introdu§£o ao projeto arquitet´nico 1 - portfolio

Download Introdu§£o ao Projeto Arquitet´nico 1 - Portfolio

Post on 10-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Consolidação da etapa de Estudo Síntese do Espaço Edificado da disciplina de Introdução ao Projeto Arquitetônico 1 da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014/1.

TRANSCRIPT

  • PORTFOLIO DE PROJETOint r o d u o a o p r o j e t o a r q u i t e t n i c o 1

  • universidade federal do rio grande do sulfaculdade de arquiteura e urbanismo

    projeto do estar social praa major joaquim de queirs

    iintroduo ao projeto arquitetonico 1

    helena utzigporto alegre, 2014

  • apresentao _ a praa major joaquim de queirs _

    estudos preliminares _ projeto | estar social _

    06081840

  • 05

  • apresenta-se atravs deste portfolio uma sequncia de estudos referentes segunda etapa da disciplina de introduo ao projeto arquitetnico 2014/1 da universidade federeal do rio grande do sul. foi idealizado uma proposta de projeto de um espao social, aps o desenvolvimento, em etapa anterior, de uma proposta sntese de projeto de interveo para a praa major joaquim de queirs. O projeto do espao social foi concebido a partir de estudos referenciais preliminares de projetos de composiao volumtrica, planar e mista, assim como estudos de dimensionamento e esboos de composies iniciais.

    06

  • 07

  • 08

  • BAIRRO SANTANA, REGIAO CENTRAL DE

    PORTO ALEGRE praa major joaquim de queirs

    09

  • O bairro Santana, localiza-se na regio central de Porto Alegre e apresenta grandes tensores que conectam a cidade de norte a sul. Predominantemente residencial, no exclui a existncia de pequenos centros locais. este bairro considerado de classe mdia e heterogneo, h comrcio de pequeno porte, contando com bares e atividades noturnas. H um tensor importante para a cidade,

    como a av. joo Pessoa e vias de significativa relevncia para o bairro - Av. Venncio Aires, Av. Jernimo de Ornelas, Rua Olavo Bilac e Rua Santana. A praa Major Joaquim de Queirs, com cerca de 5mil m, localiza-se no bairro Santana, sendo um refgio em meio atividade urbana. Essa praa apresenta, contundo, algumas fragilidades que a tornam passvel de intervenes.

    10

  • atravs das zonas de presso local, PERCEBE-SE a forte ligao existente entre OS polos comerciais e o nico POLO educacional com os eixos de circulao internos e externos da praa. A partir DESTES ESTUDOS, CRIARAM-SE OS caminhos que interligam OS eixos e os usos do entorno, E, POR CONSEGUINTE, DESENVOLVEU-SE TODO O ESTUDO DE IMPLANTANTO PARA A PRAA MAJOR JOAQUIM DE QUEIRS, mantendo-se, o mximo possvel, as espcies vegetativas de grande porte e aprimorando-se os estares dentro da praa. Criaram-se os ambientes esportivo, recreao infantil, comercial, social e cultural.

    11

  • comrcio comrcio

    comrcio

    comrcio

    rua santana e av. jernimo de ornelas

    sao intensas vias tensoras locais

    polo comercial local

    polo comercial local

    polo comercial educacional local

    zona central das presses urbanas locais

    12

  • comrcio

    comrcio

    com

    rcio

    escola

    (1) estar cultural (2) quadra esportiva (3) estar esportivo (4) estar social multifuncional (5) estar comercial

    (1) (2)

    (3)(4) (5)

    CROQ

    IOS

    INICIAIS

    DE E

    STUD

    OS

    RUA GENERAL JACINTO OSRIO

    AVENIDA JERNIMO DE ORNELAS

    13

  • comrcio

    (5)

    DIAGR

    AMAS

    DA

    PROP

    OSTA

    SNT

    ESE ASPECTOS FUNCIONAIS - zoneamento DOS ESTARES

    CULTURAL ESPORTIVO SOCIAL COMERCIAL RECREAO INFANTIL

    ASPECTOS compositivos - eixos DE COMPOSIo

    ASPECTOS FUNCIONAIS - eixos de circulao

    14

  • 1 CAMINHOS INTERNOS DO ESPACO SOCAL

    circulao principal do espao sociial, interligando os eixos de

    circulao principais internos da praa. necessidade de

    permeabilidade fsica neste sentido.

    2 VEGETAo

    vegetao prxima do estar o protege do contato direto dos

    raios solares nas orientaes sudoeste e leste. vegetao no

    entorno do espao torna-se barreira contra rudos, alm da

    trazer a sensao de respiro urbano ao local.

    3 INSOLAo

    fachada principal voltada para o sul, e entrada secundria para

    o norte. necessidade de proteger fachada oeste e leste, conforme

    os estares do projeto.

    4 RUDOS

    principal rudo urbano provm da av. jernimo de ornelas. conforme

    interveno, barreira vegetal soluciona a questo.

    5 VISUAIS

    rea e posicionamento do principal observador ao entrar na praa

    por este quadrante, torna-se a entrada principal do ambiente.

    6 EIXOS DE CIRCULACAO INTERNO DA PRACA

    dois dos tres principais fluxos internos do quadrantre, exigindo

    que o estar seja permevel.

    15

  • COND

    ICIONA

    NTES

    DO

    QUAD

    RANT

    E CE

    NTRA

    L

    AVENIDA JERNIMO DE ORNELAS

    RUA GENERAL JACINTO OSRIOESCOLA MERCADO

    16

  • 17

  • 18

  • projeto DecameronArquitetos: Studio MK27 Marcio KoganAno: 2011rea construda: 250 mPRojeto: comerciallocalizao: So Paulo, Brasil

    projeto de baixssimo custo, que rapidamente pode ser construdo. respeitando as rvores existentes, O projeto foi organizado dentro de dois tneis de contineres, aproveitando a linearidade de seus espaos internos, e um hangar de p-direito duplo conectado a eles, um volume cbico contrastante.

    projeto referencialcomposio volumtrica

    19

  • rea pblicarea aberta rea de servios

    circulaaogrelha estruturalgrelha compositiva e estrutural

    ASPECTOS FORMAISplanta-baixa do projeto

    ASPECTOS ESTRUTURAIS eixos compositivos

    ASPECTOS FUNCIONAISzoneamento e eixos de circulao

    20

  • projeto casa shelterArquitetos: stamberg aferiat Ano: 2010rea construda: 102 mPRojeto: residenciallocalizao: new york, eua

    Mantendo a planta baixa do Pavilho Barcelona em mente, os arquitetos projetaram uma casa que explora a realidade dos materiais produzidos industrialmente e os mtodos contemporneos de construo. Diferente do Pavilho Barcelona, aqui foi escolhido utilizar materiais mais comuns mas a surpresa est no seu emprego, escolha da pigmentao e detalhes. .

    21

    projeto referencialcomposio planar

  • ASPECTOS FORMAISplanta-baixa do projeto

    ASPECTOS ESTRUTURAIS eixos compositivos

    ASPECTOS FUNCIONAISzoneamento e eixos de circulao

    rea ntimarea aberta rea de servios

    circulaaorea social rea verde

    grelhA estruturALgrelha compositiva

    grelha estruturaIL

    GRELHAS RADIAIS COBERTURA

    22

  • projeto casa PUNTAArquitetos: STUDIO MK27Ano: 2011rea construda: 465 mPRojeto: residenciallocalizao: PUNTA DEL ESTE, URUGUAI

    Definiu-se um casa trrea, com vista para A re-presa, COM um ptio interno delimitado por pare-des DE PEDRA, que definem todos os espaos da casa. A planta organizada de maneira bastan-te simples e clara, sob uma laje estruturada por pilares racionalmente distribudos e apoiada lateralmente nas empenas de pedra. Sob essa laje plana, uma caixa de madeira abriga os quar-tos e os servios e cozinha

    23

    projeto referencialcomposio mista

  • ASPECTOS FORMAISplanta-baixa do projeto

    ASPECTOS ESTRUTURAIS eixos compositivos

    ASPECTOS FUNCIONAISzoneamento e eixos de circulao

    rea ntimarea aberta rea de servios

    circulaaorea social

    grelha estruturalgrelha compositiva e estrutural

    24

  • 25

  • 26

  • composio volumtrica

    27

  • 28

    fachada sul fachada oeste fachada norte fachada leste

  • composio planar

    29

  • 30

    fachada sul fachada oeste fachada norte fachada leste

  • composio mista

    31

  • 32

    fachada sul fachada oeste fachada norte fachada leste

  • MAQUETES DE ESTUDO DA proposta de projeto

    espao social 33

  • 34

  • MAQUETES DE ESTUDO DA proposta de projeto

    espao social

    composio volumetrica

    PARTIDO COMPACTO aditivo projetado face a face -

    adicao por tangncia. dentro de um espao pblico aberto

    de uma praa, dificulta a permeabilidade fisica e visual,

    pois volumes apresentam gestalt bem definida.

    composio planar

    PARTIDO DE PLANOS EM SRIE VERTICAIS E HORIZONTAIS. Composio

    na qual o nao alinhamento dos planos permite quebra da gestalt e leveza ao espao projetado,

    sendo esta manipulaao da forma compositiva mais adequada para o

    ambiente de uma praa. 35

  • composio mista

    hibridizao de volumes e planos com dobras sendo uma composiao

    de natureza aditiva. permite circulaao interna e permeabilidade

    melhores que um partido compacto. para o ambiente pblico torna-se adequado, assim como

    uma composio planar. 36

  • dimensionamento estudos preliminares das dimenses de equipamentos,

    mobilirios e circulao de pessoas para compor o espao social com propores adequadas e torn-lo

    atraente e agradvel.

    37

  • Acessibilidadebales, sanitrios e espaos de circulao adaptados para todos

    bem-estarconforto e qualidade do

    mobilirio tornam o ambiente convidativo e agradvel

    equipamentosmquina de gua quente para chimarro atrai o pblico para o espao

    38

  • 39

  • 40

  • espao social da praa major joaquim de queirs

    buscou-se leveza ao espao projetado, portanto, a

    composio planar torna-se a mais adequada, conforme o entorno dentro da praa.

    PARTIndo-se DE PLANOS EM SRIE VERTICAIS E HORIZONTAIS. na Composio deste projeto, o no alinhamento dos planos permite quebra da gestalt, e

    melhores fluxos de visibulidade e circulao

    interna.estudos iniciaisde planta-baixa

    e fachadas