immanuel kant e a promoção de uma modernidade racional críticaimmanuel kant e a promoção de uma...

Download Immanuel Kant e a promoção de uma modernidade racional críticaImmanuel Kant e a promoção de uma modernidade racional crítica

Post on 18-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Immanuel Kant e a promoo de uma modernidade racional crticaImmanuel Kant e a promoo de uma modernidade racional crtica
  • Slide 2
  • Biografia Biografia Nasceu e viveu em Koningsbergn ( 1742-1804); Nasceu e viveu em Koningsbergn ( 1742-1804); Professor de filosofia; Professor de filosofia; Metdico e sistemtico; Metdico e sistemtico; Principal Obra: Crtica da Razo Pura (1781) Crtica da Razo Prtica (1788); e Crtica do Julgamento (1790); Principal Obra: Crtica da Razo Pura (1781) Crtica da Razo Prtica (1788); e Crtica do Julgamento (1790);
  • Slide 3
  • Crtica da razo pura (1781) Primeira Publicao da Obra de Kant: Critica da Razo Pura
  • Slide 4
  • Conceito de Liberdade Liberdade Transcendental:homem capaz de perceber que ele prprio a causa dos fenmenos existentes no mundo, a razo humana livre e determinante. Homem possui livre-arbtrio. Teorizava o ser racional totalmente responsvel por suas condutas. Busca pelo bem =/= moralidade, logo Kant defenderia o que seria moral (imperativo categrico)
  • Slide 5
  • Teoria Moral Apresenta trs caractersticas: Aspecto cognitivista: decidir as razes prtico- morais com base na razo; Aspecto cognitivista: decidir as razes prtico- morais com base na razo; Sentido formalista: limita-se justia; Sentido formalista: limita-se justia; Carter universalista: juzos morais devem ser universais. Carter universalista: juzos morais devem ser universais.
  • Slide 6
  • Princpio Moral: Imperativo Categrico Lei Moral: o mesmo que dizer eu devo, pois, para Kant, no necessita da aceitao pessoal para que ela exista. Lei Moral: o mesmo que dizer eu devo, pois, para Kant, no necessita da aceitao pessoal para que ela exista. Imperativo Categrico: agir moralmente por dever e no por medo de alguma sano. Imperativo Categrico: agir moralmente por dever e no por medo de alguma sano. Age de tal maneira que trates a humanidade, tanto na tua pessoa como na pessoa de qualquer outro, sempre e simultaneamente como fim e nunca simplesmente como meio
  • Slide 7
  • Liberdade Interna e Externa Kant relacionou tambm o atributo de interno e externo ao conceito de liberdade. Liberdade interna; Liberdade interna; Liberdade externa. Liberdade externa.
  • Slide 8
  • Leis Jurdicas e Leis Morais Para Kant, o homem vencia a tenso entre os impulsos e a razo encontra, alm das leis da natureza, as da liberdade denominada de leis jurdicas e leis morais. Para Kant, o homem vencia a tenso entre os impulsos e a razo encontra, alm das leis da natureza, as da liberdade denominada de leis jurdicas e leis morais.
  • Slide 9
  • Lei Jurdica e a Sociedade Civil Para Kant, a lei jurdica no algo inato, mas surge de acordo entre indivduos autnomos para justamente assegurar a realizao da liberdade. Este conceito torna-se um conceito limite que direciona a conduta dos indivduos para uma vida em sociedade.
  • Slide 10
  • Direito para Kant Kant define a doutrina do direito como um conjunto de leis que se apresentam como leis externas, que constituem o que se chama direito positivo, cujo interessado o jurisperito, aquele que conhece as leis externas em sua aplicao aos casos que se apresentam na experincia (jurisprudncia). Kant define a doutrina do direito como um conjunto de leis que se apresentam como leis externas, que constituem o que se chama direito positivo, cujo interessado o jurisperito, aquele que conhece as leis externas em sua aplicao aos casos que se apresentam na experincia (jurisprudncia).
  • Slide 11
  • O homem enquanto ser racional no pode nunca existir em um sistema regido pelo funcionamento de sua vontade.
  • Slide 12
  • A mensagem de Kant : Para nos tornamos criaturas de paz, devemos primeiro nos colocar sob o domnio do Direito Para nos tornamos criaturas de paz, devemos primeiro nos colocar sob o domnio do Direito