implantando a gestão da qualidade em hospitais: a experiência da

Download Implantando a Gestão da Qualidade em Hospitais: A Experiência da

Post on 07-Jan-2017

216 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • TEXTO PARA DISCUSSO NO 486

    Implantando a Gesto da Qualidade em Hospitais: A Experincia da Santa Casa de Misericrdia de Porto Alegre RS Antonio Carlos da R. Xavier Fbio Ferreira Batista Ftima Marra Rose Mary Juliano Longo

    JUNHO DE 1997

    Esta publicao de inteira responsabilidade do IPEA (Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada). Caso a mesma no esteja completa, entrar em contato com o Servio Editorial do Instituto. Rio de Janeiro RJ: Av. Presidente Antnio Carlos, 51 14 andar CEP 20020-010 Telefax: (021) 220-5533 E-mail: editrj@ipea.gov.br Braslia DF: SBS. Q. 1, Bl. J, Ed. BNDES 10 andar CEP 70076-900 Telefax: (061) 315-5314 E-mail: editbsb@ipea.gov.br

  • Texto para DISCUSSO No 486

    * Coordenador da Coordenao de Qualidade e Produtividade da Diretoria de Polticas

    Sociais do IPEA. ** Tcnico da Diretoria de Polticas Sociais do IPEA. *** Consultora do convnio IPEA/CEPAL. **** Pesquisadora da EMBRAPA.

    Implantando a Gesto da Qualidade em Hospitais: A Experincia da

    Santa Casa de Misericrdia de Porto Alegre RS

    Antonio Carlos da R. Xavier*

    Fbio Ferreira Batista** Ftima Marra***

    Rose Mary Juliano Longo****

    Braslia, junho de 1997

  • MI N I S T R I O D O P L A N E J A ME N T O E O R A ME N T O M i n i s t r o : A n t n i o K a n d i r S e c r e t r i o E xe c u t i v o : M a r t u s T a v a r e s

    Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada

    Presidente F e r n a n d o R e ze n d e

    D I R E T O R I A

    C l a u d i o M o n t e i r o C o n s i d e r a G u s t a v o M a i a G o me s L u s F e r n a n d o T i r o n i L u i z A n t o n i o d e S o u za C o r d e i r o M a r i a n o d e M a t o s M a c e d o M u r i l o L b o

    O IPEA uma fundao pblica, vinculada ao Ministrio do Planejamento e Oramento, cujas finalidades so: auxiliar o ministro na elaborao e no acompanhamento da poltica econmica e promover atividades de pesquisa econmica aplicada nas reas fiscal, financeira, externa e de desenvolvimento setorial.

    TEXTO PARA DISCUSSO tem o objetivo de divulgar resultados de estudos desenvolvidos direta ou indiretamente pelo IPEA, bem como trabalhos considerados de relevncia para disseminao pelo Instituto, para informar profissionais especializados e colher sugestes.

    Tiragem: 190 exemplares

    SERVIO EDITORIAL

    Braslia DF: SBS Q. 1, Bl. J, Ed. BNDES, 10o andar CEP 70076-900 E-mail: editbsb@ipea.gov.br

    Rio de Janeiro RJ: Av. Presidente Antonio Carlos, 51, 14o andar CEP 20020-010 E-mail: dipes@ipea.gov.br

  • SUMRIO

    SINOPSE

    1 INTRODUO 7

    2 A SANTA CASA 8

    3 OS ANTECENDENTES 9

    4 O NOVO MODELO GERENCIAL 9

    5 RESULTADOS ALCANADOS 17

    6 DIFICULDADES 18

    7 FATORES DE SUCESSO E PERSPECTIVAS DO PROGRAMA DA QUALIDADE 19

    ANEXOS 21

    REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS 37

  • SINOPSE

    s objetivos do presente texto so analisar o processo de implantao, a par-tir de 1993, da gesto da qualidade na Santa Casa de Misericrdia de Porto Alegre RS e apresentar os resultados do processo de modernizao ge-

    rencial, iniciado em 1983.

    No perodo de 1983 a 1992, a Santa Casa adotou uma poltica de modernizao administrativa, que criou condies favorveis para a implantao da gesto da qualidade. As inovaes gerenciais, adotadas nos ltimos treze anos, causaram melhoria significativa da qualidade dos servios prestados pela instituio. De or-ganizao considerada ultrapassada na dcada de 70 e incio dos anos 80, a Santa Casa (embora ainda enfrente srias dificuldades internas e externas) passou a ocu-par posio de destaque, no Brasil e na Amrica Latina, nas reas de assistncia mdico-hospitalar e gerencial.

    O CONTEDO DESTE TRABALHO DA INTEIRA E EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DE SEUS AUTORES, CUJAS OPINIES AQUI EMITIDAS NO EXPRIMEM, NECESSARIAMENTE, O PONTO DE VISTA DO

    MINISTRIO DO PLANEJAMENTO E ORAMENTO.

    O

  • IMPLANTANDO A GESTO DA QUALIDADE EM HOSPITAIS: A EXPERINCIA DA SANTA CASA DE PORTO ALEGRE 7

    1 INTRODUO

    Na dcada de 70 e no incio dos anos 80, a Santa Casa de Misericrdia de Porto Alegre RS viveu sob condies precrias de funcionamento: instalaes pobres e sucateadas; verbas escassas; administrao amadora; funcionrios desanimados; mdicos prescrevendo apenas medicamentos disponveis, etc. A mdia noticiava, periodicamente, ameaas de fechamento. Havia pouco auxlio governamental, e a sobrevivncia da Santa Casa correu srio risco.1

    Em 1983, com a posse de uma equipe de administradores profissionais, essa re-alidade comea a se modificar. No perodo 19831992, a Santa Casa adota uma poltica de modernizao administrativa, que criou condies favorveis para a implantao, a partir de 1993, de um novo modelo gerencial: a gesto da qualida-de. Essas inovaes gerenciais produziram uma mudana significativa na Santa Casa.

    Atualmente, a Santa Casa (embora ainda enfrente srias dificuldades internas e externas) caracteriza-se por: excelncia no atendimento ao binmio materno-fetal (recebeu, em 1995, do UNICEF, o ttulo Hospital Amigo da Criana); excelncia e pioneirismo em transplante de rgos (nico complexo hospitalar na Amrica La-tina a realizar todos os tipos de transplantes); modelo na implantao da gesto da qualidade total na rea de sade (recebe convites freqentes de instituies inte-ressadas em conhecer seu sistema de gesto); reconhecimento dos pacientes (as pesquisas de satisfao demonstram altos ndices de aprovao), da imprensa (re-cebeu, em 1994, o trofu Destaque do Ano, do Jornal do Comrcio de Porto Ale-gre), de empresrios (a instituio recebe doaes regulares do setor privado) e da comunidade em geral (matrias elogiosas na imprensa). De organizao conside-rada ultrapassada na dcada de 70, a Santa Casa passou a ocupar posio de desta-que, no Brasil e na Amrica Latina, nas reas de assistncia mdico-hospitalar e gerencial.

    Os objetivos do presente texto so analisar o processo de implantao, a partir de 1993, da gesto da qualidade na Santa Casa de Misericrdia de Porto Alegre e apresentar os resultados do processo de modernizao gerencial iniciado em 1983. O trabalho se concentra no programa da qualidade e aborda, apenas como antece-dente, o perodo de 1983 a 1992, quando se iniciou o processo de mudana, que culminou com a adoo desse novo modelo gerencial.

    1 Extrado de editorial intitulado Um hospital que constri a sua histria, de autoria de Jos

    Camargo. Santa Casa Notcias, agosto/setembro 1995.

  • 8 IMPLANTANDO A GESTO DA QUALIDADE EM HOSPITAIS: A EXPERINCIA DA SANTA CASA DE PORTO ALEGRE

    2 A SANTA CASA

    A Santa Casa de Misericrdia de Porto Alegre uma instituio filantrpica, de direito privado, sem fins lucrativos. Sua principal funo social manter hospitais e servios assistenciais populao, alm de ser um centro de educao, ensino e pesquisa. Fundada em 1803, a instituio no , como se poderia imaginar, um nico hospital. Trata-se, na verdade, de um complexo composto de seis unidades hospitalares com 1 349 leitos. A Policlnica Santa Clara (600 leitos) desempenha atividades de um hospital geral. O Hospital So Francisco (130 leitos) especiali-zado em cirurgias cardiovasculares e transplantes. O Hospital So Jos (84 leitos) presta servios de neurocirurgia. O Pavilho Pereira Filho (80 leitos) dedica-se pneumologia clnica e cirrgica. O Hospital Santa Rita (203 leitos) trata de onco-logia clnica e cirrgica. O Hospital da Criana Santo Antnio, nica unidade que no se localiza na sede da organizao, no centro de Porto Alegre, realiza servios de pediatria.

    A instituio conta com um moderno sistema de informaes (ver anexo 1). A anlise de dados desse sistema (em agosto de 1995) mostrou que a Santa Casa rea-liza, anualmente, 74 631 consultas ambulatoriais e 4 890 internaes hospitalares. A maioria dos pacientes internados (76,1%) reside na Grande Porto Alegre, en-quanto que os demais so de outras localidades do estado (ver anexo 2).

    Duas fontes bsicas financiam as mltiplas atividades da instituio: o Sistema nico de Sade (SUS) e os recursos de convnios e particulares. O atendimento a pacientes do SUS gera a maior parte da receita operacional (85,93%), enquanto que os servios que a instituio presta a pacientes particulares ou de outros convnios respondem pelo restante (14,07%). Em novembro de 1995, previa-se uma receita total de US$ 85 milhes anuais.

    A Santa Casa realiza, por ano, 456 partos (31,8% partos cesreos e 68,2% par-tos normais) e 4 368 procedimentos cirrgicos. Outros indicadores da Santa Casa so tambm expressivos: a taxa de ocupao de 85,3% do total de leitos; a mdia de permanncia dos pacientes hospitalizados de 7,6 dias; o ndice de rotao de leitos de 3,6%; a taxa de bito de 3,5%; 4 949 profissionais tm vnculo em-pregatcio com a instituio; realizam-se, anualmente, 176 586 exames laboratori-ais e 19 854 exames radiolgicos; servem-se 263 516 refeies; e processam-se 248 118 kg de roupas (a relao de indicadores de qualidade e produtividade utili-zados encontram-se no anexo 3).

    A instituio dispe, ainda, de diversos protocolos e rotinas (ver anexo 4) e pu-blicaes regulares (ver anexo 5).

  • IMPLANTANDO A GESTO DA QUALIDADE EM HOSPITAIS: A EXPERINCIA DA SANTA CASA DE PORTO ALEGRE 9

    Graas a essas caractersticas, a Santa Casa considerada um dos maiores com-plexos hospitalares do pas.2

    Alm de enfatizar a assistncia, a Santa Casa se ocupa, ainda, com o ensino e a pesqui-sa na rea mdico-hospitalar. A instituio mantm vnculo com a Faculdade Federal de Cincias Mdicas de Porto Alegre, fundada em 1953, e oferece regularmente progra