jogos de empresas - ?· orçamento empresarial orÇamento tradicional o modelo de gestão de...

Download JOGOS DE EMPRESAS - ?· Orçamento Empresarial ORÇAMENTO TRADICIONAL O modelo de gestão de desempenho…

Post on 31-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1

JOGOS DE EMPRESAS

Valdick Sales

Mestre

MBA Administrao e Gesto de Negcios

2

APRESENTAO

Graduado em Cincia da Computao pela UFPE.

Ps-Graduado em Redes e Banco de dados pela UFPB.

Ps-Graduado em Engenharia de Software pelo

CESMAC.

Consultor e assessor h mais de 20 anos de empresas

no Estado.

Mestre em Modelagem do Conhecimento da UFAL.

Editor tcnico h 15 anos, do Suplemento da Gazeta

Digital.

Diretor de Planejamento e Controle da Organizao

Arnon de Mello.

Valdick sales

3

SUMRIO

CONCEITOS BSICOS

PROCESSO DE DECISO

NECESSIDADES DO GESTOR

NECESSIDADES DO USURIO

DONOS DA INFORMAO

SISTEMAS DE INFORMAES (SIG)

NECESSIDADES CORPORATIVAS

FERRAMENTAS DE MEDIO E DESEMPENHO

ORAMENTO EMPRESARIAL

FLUXO DE CAIXA

DEMOSTRATIVOS DE RESULTADOS

JOGOS DE EMPRESAS

SIMULAES

4

CONCEITOS BSICOS

DADO

INFORMAO

CONHECIMENTO

5

Os dados so elementos brutos, sem significado, desvinculados

da realidade. So, segundo Davenport (1998, p. 19), "observaes

sobre o estado do mundo".

So smbolos e imagens que no dissipam nossas incertezas. Eles

constituem a matria-prima da informao. Dados sem qualidade levam

a informaes e decises da mesma natureza.

Sendo o dado considerado a matria-prima para a informao: o que

so informaes?

DADOS

CONCEITOS BSICOS

6

As informaes so dados com significado. "So dados dotados

de relevncia e propsito" (Drucker apud Davenport, 1998, p.18).

Elas so o resultado do encontro de uma situao de deciso com

um conjunto de dados, ou seja, so dados contextualizados que

visam a fornecer uma soluo para determinada situao de deciso

(MacDonough apud Lussato, 1991).

A informao pode assim ser considerada como dados

processados e contextualizados, mas para Sveiby (1998) a

informao tambm considerada como "desprovida de significado

e de pouco valor", e Malhotra (1993) a considera como "a matria-

prima para se obter conhecimento".

INFORMAES

CONCEITOS BSICOS

7

Para Davenport (1998, p.19), o "conhecimento a informao

mais valiosa (...) valiosa precisamente porque algum deu

informao um contexto, um significado, uma interpretao (...)".

O conhecimento pode ento ser considerado como a informao

processada pelos indivduos. O valor agregado informao

depende dos conhecimentos anteriores desses indivduos.

Assim sendo, adquirimos conhecimento por meio do uso da

informao nas nossas aes.

Desta forma, o conhecimento no pode ser desvinculado do

indivduo; ele est estritamente relacionado com a percepo do

mesmo, que codifica, decodifica, distorce e usa a informao de

acordo com suas caractersticas pessoais, ou seja, de acordo com

seus modelos mentais ou necessidade.

CONHECIMENTO

CONCEITOS BSICOS

8

Um carro BMW, ltimo tipo, conversvel, zero

quilmetro, totalmente destrudo em um acidente

no qual o motorista bateu em uma rvore

centenria derrubando-a pode ser codificado,

decodificado e distorcido das seguintes maneiras.

Algumas pessoas sero levadas a decodificar

as informaes baseadas em seus valores

materiais: "Logo um carro to caro! Ser que ele

est segurado?

Exemplo

CONCEITOS BSICOS

9

Enquanto outras pessoas, com valores humanos

mais aguados, tero seu foco no ser humano:

"Ser que o acidente resultou em feridos?"

Outras pessoas com interesses ecolgicos ainda

tero suas atenes voltadas ao destino da rvore

centenria: "Logo nesta rvore! No poderia ter

sido em uma outra?".

Exemplo

CONCEITOS BSICOS

10

MAIS UM INGREDIENTE

NA CONCEPO DA

UTILIZAO DA

INFORMAO

11

DADOS

DADOS CONTEXTO INFORMAO

INFORMAO EXPERINCIA CONHECIMENTO

CONHECIMENTO HABILIDADE COMPETNCIA

UM NOVO CONCEITO

12

TOMADA DE DECISES

Informao

Conhecimento

Competncia

Deciso

Cadeia do

Processo

Decisrio

ERP ,

Sistemas

Individuais

Acompanhamento e

Mtricas

Dados

13

Era da Inteligncia

Era das aplicaes

Era dos bancos de dados

1980 1990 2000 2010

HISTRICO

14

REFLEXO...

ADMINISTRAR BEM UM NEGCIO

ADMINISTRAR SEU FUTURO; E ADMINISTRAR

SEU FUTURO ADMINISTRAR INFORMAES

( Marion Harper Jr.)

15

REFLEXO

O mundo no est interessado

nas tempestades que voc

enfrentou, quer apenas saber se

voc trouxe o navioWilliam Mac Fee

E como voc acha que as

organizaes pensam?

16

. . .

No estamos aqui para prever o

futuro ,mas sim para criar a

certeza de t-lo

Peter Ferdinand Drucker

E com quais ferramentas?

17

ESPCIES DE ORGANIZAES

AS QUE FAZEM AS COISAS

ACONTECEREM.

AS QUE OBSERVAM AS COISAS

ACONTECEREM.

AS QUE PERGUNTAM O QUE

ACONTECEU.

18

REFLEXO

DIGA-ME, POR FAVOR, QUE CAMINHO DEVO TOMAR

PARA SAIR DAQUI ?, perguntou Alice.

ISTO DEPENDE DE PARA ONDE VOC QUER IR,

disse o gato.

NO FAZ DIFERENA PARA MIM, retrucou Alice.

ENTO, NO FAZ DIFERENA QUE CAMINHO VOC

TOMA,

respondeu-lhe o gato.

ALICE NO PAS DAS MARAVILHAS

Lewis Carroll

19

.....

Comentrios ?

20

REPOSICIONAMENTO DA ORGANIZAO

RESPONDER A CINCO QUESTES BSICAS:

O QU SOMOS ?

ONDE ESTAMOS ?

O QU DEVERAMOS SER ?

ONDE DEVERAMOS ESTAR ?

O QU NECESSRIO FAZER PARA CHEGAR AONDE

DEVERAMOS ESTAR ?

21

REFLEXO

O MAIS IMPORTANTE NESTE

MUNDO NO ONDE ESTAMOS,

MAS EM QUE DIREO ESTAMOS

NOS MOVENDO

Oliver Wendell HOLMES, poeta e novelista Americano

Voc e sua organizao esto indo para onde?

22

O PROCESSO DE TOMADA DE DECISES

VARIVEIS VARIVEIS VARIVEIS VARIVEIS

OBJETIVOS

SOLUO 1 SOLUO 2 SOLUO N

DESEJOS

23

PROCESSO DA DECISO

RISCO

CERTEZA

INCERTEZA

TURBULNCIA

24

a condio para tomada de deciso na qual os

responsveis pela resoluo contam com informaes

precisas e confiveis.

CERTEZA

PROCESSO DA DECISO

25

RISCO Trabalha-se com uma taxa probabilstica de insucesso.

INCERTEZA Os tomadores de deciso enfrentam situaes

imprevisveis.

TURBULNCIA As metas no so bem definidas (claras) e as

informaes no so suficientes.

PROCESSO DA DECISO

26

NECESSIDADES

DE UM

GESTOR

27

INFORMAO

ANLISE

DECISO

AO

VELOCIDADE

RESULTADOS

NECESSIDADES DO GESTOR

28

Informao

NECESSIDADES DO GESTOR

QUANTO MAIOR A QUANTIDADE E QUALIDADE

DAS INFORMAES DISPONVEIS, MAIS FCIL

ACHARMOS ONDE ATUAR PARA ALCANARMOS

NOSSOS OBJETIVOS.

QUANTO MAIS FCIL PUDERMOS

MANIPULAR TAIS INFORMAES, PERMITINDO

ESTUDAR CENRIOS POR DIFERENTES

PERSPECTIVAS, MAIS CLARAS, FCEIS E FIIS

SERO NOSSAS CONCLUSES.

Anlise

29

Deciso

NECESSIDADES DO GESTOR

CONCLUSES EMBASADAS EM DADOS

REAIS NOS LEVAM A TOMAR DECISES

ASSERTIVAS, NA DIREO EXATA DE NOSSOS

OBJETIVOS.

Ao

TAIS DECISES DEVEM SER IMPLANTADAS

DE MANEIRA RPIDA E ABRANGENTE, SENDO

TRANSFORMADAS EM AES.

30

Velocidade

NECESSIDADES DO GESTOR

AES QUE POR SUA VEZ DEVEM SER

PROCESSADAS RAPIDAMENTE, COM QUALIDADE,

EM QUANTIDADE E ABRANGNCIA.

Resultados

S ASSIM CHEGAMOS AOS RESULTADOS

POSITIVOS QUE BUSCAMOS.

NO POR MGICA E SIM COMO

CONSEQNCIA LGICA E NORMAL DE UM

TRABALHO REALIZADO.

31

NECESSIDADES

DO

USURIO

32

Quero toda a Informao..."

Informao

Integrada

Medias

Importantes

Retorno Gerado

pelo Computador ExperinciaAnlise

Processo

de

Business

inout

NECESSIDADES DO USURIO

33

DONOS

DAS

INFORMAES

34

INFORMAO NO FONTE DE PODER,

FONTE DE GESTO

REFLEXO

Qual dos modelos apresentados seria melhor

para implantao?

35

SISTEMAS

36

VISES DE UM SISTEMA

37

VISES DE UM SISTEMA

38

SISTEMA DE INFORMAES

MEIO AMBIENTE

SUPERSISTEMA

SISTEMA

subsistema 1

subsistema 2

subsistema 3

Os diversos nveis de

sistema dentro do ambiente

empresarial

39

SISTEMA DE INFORMAES

Pessoas Organizaes

Tecnologia

Sistemas

de

Informao

Um sistema bem sucedido

tem dimenses

organizacional e humana,

alm dos componentes

tcnicos.

Ele existe para responder a

necessidades

organiza