ibbc - livros poéticos - jó

Download IBBC - Livros poéticos  - Jó

Post on 16-Apr-2017

466 views

Category:

Education

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • TEOLOGIAVolume IILivros PoticosPr Andr LuizIBBC - Aula 1

  • Maldio

    1.1 TtuloDo hebraico Yyob, que significa estar em hostilidade , prova . Tambm traduzido por odiado

    2 Autoria do Livro Desconhecido

    H vrias possibilidades abordadas pelos estudiosos da Bblia, como sendo Moiss, ou o prprio J. Os mais aceitos entre os estudiosos so: Moiss

    . A coleo de tradies judaicas denominada Talmude o atribui a Moiss. INTRODUO

  • Maldio

    3 Data do Livro

    Tambm no sabemos com certeza quando foi escrito o livro de J. As evidncias internas apontam a poca patriarcal. Assim sendo, J teria sido contemporneo de Abrao.

    Fatores que apoiam essa ideia:

    Viveu mais de 140 anos, aps os eventos do livro (42.16), um tempo de vida normal apenas no perodo patriarcal;

    A economia era semelhante ao perodo patriarcal, em que as riquezas eram medidas pelo nmero de cabeas de gado (1.3)

    Tal como Abrao, Isaque e Jac. J agia como sacerdote de sua famlia (1.5)

    INTRODUO

  • Maldio

    4 Lugar: a terra de UZ

    O nome UZ, est ligado a Edom (Lm 4.21), por isso, h indcios histricos que sugerem algum lugar perto de Araam Naharim (Aram dos Dois Rios) ao norte da Mesopotmia, ficando Uz, localizada na Arbia (entre Damasco e Sria) ao norte e Edom ao sul.

    J viveu numa regio onde havia pastagens e gua para seu gado e demais rebanhos. Possivelmente J tinha sua residncia principal, na cidade (29.7), deixando seus animais e lavoura aos cuidados dos seus muitos servos. INTRODUO

  • Maldio

    5 Fatos Relevantes

    A Cidade de UZ um lugar histrico e no imaginrio.

    Ezequiel cita a J como exemplo de justo (Ez 14.14,16,18.20)

    Tiago usa a histria de J como exemplo de pacincia (Tg 5.10-11)INTRODUO

  • Maldio

    6 Tema principal

    reflete a busca para a resposta de aflio de J, uma vez que, dentro do pensamento de culturas antigas, e algumas teologias modernas acredita-se que todos os revezes humanos, sempre so consequncia de algo que se fez de errado ou algo que se deixou de fazerO livro de J lida com a pergunta dos sculos :

    Se Deus justo e amoroso, por que permite que um homem realmente justo, tal como J, sofra tanto Neste livro, vemos como Deus lida com situaes demais elevadas para nossa compreenso e como a sua auto-revelao, faz com :

    Rm 8.28 Todas as coisas cooperam para o nosso bem

    INTRODUO

  • Maldio

    O livro de J pode ser dividido em doze cenas:

    Cena 1J e sua famlia antes das aflies 1.5:

    a) Socialmente: Prsperob) Familiarmente: Piedoso e dedicadoc) Religiosamente: Integro para com Deus

    INTRODUO

  • Maldio

    Cena 2

    Satans entra na presena divina, e insinua que J serve a Deus por causa dos favores especiais cap. 1.9-11;

    Deus permite Satans provar a J com a perda de suas possesses e de seus filhos 1.12-20;

    J retm a sua integridade 1.21,22.

    INTRODUO

  • Maldio

    Cena 3

    Satans volta na presena divina, declarando que se J fosse afligido no prprio corpo, ele amaldioaria a Deus cap. 2.1-5;

    Deus permite que Satans atinja J com horrvel enfermidade cap. 2.7,8;

    O conselho blasfemo de sua esposa e a submisso triunfante de J cap. 2.9,10

    INTRODUO

  • Maldio

    Cena 4

    A chegada dos trs amigos de J, sete dias de silenciosa condolncia cap. 2.11-13.

    Cena 5A pacincia de J comea a acabar, e ele expressa sua queixa cap. 3

    Cena 6Amargas e infrutferas discusses das aflies de J entre ele e seus amigos cap. 4-31

    Cena 7Eli entra na discusso cap. 32-37.INTRODUO

  • Maldio

    Cena 8O Senhor responde a J com palavras de luz e repreenso caps. 38,39.

    Cena 9A confisso de J cap. 40.3-5.

    Cena 10O Senhor fala pela segunda vez caps. 40.7 41.34.

    Cena 11A segunda confisso de J cap. 42.1-6.O Senhor repreende a Elifaz, a Bildade e a Zofar por suas palavras insensatas e ordena-lhes que ofeream sacrifcios cap. 42.7-9.INTRODUO

  • Maldio

    Cena 12

    J ora por seus amigos cap. 42.9.Sua prosperidade restaurada 42.10-15.Morre em avanada idade 42.16,17.INTRODUO

  • 7 Lies sugeridas A grandeza de Deus

    7.1 Da sua pessoa- 42.1-57.2 Do seu poder 1.6;38,1Ss.; 41:10-117.3 Do seu programa 1.6,7 ; 19.26.277.4 De seus propsitos 1.8 12;2.37.5 De seu povo 1.20 22; 13 .15; 23.107.6 A oportunidade de sofrimento:

  • Maldio

    a) Para Satans um meio de forar as pessoas a renunciarem a Deus.

    b) Para os Amigos sempre um castigo pelo pecado ou um meio de Deus corrigir e disciplinar com Razo.

    c) Para J no incio 6.24; 7.20 - para o inquo, no para o justo.no fim 23.10 um processo divino para purificar e valorizar o filho.

    d) Para o Senhor - um privilgio que temos como filhos para ajud-lo a cumprir algum propsito - uma oportunidade para confiar, quando no entendemos, porque saber o propsito, poderia destruir o efeito - uma experincia para vivenciarmos o poder cuidadoso e misericordioso do Pai.A OPORTUNIDADE DO SOFRIMENTO

  • Maldio

    1 Como decorrncia da queda de Ado

    2 Como consequncia de seus prprios atos

    3 Como resultado de habitar em um mundo pecaminoso e corrompido

    4 Como represlia do diabo

    5 Como possuidores do Esprito Santo

    6 Como instrumento til para DeusPor que os crentes sofrem?

  • Maldio

    a) Deus acompanha nosso sofrer.

    b) Deus reverter em bnos as aflies.O relacionamento de Deus com o sofrimento do crente

  • AS PROVAES DE JJ 1:11-19J 2:7

  • Por qu o JUSTO sofre?

    H uma linha teolgica que prega que esta histria no passa de uma lenda.

    Qual a razo desta provao?

    Onde est esta razo?

    PERGUNTAS A ESTE LIVRO:

  • ALGUMAS RESPOSTAS:A razo da provao estava no cu e no na terra.J se transformara num campo de batalha.(Deus X Satans)A provao de J nos indica, que as provaes s vezes so inexplicveis; quando no necessitar de explicao talvez no seja mais provao.

  • ALGUMAS PROVAES DE J:

  • PRIMEIRA PROVAOA crise do no possuir

    Seu grande revs nas coisas materiais e terrenas.Cap. 1:14-22Num s dia tornou-se um homem arruinado.Roubado, saqueado, catstrofes em casa.Como ele reagiu a essa situao?(1:21)

  • Crise da enfermidade (doena fsica).

    Cap. 2:1-8

    Atacado pessoalmente por uma doena repugnante, nojenta, lceras malgnas, feridas terrveis.Como J deve ter suplicado a Deus!Veja como ele era honrado 29:1-25E Agora? 30:1Como J reagiu? (2:10) Firmou-se em DeusSEGUNDA PROVAO

  • Crise conjugal

    At ento sua esposa o ajudava o marido.Se no fosse assim, ele no teria tanta famaMas seus secaram chorando a morte dos seus filhos.Quanta dor, insatisfao, tristeza... Ela voltou-se contra seu esposo e disse: ainda conservas essa integridade? (2:9)Adianta ser crente?Reao de J - (2:10)TERCEIRA PROVAO

  • Afastamento das pessoas (solido).Sem apoio da esposa, sem filhos.Os melhores amigos e irmos no Senhor afastaram-se dele 2:12-13Falavam sem entender sua aflio.Cap 19:21 misericrdia meus amigos...Jesus tambm foi abandonado pelos seus amigos ntimos, no momento de maior provao.

    QUARTA PROVAO

  • Foi mais dura no seu carter.Comeou a campanha de cochichos

    alguma coisa est errada com este homemVeja Captulo 19:9 (todo captulo); 20:5... 16:1-4 etc.Julgamentos sem fim, sem a divina revelao.J experimentou a lngua do prximo sem misericrdia.O que a bblia diz? No julgueis para no serdes...Como J reagiu a tudo isso: 19:25 eu sei que o meu Redentor vive!Sl 22:7Relao da provao de J com a provao de Cristo como se tornou ntima essa relao. J passaste por l?QUINTA PROVAO

  • A provao da palavra de Deus

    4 figura ELI (sig. Ele meu Deus)Atingiu a J com duros golpes32:2; 34:11,12 etc.J humilha-se sobre a Palavra.Cuidado em querer falar em nome de Deus!Falar o que Deus no mandou.Isso muito srio.SEXTA PROVAO

  • COROAMENTO NA VIDA DE JA partir do cap. 38

    Deus responde a J e mostra-lhe sua grandeza.J enfrentou tantas crises...Ouviu tantas coisas de seus amigos...Teve crise existencialMas agora Deus responde a J, Deus se manisfesta 42:1,2.

  • CONCLUSOPacinciaIntegridadeCompreenso (afastamento das pessoas)Entender quando Deus quer ter um cara-a-cara com a gente.Passar pela prova dando glria Deus.

  • FATOS IMPORTANTES

  • FATOS IMPORTANTES

  • FATOS IMPORTANTES

  • FATOS IMPORTANTES

  • FATOS IMPORTANTES

  • FATOS IMPORTANTES

  • FATOS IMPORTANTES

  • FATOS IMPORTANTES

  • FATOS IMPORTANTES

  • OS AMIGOS DE J: POR QUE J SOFRE?

    Elifaz, Bildade, Zofar e Eli

    Chorai com os que choram (2:12)

    As vezes melhor ficar calado (2:13)

    FATOS IMPORTANTES

  • ELIFAZ

    Argumenta a partir da sua experincia:J sofre porque pecouAqueles que pecam so punidosJ est sofrendo, obviamente pecou

    JFATOS IMPORTANTES

  • BILDADE

    Argumenta a partir da tradio:J um hipcritaJ deve ter pecadoAuto-justificao como soluo (8.6)

    JFATOS IMPORTANTES

  • ZOFAR

    Argumenta a partir justificao:J foi influente demaisJ foi presunosoJ compactuou com o pecadoJ est recebendo o que merece (11.6)

    JFATOS IMPORTANTES

  • CONCLUSO DOS TRS AMIGOS

    1. Sofrimento conseqncia do pecado

    2. Iniqidade sempre punida

    3. O favor de Deus medido pela prosperidade

    4. O povo pode compreender os caminhos de Deus

    Ignoraram que as bnos e a retribuio divina podem ir alm da vida presente

    JFATOS IMPORTANTES

  • ELI

    1.Deus maior do que qualquer ser humano;

    2.Nenhuma pessoa tem o direito ou autoridade de exigir uma explicao dele;

    3