRIO

    PROTEO

    IP QUEENFEITA A

    BEIRA-RIO FOISALVO PELA

    ACAPRENA

    HOSPITAL

    Foto: Leocarlos Sieves

    Quem transita hoje pela cidadede Blumenau, em especial pelaAvenida Beira-Rio, podecontemplar a linda florao dos ipsroxos, enriquecendo a paisagem.

    O ip roxo (Handroanthusimpetiginosus), uma espcie quefloresce durante o inverno, quandosuas folhas caem dando lugar a suaexuberante florao.

    A Associao Catarinense dePreservao da Natureza(Acaprena) lembra que a rvore foidecretada como smbolo da cidadede Blumenau. muito utilizada paraornamentao urbana no Brasil.Alm de beleza cnica, a rvoreproporciona alimento e abrigo

    fauna e sombra aos que caminhampela avenida.

    H dois anos, dois exemplarescom cerca de 40 anos tombaram namesma via, graas rpidamobilizao da Acaprena houvesuspenso imediata do corte de

    outras rvores, inclusive esta da foto.Infelizmente, a rvore que

    encanta alguns, a ponto de lev-loss lgrimas , aos olhos de outros,s uma coisa verde que bloqueia ocaminho, escreveu o poeta inglsWilliam Blake.

    A greve dos trabalhadores dotransporte de valores de Blumenauque at o fechamento desta ediose mantinha, se tornou mais forteque os bancrios. Isso porquequando os funcionrios dos bancosparam, os servios nas agnciasbancrias no ficam paralisadostotalmente. A movimentaofinanceira acontece atravs doscaixas eletrnicos que se mantmabertos determinadas horas do dia.

    J a greve dos transpotadores devalores no. Eles deixam os bancossem o seu produto principal: odinheiro.

    Assim, os bancos ficaram

    MAIS FORTE QUE OS BANCRIOSapreensivos e tomaram medidas paraevitar que faltasse dinheiro noscaixas eletrnicos e at mesmo noatendimento pessoal nas agncias.Algumas agncias limitaram o valordo saque. O Banco do Brasil reduziude R$ 1 mil para R$ 500 no caixaeletrni