jango na memÓria e joÃo goulart sem um lugar na histÓ .período de 1945-1964, contra o getulismo,

Download JANGO NA MEMÓRIA E JOÃO GOULART SEM UM LUGAR NA HISTÓ .período de 1945-1964, contra o getulismo,

Post on 11-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    JANGO NA MEMRIA E JOO GOULART SEM UM LUGAR NA HISTRIA

    Dilossane Vargas da Silva1

    (dilossane@hotmail.com)

    Resumo: A historiografia poltica contempornea atravs de novas abordagens nos possibilita

    interpretar a construo negativa j consagrada de Joo Goulart como personagem poltico.

    Imagem esta sustentada por polticos da UDN, Jango como um demagogo, sem nenhum

    compromisso com reformas sociais, almejava to somente conquistar e manter-se no poder.

    Contudo, ainda na atualidade a histria reserva para Joo Goulart um lugar secundrio.

    Apoiado em fontes primrias, busca se analisar Joo Goulart como ator poltico, mais

    precisamente o comportamento social de Joo Goulart at o perodo de 1945 para entender a

    origem do perfil popular e habilidade poltica de Joo Goulart.

    Palavras Chave: Histria Poltica, Memria Nacional, Perfil Conciliador.

    Abstract: The contemporary political history through new approaches enables us to interpret

    the negative construction of Joo Goulart already consecrated as political character. Picture

    this supported by politicians UDN, Jango as a demagogue, with no commitment to social

    reform, aimed to conquer and so only remain in power. However, even today the story

    Goulart reservation for second place. Backed by primary sources, seeks to analyze how

    political actor Joo Goulart, more precisely the social behavior of Joo Goulart until the

    period of 1945 to understand the origin of popular and political skill profile of Joao Goulart.

    Keywords: Political History, National Memory, Profile Conciliator.

    Introduo:

    A memria poltica sobre Joo Goulart por vrias dcadas foi relegada ao

    esquecimento, devido aos inmeros atributos depreciativos selecionados e exaltados pela

    memria nacional a seu respeito. Faz-se relevante interpretar o contexto social e poltico

    vivido por Joo Goulart para responder lacunas que ainda se encontram em aberto na

    historiografia brasileira, com destaque para o comportamento social de Joo Goulart antes de

    ocupar cargos pblicos.

    A trajetria social de Joo Goulart tem muito a nos revelar, so informaes

    relegadas ao segundo plano sobre a histria do Brasil. A imagem construda da atuao de

    Joo Goulart na poltica no mais satisfaz as angstias do presente, principalmente sobre seu

    1 Aluna do Curso de Especializao em Imagem, Histria e Memria das Misses - Educao para o Patrimnio

    na UNIPAMPA Campus de So Borja RS. 04/2013.

    mailto:dilossane@hotmail.com

  • 2

    perfil poltico junto aos historicamente excludos de participao na poltica. Os trabalhadores

    brasileiros, sindicalistas, operrios, assalariados.

    No se Trata de exaltar Joo Goulart, suas qualidades, iniciativas ou falta das

    mesmas, mas sim trazer luz de novas abordagens a atuao de Joo Goulart na poltica,

    aes que atacaram de frente os interesses da conservadora elite poltica do pas. Pois, ao

    longo da histria poltica brasileira Joo Goulart apresentado com certa ambiguidade pelas

    classes conservadoras na tentativa de denegrir sua imagem, como fraco, despreparado /

    golpista e habilidoso, devido ao que representava suas propostas de valorizao do

    trabalhador brasileiro.

    Assim como na viso udenista, nota se nas representaes dos militares uma

    ambiguidade associada imagem de Joo Goulart. Ora ele apresentado como

    Caudilho detentor de um projeto de poder definido, prestes a instaurar uma ditadura,

    ora emerge como um fraco, incompetente despreparado e incapaz, para citar alguns

    dos adjetivos utilizados. (FERREIRA, 2006, 13).

    A histria de Joo Goulart no se resume aos acontecimentos de 31 de maro

    de 1964, (FERREIRA, 2011) pelo contrrio a sua rica e diversa atuao na poltica se d

    desde muito cedo, vem de bero, sua origem poltica, sua experincia suas aes nos

    bastidores da poltica, o trato com populares nos revelam que a vida social e poltica de Joo

    Goulart esto no aguardo de um novo olhar, de uma interpretao imparcial, sem receio, urge,

    que se construa e apresente a sociedade brasileira quem foi Joo Goulart e qual sua

    contribuio para com o nacional-desenvolvimentismo.

    A verdade incontestvel que Jango iniciara um processo nacionalista e de intensa

    participao popular na vida poltica brasileira. Processo que precisava ser

    interrompido, cortado enquanto era tempo, para proteger interesses antinacionais e

    antipopulares, o que foi feito sem se poupar meios e nem recursos. (RIFF, 1979).

    Por meio da Nova Histria Poltica, ser possvel analisar a ira dos grupos

    opositores atravs de constantes ataques e a crise vivida por Goulart em sua curta atuao na

    poltica por ser novo, trazer o novo, o diferente, nunca antes visto na histria da poltica

    nacional e principalmente pelo que representava a continuidade da poltica getulista.

    Marieta de Moraes Ferreira (2004:19) chama ateno para o seguinte

    questionamento:

  • 3

    Desse conjunto de depoimentos emerge uma memria construda a partir de

    elementos incoerentes e, at mesmo, contraditrios. Bondade, incapacidade,

    modstia, ingenuidade, periculosidade, caudilhismo so algumas qualidades que

    compem uma imagem enigmtica do personagem. O que se pode depreender

    desses discursos marcados pela ambiguidade, que qualificam Jango de fraco ao

    mesmo tempo que enfatizam uma sede de poder capaz de colocar o pas nas mos

    dos comunistas?

    Por isso, justifica-se que a atuao de Joo Goulart na poltica, deve ser revista

    para alm das dificuldades, crises, derrotas, verses negativas de sua trajetria e legado e por

    novos caminhos dar nfase para a habilidade de negociar do fazendeiro Jango aliado as

    intenes reformistas como tambm a presena de uma oposio anti qualquer tipo de

    reformismo no contexto poltico de atuao de Joo Goulart. Ao analisar o discurso

    apresentado deve ser levado em considerao, at que ponto Jango atuou como fraco, como se

    justifica a ameaa que o mesmo representava para o pas segundo a oposio poltica.

    Ao encobrir a trajetria poltica de Joo Goulart, consequentemente se ignora

    as lutas de classe e reivindicaes dos trabalhadores brasileiros por melhores condies de

    vida e trabalho, pela participao poltica, ou seja, um grande marco, a incorporao da classe

    operria na poltica brasileira.

    1. O FAZENDEIRO JANGO 2

    Valeu-lhe tambm da enorme capacidade de comunicao com a massa. Goulart, da

    mesma forma que Vargas, era natural da zona das misses, onde o caudilho se

    retemperava e sua autoridade se impunha, medida em que ele se confundia com os

    pees, nas cavalgadas e nas fainas, vencendo coxilhas e recebendo as lufadas do

    minuano. O modo de produo da pecuria extensiva, na situao dos pampas,

    gerava uma convivncia social mais aberta, mais democrtica. E essa tradio

    igualitria do gacho missioneiro, simbolizada pela roda do chimarro, ajudou o

    trato de Goulart com os lderes sindicais, que o acatavam como um dos seus.

    (BANDEIRA, 1978: 26).

    Joo Goulart, homem nascido nos pampas, criado frequentando o galpo da

    fazenda, aonde se reunia diariamente, ao clarear do dia, com os pees para tomar o chimarro

    2 Joo Belchior Marques Goulart, conhecido popularmente como Jango, nasceu no dia 1 de maro de 1919, em

    So Borja- RS. Filho do estancieiro Vicente Rodrigues Goulart e Vicentina Marques Goulart estudou o curso

    primrio em So Borja RS. Terceiro filho de uma famlia de oito irmos, cinco mulheres e trs homens,

    Eufrides, Iolanda, Neusa, Sila e Maria, Rivadvia, Ivan e Joo, o Jango que passou sua infncia na fazenda, onde

    realizou seus estudos primrios e desenvolveu o gosto pela vida do campo, especialmente as atividades

    pecurias, entre elas tropeadas, rodeios, e o chimarro em torno do fogo de galpo. (VILLA, 2004).

  • 4

    que corria de mo em mo sem respeitar hierarquia, o permanente calor do fogo de cho e o

    hbito do cigarro de palha, eram rotinas e costumes do Rio Grande do sul.

    Jango, aps obter formao em curso superior, no demonstrou grande

    interesse pelo curso de direito, preferiu auxiliar o pai na administrao dos negcios

    familiares, especialmente as fazendas, o equivalente a 870 hectares de terra. Em suas prprias

    terras, passou a engordar bois e despach-los para os frigorficos da regio, prtica que se

    tornara constante. Seus lucros rapidamente se multiplicaram e, ainda jovem, com seus

    recursos, comprou um pequeno avio e um automvel, o que causou muito espanto nas

    pessoas pela novidade de tais aquisies, no interior do Rio Grande do Sul.

    Alm do mais, a estncia no era a fazenda de caf, voltada basicamente para a exportao. A estncia se ligava indstria. Seu produto, o gado, ia diretamente

    para os frigorficos, na maioria estrangeiros, que ditavam o preo da carne. E com

    eles os pecuaristas do Rio Grande do Sul tinham que conviver, necessariamente, no

    obstante atritos e contradies que marcavam seu relacionamento. Por isso Goulart,

    como Vargas, revelava uma dualidade de comportamento, decorrente das injunes

    econmicas impostas por aquela indstria, o que lhe permitia compreender os

    problemas urbanos da classe operria, inclinando-o tambm ao nacionalismo. (BANDEIRA, 1978:26).

    O sucesso nos negcios continuou aumentando, bem como o fascnio por

    equipamentos modernos, como o telefone