interpretao da norma processual em da norma processual em benefcio do idoso scio de pessoa jurdica...

Download INTERPRETAO DA NORMA PROCESSUAL EM   DA NORMA PROCESSUAL EM BENEFCIO DO IDOSO SCIO DE PESSOA JURDICA Maria Cristina Vidotte Blanco Tarrega∗ Srgio Augusto Frederico∗

Post on 10-Mar-2018

213 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • INTERPRETAO DA NORMA PROCESSUAL EM BENEFCIO DO IDOSO

    SCIO DE PESSOA JURDICA

    Maria Cristina Vidotte Blanco Tarrega

    Srgio Augusto Frederico

    RESUMO

    A Constituio Federal exige a proteo integral s pessoas idosas. A fim de cumprir

    esse comando constitucional, o Estatuto do Idoso, dentre outras garantias, concedeu a

    prioridade na tramitao dos processos s pessoas com sessenta anos de idade. A

    preferncia porque o idoso, dada a sua condio, no pode esperar a longa durao do

    processo. O Estatuto contempla, pois, o idoso, pessoa fsica. O que o trabalho pretende

    discutir, a possibilidade de concesso desse benefcio processual pessoa jurdica,

    cujo scio for considerado idoso. O tema enfrentado sob a tica dos diferentes tipos de

    societrios, dos princpios constitucionais e da tcnica de hermenutica.

    PALAVRAS CHAVES

    ROCESSO; ESTATUTO DO IDOSO; PESSOA JURDICA; HERMENUTICA.

    ABSTRACT

    The Federal Constitution demands the integral protection to old people In order to carry

    out this constitutional command, the Statute of the Old One, among other guarantees, it

    granted the priority in the normal course through the legal channels of the processes to

    the sixty years old people. They have the preference because, according to their ages,

    they cannot wait for the long duration of the process. The Statute contemplates, so, the

    old person, individual entity. What the work intends to discuss, is the possibility of

    concession of this processual benefit to the juridic person whose partner will be

    considered old. The subject is faced under the optics of the different types of associates,

    of the constitutional beginnings and of the hermeneutic's technique.

    KEYWORDS Mestre e Doutora em Direito pela PUC/SP. Professora na Universidade Federal de Gois e Universidade de Ribeiro Preto. Pesquisadora CNPq Mestre em Direito pela ITE. Professor na FEMA- Assis

    2163

  • PROCESS, ESTATUTO DO IDOSO, JURIDIC PERSON, HERMENEUTIC.

    INTRODUO

    O dever de respeito e proteo s pessoas idosas valor consolidado na cultura

    ocidental, sobre o qual se firmam polticas e aes para melhorar a qualidade de vida

    daqueles que integram esse grupo. A velhice protegida, historicamente. No mundo

    contemporneo, dadas as circunstncias que retardam o envelhecimento e aumentam a

    longevidade, h um crescimento desse grupo de pessoas, hoje denominadas de terceira

    idade. No Brasil a situao a mesma. O aumento da longevidade e a diminuio da

    taxa da mortalidade mudaram o perfil demogrfico e geraram novas demandas pblicas.

    Essas tm gradativamente dado origem a aes do poder pblico e da sociedade civil

    organizada.

    Nesse contexto, foi criada a Poltica Nacional do Idoso (PNI), Lei 8.842 de 4 de

    janeiro de 1994, partir do debate com a sociedade, na busca de assegurar aos idosos

    direitos que lhes confiram dignidade e maior qualidade de vida. Isso trouxe nova

    perspectiva para as relaes que o idoso estabelece na sua vida cotidiana, porque se

    pretende conferir-lhe maior segurana e autonomia. Essa lei constitui marco

    determinante de toda uma mudana no olhar sobre a velhice e a integrao e

    participao efetiva desses cidados na sociedade.

    Dentre os avanos introduzidos com a Poltica Nacional do Idoso, no ano de

    2003 foi sancionado o Estatuto do Idoso Lei Federal n. 10.741/2003- que rege as

    relaes das pessoas com idade avanada, nela denominadas idosas. Trata-se de

    importante instrumento normativo a que se impe garantir efetividade, ao se pretender

    atingir os fins das polticas pblicas implantadas.

    Numa perspectiva sistemtica, s ocorrer efetividade do Estatuto do Idoso se os

    seus preceitos e valores forem respeitados quando da aplicao de outras regras legais

    do ordenamento jurdico ptrio.

    O Art. 71 do Estatuto do Idoso (Lei 10.741/03) prev a prioridade na tramitao

    dos processos em que figure como parte ou interveniente pessoa com sessenta anos de

    idade. Seguindo essa ordem de idias discute-se, neste trabalho, a possibilidade de

    concesso desse benefcio processual pessoa jurdica, cujo scio for considerado

    idoso.

    2164

  • 1. OS FUNDAMENTOS AXIOLGICOS DO ESTATUTO DO IDOSO E O

    ACESSO JUSTIA

    O Estatuto do Idoso visa a assegurar s pessoas com idade igual ou superior a 60

    (sessenta anos) dignidade e bem-estar, no propsito de cumprir o comando

    constitucional do Art. 230.1 O artigo terceiro impe famlia, comunidade,

    sociedade e ao Poder Pblico o dever de assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a

    efetivao do direito vida, sade, alimentao, educao, cultura, ao esporte, ao

    lazer, ao trabalho, cidadania, liberdade, dignidade, ao respeito e convivncia

    familiar e comunitria. O pargrafo nico do referido artigo diz que a garantia de

    prioridade compreende: atendimento preferencial imediato e individualizado junto aos

    rgos pblicos e privados prestadores de servio populao.Para o propsito do

    tema, interessa-nos o atendimento preferencial imediato junto ao Poder Judicirio e,

    particularmente, a prioridade no trmite de processos judiciais envolvendo pessoas com

    mais de sessenta anos de idade, direito que veio a ser regulado pelo Art. 71 do Estatuto.

    importante observar que a preferncia se estende aos processos e

    procedimentos na Administrao Pblica, empresas prestadoras de servios pblicos e

    instituies financeiras, ao atendimento junto Defensoria Pblica da Unio, dos

    Estados e do Distrito Federal em relao aos servios de Assistncia Judiciria.

    A preferncia ocorre porque o idoso, dada a sua condio, no pode esperar a

    longa durao do processo. A longevidade que lhe resta relacionada longa durao do

    processo retira-lhe os possveis benefcios da deciso. O legislador processual, em 2001

    (CPC, Art. 1211-A) e o do Estatuto do Idoso, em 2003 (Art. 71), anteviram a

    preocupao do constituinte, que, em 2004, pela EC 45, acrescentou o inciso LXXVIII

    ao Art. 5, nestes termos: a todos, no mbito judicial e administrativo, so assegurados

    a razovel durao do processo e os meios que garantam a celeridade de sua

    tramitao.

    Assim, para que o acesso justia seja efetivo2 e no meramente formal,

    preciso que o Poder Judicirio preste rpida e efetivamente o servio, principalmente ao

    idoso, que no pode esperar demora da deciso.

    1 Art. 230 A famlia, a sociedade e o Estado tm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participao na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhe o direito vida. 2 Art. 5, XXXV da CF A lei no excluir da apreciao do Poder Judicirio leso ou ameaa a direito.

    2165

  • 2. CONFLITO ENTRE O ESTATUTO DO IDOSO E O ESTATUTO

    PROCESSUAL

    O Art. 1211-A do CPC, includo pela Lei 10.173, de 09/01/01, disciplina que as

    ... pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, tero prioridade na tramitao de

    todos os atos e diligncias em qualquer instncia. Por sua vez, o Art. 71 da Lei 10.741,

    de 01/10/03 (Estatuto do Idoso), estipula a benesse a partir dos 60 anos de idade. certo

    que sobre duas normas de mesma competncia legislativa, a ltima prevalece sobre a

    anterior. Assim, o Art. 1.211-A do Estatuto Processual est derrogada pelo Art. 71 do

    Estatuto do Idoso, por previso doArt. 2, 1 da Lei de Introduo ao Cdigo Civil

    A lei do idoso tambm prevalece sobre o diploma processual, pelo critrio da

    especialidade. A lei especial derroga a lei geral. O Estatuto do Idoso uma norma

    especial, pois regula inmeros direitos especficos de pessoas com mais de sessenta

    anos, dentre eles, o favor processual da prioridade, tal qual o CPC. Como escreveu

    Maria Helena Diniz (2001:39): A norma geral s no se aplica ante a maior relevncia

    jurdica dos elementos contidos na norma especial, que a tornam mais suscetvel de

    atendibilidade do que a norma genrica.

    Assim, quer pelo critrio cronolgico, quer pelo critrio especial, o Estatuto do

    Idoso sobreleva norma da lei processual, no ponto em que h a contradio.

    suficiente, portanto, que se comprove na exordial essa condio idade igual ou

    superior a sessenta anos para fazer jus ao benefcio legal.

    A reflexo deve se estender ao direito intertemporal. A lei processual nova

    atinge o processo no estgio em que estiver, ou seja, ela aplicada desde logo, inclusive

    aos processos pendentes.3 Trata-se do sistema do isolamento dos atos processuais, ou

    seja, a lei nova respeita (isola) os atos j praticados e aplica-se aos que houverem de

    realizar-se. Assim, o Art. 71 da Lei 10.173 de 01/10/03, tem aplicao imediata, repita-

    se, inclusive aos processos pendentes. Dessa forma, sempre possvel, quer a parte j

    tenha completado sessenta anos ou quando completar, fizer jus ao beneplcito da

    prioridade, pois a lei frisa que o pedido pode ser feito em qualquer instncia, o que se

    poderia interpretar extensivamente como a qualquer momento.

    3 Art. 1211 do CPC. Este Cdigo reger o processo civil em todo territrio brasileiro. Ao entrar em vigor, suas disposies aplicar-se-o desde logo aos processos pendentes.

    2166

  • 3. O FAVOR PROCESSUAL NOS DIFERENTES TIPOS SOCIETRIOS

    O benefcio processual no deve ser concedido a qualquer

Recommended

View more >