INTERAÇÕES : SECAGEM E AERAÇÃO - MELHORIA DA QUALIDADE - INTERAÇÕES : SECAGEM E AERAÇÃO - MELHORIA DA QUALIDADE - Prof. JUAREZ DE SOUSA E SILVA, PhD UNIVERSIDADE.

Download INTERAÇÕES : SECAGEM E AERAÇÃO - MELHORIA DA QUALIDADE - INTERAÇÕES : SECAGEM E AERAÇÃO - MELHORIA DA QUALIDADE - Prof. JUAREZ DE SOUSA E SILVA, PhD UNIVERSIDADE.

Post on 18-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

5 download

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Slide 2
  • INTERAES : SECAGEM E AERAO - MELHORIA DA QUALIDADE - INTERAES : SECAGEM E AERAO - MELHORIA DA QUALIDADE - Prof. JUAREZ DE SOUSA E SILVA, PhD UNIVERSIDADE FEDEAL DE VISA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGROLA Obs.: - Aperte a tecla de espao para exibir a apresentao - Aperte a tecla Esc para cancelar a apresentao.
  • Slide 3
  • QUALIDADE DOS GROS QUALIDADE DOS GROS n QUALIDADE DE GROS CONCEITO POLMICO. n AS QUALIDADES PARA FEIJO, SOJA, MILHO, CAF, ETC SO MUITO DIFERENTES. n A QUALIDADE DO MILHO PARA SEMENTES DIFERENTE DA QUAIDADE DO MESMO PARA RAO OU PARA OUTROS PROCESSOS.
  • Slide 4
  • INFLUNCIA NA QUALIDADE DOS GROS INFLUNCIA NA QUALIDADE DOS GROS n AMBIENTE DE CULTIVO n POCA E SISTEMA DE COLHEITA n PRTICAS PS-COLHEITA n PRTICAS DE ARMAZENAMENTO n SISTEMA DE TRANSPORTE
  • Slide 5
  • QUALIDADE PARA EXPORTAO n UMIDADE BAIXA E UNIFORME n ALTA MASSA ESPECFICA n BAIXA % DE MATERIAL ESTRANHO n BAIXA % DE GROS DANIFICADOS
  • Slide 6
  • QUALIDADE PARA EXPORTAO F BAIXA SUSCEPTIBILIDADE A QUEBRAS F ALTA % DE GERMINAO F BAIXA TOXICIDADE F BAIXA % DE DANOS POR INSETOS
  • Slide 7
  • n BAIXA SUSCEPTIBILIDADE A QUEBRAS n ALTA QUALIDADE PARA PRODUO DE FARINHAS n ALTO TEOR DE LEO n BAIXA CONTAMINAO POR FUNGOS n BAIXA TOXICIDADE QUALIDADE PARA MOINHOS
  • Slide 8
  • QUA LIDADE PARA PRODUO DE LEITE, ETC. QUA LIDADE PARA PRODUO DE LEITE, ETC. n ALTO TEOR DE PROTEINAS n ALTO TEOR ENERGTICO n BAIXA TOXICIDADE
  • Slide 9
  • IMPORTNCIA DOS PADRES DE QUALIDADE n FACILITA A COMERCIALIZAO n DESEJO DO CONSUMIDOR POR DIFERENTES TIPOS DE PRODUTOS n REFLETE O POTENCIAL DE ARMAZENAMENTO
  • Slide 10
  • SEMENTE SEM DANOS VISTA ATRAVS DA LUZ
  • Slide 11
  • SEMENTE PARCIALMENTE DANIFICADA Trinca Simples
  • Slide 12
  • SEMENTE DANIFICADA Trincas duplas
  • Slide 13
  • SEMENTE MUITO DANIFICADA Trincas Mltiplas
  • Slide 14
  • SEMENTE SERIAMENTE DANIFICADA
  • Slide 15
  • APARELHO PARA VISUALIZAO DAS TRINCAS Lmpada de 100 W Placa negra com um pequeno furo caixa
  • Slide 16
  • EFEITO DA VELOCIDADE DE SECAGEM NA % DE SEMENTES COM TRINCAS
  • Slide 17
  • SEMENTES DANIFICADAS POR ALTAS TEMPERATURAS E BAIXO FLUXO DE GROS
  • Slide 18
  • APARELHO PARA DETECTAR A % DE PRODUO DE QUEBRAS STEIN BREAKAGE TESTER
  • Slide 19
  • INFLUNCIA DO SISTEMA DE SECAGEM NA % DE TRINCAS
  • Slide 20
  • INFLUNCIA DO SISTEMA DE SECAGEM NA % DE QUEBRAS
  • Slide 21
  • INFLUNCIA DO SISTEMA DE SECAGEM NA DENSIDADE
  • Slide 22
  • INFLUNCIA DO SISTEMA DE SECAGEM NA VIABILIDADE
  • Slide 23
  • RECOMENDAES n COLHER COM UMIDADE APROPRIADA E COM A COLHETADEIRA BEM AJUSTADA
  • Slide 24
  • RECOMENDAES LIMPAR O PRODUTO ANTES DA SECAGEM
  • Slide 25
  • RECOMENDAES n USAR A MENOR TEMPERATURA DO AR DE SECAGEM E O MENOR FLUXO DE GROS
  • Slide 26
  • RECOMENDAES EVITAR O RESFRIAMENTO RPIDO DA MASSA DE GROS
  • Slide 27
  • RECOMENDAES n EMPREGAR QUANDO POSSVEL, SECAGEM EM COMBINAO QUANDO OPTAR POR SECAGEM EM ALTAS TEMPERATURAS, USAR O SISTEMA DE SECA-AERAO
  • Slide 28
  • RECOMENDAES n EVITAR O MANEJO DE GROS COM EQUIPAMENTOS QUE PRODUZAM DANOS MECNICOS
  • Slide 29
  • RECOMENDAES ARMAZENAR O PRODUTO LIMPO E COM TEMPERATURA PRXIMA A DO AR AMBIENTE.
  • Slide 30
  • Slide 31
  • INTRODUO Material Biolgico Vivo Processo de Respirao
  • Slide 32
  • TRANSILAGEM 4 Definio 4 Aumenta os danos mecnicos 4 Maior tempo para a execuo 4 Elevado custo de instalao 4 Elevado custo operacional
  • Slide 33
  • PROCESSO DE AERAO
  • Slide 34
  • OBJETIVOS DA AERAO 4 Resfriamento da massa 4 Resfriamento de pontos aquecidos 4 Uniformizar a temperatura 4 Prevenir o aquecimento 4 Promover a secagem (funo do Fluxo de ar) 4 Remoo de odores
  • Slide 35
  • BENEFCIOS DA AERAO n Inibe o Desenvolvimento de Insetos u Condies Ideais prxima de 70% - Entre 23 a 35C e U.R. prxima de 70% u Inibe a atividade de algumas espcies - Entre 17 e 22C e U.R. < 30%
  • Slide 36
  • BENEFCIOS DA AERAO n Inibi o desenvolvimento da micro-flora n Permite a Armazenagem prolongado para gros midos
  • Slide 37
  • BENEFCIOSBENEFCIOSBENEFCIOSBENEFCIOS Preserva a qualidade Preserva a qualidade - Mantm elevada - Mantm elevada % de germinao % de germinao - Reduz o valor Q10 - Reduz o valor Q10
  • Slide 38
  • BENEFCIOS DA AERAO n Uniformiza a temperatura Projetado para evitar : Projetado para evitar : - Migrao de umidade - Migrao de umidade - Contaminao por mico-toxinas - Contaminao por mico-toxinas - Evitar os focos de aquecimento - Evitar os focos de aquecimento
  • Slide 39
  • BENEFCIOS DA AERAO n Prevenir o aquecimento - Gros midos recm-colhidos - Gros midos recm-colhidos - Possibilita o recebimento de produto mido mido
  • Slide 40
  • BENEFCIOS DA AERAO n Promove a secagem ? - Para temperaturas ambientes superiores a 0C - Fluxo de ar de 15 a 20 vezes maior do que na aerao de resfriamento
  • Slide 41
  • BENEFCIOS DA AERAO n Remove odores - Inseticidas -Devolve o cheiro caracterstico dos gros - Funo da atividade biolgica Respirao Desenvolvimento de microorganismos
  • Slide 42
  • ECOSSISTEMA DA MASSA
  • Slide 43
  • MIGRAO DE UMIDADE MIGRAO DE UMIDADE
  • Slide 44
  • SISTEMA DE AERAO painel de controle Cabos Term Sensor de Temp Ventilador Dutos aerao
  • Slide 45
  • COMPONENTES Ventilador com motor Ventilador com motor
  • Slide 46
  • VENTILADOR Dimensionar para determinada vazo Dimensionar para determinada vazo
  • Slide 47
  • Slide 48
  • DUTOS Principais e Secundrios
  • Slide 49
  • DIMENSIONAMENTO DOS DUTOS DIMENSES IMPORTANTES: 3 Tamanho 3 rea superficial 3 Distncia entre dutos 3 Velocidade do ar dentro dos dutos
  • Slide 50
  • DIMENSIONAMENTO DOS DUTOS
  • Slide 51
  • OPERAO DO SISTEMA DE AERAO n Avaliar as condies climticas n Problemas do mau uso da aerao
  • Slide 52
  • OPERAO DO SISTEMA DE AERAO
  • Slide 53
  • Slide 54
  • TERMOMETRIA Circuito Bsico de um Sistema Termeltrico metal 1 metal 2 juno 1juno 2 galvanmetro
  • Slide 55
  • TERMOPAR TERMOPAR Na escolha considera-se: n Custo n Finalidade n Faixa de temperatura n Condies ambientais n Esforo fsico a que ser submetido n Preciso da medida n Cobre-constantan o mais utilizado
  • Slide 56
  • TERMOPAR TERMOPAR
  • Slide 57
  • INSTALAO DOS CABOS TERMOMTRICOS n Fixao dos cabos em pontos estratgicos n Espaamento entre os cabos mximo de 6,0m entre cabos mximo 2,0 a 2,5m entre pontos
  • Slide 58
  • INSTALAO DO SISTEMA DE TERMOMETRIA
  • Slide 59
  • AGRADECIMIENTOS n Aos Organizadores do Encontro n Universidade Federal de Viosa A todos pela pacincia em ouvir-me A todos pela pacincia em ouvir-me PROF. Juarez PROF. Juarez e-mail: desousae@mail.ufv.br e-mail: desousae@mail.ufv.br
  • Slide 60
  • CLCULO DE UM SISTEMA Dimensionar um sistema de aerao por dutos, para um silo de fundo plano com 10m de dimetro e 12m de coluna de gros. - Massa especfica de 750Kg/m3; - Silo localizado em uma regio quente; - Eficincia do sistema de ventilao n=60%. EXEMPLO
  • Slide 61
  • Primeiro Passo CLCULO DA CAPACIDADE DO SILO Ca = A * H * Me onde: A - rea do silo, m 2 H - altura da camada de gros, m Me - massa especfica do produto, Kg/m 3 Ca = 78,5 * 12 * 750 = 706500Kg
  • Slide 62
  • Segundo Passo CLCULO DA VAZO DE AR Q = F * CA onde: Q = Vazo de ar, (m 3 de ar / min) Q = Vazo de ar, (m 3 de ar / min) F = fluxo de ar Tabelado, (m 3 /min. ton) F = fluxo de ar Tabelado, (m 3 /min. ton) CA = capacidade do silo, ton CA = capacidade do silo, ton Q = 0.05 * 706,5 = 35,3m3 de ar / min Q = 0.05 * 706,5 = 35,3m3 de ar / min
  • Slide 63
  • Terceiro Passo CLCULO DA PRESSO ESTTICA n Verificar a resistncia passagem do ar Grfico de Sheed n Para diversos tipos de gros, adotar o que oferece maior resistncia ao ar. Vazo de ar por metro quadrado de piso: 35,3 / 78,5 = 0.45m 3 de ar /min m 2 piso
  • Slide 64
  • Grfico de Sheed m 3 por min. por m 2 de piso
  • Slide 65
  • Terceiro Passo CLCULO DA PRESSO ESTTICA Pe = 0,25cm c.a./m de camada de gro Pe = 0.25 * 12 = 3cm c.a. Pet = Pe + (Pe * 20%) + (Pe * 60%) Pet = 3 + (0,6) + (1,8) Pet = 5,4cmCa
  • Slide 66
  • Pot = Q * Pet / 450 * n onde: onde: Pot = potncia do sistema, (cv) Pot = potncia do sistema, (cv) Q = vazo de ar, (m 3 /min) Q = vazo de ar, (m 3 /min) Pet = presso esttica total, cmca Pet = presso esttica total, cmca n = rendimento do motor n = rendimento do motor Pot = 0,7CV Pot = 0,7CV Quarto Passo POTNCIA NECESSRIA
  • Slide 67
  • Quinto Passo CLCULO DA SUPERFCIE PERFURADA SP = Q / V onde: SP = superfcie perfurada, (m 2 ) SP = superfcie perfurada, (m 2 ) Q = vazo de ar, (m 3 /min) Q = vazo de ar, (m 3 /min) V = velocidade do ar,(m/min) V = velocidade do ar,(m/min) SP = 35.3 / 10 SP = 35.3 / 10 SP = 3,5m 2 SP = 3,5m 2
  • Slide 68
  • Sexto Passo CLCULO DA SESSO TRANSVERSAL DO DUTO PRINCIPAL ST = Q / V onde: ST = sesso transversal, (m 2 ) ST = sesso transversal, (m 2 ) Q = vazo de ar, (m 3 /min) Q = vazo de ar, (m 3 /min) V = velocidade do ar admitida,(m/min) V = velocidade do ar admitida,(m/min) ST = 35.3 / 350 ST = 35.3 / 350 ST = 0.10m 2 ST = 0.10m 2
  • Slide 69
  • Stimo Passo CLCULO DA LARGURA E ALTURA (DUTO PRINCIPAL) n Sesso quadrada : n l = St Sesso retangular: Sesso retangular: l = 0,30m e h = 0,35m l = 0,30m e h = 0,35m
  • Slide 70
  • Oitavo Passo CLCULO DO COMPRIMENTO DOS DUTOS PERFURADOS C = SP / h onde: C = comprimento dos dutos, (m) C = comprimento dos dutos, (m) SP = superfcie perfurada, (m2) SP = superfcie perfurada, (m2) h = altura do duto, (m) h = altura do duto, (m) C = 3,5 / 0,35 C = 3,5 / 0,35 C = 10m de duto C = 10m de duto
  • Slide 71
  • Nono Passo ESPAAMENTO DOS DUTOS n Definir o posicionamento dos dutos n Espaamento funo das distncias L (maior) e H (menor) que o ar percorre n Relaes L/H = 1,5 ; 1,2 ou 1,7
  • Slide 72
  • ESPAAMENTO DOS DUTOS
  • Slide 73
  • Slide 74
  • L= H + X onde: L = maior distncia percorrida, (m) L = maior distncia percorrida, (m) H = menor distncia percorrida, (m) H = menor distncia percorrida, (m) X = espaamento entre os dutos, (m) X = espaamento entre os dutos, (m)
  • Slide 75
  • ESPAAMENTO DOS DUTOS Para L / H = 1,2 Para L / H = 1,2 (H + X) / H = 1,2 (H + X) / H = 1,2 (12 + X) / 12 = 1,2 (12 + X) / 12 = 1,2 X = 2,4m X = 2,4m Ou aproximadamente 2,5m, Ou aproximadamente 2,5m, sem prejudicar a descarga. sem prejudicar a descarga.
  • Slide 76
  • ESPAAMENTO DOS DUTOS
  • Slide 77
  • Dcimo Passo LARGURA DOS DUTOS PERFURADOS Qi = Q/2 onde: Qi = vazo de ar de cada duto, (m3/min) Qi = vazo de ar de cada duto, (m3/min) Q = fluxo de ar, (m3 / min) Q = fluxo de ar, (m3 / min)
  • Slide 78
  • LARGURA DOS DUTOS PERFURADOS SP1 = SP / 2 SP1 = SP / 2onde: SP1 = rea da sesso perfurada, (m 2 ) SP = rea total da sesso perfurada, (m 2 ) SP1 = 3,5 / 2 SP1 = 3,5 / 2 SP1 = 1,75m 2 SP1 = 1,75m 2
  • Slide 79
  • LARGURA DOS DUTOS PERFURADOS L1 = SP1 / C1 onde: L1 = largura do duto perfurado, (m) SP1 = rea da sesso perfurada do duto, (m 2 ) C1 = comprimento do duto, (m) L1 = 1,8 / 5 L1 = 0,40m
  • Slide 80
  • Dcimo Primeiro Passo CLCULO DO TEMPO DE RESFRIAMENTO t = (16,6 * mg * Cg) / Qt * Da * Ca onde: T = tempo de resfriamento, (h) T = tempo de resfriamento, (h) mg = massa total de gros, (ton) mg = massa total de gros, (ton) Cg = calor especfico do gro, (kJ/kgC) Cg = calor especfico do gro, (kJ/kgC) Qt = fluxo de ar total, (m3/min) Qt = fluxo de ar total, (m3/min) Da = densidade do ar, (kg/m3) Da = densidade do ar, (kg/m3) Ca = calor especfico do ar, (kJ/kgC) Ca = calor especfico do ar, (kJ/kgC)
  • Slide 81
  • t = (16,6*706,5*116) / (35,3*1,15*1) t = (16,6*706,5*116) / (35,3*1,15*1) t = 482h t = 482h Dcimo Primeiro Passo CLCULO DO TEMPO DE RESFRIAMENTO
  • Slide 82
  • Universidade Federal de Viosa Fim Fim

Recommended

View more >