intro admin

Download Intro Admin

Post on 27-Jun-2015

478 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Pgina 1 de 55

AdministraoA palavra administrao tem sua origem no latim (ad, direo para, tendncia, minister, comparativo de inferioridade; e sufixo ter, subordinao ou obedincia, isto , aquele que realiza uma funo abaixo do comando de outrem, aquele que presta um servio a outro) e significa subordinao e servio. Em sua origem, a palavra administrao significa funo que se desenvolve sob o comando de outro, um servio que se presta a outro. A tarefa da administrao interpretar os objetivos propostos pela empresa e transformlos em ao empresarial atravs do planejamento, organizao, direo e controle de todos os esforos realizados em todas reas e em todos os nveis da empresa, a fim de atingir tais objetivos. A palavra administrao sofreu formidvel aprofundamento e ampliao em seu significado. A melhor maneira de se mostrar o aprofundamento e a ampliao do significado da administrao percorrer rapidamente a sua trajetria nestes ltimos anos e acompanhar os passos gradativos da histria das empresas e da teoria da administrao

Rpida Histria das EmpresasDurante toda a sua longa histria at meados do sculo 18, as empresas se desenvolveram com uma impressionante lentido. Apesar de sempre ter existido o trabalho organizado e dirigido na histria da humanidade, a histria das empresas e, sobretudo, a histria de sua administrao, so um captulo recente, que teve o seu incio h bem pouco tempo. A partir de 1776, com a inveno da mquina a vapor por James Watt (1736 -1819) e a sua conseqente aplicao produo, surgiu uma nova concepo de trabalho, que veio modificar completamente a estrutura social e comercial da poca, provocando profundas e rpidas mudanas de ordem econmica, poltica e social que, em um perodo de aproximadamente um sculo, foram maiores do que todas as mudanas ocorridas no milnio anterior. o perodo chamado de Revoluo Industrial, que se iniciou na Inglaterra e rapidamente se alastrou por todo o mundo civilizado da poca. A Revoluo Industrial provocou a substituio do precrio artesanato das oficinas pela industrializao, preparando o caminho para o aparecimento das modernas empresas e dos desafios de sua administrao. A histria das empresas pode ser dividida em seis fases, a saber: Artesanal; Fase de transio do artesanato industrializao; Do desenvolvimento industrial; Do gigantismo industrial; Moderna; e Da incerteza. 1. Fase Artesanal; a fase que vai at aproximadamente 1780, quando se inicia a Revoluo Industrial. Na fase artesanal, o regime de produo fundamentado no artesanato rudimentar nas pequenas oficinas e na mo - de -obra intensiva e no qualificada na agricultura. H um predomnio de pequenas oficinas, granjas e agricultura, com base no trabalho escravo, com ferramentas toscas. H resqucios ainda do feudalismo, e o sistema comercial baseado na antiga tradio das trocas locais.

Pgina 2 de 55

2. Fase de transio do artesanato industrializao; corresponde primeira revoluo industrial, entre os anos de 1780 e 1860. a nascente fase da industrializao, da mecanizao das oficinas e da agricultura. Os dois grandes expoentes so o carvo (a nova fonte bsica de energia) e o ferro (o material bsico), que passam a ter enorme importncia no desenvolvimento dos pases. Nessa fase ocorre uma crescente mecanizao das oficinas (aparecimento da mquina de fiar em 1767, do tear hidrulico em 1769 e do tear mecnico em 1785) e da agricultura (aparecimento do descaroador de algodo em 1792), a partir da mquina a vapor e da aplicao da fora motriz do vapor produo e conseqente aparecimento do sistema fabril: as oficinas mecanizadas transformam-se lentamente em fbricas e usinas dotadas de enormes e pesadas mquinas, que passam a substituir o esforo muscular humano. Os transportes sofrem vigoroso desenvolvimento com a navegao a vapor (1807), com a inveno da locomotiva a vapor e o aparecimento das primeiras estradas de ferro de grande porte (a partir de 1823). As comunicaes so incrementadas com o aparecimento do telgrafo eltrico (1835) e do selo postal (1840) 3. Fase do desenvolvimento industrial; corresponde segunda revoluo industrial, entre os anos de 1860 e 1914. Os dois grandes expoentes so o ao (o novo material bsico, cujo processo de fabricao foi desenvolvido a partir de 1856) e a eletricidade. D-se a substituio do ferro pelo ao, como material industrial, e do vapor pela eletricidade e pelos derivados de petrleo, como principais fontes de energia. Temos aqui o desenvolvimento da maquinaria, com o aparecimento do motor a exploso e do motor eltrico (1873). Nota-se um crescente domnio da nascente indstria pela cincia e pelo avano tecnolgico. H transformaes radicais nos transportes (com o surgimento do automvel, 1880, e do avio, 1906) e nas comunicaes (com o surgimento do telgrafo sem fio, do telefone, 1876, e do cinema), e o mundo se torna cada vez menor. O capitalismo industrial cede lugar ao capitalismo financeiro, surgindo os grandes bancos e instituies financeiras, ao lado de uma espetacular ampliao dos mercados. As empresas bem sucedidas crescem assustadoramente e passam por um processo de burocratizao em face do seu tamanho e por um enfoque mecanicista de suas funes. 4. Fase do gigantismo industrial; a fase situada entre as duas grandes guerras mundiais - entre 1914 e 1945 -, nas quais se utiliza organizao e tecnologia para fins blicos. a fase que compreende a grande depresso econmica de 1929 e a crise mundial por ela provocada. , sobretudo, a fase em que as empresas atingem propores enormes, atuando em operaes de mbito internacional e multinacional. Ocorre o predomnio de aplicaes tcnico-cientficas e nfase em materiais petroqumicos. Os transportes se intensificam: navegao de grande porte, estradas de ferro e rodovias, aprimoramento do automvel e do avio. As comunicaes se tornam mais amplas e rpidas, com o rdio e a televiso. O mundo ainda se torna ainda menor. E cada vez mais complexo. 5. Fase moderna; a fase mais recente, que vai de 1945 (ps - guerra) a 1980, marcando uma ntida separao entre os pases desenvolvidos (ou industrializados), os subdesenvolvidos (ou no industrializados) e os pases em desenvolvimento. O desenvolvimento tecnolgico surpreendente e se torna mais rpida a sua utilizao para fins comerciais atravs de produtos e processos mais sofisticados. Novos materiais bsicos surgem (como o plstico, o alumnio, novas fibras txtis sintticas, o concreto protendido) e novas fontes de energia so desenvolvidas (a energia nuclear, a energia solar); contudo, o petrleo e a eletricidade mantm seu predomnio. Novas tecnologias surgem (como o circuito integrado, o transistor, o silicone), provocando o aparecimento de

Pgina 3 de 55

novas maravilhas de nossa poca (a televiso em cores, o som de alta fidelidade, o computador, a mquina de calcular eletrnica, a comunicao telefnica e a transmisso de TV por satlite, a popularizao do automvel). Esses fenmenos so conseqncia de um fenmeno maior: eles so inventados, criados, projetados e construdos dentro das empresas. ... A pesquisa e o desenvolvimento tecnolgico passam a ser feitos dentro das empresas e orientados para usos comerciais. Contudo, o final da fase moderna marcado por dois choques sucessivos na comercializao do petrleo: em 1973 e em 1979 os preos mundiais do petrleo so aumentados violentamente, provocando uma crise mundial, acompanhada de uma inflao sem precedentes e de uma brutal recesso. Os pases dependentes de importao do petrleo passaram a ter enormes problemas com sua balana de pagamentos no exterior e com o aumento de sua dvida externa. justamente o caso do Brasil, que antes de 1973 experimentava a euforia do milagre econmico do seu desenvolvimento, que o havia tirado da classificao de pas subdesenvolvido. a fase em que, ao lado das empresas multinacionais, surgem e se desenvolvem empresas nacionais de grande porte (como a Petrobrs, a Rede Ferroviria Federal, a Companhia Siderrgica Nacional, a Votorantin, as Construtoras Mendes Jnior e Camargo Corra, a Varig, a Cia. Cervejaria Brahma, o Bradesco, o Banco Ita etc), juntamente com uma variedade enorme de empresas mdias e pequenas (entre estas as microempresas e as mini-empresas). A automao e a computao se fazem presentes em muitas dessas empresas, aumentando poderosamente os seus recursos e potencialidades e distanciando-se cada vez mais das demais empresas que ainda no se atualizaram neste sentido. Por outro lado, a retrao, a escassez de recursos, a inflao desmesurada, os juros e os custos em contnua ascenso ajudam a complicar o ambiente. O mundo se torna menor ainda em face do incrvel incremento das comunicaes e dos negcios em mbito internacional, mas se torna tambm cada vez mais complexo e mutvel. Essa complexidade e mutabilidade trazem uma novidade consigo: a incerteza e a imprevisibilidade do que vai acontecer. 6. Fase da incerteza; a fase aps 1980, carregada de desafios, dificuldades, ameaas, coaes, contingncias, restries e toda a sorte de adversidades para as empresas. a fase em que o ambiente externo se caracteriza por uma complexidade e mutabilidade que as empresas no conseguem decifrar e interpretar adequadamente. Assim, ocorre a incerteza por parte das empresas em relao quilo que est acontecendo ao seu redor e, principalmente, a incerteza quanto ao que poder acontecer em um futuro prximo ou remoto. Nesta fase, as empresas lutam com escassez de recursos, dificuldade na colocao de seus produtos ou servios, acirrada concorrncia, dificuldade em entender as reaes do mercado e as aes de seus concorrentes. A tradio e o passado so coisas que se foram e que no resolvero os problemas da atualidade. Em outros termos, a maneira tradicional de administrar e de fazer as coisas como elas sempre foram feitas no passado no proporcionar os resultados adequados. Tudo mudou e a administrao tambm. Uma terceira Revoluo Industrial marca essa fase: a revoluo do computador, substituindo agora no mais o msculo humano pela mquina, mas o crebro humano pela mquina eletrnica.

Rpida Histria da Teoria da Ad