Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Download Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Post on 09-Jan-2017

216 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Conveno sobre Diversidade Biolgica: ABS

    Introduo a Acesso e Repartio de Benefcios

    RECUR

    SOS GENTICOS CONHECIMENTOSTRADICIONAIS

    PROVEDORES

    CONSENTIMENTOPRVIO

    TERMOSMUTUAMENTEACORDADOS

    USOS

    USURIOS

    BENEFCIOS

  • O termo recurso gentico refere-se ao material gentico proveniente de plantas, animais ou microorganismos que possuem um valor potencial de uso Direitos de imagem: Philip Lange/Shutterstock: Planta escorpiosa

  • O que so os recursos genticos?Todos os organismos vivos: plantas, animais e microorganismos carregam material

    gentico potencialmente til aos seres humanos. Esses recursos podem ser originrios

    do mundo selvagem, da fauna domesticada ou de plantas cultivadas. Eles so

    provenientes de ambientes em que ocorrem naturalmente (in situ), ou de colees

    criadas pelos seres humanos, como os jardins botnicos, bancos de germoplasma,

    bancos de sementes ou colees de culturas microbianas (ex situ).

    Por que os recursos genticos so importantes?Existem significativos benefcios potenciais que podem ser obtidos ao se realizar acesso

    e fazer uso dos recursos genticos. Eles constituem uma fonte de informaes crucial

    para melhor compreender o mundo natural e podem ser usados para desenvolver uma

    vasta gama de produtos e servios para benefcio humano. Isso inclui produtos como

    medicamentos e cosmticos, alm de prticas e tcnicas agrcolas e ambientais.

    No entanto, como muitos recursos essenciais do mundo, os recursos genticos

    no esto distribudos de maneira uniforme. Alm do mais, as plantas, animais e

    microorganismos em que so encontrados muitas vezes compem ecossistemas

    complexos e de equilbrio delicado que podem estar ameaados ou em perigo. A maneira

    pela qual os recursos genticos so acessados e como os benefcios de seu uso so

    compartilhados pode criar incentivos para sua conservao e uso sustentvel. Pode

    contribuir ainda para a criao de uma economia mais justa e equitativa que apoie um

    modelo de desenvolvimento sustentvel.

    Nosso nvel de saber atual sobre os recursos genticos deve muito aos conhecimentos

    tradicionais das comunidades indgenas e locais (CILs). Esse valioso conhecimento

    tem sido construdo e transmitido atravs de geraes. essencial que o valor do

    conhecimento tradicional seja compreendido e valorado de forma adequada por aqueles

    que o utilizam e que os direitos das comunidades indgenas e locais sejam considerados

    durante as negociaes sobre acesso e uso de recursos genticos. Se isso no for feito,

    o conhecimento tradicional, os recursos e as comunidades podem ser colocadas em

    risco.

  • Acesso e repartio de benefciosO que acesso e repartio de benefcios?

    Acesso e repartio de benefcios (ABS, na sigla em ingls) refere-se forma como o patrimnio

    gentico pode ser acessado e como os benefcios que resultam de seu uso comercial so

    compartilhados entre as pessoas ou pases que utilizam esse recurso (usurios) e as pessoas ou

    pases que o fornece (provedores).

    Por que importante?

    Os provedores de recursos genticos so os governos ou organismos da sociedade civil, que

    podem incluir proprietrios de terras privadas e comunidades dentro de um pas, com o direito

    de proporcionar o acesso aos recursos genticos e de participar dos benefcios resultantes de

    seu uso. As disposies de acesso e repartio de benefcios da Conveno sobre Diversidade

    Biolgica (CDB) foram criadas para garantir que o acesso fsico aos recursos genticos seja

    facilitado e que os benefcios oriundos de sua utilizao sejam compartilhados de forma equitativa

    com os provedores. Em alguns casos, isso tambm inclui os importantes conhecimentos

    tradicionais associados aos recursos genticos provenientes das comunidades indgenas e

    locais.

    Os benefcios a serem compartilhados podem ser monetrios, tais como participao nos

    lucros e royalties, quando os recursos so usados para criar um produto comercial, ou no-

    monetrios, como nos casos de capacitao e transferncia de tecnologia para a pesquisa e

    o desenvolvimento. vital que os usurios e os provedores compreendam e sigam o teor dos

    principios tais como definidos pela CDB, pelas Diretrizes de Bonn e pelo Protocolo de Nagoia.

    Estes ajudam os governos nacionais a construir suas prprias legislaes que iro assegurar que

    o acesso e a repartio de benefcios acontea de uma forma justa e equitativa.

    Como funciona?

    O conceito de acesso e repartio de benefcios baseado no princpio do consentimento prvio

    fundamentado (PIC, na sigla em ingls), concedido por um provedor para um usurio e em

    negociaes entre ambas as partes para desenvolver termos mutuamente acordados (MAT, na

    sigla em ingls) com o objetivo de garantir a repartio justa e equitativa dos recursos genticos e

    dos benefcios associados.

    Consentimento prvio fundamentado (PIC): a autorizao concedida pela autoridade nacional competente de um pas provedor para um usurio antes da realizao de acesso aos

    recursos genticos, de acordo com o marco legal e institucional vigente.

  • Termos mutuamente acordados (MAT): consiste de um acordo entre os provedores dos recursos genticos e os usurios sobre as condies de acesso e uso dos recursos, assim como da repartio dos benefcios entre ambas as partes.

    Essas condies so exigidas nos termos do Artigo 15 da CDB, que foi adotada em 1992 e fornece um conjunto global de princpios para o acesso aos recursos genticos, bem como de

    repartio justa e equitativa dos benefcios resultantes de sua utilizao.

    Quem est envolvido?Provedores de recursos genticos: os estados nacionais possuem direitos soberanos sobre os recursos naturais sob sua jurisdio. Eles devem considerar a criao de condies que facilitem o acesso a esses recursos para sua utilizao ambientalmente saudvel. Mas para a concesso de autorizao de acesso preciso haver a concordncia clara e transparente dos provedores, de acordo com os termos negociados, incluindo o PIC e o MAT, garantindo uma repartio de benefcios justa e equitativa. As leis do pas provedor podem facultar ainda a outras pessoas ou entidades, tais como as comunidades indgenas e locais, a negociar tambm as condies de acesso e de repartio de benefcios. A participao das comunidades indgenas e locais indispensvel nos casos de acesso a conhecimentos tradicionais associados aos recursos genticos.

    Usurios dos recursos genticos: os usurios so os responsveis por repartir os benefcios derivados do uso dos recursos genticos com os provedores. Eles buscam o acesso aos recursos genticos para uma ampla gama de propsitos, da pesquisa bsica ao desenvolvimento de novos produtos. Eles constituem um grupo diversificado, que inclui jardins botnicos, institutos de pesquisa, laboratrios de pesquisas industriais dos setores farmacutico, agrcola e de cosmticos, universidades e os curadores de coleces.

    Pontos focais nacionais: para facilitar o acesso aos recursos genticos, os usurios devem solicitar que haja um processo claro e transparente que detalhe com quem se comunicar e quais as exigncias e procedimentos exigidos nos pases provedores para obteno de autorizao. Os pontos focais nacionais (NFPs, na sigla em ingls) so os responsvel por fornecer essas informaes.

    Autoridades nacionais competentes: as autoridades nacionais competentes (CNAs, na silga em ingls) so os rgos criados pelos governos responsveis pela concesso de autorizao de acesso aos seus recursos genticos para os usurios e ao mesmo tempo por representar os provedores a nvel local ou nacional. As medidas nacionais de implementao estabelecem

    como as autoridades nacionais competentes trabalham em um determinado pas.

  • Existem seis temas principais que sustentam o acesso e a repartio de benefcios dos recursos genticos. Estes so abordados nesta srie de cartilhas que cobrem cada tema individualmente.

    Temas-chave

    RECUR

    SOS GENTICOS

    USOS

    Encontrados nos EcossistEmas E habitats naturais

    Encontrados Em jardins botnicos, colEEs comErciais E univErsitrias

    taxonomiaconsErvao

    biotEcnologiahorticulturaprodutos farmacuticos

    IN-SITU

    EX-SITU

    No comErcIal

    comErcIal

  • CONHECIMENTOSTRADICIONAIS

    PROVEDORES

    CONSENTIMENTOPRVIO

    TERMOSMUTUAMENTEACORDADOS

    USURIOS

    BENEFCIOS

    Estados tEm dirEito sobErano sobrE os rEcursos naturais

    autoridadEs nacionais compEtEntEs dEssEs Estados concEdEm autorizao dE acEsso aos usurios dos rEcursos gEnticos

    pEsquisadorEsunivErsidadEsindstrias

    fINaNcEIroSpagamEntos dE royaltiEstitularidadE conjunta dE dirEitos dE propriEdadE intElEctual

    No fINaNcEIroSpEsquisa E dEsEnvolvimEntoEducao E capacitaotransfErncia dE tEcnologia

  • Cronologia1992 O texto da CDB aberto para assinatura na Cpula da Terra no Rio de Janeiro.

    1993 A CDB ratificada e entra em vigor em 29 de dezembro.

    1998 Um painel de especialistas constitudo para esclarecer os princpios e conceitos

    relativos a acesso e repartio de benefcios.

    2000 A Conferncia das Partes (COP, na sigla em ingls) cria o Grupo de Trabalho Ad

    Hoc de Composio Abertra sobre Acesso e Repartio de Benefcios com o

    mandato para desenvolver diretrizes para contribuir com a implementao das

    disposies relativas a ABS da CDB.

    2002 A Conferncia das Partes adota as Diretrizes de Bonn sobre acesso aos recursos

    genticos e repartio justa e equitativa dos benefcios resultantes de seu uso.

    Na Cpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentvel, os governos concordam

    com a negociao de um regime internacional para promover a r

Recommended

View more >