IZECKSOHN, Vitor. a Guerra Do Paraguai

Download IZECKSOHN, Vitor. a Guerra Do Paraguai

Post on 01-Feb-2016

266 views

Category:

Documents

5 download

TRANSCRIPT

IZECKSOHN, Vitor. Cap. IX A Guerra do Paraguai. In: GRINSBERG, Keila. SALLES, Ricardo. O Brasil Imperial Vol. II 1831-1889. 2 ed., Rio de Janeiro, 2011. p. 385-424O Brasil Imperial 1832-1889CAPTULO IX A GUERRA DO PARAGUAIO CONTEXTOO Rio da Prata foi a principal rota de comrcio entre Buenos aires e as minas de Potos. A partir de fins do sculo XVIII, com a criao do Vicerreinato de la Plata (1776), e a elevao da cidade portenha a capital (1778), pensava a metrpole em reorganizar a aparelho burocrtico segundo os moldes reformistas do sculo. Enquanto o sculo XVIII foi marcado pelas reformas ilustradas, o sculo XIX contrasta pelos movimentos separatistas. Entre 1810-24 os quatro vice-reinados do imprio espanhol fragmentaram-se em 18 novos pases.As incertezas ps-independcia acirravam as disputas por territrios e limites estatais. O que estava em cheque era no s a amea externa como tambm, as desconfianas quanto s disputas de interesses num espao limitado. As colnias espanholas se dividiram em ptrias de cabildo, reservando os interesses da burguesia local ascendente que inserida no estado pretendia estabelecer maiores domnios. O grande problema era de se alcanar domnio e coero efetiva em locais to longnquos. O baixo grau de comrcio pode ser decorrente desarticulao das grandes rotas mercantis, um agravante a mais que interrompeu o sucesso de tentativas diplomticas.O DRAMA PARAGUAIOO senso de identidade que mantm uma nao unida a mistura de crenas compartilhadas, ideias e costumes, mas tambm de temores comuns de inimizades. (IZECKSOHN, 2011, p. 389, 2).O medo do antigo regime de domnio extrarregional, leva a um desenvolvimento constante de uma administrao centralizada no governo ditatorial de Jos Gaspar de Francia. Temia-se o opressor estrangeiro. Contudo, diferente da Cisplatina, O povo Guarani s poderia aceder ao mar por meio da foz do Rio da Prata. Sua aliana com os administradores portenhos contudo seria da maior cautela, as desconfianas seriam mtuas. Por um lado o isolamento (entre 1814-1852), e a mestiagem e lngua franca agravaria o orgulho nacional paraguaio. Por outro o resultado terminaria com uma srie de implementaes de polticas estatizadoras das terras de particulares e a centralizao com vistas proteo dos interesses nacionais; alm do constante preconceito produzido contra portenhos e espanhis.AS CAUSAS DA GUERRAGeralmente as causas das guerras tendem a ser explicadas em termos da ao de 'grandes foras', mas muitas vezes derivam menos de processos macro-histricos que de questes mais imediatas, ligadas s ambies pessoais dos lderes ou a problemas no exerccio de sua autoridade, potencialmente prejudicada por contextos de crise. (IZECKSOHN, 2011, p. 391, 3)PARAGUAI O Paraguai passaria por mudanas na forma de governar, a partir da dcada de 1860, o isolamento abriria espao para os acordos diplomticos uma vez que o comrcio internacional era de vital importncia para o mantenimento da economia interna. Portanto o governo paraguaio preconizava o respeito ao equilbrio de poder na bacia do Prata, e sobretudo, assim como o Brasil, livre transao de mercadores. O desprezo brasileiro, quando da interveno Paissandu em agosto de 1864, afronta o orgulho nacional, capaz de ter reposta somente em guerra. Segundo Vitor Izecksohn, o governador esperava que os imprios brasileiro e a repblica argentina se desestabilizasse e que surgisse um enorme mosaico de ptria chica.BRASIL O imprio tinha uma preocupao crescente com a livre navegao dos rios da bacia do Paran, por ser sobretudo, o principal meio de acesso a provncia de Mato grosso. A interveno brasileira ocorre na regio da Cisplatina, disputada entre o povo do oeste, e que tinha ganho autonomia desde 1828; contudo a diviso de fronteiras no acompanhara a propriedade de brasileiros, De acordo com Jos Pedro Barrn, na dcada de 1860, os cidados brasileiros controlavam cerca de 30% do territrio uruguaio (Idem, p. 392, 2). Os colorados eram apoiados pelos gachos de fronteira, e o gabinete imperial fez-se a favor, em temer um outro movimento separatista, desde a unificao de 1845. O exrcito brasileiro interveio na guerra civil uruguaia em 1864, tal iniciativa irrita a solidariedade do governo de Solano Lpez.URUGUAI O pas estava dividido entre dois partidos com milcias armadas depois da independncia. A) O partido blanco defendia a proteo da economia interna por meio da nacionalizao das posses de extrangeiros, alm do controle do comrcio. B) O colorado defendia a menor interveno do governo de Montevidu e a consolidao diplomtica entre os dois imprios que fazem fronteira com a regio. Os blanco sobem ao poder em 1862, e a guerra civil estoura no ano seguinte.ARGENTINA O sculo XIX foi marcado pela tentativa de consolidao centralizada do poder de Buenos Aires sobre as outras regies do Cone Sul. Sua estratgica posio geogrfica e a j consolidada e crescente burguesia mercantil almejava mais progresso, e o governo estava disposta a submeter outras regies a seu controle fiscal e.A OFENSIVA PARAGUAIA, DEZEMBRO DE 1864-JUNHO DE 1865Em protesto contra a interveno brasileira no Uruguai, o governo paraguaio apreendeu o navio mercadante brasileiro Marqus de Olinda, que conduzia o presidente recm-nomeado da provncia de Mato Grosso, Carneiro Campos, em dezembro de 1864; (IZECKSOHN, 2011, p. 394-5, 1).De fato tal ofensiva, ou contra-ofensiva paraguaia no era esperada pela populao pantaneira, pois no havia preparo militar, se quer plano de fuga. O expansionismo paraguaio encontra guarnies e armamentos no Mato-grosso, o problema agora era o contato com os aliados blancos do Uruguai. O tempo estava em contra-partida. Em abril de 1864 Solano pede autorizao a Bartolomeu Mitre para atravessar a provncia de Missiones a fim de alcanar o Uruguai; aps a recusa, visando neutralidade do partido colorado argentino no conflito, o exrcito paraguaio comea a ofensiva contra as provncias de Corrientes e Missiones, alcanando o Rio Grande do Sul por volta de junho de 1865. O rompimento com a argentina custaria o acesso ao mar e a suprimentos. A falta de preparo militar nas regies invadidas indicam a inesperada iniciativa guaran. A quantidade de tropas e fortificaes no impediram contudo que avanassem pelos enormes campos de pradarias; que no momento era o maior obstculo aliado ao despreparo das tropas paraguaias. Os ataques necessitavam ser rpidos, e a fuga tambm, o resultado foi uma enorme baixa para os soldados, que sofreram de fome e a proliferao de doenas.REPERCUSSOAs notcias da interveno paraguaia alcanam o Rio de Janeiro j em fins de dezembro de 1864. Repercutiram como a barbrie paraguaia associada ao governo de um povo de origem indgena em contraste a um governo herdado da dinastia Bragana. Seguida de discursos de autoridades de todas as esferas, notas e artigos em jornais e manifestao pblicas em repdio. Reforava-se o dever civilizador do Imprio, que devia destituir o ditador Lpez e instaurar uma nova era de progresso no Paraguai. Tais repercusses que se ultrajaram por todo o primeiro semestre de 1865, elevam o debate sobre o patriotismo nacional, e foras em ajuda imperial se mobilizam.RECRUTAMENTO VOLUNTRIODurante o sculo XIX, o recrutamento era visto como uma interveno aos direitos individuais, e era amplamente dificultado pelas foras locais. Portanto o exrcito com carter bastante regionalista precisava de uma nova cara, uma expresso nacional. O recrutamento contudo recaa sobre os mais pobres e vulnerveis do sistema de recrutamento: desocupados, migrantes, criminosos, rfos e desempregados. O servio militar na monarquia centralizada passaria a ser dedicao de desqualificados sociais, mantinha-se seu carter disciplinador e penal somente reenchendo-se de orgulho com os ares patriticos trazidos pela interveno paraguaia, e o louvo da repercusso.As autoridades militares aproveitaram o movimento patritico para aumentar a quantidade de soldados nas linhas de frente. Pedro II foi o primeiro a alistar-se num movimento de igualdade perante o amor dos voluntrios da Ptria. A quantidade de alistados no primeiro semestre de 1865 surpreende as autoridades. Donativos e voluntrios emergiam de todas as partes do imprio, incluindo imveis, dinheiro, servios especiais, escravos (que eram libertos sob condio de servir). Pensar que fosse uma guerra curta os daria motivao extra, porm no bastante, tambm estava na pauta recompensas em terras, empregos pblicos e penses. Esses soldados eram enviados corte, para depois partir rumo ao Uruguai, onde continuava a guerra civil. (IZECKSOHN, 2011, p. 399, 2).No entre rios as tropas paraguaias sofriam baixas com a fome, e se punham a se alimentar das vacas gachas, quando renderam-se em Uruguaiana sob o exrcito imperial, j em setembro de 1865.A INVASO DO PARAGUAIA assinatura do Tratado da Trplice Aliana, em maio de 1865, praticamente selou a sorte do Paraguai na guerra. Pelo tratado, os governos do Brasil, Argentina, e Uruguai (agora efetivamente governado pelos colorados) comprometiam-se a no depor armas at a queda do ditador. (IZECKSOHN, 2011, p. 400, 1).As clusulas secretas, at ento, definiam a demolio da fora militar paraguaia, e a devoluo dos territrios segundo os interesses dos vencedores. Somada derrota de Uruguaiana e da frota naval em Riachuelo, as perspectivas de vitria paraguaia torna-se extremamente minimizadas. Os nicos tipos de apoio externos foram por parte do Per, Bolvia e Estados Unidos que no passaram de pronunciamentos simblicos. Os maus clculos do ditador Solano, talvez fosse um certo tipo de autoconfiana, que perpetua-se como carga sobre o povo paraguaio. A invaso ao Paraguai teve incio em agosto de 1866; sem conhecimento cartogrfico da regio a empreitada no foi das mais fceis. Tiveram de se apoiar na vontade de comerciante que cobravam por informar. Aps a queda da fortaleza de Humait, seguia a batalha travada em Tuiuti, a maior batalha j travada em solo latino-americano. A partir da derrota de Curupaiti, em setembro de 1866, e de levantes e revoltas na argentina o lder argentino teve de tomar retorno ao Sul, abandonando o campo de batalha, passando agora a oferecer apoio mais moral que prtico. O apoio dos argentinos da seguiria pelos servios hospitalares das provncias do norte, alm de servirem de campo de avano.RESISTINDO AO RECRUTAMENTOAos poucos o estado de esprito vai mudando no imperio. A campanha mostrava-se longa e difcil. A morosidade das operaes, os srios problemas de infraestrutura, o grande nmero de baixas por doenas, o desamparo das famlias dos soldados e a necessidade de ampliao dos contingentes foram tornando o recrutamento cada vez menos atraente. () Vrias categorias profissionais estavam automaticamente isentas do recrutamento militar: funcionrios pblicos, trabalhadores das estradas de ferro, empregados de casas comerciais, homens legalmente casados e outros; (IZECKSOHN, 2011, p. 401-2, 2).A partir de finais de 1866 o recrutamento voluntrio perde fora e os menos favorecidos voltam a sofrer de ameaas por servir ao exrcito. Reforando a viso da guerra financiada por ricos e aplicada por pobres. O desprestgio chega ao ponto que fugas, brigas, ataques s escoltas e cadeias, mutilaes, casamentos relmpagos, e choques entre poderes so frequentes na resistncia contra a guerra e o recrutamento forado. As milcias locais, mais conhecidas por Guarda Nacional, criada em 1831 para conter o nimos dos desordeiros, servia de smbolo de honor e proteo local. possvel que seu contingente tenha aumentado exponencialmente como consequncia dos temores provocados pela guerra. A medida que a Guarda Nacional passaria a ser cooptada e subordinada ao exrcito em campo de batalha.Em tempos de constante debate, o alistamento de adversrios polticos pode no ter sido dos menos frequentes. Conflito armados locais acirrados em campo eleitoral e tambm de batalha animavam os estresses. Tambm era bastante comum disseminao de posicionamentos partidrios entre as lideranas do exrcito em combate. A Guarda Nacional continha um certo smbolo de status e lealdade local, e ao serem cooptados pelo exrcito, o poder imperial interferia diretamente nos laos de interdependncia tecidos nas terras interioranas. O recrutamento massivo de pobres, mostrava o intenso desprezo por suas dedicaes e vidas. As disputas partidrias foram frequentes tanto na linha de frente quanto entre as patentes do exrcito. Como as rivalidades entre o comandante conservador Polidoro e o liberal Porto Alegre, aps tomar conhecimento da designao de Caxias para o comando das tropas. A guerra caminhava para o caos, o recrutamento se via mais necessrio que nunca, a soluo vivel para aqueles convocados era enviar escravos. As fugas foram constantes, ou a possibilidade de passar ao territrio estrangeiro.LIBERTANDO ESCRAVOS PARA O SERVIO MILITARDesde o comeo da campanha contra o Paraguai escravos e libertos foram alistados no Exrcito e na Marinha. O alistamento desses indivduos ocorria pela fora, por doaes, por substituies ou quando os escravos fugiam e se apresentavam como homens livres.(IZECKSOHN, 2011, p.405, 4).Em novembro de 1866 Pedro II toma a iniciativa de levar escravos para os frontes de batalha. Tal processo passaria por uma seleo. O que pensava os ministros era de poder libertar um enorme contingente de escravos e lev-los ao campo de batalha. As alforrias foram condicionadas vontade dos senhores e no do Estado. A Segundo Vitor Izecksohn a inteno do imperio era de recompor as linhas de combate, e no de promover uma eliminao em massa de negros cativos, como fora amplamente divulgada na imprensa platina. O Estado apelava a igreja e as massas de senhores para que vendessem-lhes seus escravos. Outro dado curioso que metade das contribuies privadas que compunha as guarnies fora enviada por substituio. J as doaes no chegavam a passar de 2% do contingente total.Nas cartas a diversas autoridades marqus de Caxias preocupava-se com a enorme heterogeneidade das tropas, e temia pela igualitria sociabilidade entre brancos e pretos, sobretudo temia uma instaurao de guerra civil, como nos assegura Ricardo Salles. A disciplina de patente para Caxias estava em risco.CAXIASCaxias aliava conhecimento e experincia na organizao de exrcitos com talentos polticos que facilitavam o entendimento com os comandantes dos exrcitos aliados. Era um general poltico, capaz de coordenar as operaes entre os exrcitos da Aliana; mas era tambm um problema para o funcionamento do sistema poltico do imprio, sendo adversrio do gabinete no poder. (IZECKSOHN, 2011, p. 408, 3).Ao longo do ano de 1867 a permanncia de Caxias no comando das tropas aliadas era j questo de honra para a monarquia brasileira. O desgaste poltica vinha a merc da guerra. As disputas polticas foram atravs de caxias moderadas, o autor assegura que tal medida somente foi possvel pela distncia que as tropas se mantinham da corte. Caxias fora muito criticado, pois paralisou o exrcito por 17 meses. Tempo precioso para o preparo dos recm-chegados, principalmente no uso de armas de fogo e a escavao de trincheiras que permitiram a ampliao do cerco a Humait, principal baluarte dos paraguaios.DRENANDO RECURSOS() A necessidade de ampliao dos gastos pblicos comprometia a capacidade do governo de planejar e controlar com adequao as despesas. Assim, o dficit governamental, caracterstico de praticamente todos os oramentos do perodo monrquico, manteve-se em patamares muito mais elevados durante os anos da Guerra do Paraguai. (IZECKSOHN, 2011, p.410, 1).Foi preciso que o gabinete aumentasse de imediato a quantia de crdito a seu bel uso, geralmente em forma de 'decreto-lei'. Taxas e impostos tambm acarretariam despesas para o estado patrimonialista, assim como para pequenas famlias de proprietrios. A moeda se desvalorizou em posio da libra esterlina. A inflao comeava a subir e afetava sobretudo quem no podia pagar pela alta dos preos. Vitor Izecksohn critica a postura de manter a guerra num perodo de escassez financeira, j que preferia privilegiar os contingentes em combate que aqueles dedicados ao desenvolvimento da indstria, como o visconde de Mau e seus planos ferrovirios. Isso no significa que os setores de produo de armamentos e plvora no tivesse sido ampliados. Conduzindo a como o descreve o autor, a um desfalecimento desnecessrio de esforos sociais.A QUEDA DOS PROGRESSISTASAinda que o regime monrquico fosse caracterizado pela subordinao dos militares ao comando civil, Caxias utilizou-se de sua posio como comandante em perodo excepcional para forar a queda do gabinete progressista e a ascenso de um governo conservador mais afinado com suas ideais e preferncias. (IZECKSOHN, 2011, p. 411, 1).Caxias representava o poder moderador no exrcito. Sua nomeao como dirigente militar desagradava a tradicional autoridade dos liberais como desertores desse cargo. Tal alterao costumeira mesmo que temporria denegria a imagem do imperador frente aos liberais. To logo caiu o ministrio progressista, a situao militar [nomeadamente] comeou a melhorar.A CONQUISTA DO PARAGUAIEm agosto de 1868, a guerra completava 4 anos, o cerco a Humait finalmente dal havia ultrapassado, e o prximo destino ao norte era a Assuncin. Caxias props fim a guerra. O imperador se negava a aceitar a paz se que antes deposse o ditador Solano Lpez. O exrcito paraguaio continuava resistindo. Muita gente tentava fugir e a falta de infraestrutura e adequao para a retirada finalmente derrocou em grandes perdas de vidas.A DEZEMBRADANa segunda metade do ano de 1868, o exrcito brasileiro contorna sobre as trincheiras paraguaias, como os planos de engenheiros militares. O acesso por terra a Assuncin foi possibilitado, e o exrcito nacional foi praticamente dizimado. Solano foge para o interior do pas. E em janeiro do ano seguinte as tropas brasileiras chegam a capital do Pas, que foi em seguida saqueada por cerca de dois dias. Solano seguia comandando uma diminuta quantia de homens sobreviventes da Maldita Guerra, e deu seguimento a guerra. Porm declara desistncia da guerra no mesmo ms. A guerra estava em retira. A dispensa de oficiais e voluntrios se via j em vistas do fim do conflito que duraria um ano mais.A CAMPANHA DA CORDILHEIRA E O FIM DA GUERRAA Campanha da Cordilheira, que se iniciou em abril de 1869, foi longa e desgastante. Enquanto os exrcitos da Trplice Aliana ainda permaneciam parados nas cercanias de Assuno, a presena de Lpez nas montanha criava um problema para o imperio. Acreditava-se que daquela posio o ditador paraguaio poderia reorganizar seu exrcito e voltar ao poder, forando o imprio a negociar uma paz que quela altura seria humilhante. Captur-lo tornou-se a obsesso do Imperador, que nomeou o genro, o Conde d'Eu (1842-1922), comandante-em-chefe. (IZECKSOHN, 2011, p. 413, 2).A guerra j chegava a agravar os nimos dos combatentes. Os episdios finais foram os mais catastrficos para histria do povo paraguaio. A populao fugida das cidades, seguia seus familiares combates e ligados s tropas de Solano Lpez. Conde d'Eu sofreu com o exrcito baixas causadas por enfermidades e falta de suprimentos, principalmente para os postos mais afastados como de Potreiro Capivari e So Joaquim, paralisando-os por dois meses. A partir desse momento o conde d'Eu faz constantes solicitaes pelo fim da guerra, argumentando se 'ridculo' para o Brasil fazer, perante o mundo, 'esforos colossais e impotentes para agarrar um fantasma': (...) justamente porque () a captura de Lpez () no se dar seno em futuro remoto, e () no produzir efetiro moral nenhum () cumpre procurar o efeito moral necessrio em outro fato, e qual melhor que a volta desses milhares de Voluntrios, e as demosntraes de reconhecimento que a Nao possa dar? (IZECKSOHN, 2011, p.414-5, 4).Aps rpido combate, no dia 1 de maio de 1870 o ditador vitalcio paraguaio Solano Lpez foi capturado e morto sob comando do general visconde de Pelotas perto da fronteira com Mato Grosso. A morte do ditador transformou-se em mrtir, imagem que seria utilizada no futuro por polticos e historiadores revisionistas como smbolo de herosmo, pois pouco antes de ser atingido pelo tiro de misericrdia Lpez teria declarado segundo depoimentos: 'Muero con mi ptria'." (Idem, p. 415, 2). J o mesmo no se podia dizer da imagem do prncipe, que para sua indignao lhe seria negada tal honra. Deixa o Paraguai um ms antes da captura de Solano Lpez. E as tropas voluntrias seriam descentralizadas em seu regresso em fevereiro de 1870, por temor a uma guerra civil.A OCUPAO DO PARAGUAI E AS QUESTES DIPLOMTICAS"Dois problema assombraram o gabinete conservador brasileiro nos anos seguintes: o retorno dos veteranos e o acerto dos contenciosos com o governo da Aliana, principalmente o da Argentina." (IZECKSOHN, 2011, p. 416, 3).Os argentinos queriam sua parcela de terras paraguaias, assinado nas clusulas da Trplice Aliana. Os governos paraguios subsequentes seriam uma mescla de veteranos de guerra e antigos inimigos de Lpez, exilados na argentina; e que tornava rdua a tarefa de reconstruo nacional, ademais com a enorme perda de homens na guerra. O tratado de paz concretizaria em 1876, enquanto isso um contingente de 2.000 homens permanecia por medida de segurana Aliada. Muitos dos veteranos constituiriam laos de parentela no Paraguai.No brasil as celebraes pela vitria e pela memrias dos que se forma era a forma encontrada de aliviar anos de estresse em guerra. Porm algumas autoridades civis a viam essas homenagens com certa desconfiana. Segundo o autor, o exrcito vinha se fortalecendo como mobilizador poltico das camandas mais baixas frente a um gabinete conservador, o que possivelente agravaria a imagem da monarquia dinstica. Para tanto era necessrio desmobilizar o exrcito e reduzir a quantidade de soldados aos nveis anteriores a guerra. O intervencionismo militar no corpo burocrtico, tendo por exemplo a histria paraguai assombraria os seguintes anos dos posicionamentos em favor do imprio. As revoltas entre povo e tropa se viam como ameaas pelos dearticulados do exrcito desde a abdicao de Pedro I, segundo as autoridades policiais, deveriam ser desarmados, e reintegrados a economia. O aprofundamento das diferenas entre militares e a 'elite bacharelesca', agravaria nos ltimo anos do Imprio.CONCLUSO"A campanha de quatro anos e sete meses demonstrou a fragilidade da organizao militar do imprio apesar da vitria das armas brasileiras e axasperou as relaes entre o poder central e as esferas locais, criando embaraos nas relaes entre o governo imperial e lideranas regionais. No plano poltico a guerra levou ao fim da experincia da Liga Progressista, coalizo de liberais e conservadores cuja queda, ocasionada por interveno do imperador, levou a redefinio do sistma partidrio que modificaram a estrutura estabelecida nos ano de 1840." (IZECKSOHN, 2011, p. 418, 3).A guerra aprofundou os laos de interferncia poltica entre a corte e os habitantes das localidades. A imprensa argentina diferentemente da brasileira acentuava o carter imperialista e seus altos custos, alm dos sacrifcios feitos em batalha. O legado monrquico se consolidaria na ditadura vargas com monumentos erguidos na capital. Sinal de que a primeira repblica repudiara a conduta imperial. Porm na segunda repblica o conflito seria lembrado como momento oportuno de reafirmao do patriotismo nacional, sobre as ptrias provinais. O conflito seria utilizado por diversas vezes, e evocado nas remeraes emblemticas do perodo da ditadura militar. Porm s a partir da dcada de 1980, o conflito seria objeto de pesquisa de maneira mais ampla, incluindo a pesquisa sobre as iconografias da imprensa, alm do trabalho de historiadores alemes e estadunidenses numa crescente abordagem do tema, ligadas ao recrutamento militar e o legado da cultura de disciplina civil e militar. Apesar dessa primeira viso menos crtica e tambm menos apologtica do conflito. Esses estudos mais recentes se empenham no desenrolar do sentimento patritico, no recrutamento de voluntrios e libertos, desde sua profissionalizao como combatentes e o impacto causado na economia e na imprensa ilustrada. Hoje ainda est em aberto a pesquisa a vrios dirios de guerra.

Recommended

View more >