introduÇÃo dogado ede pastagem no sistema ?· ~spécie de pastagem idade da pastagem tamanho ......

Download INTRODUÇÃO DOGADO EDE PASTAGEM NO SISTEMA ?· ~spécie de pastagem Idade da pastagem Tamanho ... I…

Post on 21-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

INTRODUO DOGADO E DE PASTAGEM NO SISTEMA CULTIVO/POUSIO EXISTENTE: O DESEMPENHO DAPASTAGEM'

ROSA,rika Patrcia de A lmeida; SARMENTO, Clia Maria Braga'; VEIGA, Jonas Bastos"

INTRODUO

A pecuria na Amaznia foi introduzida em reas originalmente de florestas, a partir da dcada de 70 atravs de grandesempreendimentos que foram beneficiados pelos incentivos fiscais do governo federal. Mais recentemente tem-se observado naregio Bragantina, 110 sul do Par ( Ludovino et al., 1998) assim como na Rodovia Transamaznica uma tendncia da agriculturafamiliar a adotar a pecuria dentro de um sistema diversificado, atravs do manejo de pequenos rebanhos de bovinos e daintroduo de pastagens, quase exclusivamente de quicuio da arnaznia iBrachiaria humidicolas, fenmeno denominado depecuarizao (Veiga et al., 1996). A continuidade desse processo pode submeter a regio a mudana ecolgicas e scio-econmicasrnarcantes, uma vez que a introduo do gado exige condies particulares para sua implantao e desenvolvimento satisfatrio. Oaumento do desmatamento, a reduo da produo de alimentos de origem vegetal, assim como a concentrao de posses de terrasso fatos inevitveis. Em contrapartida, (Veiga et al., 1996) admitem que a pecuria seja o componente de maior perccntual da rendatotal da agricultura familiar superando inclusive os cultivos perenes, em outras regies da Amaznia Oriental. as pequenaspropriedades, a pecuria manejada como uma atividade secundria no sistema de produo (Billot, 1995). Por outro lado omanejo atual das propriedades se carateriza por problemas de sustentabilidade das pastagens e, por conseguinte limitando aperformance do animal (Toledo e Serro, 1982), podendo ser considerado ecolgica e economicamente instvel. Contudo, acriao de gado para os pequenos produtores parece ser uma alternativa importante. COIllOrazo dessa tendncia pela pecuria,pode-se citar a aci lidade de comercializao, a constante e elevada demanda, a estabi lidade relativa dos preos (Harnelin. 1991),0baixo uso da mo-de-obra, a facilidade de locomoo do gado em lugares de difcil acesso e os baixos riscos. Tudo isso faz dapecuria uma eficiente forma de poupana. O objetivo desse estudo avaliar o componente pecurio da agricultura tradicional doNordeste Paraense, especialmente o aspecto produtivo e econmico das pastagens.

METODOLOGIA

O presente estudo est sendo realizado em 38 propriedades da zona Bragantina, onde esto inseridos os municpios deIgarap-Au. So Miguel do Guam e Bragana.

Como primeira fase desse estudo, est sendo realizado um levantamento atravs de entrevistas com os proprietrios deestabelecimentos da regio, sobre a situao das pastagens (tipo, idade, rea, manejo, cultivos anteriores, uso do fogo, tratosculturais, ataques de pragas, infra-estrutura de manejo dos animais, ctc). Nas pastagens de cada propriedade est se avaliandovisualmente a composio de cada piquete (rea coberta de forragem. de planta invasoras herbceas e lenhosas, e rea descoberta,cm%).

Aps a seleo das propriedades representativas do sistema de manejo de pastagem da regio, a segunda fase serdesenvolvida, atravs do estudo qualitativo da pastagem (protena bruta, digestibilidade in vitro da matria orgnica, macro emicronutrientes) e do solo (fertilidade e fsica).

RESULTADOSCom respeito s caractersticas da pastagem nas propriedades estudadas, constatou-se que o gnero de gramnea mais

utilizado o Brachiaria, sendo que 65,79% das pastagens so formadas da mistura de quicuio (Brachiaria humidicoia) ebraquiaro (Brachiaria brizantha). Mais da metade das propriedades (52,63%) possuem pastagens com at 10 anos de idade. Emtermos de extenso das reas da pastagem, maior parte das propriedades (42,11%) possui uma rea compreendida entre 10 a 20 ha.A maioria das propriedades (63,16%) apresenta at 4 piquetes ou subdivises de pastagem.

'Projeto SHIFT (Env-Z}, convnio CNi'q/IBAMA-bmb=DLR, em execuo na Embrapa Amaznia Oriental, Bolsista IClCNPq/Emorapa Acadmica do curso de Engenharia Florestal, 5" semestre, c-rnail.enkacpatu.embrapa.br"Bolsista DTIIC Pq/SIIIFT Pesquisador, l-mbrapa Amaznia Oricntal-Tv. Enas Pinheiro s/n. Marco, CEP 66095-100, Bclrn-Pa

97

TABELA 1- Freqncia (%), entre os produtores, de espcies, classes de idade, tamanho e diviso de pastagem em propriedadesfamiliares dos municpios de Igarap-Au, So Miguel do Guarn e Bragana, regio Bragantina.2000.

~spcie de pastagem Idade da pastagem Tamanho da rea de pasto Diviso(anos) (ha) da pastagem

Braquiaro Quicuio B+C, ::;10 >10 ::;10 lOa20 >20 54 >4(B) (C)

18,42 13,16 65,79 52,63 44,74 31,58 42,11 23,68 63,16 36,84

Referente s caractersticas da formao de pastagem nas propriedades estudadas, observou-se que o plantio, na maioria das vezes, feito usando-se uma combinao de sementes c mudas (63, 15%), e em geral esse processo realizado manualmente (97,37%). Aadubao uma prtica utilizada por apenas 2.63 % das propriedades. O incio do primeiro pastejo de uma pastagem recm-formada ocorre antes de um ano em 65,79% das propriedades.

TABELA 2- Freqncia (%), entre os produtores, de classes materiais de plantio, modos de plantio. uso de adubao e tempo para oI pastejo na formao de pastagem em propriedades farni liares dos municpios de Igarap-Au, So Miguel do Guarn e Bragana,regio Bragantina.2000.

Materiais de plantio Modo de plantio Usodeadubo Ternpo para o I"pastjoSemente Muda S+M Manual Mecanizado Sim No ::;1ano >Iano

(S) (M)

10,53 6,32 63,15 97,37 2,63 2,63 97,37 65,79 34,21

Com aspecto s operaes de limpeza das pastagens nas propriedades em estudo, as roagens, em geral, so efctuadas todos osanos, sendo que 68.42% das propriedades a praticam apenas uma vez. Em 57.89% dos estabelecimentos a roagem feita emqualquer poca do ano. O uso do fogo tambm uma alternativa bastante utilizada (52,63%) para a limpeza dos pastos.

TABELA 3 Freqncia (%), entre os produtores, de classes dc nmero e poca de roagem e do uso do fogo em propriedadesfamiliares dos municpios de Igarap-Au, So Miguel do Guam e Bragana, regio Bragantina. 2000.

N de roagens/ano poca de roagem UsodofogoUma Duas Vero Inverno Ano todo Sim No

68.42 31,58 26.31 5,78 57,89 52,63 47,37

Das propriedades levantadas, 55,56% possuem menos de 15cabeas de gado e 42,11 % delas apresentam uma taxa de lotao maiorque 1,0UA/h (em base a rea total do pasto). Uma pequena parte dos produtores ( 18,42%) uti Iizam seus pastos com gado de outrosprodutores. Em apenas 39,47% das propriedades as reas dos pastos so cobertos por mais de 50 % de stand das forrageiras(cobertura de pastagem).

98

TABELA 4 Freqncia (%), entre os produtores, de classes de tamanho do rebanho, taxa de lotao da pastagem. posse de gado ecobertura de pastagem em propriedades familiares dos municpios de Igarap-Au. So Miguel do Guam e Bragana, regioBragantina.2000.

Tamanho do rebanho Taxa de lotao da Posse do gado Cobertura de pastagem

(Cab.) pastagem utilizado (%)

(lIA/ha)

< del5 15a30 >de30 de 1,0 Gado De de50

Prprio outros

55.26 26,32 18,42 15,78 42,11 42,11 81,58 18,42 28,95 31,58 39,47

Considerando a situao da infra-estrutura pecuria verificou-se que existe cochos e currais em 89,47% e 71,05% daspropriedades, respectivamente. Em 68,42% das propriedades, as cercas no apresentam um bom estado de conservao. O acesso agua difcil em 65,79% das propriedades.

TABELA 5 Freqncia (%), entre os produtores, do uso de cocho de sal e do curral. da situao da cerca e do acesso gua empropriedades fami liares dos municpios de lgarap-Au, So Miguel do Guam e Bragana, regio Bragantina. 2000.

liso de cocho de sal liso de curral Situao da cerca Acesso gua

Sim No Sim No Bom Ruim Fcil Difcil

89,47 10,53 71.05 28,95 31,58 68,42 34.21 65,79

CONCLlISO

1 As propriedades de pequenos produtores da regio Bragantina esto passando por um processo de pecuarizao, com aintroduo de pastagens e pequenos rebanhos. Essa tendncia parece ser uma importante forma de investimento dos produtores.

2 - O nvel tecnolgico utilizado no componente pecurio do sistema de produo familiar dessa regio, tanto no manejo daspastagens como no trato do rebanho, deficiente, podendo comprometer a perforrnancc da propriedade como um todo.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

BILLOT, A .AgricuIture et systemes d'elevagc cn zonc Bragantine (Par-Brsil):diagnostic des systernes de productionfamiliaux a forte composante elevage. Montpellier: CNEAR-EITARC, 1995.140p.

HAMELlM, P. O fracasso anunciado. In: LENA, P.; OLIVEIRA, A. eds. Amaznia: a fronteira agrcola 20 anos depois. Belm:Museu Paraense Emilio Goeldi, 1991. P.161-176. (Coleo Eduardo Galvo).

LUDOVINO, R.M.R.; LOBO, 1J.B.; PERROT,C,TOURRAND, 1.-F.;VEIGA, 1.B. Evoluo da pecuria naagricultura familiar e trajetrias dos sistemas de produo: o caso da zona Bragantina do Par. In: REUNIO DA SOCIEDADE

BRASILEIRA DEZOOTECNIA, 35., 1998, Botucatu: SP. Anais. Botucatu:SBZ, 1998. v. 4 Economia.p.138-140.

TOLEDO, 1M: SERRO, EAS (19820: Pasture and animl production in Amazonia, In: Arnazonia: agriculture and land usereseach. Proceeding ofna International Conference, 1980. (Ed: Hecht, SB) CIAT, Cali, 281-309.

VEIGA.1. B. TOURRAND, 1. F.; QUANZ, D.A pecuria na fronteira agrcola da Amaznia: o caso domunicpio de lIruar, Pa, na Transamaznica. Belm: Embrapa- CPATU. 1996.61 p.

99