identificaÇÃo dos municÍpios paranaenses com os cac-php. ?· positivamente, nas primeiras...

Download IDENTIFICAÇÃO DOS MUNICÍPIOS PARANAENSES COM OS cac-php. ?· positivamente, nas primeiras posições,…

Post on 30-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • www.unioeste.br/eventos/conape

    III Congresso Nacional de Pesquisa em Cincias Sociais Aplicadas III CONAPE

    Francisco Beltro/PR, 01, 02 e 03 de outubro de 2014.

    1

    IDENTIFICAO DOS MUNICPIOS PARANAENSES COM OS MAIORES E MENORES NVEIS DE DESENVOLVIMENTO SCIO

    ECONMICO POR ANLISE FATORIAL

    Douglas Paz1

    Katy Maia2

    Carmen Ozana de Melo3

    Carlos Roberto Ferreira4

    rea de conhecimento: Cincias Econmicas Eixo Temtico: Economia Regional

    RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar o nvel de desenvolvimento dos municpios do estado do Paran, por meio de anlise fatorial. Para tanto, foi calculado um ndice de desenvolvimento para os 399 municpios do estado; foi elaborado um ranking dos municpios de acordo com seus respectivos graus de desenvolvimento. Foram selecionadas 21 variveis, as quais, aps serem rodadas para os 399 municpios do estado, convergiram para quatro fatores de anlise, que em conjunto explicaram 84,70% da varincia total das variveis selecionadas. Os resultados mostram que, destacaram-se positivamente, nas primeiras posies, os municpios de Curitiba, Araucria, So Jos dos Pinhais e Carambe. Por outro lado, nas ltimas posies ficaram os municpios de Nova Tebas, Mato Rico, Laranjal e Altamira do Paran, dentre outros pequenos municpios. Tambm foi possvel detectar uma tendncia no sentido de as maiores cidades ocuparem as primeiras posies, como cidades mais desenvolvidas do estado do Paran. Palavras-chave: Anlise Fatorial. Paran. Desenvolvimento.

    1 INTRODUO

    O Brasil passou por uma ntida reestruturao social nos ltimos anos, com

    significativas melhorias na qualidade de vida da populao. O Paran, na regio Sul,

    inserido nesse contexto, beneficiou-se, aproveitando a conjuntura favorvel para

    ampliar a distribuio de renda, alm de melhorar o desempenho em indicadores de

    desenvolvimento como, rendimento do trabalho, educacionais e de qualidade de

    vida, indicadores estes, que so superiores mdia nacional.

    1 Mestre em Economia Regional. Professor da Universidade Estadual do Oeste do Paran

    douglaspazdp@hotmail.com 2 Doutora em Teoria Econmica. Professora da Universidade Estadual de Londrina.

    katymaia@terra.com.br 3 Doutora em Agronomia. Professora da Universidade Estadual do Oeste do Paran.

    carozmelo@bol.com.br 4 Doutor em Economia Aplicada. Professor da Universidade Estadual de Londrina

    robert@uel.br

    mailto:douglaspazdp@hotmail.commailto:katymaia@terra.com.brmailto:carozmelo@bol.com.brmailto:robert@uel.br

  • www.unioeste.br/eventos/conape

    III Congresso Nacional de Pesquisa em Cincias Sociais Aplicadas III CONAPE

    Francisco Beltro/PR, 01, 02 e 03 de outubro de 2014.

    2

    No estudo da economia regional e urbana, a cidade configura-se como

    centro gravitacional da percepo do crescimento e do desenvolvimento. O grau de

    desenvolvimento de uma regio pode ser verificado com perspiccia a partir de cada

    municpio.

    O estado do Paran, a despeito de ser um dos mais ricos do Brasil,

    apresenta uma diversidade de condies de desenvolvimento, no mago de uma

    dualidade econmica entre as suas regies geogrficas e, por conseguinte, entre os

    municpios. Se por um lado h o Paran rico, pujante, crescendo amplamente e se

    desenvolvendo plenamente, por outro h um Paran subdesenvolvido, atrasado. A

    estrutura econmica e social presente no Paran atual fruto de vrios processos

    ocorridos desde as dcadas passadas.

    Atualmente, o Paran um dos estados que mais cresce no Brasil. Na

    regio Sul, o Paran o maior gerador de empregos. Porm, o desenvolvimento no

    eqitativo, isto , no ocorre de maneira bem distribuda entre as regies,

    tampouco entre os diversos municpios. Se por um lado, o Paran apresenta cidades

    pujantes, com economias efervescentes, por outro, h dezenas de municpios

    perecendo, carentes de ateno e investimentos, o que denota um Paran com

    mltiplas facetas.

    Nesse contexto, algumas questes relativas dinmica de desenvolvimento

    regional merecem ateno. Quais municpios apresentam os melhores ndices de

    desenvolvimento no ano de 2010 no estado do Paran? Como se apresentam, em

    termos de hierarquizao dos nveis de desenvolvimento, os municpios

    paranaenses? Ainda, h uma tendncia ou favorecimento, no sentido de que as

    maiores cidades ocupem as primeiras posies em nvel de desenvolvimento?

    Este trabalho busca examinar o desenvolvimento scio econmico

    estadual do Paran, por meio de anlise fatorial, considerando os 399 municpios

    das 10 regies geogrficas do estado.

    Especificamente, este estudo busca:

    a) Calcular o ndice de desenvolvimento dos 399 municpios do estado;

    b) Elaborar um ranking dos municpios do estado de acordo com seus respectivos

    graus de desenvolvimento;

    c) Verificar se as maiores cidades so as mais desenvolvidas.

  • www.unioeste.br/eventos/conape

    III Congresso Nacional de Pesquisa em Cincias Sociais Aplicadas III CONAPE

    Francisco Beltro/PR, 01, 02 e 03 de outubro de 2014.

    3

    Nesta conjuntura, no caso do Paran, um estudo desenvolvido por meio da

    anlise fatorial, mostra-se pertinente, assumindo a mais absoluta relevncia, na

    medida em que mais informaes disponveis acerca do nvel de desenvolvimento

    scio econmico do estado podem contribuir para que lderes polticos tomem

    decises de investimento, de maneira mais precisa, de acordo com a realidade de

    cada municpio e, por conseguinte, cada regio do estado.

    2 REVISO DE LITERATURA

    2.1 DESENVOLVIMENTO ECONMICO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: ASPECTOS TERICOS

    Uma questo sempre latente nas discusses de economistas a distino

    entre crescimento e desenvolvimento econmico. Alguns intelectuais consideram

    crescimento igual a desenvolvimento (Souza, 2007). Contudo, para outros,

    crescimento econmico condio para o desenvolvimento econmico.

    Souza (2007) ainda destaca que, alguns pensadores consideram

    crescimento econmico como uma simples variao quantitativa da soma de bens e

    servios produzidos, ao passo que o desenvolvimento envolve mudanas

    qualitativas nas condies de vida das pessoas, fortalecimento das instituies e das

    estruturas produtivas.

    Para Walinsky (1974), o crescimento econmico, em resumo, o fator

    isolado mais importante no desenvolvimento econmico, sendo essencial a ele. Para

    que ocorra desenvolvimento, imprescindvel primeiro o crescimento, a maior

    gerao de riquezas. Contudo, o crescimento, embora essencial, no garantia de

    desenvolvimento econmico e, sozinho, no suficiente para assegur-lo.

    Souza (2007) explica que crescimento contnuo maior que o crescimento

    populacional implica em melhoria dos indicadores econmicos, sociais e ambientais,

    o que, por fim, gera desenvolvimento econmico. Lopes (2001) concorda que

    desenvolvimento nada mais do que progresso social, ou seja, redunda em uma

    sociedade melhor. Ele coloca que, desenvolvimento significa mais que progresso

    econmico, diz respeito a questes de justia, ou de independncia, de cultura, ou

    mais sinteticamente a qualidade de vida, de felicidade.

    Conforme Clemente (1994), alguns bens e servios podem ser encontrados

    em qualquer lugar. Alguns bens e servios, como o pequeno comrcio de alimentos,

  • www.unioeste.br/eventos/conape

    III Congresso Nacional de Pesquisa em Cincias Sociais Aplicadas III CONAPE

    Francisco Beltro/PR, 01, 02 e 03 de outubro de 2014.

    4

    por exemplo, esto presentes at nas menores cidades. Porm, outros bens e

    servios so encontrados somente em cidades maiores, tais como servios

    profissionais e especializados ou shoppings. Nesse sentido, um aglomerado urbano,

    no caso a cidade, surge no momento em que a concentrao da produo de bens

    em certa localidade, em prejuzo a outras possvel (LEMOS, 2006).

    No que tange s teorias de desenvolvimento regional, emergiram, sobretudo

    a partir de 1950, sendo que trs conceitos chave destacaram-se: o conceito de plo

    de crescimento de Perroux; conceito de causao circular cumulativa de Myrdal;

    conceito de efeito para frente e para trs de Hirschman. Os trs conceitos

    convergem para o entendimento de que o desenvolvimento se difunde de modo

    desequilibrado (MELO, 2007).

    No caso do Paran especificamente, segundo Rippel e Lima (2009), serve

    de corolrio da aplicao da teoria dos plos de desenvolvimento de Perroux, visto

    que a partir de 1994 foram implantados plos de crescimento por todo o estado, de

    acordo com as aptides de cada regio. Foram potencializadas determinadas reas

    da indstria estadual: agroindstrias, metal mecnica, transporte, hotelaria,

    minerao, mveis e confeces, por exemplo. Esta configurao econmica

    implantada na dcada de 1990 vigora at hoje. Pode-se citar como exemplo: a

    indstria de confeces em Cianorte e Maring, fruticultura em Paranava, indstria

    moveleira em Arapongas; agroindstria nas regies oeste e sudoeste. A integrao

    entre estes vrios plos de desenvolvimento ocorre por meio do chamado anel de

    integrao.

    crescente, nos ltimos anos, a utilizao da anlise fatorial em estudos de

    economia regional. Kageyama e Leone (1999) conduziram um estudo visando

    construir uma tipologia de economias regionais a partir de suas principais

    caractersticas sociais e econmicas. Para tanto, utilizaram a estatstica multivariada,

    de modo que foram trabalhados 24 indicadores baseados no ce