imobiliario 22-12-2010

Download Imobiliario 22-12-2010

Post on 30-Mar-2016

217 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Imobiliario 22-12-2010

TRANSCRIPT

  • | Quarta-feira, 22 de dezembro de 2010 |

    O tempo do Natal omomento da gratido a Deus, famlia e aos amigos. Emnosso caso, de maneira espe-cial aos companheiros do se-tor imobilirio e de todo osegmento empresarial de SoJos dos Pinhais e da grandeCuritiba. Aos nossos clientes,a mensagem de f, otimismoe reconhecimento de eles soos responsveis diretos pelaexpanso e aumento extraor-dinrio da qualidade do mer-cado imobilirio regional. Soeles a razo da nossa ao pro-fissional diria, incessante,com todo o empenho e muitoboa vontade.

    imperioso que se desta-que a ao social que abrangeem particular duas grandesentidades de apoio social epromoo humana. A Apae(Associao dos Pais e Ami-gos dos Excepcionais) e aAPPAM (Associao dos Paise Amigos das crianas Porta-doras da Mielomeningocele),ambas com sede em So Josdos Pinhais.

    O apoio que todos nsprestamos a essas duas enti-dades fundamental para ascrianas e suas famlias. im-portante para a conscinciahumanstica da nossa cidade,inclusive com as parcerias degrande mrito, como ocorreuneste ms de dezembro quan-do a Loja Havan entregou umcheque no valor de R$ 7 milpara a APPAM. Devemos re-gistrar tambm aes sociaisjunto ao Hospital PequenoPrncipe e outras entidades dognero.

    Estas e outras aes se re-fletem na imagem da nossacidade e na imagem da nossaatividade profissional, o se-tor imobilirio.

    A propsito, o assunto foiamplamente comentado du-rante o almoo de confrater-nizao da Rede de Imveisdo Paran realizado aqui nanossa cidade. Na oportunida-de conversamos com nossoscompanheiros da rede, quetem na presidncia o valoro-so companheiro Devanir daMotta. H um otimismo ge-neralizado em relao ao de-senvolvimento dos negcios

    em nossa cidade e em toda agrande Curitiba.

    Assim, encerramos mais umano da graa de Nosso Senhoragradecendo ao Criador pelasbnos e os benefcios e dese-

    O tempo de agradecerArtigo

    Adelino Venturi

    Uma incurso pelos bair-ros de Curitiba a fim de en-contrar manifestaes do sa-grado no arquitetnico. Deacordo com a diretora daNuna Planejamento e Mar-keting Imobilirio, AdrianaSamaan, este foi um dos ob-jetivos do trabalho Santo deCasa, realizado em parceriacom o fotgrafo Felipe Fon-toura. Durante uma semana,diversas regies da cidadeforam visitadas procura desmbolos que representassemesta relao.

    O que mais se percebeufoi a forma tradicional deguardar a imagem dos san-tos, numa espcie de oratrio,na fachada das residncias,prximo ao telhado. Algunstm uma lmpada ou vidropara proteo, mas a maio-ria no. Encontramos at im-veis comerciais as imagensdos santos de devoo, con-ta Adriana.

    Segundo a diretora daNuna, a maioria destes im-veis est localizada nos bair-ros residenciais e mais tra-dicionais da cidade, ondemoram muitos descendentesde italianos e poloneses. Es-tas edificaes remontam auma tradio colonial, forte-mente marcada pela influn-cia europeia no pas e quetinha como religio oficial o

    Trabalho identifica a relao entre aarquitetura e o sagrado em Curitiba

    catolicismo, analisa.Adriana revela que a repre-

    sentao se d em imveis dediferentes padres, dos maismodestos aos mais luxuosos,mas predominante nas ca-sas trreas, de madeira ou al-venaria, bastante coloridas ecom mais de 40 anos de cons-truo. Esta diferenciaoentre o padro das moradiastambm refletida na formade mostrar o santo. Quantomais luxuosa a residncia,maior a preocupao com orequinte e os elementos quedecoram o oratrio, informa.

    Com relao aos santos,Nossa Senhora a preferidados proprietrios-devotos. Aligao com o feminino, que

    remete me e ao lar muitoforte, comenta Adriana.Tambm so recorrentes asimagens de So Judas Tadeu(patrono das causas difceise desesperadas), So Jorge(santo guerreiro) e So Jos(protetor da famlia, dos tra-balhadores e dos justos).

    Para a diretora da Nuna,o trabalho impressionou pelariqueza das imagens e pelararidade dos achados, o quesimboliza a transio cultu-ral e religiosa em curso nopas. Antigamente, as pes-soas creditavam seu sucessoe fracasso especialmente auma interveno divina. Hoje,este desempenho tambm associado, em maior grau,

    capacidade e ao talento do in-divduo e aos recursos queno passam pela crena reli-giosa. Alm disso, novas re-ligies, com doutrinas e sm-bolos prprios, tm surgidoe se consolidado, comenta.

    Adriana defende que, in-dependente da crena, estasrepresentaes sejam preser-vadas pelo seu valor histri-co e cultural. Neste sentido,este patrimnio deve ser man-tido, servindo de refernciapara as prximas geraes.Mas, infelizmente, estas ri-quezas esto sendo esqueci-das, diz.Trabalho impressionou pela riqueza das imagens e pela

    raridade dos achados

    Fel

    ipe

    Fon

    tou

    ra

    Na confraternizao da Rede de Imveis a Famlia Venturi(Adelino, Ana Corina e Eduardo) e os amigos Julio Cezare Francisca Salazar

    jando a todos os nossos ami-gos, companheiros, e de ma-neira especial aos nossos lei-tores do Metrpole um felizNatal e um Ano Novo repletode bnos e prosperidade.

  • 2 | Quarta-feira, 22 de dezembro de 2010 |

  • | Quarta-feira, 22 de dezembro de 2010 | 3

  • 6 | Quarta-feira, 22 de dezembro de 2010 |

  • | Quarta-feira, 22 de dezembro de 2010 | 7

    No auge da construo, ocanteiro de obras de um em-preendimento residencialcom aproximadamente 15mil metros quadrados chegaa reunir cerca de 100 profis-sionais. Com tantos trabalha-dores juntos e um grande vo-lume de materiais utilizadosao mesmo tempo, o anda-mento do processo precisaestar organizado. Para isso,um planejamento prvio detoda a construo funda-mental a fim de prevenir fu-turos problemas. Para a Cons-trutora Hugo Peretti, queacumula uma experincia nosetor de 65 anos, esta prticaj faz parte da rotina e evitaprejuzos ou atrasos na entre-ga dos imveis em Curitiba.

    O planejamento dasobras faz parte de uma novaviso na construo civil.Antes o processo era muitoemprico, mas a tendncia construir com domnio detodo o processo, levando emconsiderao aspectos impor-tantes ligados ao como, quan-do e onde fazer. No se ima-gina mais construir sem pla-nejar. preciso saber quan-do ser a fixao de uma tor-neira at o assentamento doprimeiro tijolo, afirma o en-genheiro civil e vice-presiden-

    Planejamento no canteiro de obras sinnimo de sucesso na construo civil

    te do CREA-PR, GilbertoPiva.

    Esta prtica traz diversosbenefcios para a construocivil. Entre eles est a redu-o do desperdcio de mate-riais, o aumento da produti-vidade e o consequente com-prometimento com o cliente,uma vez que os empreendi-mentos so entregues no pra-zo determinado, sem atrasos.Temos melhor organizaocom o planejamento e rara-mente temos problemas du-rante a obra. Com isso, sem-pre supervisionamos a quali-dade, que uma exigncia docliente, afirma o engenheirocivil da Construtora Hugo Pe-retti, Raphael Mehl.

    Logo aps a concluso doprojeto arquitetnico, os en-genheiros da empresa reali-zam um estudo sobre comoser a dinmica de trabalhono terreno e a organizao doespao. Mehl destaca quetodo o planejamento precisaprever o nmero de profissio-nais e o perfil da mo-de-obra em cada fase da cons-truo, a estrutura para mo-vimentao e a acomodaodos trabalhadores (vestirios,refeitrios e sanitrios), o vo-lume de material que o espa-o ir receber e as reas para

    Hugo Peretti em uma das visitas s obras do empreendimento da construtora

    acomodao dos equipamen-tos que sero utilizados naobra. Aproximadamente 30dias antes do incio dos tra-balhos, materiais, equipa-mentos e equipes precisamestar prontos.

    ELEMENTOSIMPORTANTES PARA O

    PLANEJAMENTOO vice-presidente do

    CREA-PR alerta que algunsfatores precisam de atenoespecial durante o planeja-mento. De acordo com Piva,as caractersticas climticasda Regio Sul interferem di-retamente no andamento dasobras. O inverno rigorosodiminui a produtividade dastelhas e dos tijolos. poss-vel prever a compra adianta-da destes produtos no crono-grama, orienta.

    Os perodos de chuvastambm interferem no traba-lho, principalmente nas obrasde fundao, quando os em-preendimentos esto desco-bertos ou na fase de acaba-mentos externos. precisoplanejar ainda os prazos deentregas dos fornecedores, osequipamentos que sero uti-lizados e os possveis deslo-camentos de mo-de-obraentre os empreendimentos daempresa.

    Fo

    to D

    ivu

    lga

    o

    Prtica deixa de ser emprica e trazresultados positivos para as obras, comodiminuio do desperdcio e maior produtividade

    Mercado imobilirio favo-recido pelo crdito em expan-so, lanamentos voltadospara segmentos de mdia ebaixa renda, obras de infraes-trutura para megaeventos,programas habitacionais co-mo Minha Casa, Minha Vida.Segundo pesquisa semestralrealizada em novembro pelaAssociao Brasileira da In-dstria de Blocos de Concreto(BlocoBrasil), o setor de pr-fabricados leves (blocos e pi-sos intertravados de concreto)deve manter o crescimentoatual, expectativa influencia-da principalmente por essesfatores.

    O objetivo da pesquisa,feita com associados da Bloco-Brasil, foi identificar as ma-crotendncias setoriais do mer-

    Otimismo segue em alta

    no mercado de blocos

    e pisos de concreto

    Comprar um imvel com o objetivo de alu-gar ou diversificar os investimentos ainda umaalternativa comum entre muitos investidores.A certeza de investir em algo concreto, de poderentrar e conferir onde o dinheiro esta aplicado algo que traz tranquilidade e segurana. Porm,se avaliarmos os resultados, o mercado de hojedisponibiliza outras formas mais rentveis de seinvestir em imveis. O mais comum, e que aospoucos comea a ganhar espao, o investimen-to em fundos imobilirios.

    Antes de comprar um imvel para investir,seja para alugar ou para esperar a valorizaofutura do empreendimento, preciso fazer umasrie de anlises. O problema de inadimplnciade inquilinos algo real que tambm precisa fa-zer parte desta conta. H problemas de infraes-tru