informativo stf mensal - mp.ce.gov.br stf mensal . brasília, novembro de 2010 - nº 4 ....

Download Informativo STF Mensal - mp.ce.gov.br STF Mensal . Brasília, novembro de 2010 - nº 4 . Compilação

Post on 08-Feb-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Informativo STF Mensal

Braslia, novembro de 2010 - n 4 Compilao dos Informativos ns 607 a 611

O Informativo STF Mensal apresenta todos os resumos de julgamentos divulgados pelo Informativo STF concludos no ms a que se refere e organizado por ramos do Direito e por assuntos.

SUMRIO

Direito Administrativo

Agentes Pblicos Art. 37, XI, da CF: procuradores autrquicos e procuradores de estado - 5 e 6 Procurador da Fazenda e reduo de frias

Atos Administrativos Registro de aposentadoria: garantias constitucionais e anistia

Concurso Pblico Concurso pblico para cargo de motorista e exame de aptido fsica

Direito Civil e Processual Civil

Medida Cautelar Quebra de sigilo bancrio pela Receita Federal - 4

Princpios e Garantias Composio de rgo colegiado: juzes convocados e princpio do juiz natural

Direito Constitucional

Competncia Originria do STF Notificao judicial do Presidente da Repblica e competncia do STF - 2

Competncia Tributria Extino de execuo fiscal de pequeno valor: autonomia municipal e acesso jurisdio - 1 e 2

Conselho Nacional de Justia CNJ e ausncia de intimao em procedimento de controle administrativo

Controle de Constitucionalidade ADC e art. 71, 1, da Lei 8.666/93 - 3 a 5 EC 30/2000: precatrios pendentes e precatrios futuros - 4 e 5 Telefonia mvel e competncia legislativa - 1 e 2 Internet: caracterizao do servio e competncia legislativa

Controle Interno Municpio: recursos pblicos federais e fiscalizao pela CGU - 2 e 3

Magistratura Promoo de juiz federal

Organizao dos Poderes Taxa de classificao de produtos vegetais e recepo

Recurso em Mandado de Segurana RMS e art. 515, 3, do CPC

Reserva de Plenrio Reclamao: inconstitucionalidade do art. 71, 1, da Lei 8.666/93 e ofensa Smula

Vinculante 10 - 4

Direito do Trabalho

Resciso Lei 8.880/94: demisso sem justa causa e indenizao adicional - 2

Direito Eleitoral

Crimes Eleitorais Falsidade ideolgica para fins eleitorais e prestao de contas - 1 a 3

Direito Penal

Crime Arrependimento posterior e requisitos

Estatuto da Criana e do Adolescente ECA: rito e princpio da identidade fsica do juiz

Penas Reparao de dano e restituio de valor irrisrio

Princpios e Garantias Penais Art. 290 do CPM e princpio da insignificncia - 3 Princpio da insignificncia e furto Princpio da insignificncia: furto privilegiado e servio pblico - 2

Direito Previdencirio

Contribuies Previdencirias Contribuio previdenciria de inativos e pensionistas: perodo compreendido entre a EC 20/98 e

a EC 41/2003 Direito Processual Penal

Ao Penal Pedido de extenso: falsidade ideolgica e descaminho - 1 a 3 Inqurito policial e denncia annima

Competncia Homicdio e competncia da Justia Federal Habeas corpus e conexo entre crimes

Execuo das Penas Art. 50, VII, da LEP: tipicidade e falta grave Art. 50, VII, da LEP: tipicidade e falta grave - 1 e 2

Nulidades Impedimento de magistrado e nulidade absoluta

Princpios e Garantias Processuais Penais CPI e convocao de magistrado

Priso e Liberdade Provisria Trfico de drogas e liberdade provisria Trfico de drogas: liberdade provisria e ausncia de fundamentao Priso preventiva e mudana de domiclio

Direito Tributrio

Responsabilidade Tributria Responsabilidade de scios cotistas por dbitos contrados junto Seguridade Social - 1 a 5

DIREITO ADMINISTRATIVO

Agentes Pblicos

Art. 37, XI, da CF: procuradores autrquicos e procuradores de estado - 5 Em concluso, a 1 Turma, desproveu recurso extraordinrio interposto contra acrdo do Tribunal

de Justia do Estado de So Paulo que considerara ilegtima a distino preconizada pelo Decreto paulista 48.407/2004. Referida norma estabelecera o teto dos vencimentos dos Procuradores Autrquicos com base no subsdio mensal do Governador, enquanto que, para os Procuradores do Estado, limitara os vencimentos a 90,25% dos subsdios mensais dos Ministros do Supremo v. Informativo 578. Reputou-se inexistirem motivos para, na aplicao do subteto constitucional, proceder-se aludida distino. Salientou-se que a questo se cingiria em saber se a referncia ao termo Procuradores no art. 37, XI, da CF, na redao dada pela EC 41/2003, alcanaria, ou no, os Procuradores Autrquicos. Registrou-se, no ponto, que a citada emenda constitucional, ao modificar o inciso XI do art. 37 da CF, fixara um teto absoluto, equivalente ao subsdio dos Ministros do STF, alm de estabelecer outros parmetros para os Estados, Distrito Federal e Municpios. Ressaltou-se, ainda, que tal dispositivo somente excepcionara os membros do Ministrio Pblico, os Procuradores e Defensores Pblicos do subteto correspondente ao subsdio do Governador depois da promulgao da EC 41/2003. Assinalou-se que, a partir da EC 47/2005, que alterara o 12 do art. 37 da CF, facultara-se aos Estados e ao Distrito Federal, mediante emenda s respectivas Constituies ou Lei Orgnica, fixar um subteto remuneratrio nico para todos os servidores, excetuados os parlamentares, o qual tambm dever corresponder a 90,25% do subsdio mensal dos Ministros do Supremo.

RE 558258/SP, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 9.11.2010. (RE-558258) (Informativo 608, 1 Turma)

Art. 37, XI, da CF: procuradores autrquicos e procuradores de estado - 6 Aduziu-se que a Constituio, ao utilizar o termo Procuradores, o fez de forma genrica, sem

distinguir entre os membros das diversas carreiras da Advocacia Pblica. Nesse diapaso, entendeu-se ser desarrazoada uma interpretao que, desconsiderando o texto constitucional, exclusse da categoria Procuradores os defensores das autarquias. Acrescentou-se que a jurisprudncia do STF seria firme no sentido de que somente por meio de lei formal seria possvel a estipulao de teto remuneratrio. Em sntese, considerou-se no ser possvel a fixao de teto por decreto. Ademais, reconheceu-se que o subsdio do Governador no serviria como parmetro para fixao do teto de vencimentos dos Procuradores Autrquicos, pois esses tambm se submeteriam ao teto previsto no art. 37, XI, da CF, o qual tem como base o subsdio dos Ministros do STF. Por derradeiro, no se conheceu do recurso quanto aos artigos 131 e 132 da CF, uma vez que o recorrente no demonstrara de que forma a deciso recorrida teria contrariado os aludidos dispositivos constitucionais, incidindo, nesse aspecto, o Enunciado da Smula 284 do STF ( inadmissvel o recurso extraordinrio, quando a deficincia na sua fundamentao no permitir a exata compreenso da controvrsia.).

RE 558258/SP, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 9.11.2010. (RE-558258) (Informativo 608, 1 Turma)

Procurador da Fazenda e reduo de frias A 2 Turma negou provimento a recurso extraordinrio interposto contra acrdo que entendera

possvel a reduo de perodo de frias de procuradores da Fazenda Nacional por meio de medida provisria e lei ordinria. Inicialmente, registrou-se que o acrdo recorrido estaria em consonncia com o entendimento do STF no sentido de que no haver direito adquirido a regime jurdico. Tampouco reconheceu-se violao ao princpio da irredutibilidade salarial, no caso dos autos, uma vez que, suprimidas as frias, o servidor no teria jus ao seu abono. Consignou-se que a Constituio Federal reservaria lei complementar apenas a questo referente organizao e ao funcionamento da Advocacia-Geral da Unio. Ressaltou-se que as regras estabelecidas na Lei 8.112/90 (Regime Geral dos Servidores Pblicos) balizariam as atividades dos advogados pblicos em geral procuradores da Fazenda, advogados da Unio e procuradores autrquicos. Concluiu-se que haveria um enorme conflito, uma assimetria gravssima, se esta Corte reconhecesse 2 meses de frias, aos procuradores da Fazenda, e apenas 1 ms, aos procuradores federais, quando ambos esto a servio da mesma causa.

RE 539370/RJ, rel. Min. Gilmar Mendes, 30.11.2010. (RE-539370) (Informativo 611, 2 Turma)

Atos Administrativos

http://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?numero=558258&classe=RE&origem=AP&recurso=0&tipoJulgamento=Mhttp://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?numero=558258&classe=RE&origem=AP&recurso=0&tipoJulgamento=Mhttp://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?numero=539370&classe=RE&origem=AP&recurso=0&tipoJulgamento=M

Registro de aposentadoria: garantias constitucionais e anistia O Plenrio, por maioria, concedeu parcialmente mandado de segurana para anular acrdo do

Tribunal de Contas da Unio - TCU e restabelecer a percepo dos proventos de aposentadoria da impetrante, at que nova deciso seja proferida, em processo no qual lhe sejam garantidos a ampla defesa e o contraditrio. Tratava-se, na espcie, de writ impetrado contra deciso da Corte de Contas que negara registro aposentadoria da impetrante ao fundamento de que ela no teria comprovado vnculo com a Administrao Pblica antes de ser beneficiada por anistia (26.5.89), outorgada com amparo na EC 26/85, em que determinada a sua reintegrao ao servio pblico. Por conseguinte, o TCU desconstitura o ato concessivo de anistia e cassara seus efeitos. Salientou-se que a apreciao, para fins de registro, do ato de concesso inicial de aposentadoria da impetrante fora realizada pelo TCU passados mais de 10 anos de sua efetivao. Nesse sentido, rememorou-se a orientao firmada pelo STF no julgamento do MS 26116/DF (j. em 8.9.2010, v. Informativo 599) em que assentada a necessidade de se assegurar aos interessados as garantias do contraditrio e da ampla defesa caso decorridos mais de 5 anos da apreciao da legalidade do ato de concesso inicial de aposentadoria, reforma e penso. Aduziu-se, ainda, que a negativa de registro da apose

Recommended

View more >