introdução mcasp 7º ed. parte ii - .destinados a serviço ou estabelecimento da administração

Download Introdução MCASP 7º Ed. Parte II - .destinados a serviço ou estabelecimento da administração

Post on 17-Dec-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

Agenda

1

2

3

4

5

IntroduoQuiz inicial, conceitos sobre o perodo de corte e o que inventrio.

MCASP 7 Ed. Parte II5. Ativo Imobilizado

MCASP 7 Ed. Parte II7. Reavaliao, Reduo, ao valor Recupervel, Depreciao, Amortizao e Exausto

Apresentao do SistemaGerao de Lotes: Movimento Patrimonial e Estoque

Apresentao de Modalidade de CapacitaoProposta de Capacitao e Acompanhamento

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

Interrogaes e a Busca de Respostas1. Porque e como devo realizar um Perodo de Corte?

2. Quais so os elementos considerados essenciais no Perodo de Corte?

3. Qual a metodologia proposta para o Perodo de Corte?

4. Quais so os Profissionais competentes e responsveis na definio de utilidade e

vida til dos Bens?

5. O que inventariar? Como devo proceder? Como classificar os Bens?

6. Como realizar o reconhecimento de um bem, seu valor residual e a sua

mensurao?

7. Como Contabilizar e Demonstrar (Evidenciar) a identificao e a classificao dos

Bens?

8. Quais so os critrios tcnicos da realizao da Depreciao?

9. Como proceder ao Perodo de Corte do Almoxarifado?

10. Como identificar no grupo Estoques os Bens do Almoxarifado?

11. Qual a forma considerada ideal para controlar os Bens do Almoxarifado?

12. Quais so as finalidades, essencial e formal, das Nota Explicativas?

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

Implantar e desenvolver os Procedimentos contbeis conforme as Normas

Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Pblico, NBC TSP 07 Ativo

Imobilizado e tambm de acordo com as Normas contidas no item 5.0 do Manual

de Procedimentos Contbeis Aplicados ao Setor Pblico MCASP 7 Edio,

adotar seguinte cronograma de aes durante o exerccio de 2018, evidenciando

os seguintes aspectos que seguem, em ordem cronolgica a critrio do Poder

Executivo Municipal:

Cada rgo ou Setor responsvel disponibilizar, at 90 (noventa) dias aps da

data da publicao deste regulamento, em meio eletrnico a partir dos Programas

de Processamento de Dados Integrado com a Contabilidade do Municpio, os

dados sistematizados, com indicao do responsvel, conforme normas tcnicas a

seguir:

O Que Perodo de Corte no Patrimnio?

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

Perodo de Corte

PERODO DE CORTE padronizar os procedimentos contbeis no Municpio aos

dois nveis de governo, com o objetivo de orientar e dar apoio gesto de

Estoques e do Patrimnio na forma estabelecida na Lei Complementar n 101, de

2000, Lei de Responsabilidade Fiscal, que tem como necessidade elaborar as

demonstraes contbeis consolidadas e padronizadas com base no Plano de

Contas Aplicado ao Setor Pblico;

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

1. A instituio por meio de decreto ou portaria, Nomeia a Comisso de Inventrio

reavaliao de bens, e seus integrantes, ou contratao de empresa especializada

para emisso de laudos tcnicos;

2. A comisso de inventrio, e seus integrantes, ou contratao de empresa

especializada para emisso de laudos tcnicos ser constituda de forma hbrida,

contendo um Presidente com Responsabilidade Geral de Controle de Patrimnio,

acompanhado de um Membro nomeado em cada Secretaria, que por sua vez

nomeara um Membro em cada setor;

3. Os membros hbridos no sero exclusivos nas atividades de controle de

patrimnio, competncia nica do Presidente da Comisso, que ser o

responsvel pelo Patrimnio do Municpio;

Como Fazer? (Decreto de Corte)

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

4. Os membros hbridos sero os responsveis por setor, que tero sob sua

responsabilidade a gesto da guarda dos bens de utilizao para a realizao das

atividades do setor;

5. Os membros hbridos de controle de patrimnio sero responsveis perante a

gesto municipal, para evidenciar a situao de todos quantos, que de qualquer

modo administrem ou guardem bens do municpio que a ele pertena ou que ao

responsvel sejam confiados e que esteja sob a sua responsabilidade;

6. A transferncia de bens mveis a outro setor, a transferncia de bens inservveis

ao setor e transferidos ao controle central e a baixa por serem considerados

inservveis tambm ser de responsabilidade dos membros hbridos de controle

patrimonial, que dever apresentar justificativas para os seus atos;

Como Fazer? (Decreto de Corte)

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

7. Todos os bens, aps inventariados, que forem extraviados e fora de controle dos

membros hbridos sero considerados de responsabilidade dos membros

hbridos que dever ser responsabilizado pela sua no existncia;

8. Faz-se necessrio, para adequao gradual dos bens pblicos, meios tcnicos e

dados suficientes para os registrados valores atualizados para reconhecimento,

mensurao e evidenciao dos bens mveis, imveis e intangveis, que a cada

final de exerccio os bens mveis sejam avaliados a valor mercado;

9. O controle de bens imveis, com a realizao do devido registro de imveis em

Cartrio e sua avaliao a valor justo, ser de responsabilidade do responsvel

pelo Patrimnio do Municpio, identificado como Presidente da Comisso de

Inventrio de bens mveis e imveis;

Como Fazer? (Decreto de Corte)

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

10. Os bens mveis e imveis devero ser identificados por meio de seus Termos de

Responsabilidade e Controle, com a designao de setor e responsabilidade,

identificao e vida til de sua utilizao, preo de aquisio ajustado a valor

justo e a devida depreciao;

11. A responsabilidade de controle dos bens mveis e imveis ser de seu

responsvel geral ou hbrido, conforme o caso e as notificaes do Tribunal de

Contas sobre a gesto de Patrimnio sero respondidos por ele;

12. Os bens Mveis sero evidenciados em Bens Mveis no Conceito Contbil de

Ativo e Bens Mveis classificados como Leiloveis;

13. Os Bens Mveis com registro na Contabilidade do Municpio e no localizados

pelos inventariantes, sero objeto de identificao de seu destino, por meio de

Processo Administrativo que s se concluir mediante manifestao expressa do

Ordenador de Despesas Responsvel pelo rgo e ou Unidade.

Quais os Procedimentos?

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

O procedimento de liquidao da despesa, dos bens adquiridos pelo Municpio, do

reconhecimento de vida til e da condio de servvel dever ser realizado por

competncia profissional do servidor pblico ou profissional contratado, que

tenha conhecimento especfico sobre os bens ou servios contratados (mecnico

para veculos, profissional de informtica para computador, mdico para aparelhos

hospitalares, ou tcnicos com conhecimento especfico comprovado etc.), com

indicao de sua matrcula ou CPF do responsvel liquidante, para

encaminhamento de registro na Contabilidade Central de Empenho Apropriao

(liquidao) e Reconhecimento.

Conhecimento Tcnico e Avaliao de Vida

til e da Condio de Servvel

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

O Contador Geral do Municpio, responsvel pela evidenciao dos procedimentos

contbeis, observar o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Pblico,

observar as Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Pblico

NBC TSP, aprovadas pelas Resolues do Conselho Federal de Contabilidade

CFC, adotar o Plano de Contas Aplicado ao Setor Pblico, elaborar as

Demonstraes Contbeis Aplicadas ao Setor Pblico, a partir do exerccio

financeiro de 2018, perodo de corte estabelecido.

Conhecimento Tcnico e Avaliao de Vida

til e da Condio de Servvel

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

O Que Inventrio?

O Inventrio Patrimonial o primeiro desafio na implantao da gesto de

patrimnio e seu sucesso imprescindvel para que as demais etapas fluam

corretamente.

O inventrio patrimonial um processo que possui muitas etapas e detalhes e que

por isso requer muita ateno por parte dos envolvidos, principalmente do

responsvel pelo projeto.

Ele uma das primeiras atividades quando um Municpio inicia a implantao

da gesto do controle patrimonial. Sua realizao de maneira correta permite a

construo de uma base de dados de bens organizada e atualizada. Na prtica,

isso assegura que todas as decises gerenciais sejam tomadas baseadas em

informaes corretas e que prejuzos financeiros sejam evitados. Alm disso, o

controle individualizado e o inventrio fsico peridico so requisitos fundamentais

para assegurar a veracidade das demonstraes contbeis referentes ao ativo

imobilizado.

4 Encontro de Contabilidade

Aplicada ao Setor Pblico

O Que Inventrio?

Apesar de ser bastante trabalhoso, possvel realizar um inventrio fsico

patrimonial bem sucedido fazendo um bom planejamento e seguindo um passo a

passo bem estruturado de todas as etapas do projeto.

(http://www.afixcode.com.br/blog/inven