jesus cristo e seus ensinos como forma de .2 antonio carlos da rosa silva junior jesus cristo e seus

Download JESUS CRISTO E SEUS ENSINOS COMO FORMA DE .2 antonio carlos da rosa silva junior jesus cristo e seus

Post on 30-Sep-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA

    Antonio Carlos da Rosa Silva Junior

    JESUS CRISTO E SEUS ENSINOS COMO FORMA DE AUXLIO

    REALIZAO DO DEVER PATERNAL DE EDUCAO DOS FILHOS

    Juiz de Fora

    2009

  • 2

    ANTONIO CARLOS DA ROSA SILVA JUNIOR

    JESUS CRISTO E SEUS ENSINOS COMO FORMA DE AUXLIO

    REALIZAO DO DEVER PATERNAL DE EDUCAO DOS FILHOS

    Monografia apresentada no curso de

    Especializao latu senso em Direito e

    Relaes Familiares da Universidade

    Salgado de Oliveira UNIVERSO, como

    parte dos requisitos para concluso do

    curso.

    Orientador: Prof. MS. Fbio de Oliveira

    Vargas

    Juiz de Fora

    2009

  • 3

    Ao Senhor Jesus Cristo,

    por minha salvao e remisso dos meus pecados.

    minha esposa Kenya,

    pelo carinho, oraes e por ser uma bno de Deus em minha vida.

    minha filha Maria Eduarda,

    pelo estmulo a estudar a educao nos preceitos da Palavra de Deus.

    Aos meus pais e irm,

    pelo apoio incondicional e imensurvel.

    Aos meus queridos parentes e amigos,

    pela alegria em t-los.

  • 4

    Os filhos no precisam do desprezo dos pais.

    Precisam, sim, dos seus joelhos.

    Ore por eles, a fim de que apreendam sobre Jesus Cristo, o Filho ressuscitado

    do Deus vivo!

  • 5

    ABREVIATURAS E SIGLAS USADAS abr.: abril

    ADCT: Ato das Disposies Constitucionais Transitrias

    ADI: Ao Direta de Inconstitucionalidade

    ago.: agosto

    ampl.: ampliada

    ARA: Bblia Sagrada na traduo de Joo Ferreira de Almeida, Revista e Atualizada

    ARC: Bblia Sagrada na traduo de Joo Ferreira de Almeida, Revista e Corrigida

    art.: artigo

    arts.: artigos

    atual.: atualizada

    CC/02: Cdigo Civil de 2002

    CNJ: Conselho Nacional de Justia

    CNPCP: Conselho Nacional de Poltica Criminal e Penitenciria

    CP: Cdigo Penal

    CRFB/88: Constituio da Repblica Federativa do Brasil de 1988

    Des.: Desembargador

    Des.: Desembargadora

    dez.: dezembro

    DOE: Dirio Oficial do Estado

    DOU: Dirio Oficial da Unio

    ed.: edio

    Ed.: Editora

    EJEF: Escola Judicial Desembargador Edsio Fernandes

    fev.: fevereiro

    jan.: janeiro

    jul.: julho

    jun.: junho

    LEP: Lei de Execuo Penal

    mai.: maio

    mar.: maro

    Min.: Ministro

    MG: Minas Gerais

    n./n: nmero

    nov.: novembro

    obs.: observao

  • 6

    op. cit.: obra citada

    Org.: organizao

    out.: outubro

    p.: pgina

    p/: para

    par.: pargrafo

    pp.: pginas

    Pr.: Pastor

    Rel.: Relator

    Rel.: Relatora

    rev.: revista

    set.: setembro

    SP: So Paulo

    STF: Supremo Tribunal Federal

    TJMG: Tribunal de Justia do Estado de Minas Gerais

    UFMBB: Unio Feminina Missionria Batista do Brasil

    v.: volume

  • 7

    SUMRIO DEDICATRIA .................................................................................................. 3 ABREVIATURAS E SIGLAS USADAS ............................................................ 5 1 INTRODUO ................................................................................................ 9 2 DEUS NAS CONSTITUIES ..................................................................... 11

    2.1 Natureza jurdica dos prembulos constitucionais ......................... 11 2.2 Laicidade estatal e proteo de Deus .......................................... 16 2.3 Deus e laicidade nas Constituies do Brasil ................................ 18 2.4 Deus nas Constituies dos Estados-membros ............................. 22 2.5 Deus no Direito Constitucional comparado .................................... 25 2.6 Deus: finalidade e importncia da citao constitucional de 1988 . 26

    3 JESUS CRISTO: HOMEM OU DEUS? ........................................................ 31 3.1 Jesus Cristo: fruto do imaginrio humano? .................................... 31 3.2 Evidncias histricas da existncia de Jesus ................................ 33 3.2.1 A sentena que condenou Jesus ....................................... 34 3.3 O que as Escrituras dizem de Jesus? ............................................ 36 3.4 Concluses preliminares ................................................................ 37 4 DEVER DE EDUCAO DOS FILHOS ....................................................... 40

    4.1 O dever de educao dos filhos: histrico e legislao ................. 40 4.2 O dever de educao dos filhos: doutrina e jurisprudncia ........... 46 4.3 Problemas na educao dos filhos: aspectos psicolgico-

    pedaggicos ..................................................................................................... 57 4.4 Dignidade da pessoa humana e a influncia do cristianismo ........ 84

    5 OS ENSINOS DE JESUS CRISTO PARA A EDUCAO INTEGRAL ...... 95

    5.1 Livre arbtrio ................................................................................... 96 5.2 Os dois caminhos possveis ........................................................... 97 5.3 O que impede o homem de receber a Palavra ............................ 101 5.4 Preciso de ajuda! ....................................................................... 102 5.5 O amor ......................................................................................... 105 5.6 Do corao procedem os maus desgnios ................................... 108 5.7 O problema da ganncia e do amor riqueza ............................. 109 5.8 A importncia da famlia ............................................................... 114 5.9 Dever de educar sendo exemplo ................................................. 116 5.10 Dever de correo e disciplina ................................................... 117 5.11 Pais contadores de histrias necessidade do dilogo ............ 121 5.12 Necessidade do perdo ............................................................. 123 5.13 Jesus desfaz as obras do diabo ................................................. 127 5.14 No apenas ouvinte, mas cumpridor da Palavra ....................... 128

    6 TESTEMUNHOS DE EDUCAO INTEGRAL POR JESUS CRISTO E SEUS ENSINOS ............................................................................................ 131

  • 8

    7 CONCLUSO ............................................................................................. 135 BIBLIOGRAFIA ............................................................................................. 136 ANEXO 1 PLANO DE SALVAO ........................................................... 154

  • 9

    1 INTRODUO

    Todas as Constituies brasileiras, ressalvadas as de 1841 e 1937,

    fazem meno a Deus em seus prembulos, tendo a de 1988 declarado a Sua

    proteo. Os Estados-membros, atualmente, sem exceo, tambm O

    mencionam, ora declarando, ora invocando a referida proteo. Deus, no

    direito constitucional comparado, citado por vrios Estados. Assim,

    avaliamos, no captulo 2, em sntese, a natureza jurdica da disposio

    preambular e sua influncia sobre a laicidade estatal, bem como as citaes de

    Deus nas Constituies dos Estados-membros e no Direito comparado, alm

    da importncia e o objetivo da citao de Deus na Carta de 1988.

    No captulo 3 avaliamos a existncia e a divindade de Jesus Cristo. De

    fato, Jesus pode ser encarado como um mentiroso, um louco ou o prprio

    Deus; as assertivas bblicas e as evidncias histricas nos fazem crer nessa

    ltima opo, o que nos permite invoc-lO para a soluo dos problemas

    sociais, no caso, a ausncia de ressocializao do delinqente.

    Nesse sentido, no captulo 4, observamos o dever de educao dos

    filhos, primeiramente, sob o prisma histrico e legislativo, de 1824 aos dias

    atuais, e, posteriormente, a opinio dos doutrinadores e a jurisprudncia

    formada acerca desse dever, especialmente quando do seu no cumprimento.

    Ainda, destacamos vrios problemas decorrentes da m-educao integral

    (formal e informal), bem como algumas de suas causas. No mais, trabalhamos

    das decorrncias do princpio da dignidade da pessoa humana e a influncia do

    cristianismo na sociedade.

    O captulo 5, que consideramos o mais importante desse trabalho, traz

    vrios ensinos de Jesus Cristo para o auxlio aos genitores no que toca a

    educao dos filhos. No tratamos apenas de citaes bblicas. As instrues

    de Jesus so ratificadas por educadores e estudiosos do sistema educacional

    brasileiro, como psiclogos, antroplogos, cientistas sociais e juzes de Direito,

    no que ganham corpo cientfico e no meramente religioso-teolgico.

    Colacionamos, no captulo 6, alguns testemunhos de pessoas que, aps

    terem conhecido a Cristo, tornaram-se praticantes de Seus ensinos, pelo que

    alcanaram a educao plena: instruo escolar e prtica de importantes

  • 10

    valores morais e ticos, alm de conseguirem apagar as influncias negativas

    de suas condutas equivocadas.

    Cabe, ainda, uma observao final nessa introduo quanto forma de

    citao bblica. Para isso, Tomemos o seguinte exemplo: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unignito, para que todo aquele que nele cr no perea, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo no para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. (...) E a condenao esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram ms. Porque todo aquele que faz o mal aborrece a luz e no vem para a luz para que as suas obras no sejam reprovadas. Mas quem pr