impresso imobiliario º59

Download Impresso imobiliario º59

Post on 21-Feb-2016

223 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Leia, baixe, faça bom proveito!

TRANSCRIPT

  • 2 N 59 - 2013(16) 3043-6118 - 3237-3900

    Mquinas que imprimemprteses, pinos ou placasde titnio so uma revolu-

    o na medicina.Bem-vindos tecnologia 3D!Voc j imaginou ter mquinas de

    impresso de comida, roupas, sapa-tos?

    A tecnologia destas impressoras3D se apresenta tmida ao pblico.A gente v aquelas pecinhas mal la-pidadas de cor azul, de impressorasque hoje voc j compra por at R$7mil reais... Mas a super impressora,com lapidao perfeita luz, no est venda.

    Os cartuchos podem ser de pls-tico, cermica, metal, madeira, pa-pel, cimento e at sal. Qualquer coi-sa mo pode ser matria prima.Estaremos imprimindo tudo em bre-

    ve, incluindo mveis, talheres... im-primindo automveis... usandocomo cartucho o material recicl-vel.

    E vida? D pra imprimir?J existem impressoras de rgos

    bioimpresso. Pode estar acess-vel a todo hospital em 5 anos. Omaterial de impresso a clula tron-co, mas ainda falta o designer...

    As estruturas humanas so com-plexas, mas uma orelha j foi impres-sa. Feita de clulas humanas e nano-partculas em hidrogel, pode serconectada a neurnios e receber si-nais auditivos imperceptveis ao ou-vido humano. Com um par de ore-lhas dessas, um olho que tudo v, umbrao e uma perna ciborgue, quemte para?

    No demora a gente vai poder

    REESCREVENDO A NOTCIA

    A Mquina

  • 3N 59 - 2013 (16) 3043-6118 - 3237-3900

    imprimir at gente e a clonagem or-gnica no vai ser exclusividade dacincia, mas de um mercado.

    Voc, em casa, pode imprimiruma cortina de seda, uma mesa demadeira extinta, ou seu bicho de es-timao... No h limites para as pos-sibilidades. Tudo o que for fsico,poder ser copiado e impresso. Azu-lejos portugueses do sculo XVIII,pinceladas de Da Vinci.

    E no acaba a... Impressoras po-dero imprimir mquinas que impri-mem impressoras, com autonomiade auto-reproduo - o que pode-ria causar um completo descontro-le de natalidade ciborgue no plane-ta Terra.

    Mquinas que imprimem prdiosinteiros, pontes, estaes...

    A NASA estuda criar as bases emMarte com estas mquinas e impri-mir cada placa e parafuso que servi-r de novo lar dos humanos.

    E quanto mais a gente pensa, maisimagina, mais inesperado o queessa tecnologia pode trazer pra gen-

    te. E, enquanto a gente t aqui pen-sando, impressoras 4D, 5D, j estoimprimindo coisas que a gente noviu ainda.

    E enquanto imaginamos um futu-ro onde tudo se copia... Um futuroonde os DNAs viajaro em bytes...Onde o esforo humano est extin-to... Enquanto a gente imagina o fu-turo, a gente acalma.

    No de hoje,uma calma impa-ciente. Uma cal-ma que no en-tende tudo torpido assim. Osdias de hoje ja m a n h e c e mcom informa-o. Uma infor-mao ininter-rupta. Cedo,nos alimenta-mos de bytes,pixels e hertz.

    A gente quersaber de tudo

    um pouco como se fosse mquina.E a gente a mquina mais per-

    feita da natureza. A mais complexae perfeita tecnologia. A gente, quan-do pensa em gente, pode criar coi-sas incrveis. Maravilhas incrveis quefaa toda essa gente aqui mais sau-dvel e mais feliz. A gente, a maisperfeita tecnologia da natureza, tam-bm cria. Cria e copia. A gente ha-

    ckeou a frmula de Deus. S faltapiratear o design.

    Meu nome Malu Aires. Entre um

    monte de coisas que crio com msi-

    ca e arte, gosto de escrever sobre

    as notcias, artigos, reportagens e

    futurologia tecnolgica. O mundo

    est ficando, a cada dia, mais ininte-

    ligvel pra gente.

  • 4 N 59 - 2013(16) 3043-6118 - 3237-3900

    cotidiano das grandes e m-dias cidades exige dos seushabitantes um nvel de to-

    lerncia a rudos que, muitas vezes,superam os limites do aceitvel.

    A Organizao Mundial de Sade(OMS) considera tolervel rudosque atinjam, no mximo, 55 decibis(db), nvel que, se respeitado, nocausa prejuzos ao ser humano.

    Ao superar essa unidade de me-dida estabelecida por estudos cien-tficos, entende-se que alguns efei-tos negativos podem surgir, seja numcurto ou longo espao de tempo.

    Com o propsito de preservar aqualidade de vida, emergiram leis detodas as espcies, que visam regular osabusos. So as chamadas leis do siln-cio, que nada mais so do que regrasque tentam coibir a poluio sonora.

    As normas vo desde uma contra-veno penal, conhecida como per-turbao do sossego, passando pe-los direitos de vizinhana, presentesno Cdigo Civil, at as normas esta-

    belecidas pela ABNT e pelo Progra-ma Nacional de Educao e Contro-le de Poluio Sonora, que estabe-lecem restries objetivas para a ge-rao de rudos durante dia e noite,

    em especial no caso debares e casas noturnas.

    Alm disso, em quasetodos os condomnios,existem convenes queestabelecem como os mo-radores e visitantes de-vem se portar quanto arudos e outros barulhos.

    Eletrodomsticos, ins-trumentos musicais, tele-visores, aparelhos de som,barulho de sapatos, ani-mais, festas, reunies fa-

    miliares e at conversas em tom ele-vado entram para o rol das discus-ses, contudo, embora possuam in-meras leis reguladoras, so elas, namaioria das vezes, resolvidas pelobom senso das prprias partes en-volvidas.

    Quando isso no possvel, osCentros de Conciliao podem seruma opo importante para a solu-o de impasses, sem que se faa ne-cessrio buscar o Judicirio.

    Trata-se de uma fase pr-proces-sual, incentivada pelo prprio Judi-cirio, que visa dar soluo s ques-tes do cotidiano, e do a oportu-nidade das partes se reunir, na pre-sena de um conciliador, para discu-tir a melhor sada para seus confli-tos.

    Esses centros so comumente ins-talados em Faculdades Particularesque dispem do curso de Direito, enormalmente oferecem gratuita-mente essa espcie de servio. Valea pena tentar, pois mais vale um mauacordo do que uma boa demanda.

    Dr. Denisar Utiel RodriguesOAB/SP. 205.861

    Especialista em direitoempresarial e securitrio

    denisar@akradvogados.com.brMembro do escritrio

    AKR Advogados Associados

    DIREITO

    Poluio sonora: um problema que tem soluo

    O

  • 5N 59 - 2013 (16) 3043-6118 - 3237-3900

  • 6 N 59 - 2013(16) 3043-6118 - 3237-3900

    EDUCAO

  • 7N 59 - 2013 (16) 3043-6118 - 3237-3900

    POESIA

    Re-confortoDentro da rotina em que tudo se transforma

    importante no se esquecer

    Do abrao

    Pela manh

    Ou em qualquer hora do dia

    Tem nesse ato

    Todo um gesto de sensibilidade

    O sentimento

    Do mundo do outro

    Pessoa triste, macambzia

    Recebe esse carinho

    Transforma-se

    Valmir Incio - So Paulo SP

    Soneto 795

    Do Decoro Parlamentar- O ilustre senador um sem-vergonha!

    - O qu?! Vossa Excelncia que safado!

    E os dois parlamentares, no Senado,

    disputam palavro que descomponha.

    Um grita que o colega usa maconha.

    Responde este que aquele outro viado.

    At que algum aparte, em alto brado

    anima-se a sesso que era enfadonha.

    Intil tentativa, a da bancada,

    de a tempo separar o par briguento

    aos tapas, se engalfinham por um nada

    Imagem sem pudor do Parlamento,

    so ambos mais sinceros que quem brada:

    - Da pecha de larpio me inocento!

    Glauco Mattoso - Poeta, contista,

    cronista, ensasta, tradutor, letrista.

    So Paulo - SP 1951.

  • 8 N 59 - 2013(16) 3043-6118 - 3237-3900

    MSICA

    Amigo leitor, os roqueiros doIron Maiden confirmarammais uma vez por que ain-

    da so fundamentais no cenrio dometal. Uma das atraes principaisdo ltimo Rock in Rio, os inglesesmostraram muito flego, um cami-nho de hits e um pblico renova-do. H anos me pergun-to: qual o segredo des-te grupo?

    Todo metaleirotem como pai o Iron

    Maiden. As msicas tem tudo que umf do estilo gosta: guitarras pesadas,riifs que grudam na memria e re-fros prontos para cantar com a mul-tido.

    O grupo foi fundado em Londres,no distante ano de 1975. Desde l,j so 15 lbuns de estdio e deze-

    nas de prmios, entre os principais Calada da Fama do Rock de Ho-llywood, em 2005, e o Grammy, em2011.

    Para mim, parte do segredo dosucesso vem em saber alinhar a m-sica a uma atmosfera temtica. Sim-plificando, a habilidade de contar

    uma nova histriaa cada disco. Istotraz ao ouvinteuma viagem acada obra, e olhaque a banda j foibuscar inspira-o do Egito an-tigo, ao mundomoderno e virtu-al.

    Outro gran-de trunfo omascote Eddie

    A eterna Donzela de Ferrothe Head, protagonista de todosos trabalhos lanados. O morto-vivo uma criao de Derek Riggs,mas j teve traos de vrios artis-tas, como Melvyn Grant no lbumFear of the Dark. Ele tambm es-trelou um jogo de tiro chamado EdHunter, alm de diversas histriasem quadrinhos.

    O Maiden esteve no Brasil em1985, no primeiro Rock in Rio. Elestambm vieram ao pas outras oitovezes, sendo que a ltima foi em2011. Este ano eles tambm se apre-sentaram em terras paulista e para-naense. A igualmente pesadaSlayer e a revelao sueca Ghostforam as bandas convidadas.

    Up the Irons!

    Eduardo Vidal Jornalistaduvidal86@yahoo.com.br

  • 9N 59 - 2013 (16) 3043-6118 - 3237-3900

  • 10 N 59 - 2013(16) 3043-6118 - 3237-3900

    COMES & BEBES

  • 11N 59 - 2013 (16) 3043-6118 - 3237-3900

    FALA DONA ADELAIDE

    Dona Adelaide uma assdua leitora do IMPRESSO IMOBILIRIO, e comsua perspiccia, lucidez e humor, colabora com suas opinies, que publi-camos com muito gosto.Nasceu em 1915 e suas posies s vezes no cabem no que hoje enten-demos por politicamente correto.Quando indignada, costuma praguejar e soltar alguns improprios.

    Fala Dona Adelaide!

    T muito brava hoje! Bem p...da vida. Fui no supermerca-do com a minha bisneta com-

    prar umas coisinhas. No gosto deir nesses lugar porque sei que eu vouficar nervosa. Sempre acontece al-guma coisa em supermercado prame tira do srio. Mas agora todomundo me enche o saco pra passe-ar. Diz que eu tenho que me