Histria do Brasil Mdulo 1 - Projeto do Brasil Com o prof. Pablo Eduardo da Rocha SUMRIO Temticas: 1- Introduo Histria do Brasil 2- Expanso ...

Download Histria do Brasil Mdulo 1 - Projeto   do Brasil Com o prof. Pablo Eduardo da Rocha SUMRIO Temticas: 1- Introduo  Histria do Brasil 2- Expanso ...

Post on 18-Feb-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Histria do Brasil Com o prof. Pablo Eduardo da Rocha SUMRIO Temticas: 1- Introduo Histria do Brasil 2- Expanso Martima Europeia 3- Perodo Colonial: instituies polticas 4- Os povos indgenas e a Pindorama 5- Economia e sociedade colonial 6- Invases estrangeiras 7- Expanso territorial do Brasil 8- Perodo Pombalino 9- Revoltas nativistas 10- Crise do sistema colonial portugus Mdulo 1 1 1. Introduo: 1.1. Significado: - Discusso sobre os aspectos e a trajetria dos estudos histricos brasileiros. 1.2. Problematizando a temtica: 2. Caractersticas gerais desses estudos: 2.1. O eurocentrismo na Histria do Brasil: os eventos da histria europeia so o centro da histria nacional. 3. A periodizao da Histria do Brasil 3.1. Perodos: A) Perodo Colonial (1500-1822) _______________________________________________________________________ B) A Monarquia Brasileira (1822-1889) _________________________________________________________________ C) A Repblica Brasileira (1889-2011) __________________________________________________________________ 4. A trajetria dos estudos histricos no Brasil (historiografia brasileira) 4.1. As origens dos estudos (sculo XIX - II Imprio): 1TEMA: Introduo Histria do Brasil O vestibular pode cobrar: Ao longo de nossas aulas, voc vai perceber que muitos historiadores consideram o descobrimento, temtica da tela em destaque, como o marco inicial de nossa histria, o que evidencia o eurocentrismo na Histria do nacional, pois o portugus (europeu) considerado o centro do processo histrico brasileiro. De olho na fonte: tela representando a chegada de Cabral ao brasil. Que caractersticas marcaram tais estudos em cada poca? Que historiadores se destacaram? Como so os estudos atuais? O que mudou e o que permaneceu em tais estudos? 2 - Preocupado em estimular o sentimento de nacionalidade na populao brasileira, o que fazia parte do projeto de organizao do Estado Nacional Brasileiro, D, Pedro II, cria o IHGB (Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro) e passa a patrocinar estudos que contribussem com tal projeto. - A Geografia demostraria aos brasileiros quais eram as paisagens do pas e a Histria os smbolos do passado, os heris e grandes acontecimentos. Assim, tais informaes criariam elementos comuns a todos os brasileiros. - No bojo dessa discusso, o historiador Adolpho de Varnhagen realiza o primeiro estudo sobre o passado brasileiro e publica os seus resultados no livro, Histria Geral do Brasil, um elogio colonizao portuguesa. Um estudo nos moldes daqueles realizados no sculo XIX: que utilizavam apenas documentos oficiais (timbrados pelo Estado), tratando dos grandes homens (no caso do Brasil, heris portugueses) e eventos polticos. Palavras-chave: origens dos estudos, IHGB, Varnhagen, nacionalidade. 4.2. Estudos histricos na transio do sc. XIX para o XX: - Sob a influncia do cientificismo (ideias racista, Darwinismo social etc.), que marca essa passagem de sculo, intelectuais brasileiros, como Oliveira Viana, realizam estudos e publicam livros explicando os fatores do insucesso do Brasil e defendendo o embraquecimento da populao como estratgia para superar o atraso nacional. Palavras-chave: cientificismo, Darwinismo social, formao racial. 4.3. Os (re)descobridores do Brasil (1930-1940) A) Gilberto Freyre (autor de Casa Grande & Senzala): - O socilogo pernambucano, Gilberto Freyre, realiza estudos em defesa da tradio- dos resqucios do passado Colonial, vida rural e economia agrria- que estava sendo destruda no limiar do sculo XX: Brasil se industrializando. Entretanto, a maior contribuio de Freyre parece ter sido a inaugurao de uma nova viso sobre a miscigenao Brasileira (mistura tnica que marca a formao do nosso povo). Nos estudos de Freyre, portanto, a miscigenao considerada algo positivo e no nocivo, como acreditava a maioria dos intelectuais daquela poca. Essa mistura positiva e o insucesso do Brasil no fruto da formao racial brasileira, mas sim da excluso social, fome e misria que, segundo Freyre, assola o pas desde a sua modernizao. Palavras-chave: tradio, modernizao, miscigenao. B) Srgio Buarque de Holanda (autor de Razes do Brasil): - O jornalista-historiador Srgio Buarque realiza estudos acerca das origens (razes) do Brasil, sempre destacando a Influncia Ibrica sobre as nossas instituies, valores, cultura e povo, Buscando tal, ele compara as colonizaes ibricas: portuguesa e espanhola. Sobre a espanhola ele afirmava ser mais racional, marcada pelo planejamento urbano, uso da tcnica etc. Entretanto, sobre a portuguesa ele afirmava ser adaptativa, desorganizada, marcada pelo improviso, o que influenciou decisivamente na mentalidade do povo brasileiro. Segundo Buarque, essa adaptabilidade, essa cultura de dar-se um jeito marcada pela confuso gerou um dos traos mais nocivos de nossa personalidade: o patrimonialismo, a confuso entre o pblico e o privado existente no nosso pas desde a colnia. Palavras-chave: colonizaes ibricas, razes, patrimonialismo. C) Caio Prado Jnior (autor de Formao do Brasil Contemporneo): - O advogado-historiador paulista, Caio Prado Jnior foi o autor marxista que mais influenciou a historiografia brasileira. Produziu estudos sobre os aspectos econmicos da colonizao portuguesa na Amrica. Discutiu, por exemplo, a ideia de pacto colonial , refletiu acerca das relaes conflituosas entre colnia e metrpole etc. Sua maior contribuio foi chamar a ateno para a importncia da economia no processo histrico nacional. De seus estudos origina-se a tese dos ciclos econmicos: acar, ouro, ciclos complementares, caf etc. Palavras-chave: ciclos econmicos, marxismo, pacto colonial. 4.4. Os estudos da segunda metade do sculo XX (dcadas de 1960-1980): 3 - Nesse contexto, sob a influncia do pensamento marxista (Materialismo Histrico Dialtico), diversos historiadores (como Nlson Werneck Sodr) brasileiros produziam trabalhos acerca do passado brasileiro, sempre com nfase nos aspectos e temas econmicos. Assim, temas como luta de classes, modos de produo, a tese de que o Brasil era Feudal, revoluo etc. Palavras-chave: marxismo, modos de produo, revoluo. 4.5. Os estudos atuais (1990-2011): - Sob a influncia da historiografia, sobretudo, inglesa, italiana e francesa, diversos estudos vem sendo realizados no Brasil inaugurando novas temticas, abordagens, referenciais tericos etc. Nesse sentido, da Histria Social Inglesa (tambm conhecida como Neomarxismo), os historiadores brasileiros incorporaram a ideia de no determinao econmica e a incorporao do elemento cultural nos estudos referentes a processos econmicos. Da historiografia italiana, nos influenciamos pela ideia da Microhistria, ou seja, uma Histria de casos para entender o global. - J da Escola dos Annales (escola francesa), os historiadores do pas incorporaram: o uso de novas fontes de estudos (tudo pode ser uma fonte, no s documentos oficiais), a ideia de novos sujeitos histricos (pessoas comuns, espaos, natureza, mulheres etc.), novos temas (mentalidades, sensibilidades, vida privada etc.), a interdisciplinaridade como mtodo (relao entre disciplinas), o predomnio de uma Histria Cultural etc. Palavras-chave: influncias, Neomarxismo, Escola dos Annales, Microhistria. _____________________________________________ Anotaes: 4 1- Introduo: 1.1. Ideia geral: - Um dos processos histricos que marcam o incio da Idade Moderna (XV-XVIII). Esse empreendimento, que resultou da unio entre reis, Igreja e burguesia, foi resultado do renascimento comercial e da formao dos Estados Nacionais na Europa, um dos elementos que marcam a desestruturao do feudalismo. 1.2. Antecedentes da expanso: 1.2..1. A Europa s vsperas da Expanso (transio do Feudalismo ao Capitalismo): A) Renascimento comercial e urbano (sc. XI) ___________________________________________ ______________________________________________________________________________________ B) Formao dos Estados Nacionais Modernos (sc. X - XV) _______________________________ _______________________________________________________________________________________ C) O monoplio do comercio oriental exercido pelas cidades da Pennsula Itlica - Enquanto os primeiros Estados Nacionais, o comrcio e as burguesias europeias se desenvolviam, as rotas comerciais tradicionais (Mar Mediterrneo) rumo ao oriente eram dominadas pelas cidades da Pennsula itlica ( Gnova, Npoli, Florena, Veneza etc.). Tais cidades compravam especiarias aos rabes, que as traziam das ndias e revendiam-nas aos burgueses de Portugal. Os lusitanos, por sua vez, redistribuam os referidos produtos no resto da Europa. - Essa rede comercial, marcada pela existncia de atravessadores, encarecia os Produtos orientais na Europa. 1.3. Problematizando a temtica: - Assim, para acabar com esse monoplio comercial exercido pelas cidades da Pennsula Itlica, os Estados Nacionais que surgiam na Europa buscavam uma parceria financeira de suas burguesias e, com o apoio espiritual da Igreja, organizavam as grandes navegaes rumo s ndias (oriente). 3- Os interesses com a expanso: 3.1. Econmico:__________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________ 3.2. Poltico: ____________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________ 3.3. Religioso: ___________________________________________________________________________ 4-Naes envolvidas:______________________________________________________________________________________________________ 5- A expanso portuguesa 2 TEMA: A Expanso Martima Europeia (sc. XIV-XVI) ESCLARECENDO IDEIAS E CONCEITOS! Feudalismo: sistema socioeconmico, predominante, em boa parte da Idade Mdia europeia. Esse sistema se caracterizava pela predominncia dos seguintes elementos: vida rural, economia agrria e de subsistncia e poder poltico descentralizado. Ou seja, nesse sistema a vida em cidades e o comrcio praticamente inexistiam. - O que caracterizava tais expanses? Quais eram os principais interesses? Quais foram as consequncias dessa expanso? Especiarias: produtos orientais (das ndias), como cravo, canela, noz-moscada, pimenta-do-reino etc. Tais produtos eram muito valorizados na Europa, pois disfaravam o mau-cheiro dos alimentos, alm de temper-los. 5 5.1. Fatores do pioneirismo portugus:____________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________________________ 5.2. A Teoria do Priplo Africano (contorno da frica). 5.3. Conquistas portuguesas: Ceuta (frica/ 1415), Costa africana, ndias (1498) e Brasil (1500). 6- A expanso espanhola 6.1. Cristovo Colombo e a concorrncia espanhola com Portugal 6.2. Teoria da circunavegao: fruto da mentalidade renascentista de Colombo (teoria da esfericidade da forma da Terra). 7- Desdobramentos da expanso: - Descobrimentos: Amrica (1492), Brasil (1500) etc.; - Disputas pelo controle das novas terras; - O papel da Igreja (manter a diplomacia entre as naes catlicas); - Desenvolvimento do capitalismo comercial; - Incio do processo de mundializao econmica (globalizao). Palavras-chave: Navegaes, especiarias, ndias, Estados Nacionais. O vestibular pode cobrar: O vestibular exige do vestibulando a leitura e interpretao de fontes, como mapas, textos escritos, fotografias etc. Observe que o mapa em destaque representa a diviso de terras e oceanos entre Portugal e Espanha a partir da assinatura do Tratado de Tordesilhas. Tal diviso representada evidencia o poder e prestgio dessas naes na poca. De olho na fonte: mapa representando o Tratado de Tordesilhas (1494). O vestibular pode cobrar: O contexto representado na fonte em destaque: a expanso martima portuguesa, as conquistas de Portugal, desde Ceuta (1415) at Brasil e ndias. Ou seja, a realizao do Priplo Africano. De olho na fonte: mapa representando a expanso martima portuguesa. 6 1- Introduo: 1.1. Ideia geral: -Perodo no qual o Brasil era uma das colnias do imprio portugus. Ou seja, o Brasil era explorado poltica e economicamente por Portugal para atender aos interesses do Estado Nacional Portugus, burguesia lusitana e Igreja catlica. 1.2. Eventos iniciais da histria do Brasol: A) O descobrimento do Brasil (chegada de Cabral)______________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ B) A primeira missa (Frei Henrique de Coimbra) _______________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ 1.3. Problematizando a temtica: 3- O Perodo Pr-Colonial (1500-1532) 3.1. Fase do Perodo colonial em que o Brasil esteve praticamente abandonado, pois Portugal no encontrou metais preciosos de imediato e estava voltado ao lucrativo comrcio oriental das especiarias, naquele momento, a atividade mais importante para economia lusitana. Marco de Touros RN Forte dos Reis Magos - RN 3.2. Caractersticas do perodo: - Expedies costeiras (guarda-costas, exploratrias etc.) - Os marcos de posse da terra - Extrativismo do pau-brasil - Construo de fortes e feitorias na costa - Presena francesa no litoral (contrabando de pau-brasil) 3 TEMA: Perodo Colonial (1500-1822) De olho na fonte! Fotografias do marco de Touros e Forte dos Reis Magos O vestibular pode cobrar: os interesses portugueses no Brasil durante com a construo do Forte dos Reis Magos e a demarcao de terras litorneas com os marcos de posse de terras. O forte garantiria a Portugal o policiamento militar do litoral e os marcos, por sua vez, a posse jurdica do territrio. Ambos os elementos possibilitariam a Portugal o controle das rotas do Atlntico rumo as ndias. ESCLARECENDO IDEIAS E CONCEITOS! Muitos historiadores de hoje, questionam o termo descobrimento, pois ele exalta a ao portuguesa, reforando a ideia do portugus salvador, civilizador etc. - O que representou a colonizao portuguesa? Como essa foi organizada? Que instituies foram criadas? 7 - Primeiros contatos entre indgenas e portugueses 4. A colonizao efetiva (1530): 4.1. Motivaes para a colonizao efetiva: - Ameaa francesa (manuteno do controle das terras e rotas comerciais do Atlntico) - Decadncia do comrcio portugus no oriente (devido a concorrncia com outras naes) - Notcia de que a Espanha tivera descoberto ouro na Amrica Espanhola 4.2. Aspectos gerais: - Iniciada no litoral. - A expedio de Martim Afonso de Sousa (1530/ fundao da vila de So Vicente) 4.3. O sistema de Capitanias Hereditrias (poder regional/1534) A) Empreendimento particular (terra da Coroa, mas o capital investido era privado) B) Donatrio ________________________________________________________________________________________________________ C) Povoar, defender e explorar ________________________________________________________________________________________ D) Carta de Doao e Foral ___________________________________________________________________________________________ E) Descentralizao __________________________________________________________________________________________________ F) Sistema sesmarial _________________________________________________________________________________________________ G) A produo do acar_______________________________________________________________________________________________ H) PE e So Vicente ___________________________________________________________________________________________________ Obs. Os problemas enfrentados pelas capitanias eram: distncia entre capitanias e metrpole, dimenses das capitanias, escassez de recursos, ataques de indgenas e de estrangeiros... 4.4. O Governo Geral (poder central/1548) De olho na fonte! Mapa representando a diviso de terras a partir da criao do sistema de capitanias hereditrias. O vestibular pode cobrar: ao sistema de colonizao representado no documento e a identificao de elementos que sugiram as origens da concentrao de terras (concentrao fundiria) no Brasil: a diviso de um extenso territrio entre poucas pessoas, os donatrios, responsveis pela colonizao do Brasil. ESCLARECENDO IDEIAS E CONCEITOS! A partir do sculo XVI, outras naes europeias, como a Espanha, Inglaterra, Frana e Pases Baixos, tambm chegaram s ndias e comearam a concorrer com Portugal, o que decretou a decadncia do comrcio lusitano no oriente. 8 A) Representou: - A centralizao do poder, uma tentativa de salvar as capitanias decadentes e no para aboli-las. Tambm estabeleceu a primeira capital do Brasil(salvador). B) Principais governadores-gerais: a) Tom de Sousa (1549-1553) b) Duarte da Costa (1553-1558) c) Mem de S (1558-1572) 4.5. As Cmaras Municipais (poder local): A) Administrao das cidades (municpios) e vilas - Os homens-bons: latifundirios (donos de terras e de escravos) eram os nicos que tinha o direito de votar e se candidatar para os cargos da cmara. Obs. Existiam diversos conflitos entre o poder local, central e regional devido ao choque de interesses. Palavras-chave: Capitanias-hereditrias, Governo-Geral, Cmaras Municipais. Para se aprofundar na temtica! _____________________________________________ Anotaes: Ainda em ralao Histria poltica da colonizao portuguesa na Amrica, imprescindvel destacar o perodo da Unio das Coroas Ibrica, contexto em que Portugal e Espanha foram unificados sob o reinado de Felipe II (monarca espanhol). Essa unificao ocorreu porque, aps a morte do rei portugus em 1578, Dom Sebastio e, posteriormente, de seu tio-herdeiro (o cardeal Dom Henrique) o trono lusitano ficou vazio. Essa situao levou Felipe II a exigir o direito do trono lusitano por ser casado com uma portuguesa parente de Dom Sebastio. Assim, em 1580, foi assinado entre Felipe II e a elite lusitana o Tratado de Tomar, que corrou o monarca espanhol rei de Portugal. As polticas de Felipe II repercutiram no Brasil, j que ele era rei de Portugal. Por exemplo, foi Felipe que dividiu o Brasil em dois Estados (1621): o Estado do Maranho, com sede em So Lus, e o Estado do Brasil, sediado em Salvador. Alm disso, Felipe ordenou a conquista do Rio Grande (RN atual) e a fundao de Natal, alm de ter proibido a parceira na produo do acar entre holandeses e lusitanos. A Unio Ibrica s teve trmino em 1640, com o movimento da Restaurao Portuguesa, quando o Duque de Bragana (Dom Joo IV) foi coroado rei de Portugal. Isso ocorreu porque, a partir de 1850, as naes inimigas da Espanha comearam a ameaar militarmente Portugal, fazendo a nao lusitana perder vrias colnias e a burguesia e nobreza de Portugal a apoiarem o coroamento de Dom Joo IV. Pense nisso!!! 9 1- Introduo: 1.1. Ideia geral: __________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________________________ 1.2. Problematizao: - A denominao ndios surgiu com a confuso que Colombo fez em 1492. Acreditando que havia chegado as ndias, chamou os povos amerndios de ndios. - Os nativos do Brasil chamavam-no de Pindorama (Terra de Palmeira). 2- A heterogeneidade (diversidade) de povos A) Tupi-guarani ________________________________________________________________________________________________________ B) Tapuia ______________________________________________________________________________________________________________ 3- A Economia e sociedade: - A maioria das tribos vivia como os povos paleolticos (Pr-Histria), ou seja, tinha uma economia natural: baseada na caa e coleta. Praticavam o comrcio de trocas (escambo) entre eles e com os europeus. Essas tribos de caadores-coletores eram nmades, pois dependiam da oferta de alimentos de uma dada rea e quando os recursos dessa rea se esgotavam era necessria a migrao em busca de alimentos em outras regies. - Algumas tribos, entretanto, vo praticar uma agricultura rudimentar, chamada agricultura de coivara: preparo do terreno, plantio, colheita, queima do solo para a limpeza e posterior plantio. As tribos de agricultores eram sedentrias ou semi-sedentrias (possuam morada fixa). - As sociedades indgenas, em geral, eram comunais, no existia propriedade privada dos meios de produo. Ou seja, os bens eram coletivizados, divididos entre os membros da tribo. 4 TEMA: Os Povos Indgenas e a Pindorama De olho na fonte! Desenho do perodo e que demonstra o extrativismo do pau-brasil. O vestibular pode cobrar: a partir da interpretao do documento, a representao (viso) dos portugueses sobre a figura do indgena. Perceba que a mentalidade portuguesa da poca, influenciada pelo pensamento renascentista (tpico dos sculos XVI e XVII), confunde a anatomia indgena com a anatomia greco-romana, valorizada e resgatada pelo Renascimento Cultural, alm disso, o indgena representado como um possvel brao, mo de obra, para a colonizao.. - O que caracterizava a Terra de Pindorama e os povos indgenas, os costumes, as crenas, hbitos, costumes desses povos? 10 4- A religio - A religio era um elemento comum entre as tribos indgenas: todas eram politestas (acreditavam em vrios deuses) e pantestas (deuses associados aos elementos da natureza). - Algumas tribos de tupi-guarani praticavam a antropofagia __________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________________________ 5- A viso do portugus sobre o indgena 5.1. Etnocntrica (eurocntrica): - Os amerndios eram vistos como selvagens, brbaros, seres humanos que precisavam ser humanizados por meio da catequese (converso ao cristianismo). Esse processo de catequese visava a aculturao dos indgenas: eliminar a cultura nativa substituindo-a pela cultura (religio, hbitos, costumes etc.) europeia. Palavras-chave: Para se aprofundar na temtica! _____________________________________________ Anotaes: O ritual da antropofagia foi utilizado pelos religiosos para demonizar o indgena (processo de demonizao). E quem deveria salvar (desdemonizar) o indgena? claro que essa funo seria do colonizador. Sob essa perspectiva, o portugus justificava sua ao colonizadora e conquistava conforto espiritual. Pense nisso!!! 11 1- Introduo: 1.1. Contexto: - A explorao econmica portuguesa sobre o Brasil ocorreu no contexto de desenvolvimento do mercantilismo (doutrina econmica dos Estados Nacionais Modernos). Tal doutrina econmica se caracterizava, dentre outros elementos, pelo: colonialismo, protecionismo alfandegrio (proteo de mercados coloniais por meio da elevao de impostos) e pacto colonial (exclusivismo comercial da metrpole sobre a colnia). 1.2. Problematizando a temtica: A) A tese (ideia acadmica) dos ciclos econmicos: - Para estudar a dinmica econmica da colonizao portuguesa, o historiador Caio Prado Jnior elaborou a ideia de ciclos econmicos: mdios e longos perodos em que Portugal se concentrou na prtica de certas atividades econmicas. As atividades que sustentavam quase que exclusivamente a economia portuguesa so consideradas atividades econmicas de sustentao. J as atividades que complementavam o lucro lusitano proveniente de atividades de sustentao so chamadas de atividades econmicas complementares. Obs. Os ciclos econmicos mais importantes vo originar modelos de sociedade especficos. Por exemplo, o ciclo do acar gerou a sociedade aucareira. J o ciclo do gado, gerou a sociedade do couro. 2- Os ciclos econmicos de sustentao: 2.1. O ciclo do Acar (sc. XVI-XVII) A) Aspectos gerais: - Solo de massap e clima quente e mido ______________________________________________________________________________ - Sistema produtivo de plantation: ____________________________________________________________________________________ - O engenho ________________________________________________________________________________________________________ - O papel dos holandeses ____________________________________________________________________________________________ Obs. Devido ao ciclo do acar o incio do povoamento do Brasil pelos portugueses se deu pelo litoral (costa). B) A sociedade aucareira (caractersticas) - Litornea e rural ___________________________________________________________________________________________________ - Patriarcal__________________________________________________________________________________________________________ - Aristocrtica_______________________________________________________________________________________________________ - Pouca mobilidade social _____________________________________________________________________________________________ - Escravista _________________________________________________________________________________________________________ - A casa-grande, senzala e capela ______________________________________________________________________________________ Obs.: Alm dos senhores de engenho e escravos, existiam tambm trabalhadores urbanos, como comerciantes, pedreiros, artesos etc., o que evidencia a complexidade de tal modelo social. 5 TEMA: Economia e sociedade colonial (sc. XVI-XVII) - Que atividades econmicas impulsionaram a colonizao portuguesa? Que modelos de sociedade surgiram a partir do desenvolvimento das atividades principais? 12 Para se aprofundar na temtica! 2.2. O ciclo do Ouro (final do sc. XVII-XVIII) A) Aspectos gerais: - Serto___________________________________________________________________________________________________________ - O papel dos bandeirantes__________________________________________________________________________________________ - A Intendncia das minas____________________________________________________________________________________________ - As Casas de fundio ______________________________________________________________________________________________ - Principais impostos: o quinto (20% da produo anual) e a derrama (pagamento das dvidas atrasadas) Para se aprofundar na temtica! B) Transformaes com a minerao: O modelo de famlia predominante na sociedade aucareira colonial no era o nuclear, pai, me e filhos (como hoje), mas sim o da famlia numerosa. Essa famlia numerosa era composta por membros nucleares (pais e filhos), parentes (av, av, tios, primos etc.) e agregados (funcionrios prximos dos senhores, escravos de confiana etc.). Um dos smbolos mais representativos desse modelo de sociedade e famlia eram as gigantescas mesas de madeira da poca. Mesas grandiosas para comportar os membros da famlia, especificamente os que compunham os dois primeiros grupos, pois escravos no sentavam mesa com os senhores brancos. Pense nisso!!! De olho na fonte! Pintura de poca demonstrando o passeio de uma famlia numerosa. O vestibular pode cobrar: a identificao dos elementos hierarquizadores representados na imagem: a diviso da famlia em dois grupos (brancos, frente, e negros, atrs) e o uso ou no de calados, artigo considerado de luxo na poca, sendo utilizado apenas pela elite. Obs. Os Diamantes e o Arraial do Tijuco (Diamantina): quando em 1729, Portugal descobriu ouro no Arraial do tijuco (posterirormente, chamado distrito de Diamantina e, hoje, cidade de Diamantina), foi estabelecido o monoplio real sobre os diamantes. Ou seja, apenas o Estado exploraria tal riqueza. Dcadas depois, a explorao passou a ser feita mediante contratos, documentos que passavam s mos dos contratadores o controle sobre o Distrito de Diamantina. O contratador mais conhecido foi Joo Fernandes de Oliveira, homem rico que se relacionou com a ex-escrava Chica da Silva. Pense nisso!!! 13 - Novo eixo econmico e poltico da colnia____________________________________________________________________________ - Integrao do territrio colonial ____________________________________________________________________________________ - Crescimento da vida urbana ________________________________________________________________________________________ - Desenvolvimento cultural __________________________________________________________________________________________ . Obs. Lembre-se que o barroco arquitetnico no estava apenas associado a igrejas, mas tambm a pintura e escultura. No caso dessa ltima, destaca-se Antnio Francisco Lisboa (Aleijadinho). C) A Sociedade do Ouro (caractersticas) - Interiorana e urbana _____________________________________________________________________________________________ - Patriarcal _______________________________________________________________________________________________________ - Escravista _______________________________________________________________________________________________________ - Mvel ___________________________________________________________________________________________________________ - Classe mdia _____________________________________________________________________________________________________ D) A decadncia da minerao (fatores): - Tratado de Methuem (Panos e vinhos/1703): que gerou uma balana comercial negativa para Portugal e positiva para a Inglaterra. - Explorao predatria: uso de tcnicas rudimentares que no contribuam com a maior vida til do ouro nas minas. 3- ciclos econmicos complementares (XVI-XIX) 3.1. Do extrativismo do pau-brasil ______________________________________________________________________________________ 3.2. Do tabaco (sc. XVI )______________________________________________________________________________________________ 3.3. Do extrativismo das drogas do serto______________________________________________________________________________ 3.4. Do algodo _______________________________________________________________________________________________________ 3.5. Do gado __________________________________________________________________________________________________________ A) A sociedade do couro (caractersticas): - Rural e interiorana________________________________________________________________________________________________ - Patriarcal _______________________________________________________________________________________________________ - Mobilidade social _________________________________________________________________________________________________ - Hospitaleira______________________________________________________________________________________________________ - Da honra ________________________________________________________________________________________ - Da palavra ______________________________________________________________________________________ - Poucos escravos ________________________________________________________________________________ Palavras-chave: Ciclos-econmicos, pacto colonial, sociedades. _____________________________________________ Anotaes: 14 1- Introduo: 1.1. Contexto: A) Europeu: - Na Europa estava ocorrendo os movimentos da Reforma Protestante e Reforma Catlica (Contra Reforma), o que ocasionou uma srie de conflitos religiosos entre catlicos e protestantes. Muitos desses protestantes viam nas invases a outros territrios a chance de fugir desses conflitos. B) Colonial: - O Governo Geral _______________________________________________________________________________________________________ 1.2. Problematizando a temtica: - Desde a assinatura do Tratado de Tordesilhas (1494), dois anos aps o descobrimento da Amrica, que a Inglaterra, Pases Ba ixos (Holanda) e Frana- naes catlicas na poca da assinatura- descontentaram-se com a diviso do mundo entre Portugal e Espanha. 2. As Principais invases: 2.1. As Invases Francesas (sc. XVI e XVII) A) Fatores: - Econmico__________________________________________________________________________________________________________ - Religioso____________________________________________________________________________________________________________ 2.1.1. As reas invadidas: A) Frana Antrtica (Baia de Guanabara/1555-1567) - Apoio indgena: estimulavam guerras de nativos contra portugueses (A Confederao dos Tamoios: levante indgena contra escravizao de nativos pelos colonos portugueses). - Men de S___________________________________________________________________________________________________________ B) Frana Equinocial (Maranho/1612-1615) - Jernimo de Albuquerque ____________________________________________________________________________________________ - Vila de So Lus_____________________________________________________________________________________________________ Obs.: Franceses invasores eram chamados de huguenotes, franceses calvinistas. 2.2. As Invases Holandesas (sc. XVII) 2.2.1. Fatores: A) Fim da parceria econmica ente Portugal e Holanda na produo do acar. Desde o sculo XVI, Portugal dependia da referida parceria com os batavos, mas a partir da Unio das Coroas Ibricas (1580-1640) essa relao chegou ao fim, pois Felipe II (rei das duas naes ibricas) era inimigo da Holanda e, por isso, proibiu qualquer tipo de relao entre Portugueses e holandeses. B) Objetivos: - controlar a produo do acar conquistando reas da Amrica Portuguesa. Alm disso, os 6 TEMA: As Invases Estrangeiras (sc. XVI-XVII) - Quais foram os principais motivos das invases? O mudou na Amrica Portuguesa com tais invases? Como terminaram as invases? 15 flamengos (batavos) pretendiam controlar o trfico negreiro no atlntico a partir da conquista da costa do Brasil. 2.2.2. A ao da Companhia das ndias Ocidentais ________________________________________________________________________ A) Regies invadidas - Capitanias do norte (reas do atual Nordeste): PE, RN, PB, CE, MA (o Domnio Holands). B) O governo do conde Maurcio de Nassau _____________________________________________________________________________ - Urbanismo: construo de prdios pblicos, calamento de ruas etc. - Liberdade de culto - Crdito aos senhores de engenho - Estmulo s artes e s cincias: misso artstica de pintores holandeses (Albert Eckhout e Franz Post) e construo de um observatrio astronmico. 2.2.3. O fim do Domnio holands (o movimento da Insurreio Pernambucana) A) Fatores: Substituio de Nassau por Jacob Rabi, holands que empreendeu polticas contrrias as nassalinas. B) Consequncias: - O acar lusitano entrou em crise no mercado internacional, pois a Holanda foi produzir acar de maior qualidade e em maior quantidade nas Antilhas, gerando concorrncia. Palavras-chave: Tratado de Tordesilhas, Protestantismo, Unio Ibrica, Nassau. De olho na fonte! Mapa representando as reas invadidas pelos holandeses no contexto da Amrica Portuguesa. O vestibular pode cobrar: as caractersticas das invases holandesas a partir da interpretao do mapa: reas invadidas, trajetria das invases, o interesse holands pelo oceano Atlntico e capitanias do norte etc. 16 Para se aprofundar na temtica! _____________________________________________ Anotaes: A ideia do mito do nativismo: equivocadamente, muitos historiadores do sculo XIX e incio do XX, afirmavam que o sentimento de nacionalidade brasileiro (pertencimento a uma ptria, amor nao etc.) comeou a surgir com a Insurreio Pernambucana, ou seja, contra um inimigo comum a indgenas, negros e brancos, o holands. Entretanto, hoje, ns sabemos que a nacionalidade foi forjada inicialmente pelo Imprio Brasileiro, no tendo sido originado espontaneamente com a Insurreio Pernambucana. Pense nisso!!! 17 1. Introduo: 1.2. Ideia geral: - Trata-se de uma discusso acerca do processo de crescimento do territrio do Brasil. Ou seja, uma anlise da superao dos limites territoriais lusitanos estabelecidos pelo Tratado de Tordesilhas. 1.2. Problematizando a temtica: - Segundo a Igreja Catlica, para ser dono das terras descobertas, no bastava demarca-las (marcos de terras). Era preciso tornar a posse do territrio til por meio de uma colonizao: povoamento, defesa e explorao do territrio, alm de promover a catequese de indgenas. Quem realizasse isso, estaria cumprindo o princpio uti possidetis e seria legitimado como dono das terras ocupadas. - O termo uti possidetis se originou da expresso latina uti possidetis, ita possideatis, que significa quem possui de fato, possui de direito. 2. Fatores que contriburam com a expanso: 7 TEMA: A Expanso Territorial do Brasil De olho na fonte! Mapa representando a trajetria dos tratados territoriais assinados entre Portugal e Espanha por intermdio da Igreja Catlica. O vestibular pode cobrar: O que o mapa est representando: tratados de limites de territrios e expanso do territrio portugus na Amrica por meio de tais tratados. - Como Portugal conseguiu colocar em prtica o princpio uti possidetis? Que atividades contriburam com essa expanso territorial? 18 2.1. O bandeirismo paulista (So Vicente) A) As Entradas: expedies oficiais e que eram financiadas por Portugal para procurar metais preciosos. B) As Bandeiras: expedies particulares (privadas) OBSERVE O QUADRO A SEGUIR: 2.2. O gado (pecuria): - Estimulou o povoamento do serto de capitanias do norte (NE atual). Iniciou o processo de interiorizao da colonizao portuguesa, sobretudo, a partir do sculo XVII. 2.3. Drogas do serto: - Plantas medicinais extradas na floresta equatorial, Amaznica, e que estimulou a conquista de capitanias do extremo norte do Brasil. 2.4. Misses religiosas (aldeamentos indgenas): - Por serem estabelecidas em reas ocupadas por indgenas (distante do litoral), estimularam o povoamento do serto da Amrica Portuguesa e, posteriormente, da Amrica Espanhola. Obs. Unio Ibrica (1580-1640) tambm contribuiu com a expanso territorial do Brasil, pois, na prtica, anulou o Tratado de Tordesilhas, isso ocorreu porque as terras portuguesas e espanholas passaram para as mos de um nico rei: Felipe II. 2.5. As mones: - Expedies comerciais volantes desenvolvidas na poca da minerao e que estimularam o povoamento de regies do interior. 2.6. A minerao (sc. XVIII): - Principal frente de expanso da interiorizao da colonizao portuguesa, a minerao estimulou a ocupao do serto de Minas Gerais e, posteriormente, de territrios da Amrica Espanhola- como de reas que correspondem hoje a regio centro-oeste do Brasil (Vila Boa, atual cidade de Gois , cidade de Cuiab etc.) . Palavras-chave: Territrio, Tratados, atividades econmicas, misses. Para se aprofundar na temtica! _____________________________________________ Anotaes: TIPOS DE BANDEIRAS: OBJETIVOS: APRESAMENTO CAPTURA E ESCRAVIZAO DE INDGENAS PROSPECO DESCOBRIR METAIS PRECIOSOS SERTANISMO DE CONTRATO DESORGANIZAR QUILOMBOS E REVOLTAS INDGENAS A Guerra Guarantica: conflito entre indgenas e portugueses pelo controle da regio dos Sete Povos das Misses (rea de aldeamentos indgenas espanhis), rea incorporada Amrica Portuguesa com o Tratado de Santo Ildefonso (1777. Os indgenas se revoltaram porque foram expulsos daquela regio. Pense nisso!!! 19 1- Introduo: 1.1. Ideia geral ___________________________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________________________ 1.2. Contexto luso-brasileiro: - Quando Dom Jos I assumiu o trono em Portugal (1750), inaugurou despotismo esclarecido no pas. Uma das primeiras medidas de D. Jos foi nomear Sebastio Jos de Carvalho e Melo (Marqus de Pombal)para o cargo de primeiro-ministro. Pensando na minerao lusitana praticada no Brasil, o Marqus realizou uma srie de reformas. 2. As reformas pombalinas (modernizaes): 2.1. Administrativas: A) Extino do decadente Sistema de Capitanias Hereditrias (1759); B) Transferncia da capital para o Rio de Janeiro (1763). 2.2. Econmicas: A) Instalao de pequenas manufaturas na colnia; B) Criao da Companhia Geral de Comrcio do Gro-Par e Maranho e a de Pernambuco e Paraba. Obs. O objetivo da criao de manufaturas foi diminuir a dependncia lusitana em relao aos produtos industrializados ingleses. 2.3. Educacionais: A) Laicizao da educao: expulso dos jesutas e instaurao do ensino laico (no religioso) nas aulas rgias. 8 TEMA: O Perodo Pombalino (1750-1777) De olho na fonte! Pombal, tela de Von Loo. O vestibular pode cobrar: A tela em destaque sugere a viso panormica que Pombal fazia questo de ter dos sobre os domnios portugueses, o mar, os portos, a cidade etc. Observe que o referido documento evidencia o poder e a centralizao do referido poder nas mos do marqus. ESCLARECENDO IDEIAS E CONCEITOS! Despotismo esclarecido: forma de governar marcada pela juno entre a centralizao poltica do absolutismo e a racionalidade administrativa iluminista. - Que reformas foram feitas por Pelo Marqus de Pombal? O que tais reformas pretendiam? Qual a relao entre tais reformas e o pensamento poltico da poca? 20 3. O fim da poca Pombalina (1777) 3.1. D. Maria I (a louca): - Torna-se rainha de Portugal aps a morte de seu marido: D. Jos I; - Reaproximao da Inglaterra; - Fim do monoplio das Companhias Gerais de Comrcio; - Alvara proibindo a instalao de manufaturas na colnia. Palavras-chave: Reformas, despotismo, Pombal. _____________________________________________ Anotaes: 21 1- Introduo: 1.1. Significado: - Movimentos locais que reclamavam de algumas determinaes do Estado Portugus, mas no desejavam a independncia poltica do Brasil. 1.2. Problematizando a temtica: - Durante a colonizao portuguesa, diversos movimentos locais eclodiram contra algumas determinaes lusitanas que atingiam os interesses locais (de Capitanias). Que movimentos foram esses? Quais so as caractersticas principais desses? 2. Principais Revoltas: 2.1. A Revolta de Beckman (1684/MA) - Movimento marcado pela luta entre colonos do Maranho e Portugal. Os colonos se revoltaram porque o Estado portugus criou uma companhia para ter exclusividade (monopolizar) comercial sobre alguns produtos do comrcio na capitania (Companhia Geral do Comrcio do Brasil), atrapalhando os comerciantes do MA. Alm disso, os colonos se revoltaram contra a proibio da escravizao de indgenas. Isso ocorreu porque os maranhenses no tinham capital para comprar cativos africanos. 2.2. Guerra dos Mascates (1710-1711/PE) - Conflito entre os senhores de engenho de Olinda e os mascates (comerciantes de Recife). Esse conflito ocorreu porque durante muito tempo Recife pagava impostos a Olinda por ser um povoado submetido a esta, Entretanto, com a crise do acar e o desenvolvimento comercial de Recife, os senhores de engenho perderam fora e os comerciantes se destacaram. Reconhecendo tal situao, Portugal elevou Recife categoria de vila, extinguindo a obrigao do pagamento de impostos dos recifenses a Olinda, que se revoltou. 2.3. A Guerra dos Emboabas (1708-1709/MG) - Conflito entre os bandeirantes (descobridores de ouro) e aventureiros vindos de outras reas (chamados de emboabas). Ou seja, foi uma luta pelo controle do ouro de So Vicente. Os bandeirantes se revoltam porque queriam ter exclusividade sobre a minerao. 2.4. A Revolta de Vila Rica (1720/MG) - Os mineradores de Vila Rica se revoltam contra a criao das Casas de Fundio, rgo criado pra estabelecer a obrigatoriedade da fundio do ouro em barras, diminuindo as possibilidades da ocorrncia de contrabando que existia na poca em que era permitida a explorao do ouro em p. Obs. Esse movimento tambm conhecido como a Revolta de Felipe dos Santos, o lder dos mineradores revoltosos de Vila Rica. 9 TEMA: As Revoltas Nativistas (sc. XVI-XVII) 22 3. A Importncia desses movimentos: - Inauguraram o ideal de revoltas contra Portugal. Apesar de no terem tentado a independncia do Brasil, serviram de inspirao para outros movimentos, posteriormente. Palavras-chave: Localismo, revoltas, nativismo. _____________________________________________ Anotaes: De olho na fonte! Tela representando o julgamento de Felipe dos Santos. O vestibular pode cobrar: A tela em destaque sugere uma das punies possveis para quem cometia um crime contra o rei (crime de lesa majestade): julgamento e execuo de pena em espaos pblicos. 23 1- Introduo: 1.1. Ideia geral: - Momento da histria nacional marcado pelo aparecimento dos primeiros sintomas do enfraquecimento do poder exercido por Portugal sobre a colnia. 1.2. Contexto: A) Iluminismo: Movimento filosfico europeu que inaugurou a ideologia liberal (liberalismo) em todas as instncias: liberalismo poltico, econmico, de imprensa etc. B) A Revoluo Industrial Inglesa: Introduo da indstria maquinofatureira na Inglaterra, o que fez a Inglaterra almejar mercados alm da Europa e pregar a liberdade de comrcio (fim do pacto colonial) para as colnias exploradas por outras naes. C) A Independncia dos EUA(1776): As treze colnias inglesas da Amrica se revoltam contra a Inglaterra, colocam em prtica- Pioneiramente- os ideais de liberdade iluministas (liberais) e se tornam um pas independente. D) Declnio da minerao no Brasil: Crise da produo do ouro no Brasil, o que fez Portugal elevar os impostos sobre o colnia, gerando descontentamento. 1.3. Problematizando a temtica: 2. As revoltas separatistas (sintomas do enfraquecimento): A) A Inconfidncia Mineira (MG/ 1789): - No contexto de declnio da minerao, a elite, intelectuais, escritores etc. das Minas Gerais souberam de um boato sobre a cobrana da derrama (dvidas atrasadas). Assim, temendo a derrama e sob a influncia das ideias liberais e do exemplo dos EUA, os revoltosos organizaram um movimento pela independncia poltica em relao a Portugal. Lembre-se que, para alguns historiadores, o movimento queria a independncia de todo o Brasil, para outros, a revolta desejava a independncia s de MG. CARACTRSTICAS DA INCONFIDNCIA: - Separatista: que pretende a independncia; - Republicana: pretende a proclamao de uma repblica; - Elitista: organizado e liderado pelas elites; - Contra a Derrama: estopim do movimento; - Escravista: defende a manuteno da esc ravido; - Influncias: Ideias liberais e independncia dos EUA; - Joaquim Jos da Silva Xavier (Tiradentes): um dos lderes. Obs. Um dos episdios que marcam o desfecho da Inconfidncia Mineira e A delao do portugus Joaquim Silvrio: um participante que traiu o movimento por acreditar que Portugal perdoaria suas dvidas. TEMA 10: A Crise do Sistema Colonial Portugus (sc. XVIII) XVI-XVII) - Que sintomas de enfraquecimento foram esses? De que maneira o contexto da poca influenciou esse enfraquecimento? Como Portugal reagiu a todo esse processo? 24 B) A Conjurao Baiana (Salvador/1798) - Desde a transferncia da capital para o Rio de Janeiro (1763) que Salvador sentiu os efeitos das transferncias de recursos pra a nova capital. A situao piorou quando, como resultado da crise do ouro, Portugal resolveu aumentar sua arrecadao de impostos, gerando fome e misria nas capitanias do norte, hoje nordeste. Assim- contra essa situao, e sob a influncia das ideias liberais, independncia dos EUA e do Haiti e Revoluo Francesa-, alfaiates, intelectuais, ex-escravos, comerciantes, padres etc. organizaram um movimento pela independncia (seja da BA ou Brasil) em relao a Portugal. CARACTRSTICAS DA CONJURAO: - Separatista: que pretende a independncia; - Republicana: pretende a proclamao de uma repblica; - Popular: organizado e liderado por diversos grupos da sociedade; - Contra a fome e misria: estopim do movimento; - Abolicionista: defende o fim da escravido; - Influncias: Ideias liberais, independncias dos EUA e Haiti, Revoluo Francesa. Para se aprofundar na temtica! _____________________________________________ Anotaes: Durante muito tempo, a historiografia brasileira-sobretudo a do sculo XIX- considerou Tiradentes uma espcie de anti-heri. Isso acontecia porque Tiradentes era republicano e tais estudos defendiam, por serem patrocinados por Dom Pedro II (rei do Brasil), a monarquia e obscureciam qualquer personagem da histria contrrio ao regime monrquico, como Tiradentes. S com a proclamao da repblica, 1889, que Tiradentes vai ser alado categoria de heri nacional. Isso porque os militares que proclamaram a repblica escolheram novos smbolos para a nao, smbolos contrrios monarquia e favor da repblica, como Tiradentes. Ser que existem mesmo heris? Pense nisso!!! 0 CURSINHO DO DCE -UFRN- HISTRIA GERAL MDULO I: ANTIGUIDADE PROFESSORES: Jlio Csar Ricardo Gomes 1 MESOPOTMIA 1) Localizao: regio situada no atual Iraque, entre os rios Tigre e Eufrates. Mesopotamos Terra entre rios. Regio pouco protegida, devido ausncia de barreiras naturais, sendo comuns as guerras entre seus diversos povos. 2) Povos da Mesopotmia: a) Sumrios: Primeiras obras no Tigre e no Eufrates, que possibilitaram o desenvolvimento da agricultura e o surgimento do Estado. Inveno da escrita cuneiforme. Fundao das primeiras cidades, por volta de 4000 a.C. (Ur, Uruk e Lagash). b) Amoritas (Primeiro Imprio Babilnio): Construo de diversos Zigurates: templos de grande altura, que representavam o poder e a opulncia de uma cidade, alm de estabelecerem a hierarquia social. O Cdigo de Hamurabi: primeiro sistema de leis escritas da terra. Baseava-se na Lei de Talio (olho por olho, dente por dente). Obs.: __________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ c) Assrios: Cultura militarista e crueldade para com os povos vencidos. Constituram um grande Imprio (Sria, Palestina e Egito). d) Caldeus (Segundo Imprio Babilnio): Realizao de grandes obras pblicas no reinado de Nabucodonosor. Ex.: Os Portes de Ishtar e os Jardins Suspensos da Babilnia Ilustrao dos Jardins Suspensos da Babilnia, uma das sete maravilhas do mundo antigo. 2 O Cativeiro da Babilnia: ___________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ Domnio dos persas (Ciro I, em 539 a. C.), aps a morte de Nabucodonossor. 3) A sociedade mesopotmica: a) Os camponeses e a Servido Coletiva: _________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ b) A escravido: a grande quantidade de guerras na Mesopotmia levou a um aumento significativo na populao escrava. c) O Estado Teocrtico de Regadio: a religio e a agricultura eram de extrema importncia nesta sociedade. A agricultura levou a origem do Estado, e a religio justificava a ordem social e o poder do rei. 4) Religio: a) Politesmo: ___________________________________________________________________________ Desenvolvimento da astrologia (observao dos astros nos Zigurates: diviso do ano em 12 meses, da semana em 7 dias e dos dias em perodos de 12 horas. b) Os Zigurates eram monumentos erguidos em honra aos deuses. A Torre de babel foi um monumento erguido em homenagem ao Deus Marduk. c) A figura do Imperador: o imperador era tido como um enviado dos deuses, portanto, sua autoridade era inquestionvel. d) A Epopia de Gilgams e o Mito de Marduk: textos religiosos da Mesopotmia que possuem grande semelhana com o texto bblico. O EGITO ANTIGO 1) Aspectos geogrficos: nordeste da frica, no vale do rio Nilo a) A importncia do rio Nilo: _______________________________ __________________________________________________________________________________________________________ b) O isolamento geogrfico: possibilitou ao Estado egpcio longos perodos de estabilidade poltica e econmica, pois as barreiras naturais dificultavam as invases estrangeiras. 2) Aspectos histricos: a) O perodo Pr-dinstico: Formao dos nomos (aldeias agrcolas chefiadas pelos nomarcas) Unificao dos nomos (3500 a.C.) as diversas aldeias uniram-se em dois reinos: o Alto Egito (ao sul) e o Baixo Egito (ao norte). O objetivo desta unificao foi uma maior capacidade de organizar a mo-de-obra, tanto na agricultura, quanto na realizao de grandes obras pblicas. 3 Unificao dos reinos do Alto Egito e do Baixo Egito (3200 a.C.): Mens, governante do Alto Egito, imps a unificao aos dois reinos e se tornou o primeiro Fara b) O Antigo Imprio (3200 2300 a.C.): Organizao do Estado egpcio, unificado poltica e religiosamente na figura do Fara. A crise do Antigo Imprio: __________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ c) O Mdio Imprio (2000 1580 a.C.): Invaso do Egito pelos hicsos. O sentimento nacionalista e o expansionismo egpcio: o forte sentimento nacionalista que uniu os egpcios contra os hicsos levou este povo a uma postura imperialista e expansionista para com os povos vizinhos. d) O Novo Imprio (1580 525 a.C.): Imperialismo para com outros povos: foi neste perodo que houve a escravizao dos hebreus no Egito, alm de uma grande expanso territorial, sobretudo nos reinados de Tutms III e Hamss II. A reforma monotesta de Amenfis IV (Akhenaton): ______________________________________ __________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ As invases estrangeiras: em 525 a.C., o Egito foi dominado pelos persas, que eram liderados por Cambises. Depois vieram os macednios, os romanos, os rabes e os ingleses. 3) Sociedade: Obs.: o nmero de escravos era reduzido, devido ocorrncia de poucas guerras. Contudo, a quantidade de cativos aumentou durante o Novo Imprio, devido conquista de outros povos. O modo de produo Asitico ou Servido Coletiva: as terras eram de propriedade do Estado, representado pelo fara. Os camponeses eram considerados servos do Estado, devendo-lhe trabalho e tributos. Os Escribas: ______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ O Estado teocrtico e a figura do Fara (a encarnao de Hrus): a poltica era inseparvel da religio e o fara era adorado como um deus vivo. 4) Economia: agricultura, pecuria e comrcio 5) Religio: a) Politesmo antropozoomrfico: ____________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ b) A vida aps a morte e o Tribunal de Osris: para os egpcios, o esprito seria julgado neste tribunal e depois poderia retornar ao corpo. 4 A mumificao: _______________________________________________________________ A tcnica da mumificao possibilitou aos egpcios um maior conhecimento da anatomia humana e o conseqente desenvolvimento da medicina c) A Construo de grandes pirmides: serviam de tmulos para os Faras Mobilizao de escravos e tambm de camponeses para a sua construo Os egpcios, com a construo de pirmides, templos e hipogeus, foram responsveis por um enorme desenvolvimento da arquitetura e da matemtica d) A religio e o Estado egpcio: _____________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ OS HEBREUS 1) Aspectos geogrficos: a histria do povo hebreu foi marcada por vrios processos migratrios; porm, a regio que identifica este povo a Palestina, s margens do rio Jordo (atual Israel). Sul da Mesopotmia Palestina Egito Palestina 2) Histria poltica: Era dos Patriarcas Era dos Juzes Era dos Reis a) Era dos Patriarcas: Formao das doze tribos de Israel. O xodo (1290 a.C): libertao dos hebreus da escravido no Egito e estabelecimento do declogo (dez mandamentos), que o marco inicial da religio monotesta hebraica. b) Era dos Juzes: O retorno Palestina e a Guerra contra os Filisteus: o mito de Davi e Golias _________________ ____________________________________________________________________________________ Nomeao de juzes para unir o povo hebreu na luta contra os filisteus. c) Era dos Reis: A importncia do governo monrquico para os hebreus: a monarquia e a religio monotesta deram ao povo hebreu uma unidade poltica e cultural, que foi de extrema importncia para a vitria contra os filisteus. O governo de Salomo (966 926 a.C): perodo de maior desenvolvimento de Israel, com expanso territorial e a construo do templo de Jerusalm. O Cisma (sc. X a.C): ______________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ d) Outros acontecimentos importantes: O Cativeiro da Babilnia (sc. VI a.C): _________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ A Dispora hebraica (70 d.C.): disperso do povo hebreu pela regio do mar Mediterrneo, aps a destruio de Jerusalm pelos romanos. 3) A religio hebraica: o Judasmo Monotesmo Sentimento de culpa (idia de pecado) Messianismo (crena na vinda de um salvador) Profetizao Crena no juzo final 5 4) Os hebreus nos sculos XIX e XX: O sionismo: uma terra sem povo para um povo sem terra movimento iniciado no sculo XIX que pregava o retorno dos Judeus Palestina. O holocausto nazista (Segunda Guerra Mundial): extermnio em massa dos Judeus na Alemanha. Criao do Estado de Israel pela ONU em 1948: _________________________________________ __________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Primeira Guerra rabe-Israelense (1948 1949): os Estados rabes, principalmente o povo palestino, no aceitaram a diviso do territrio feita pela ONU. Este conflito terminou com a vitria de Israel e a ampliao de seu territrio. Segunda Guerra rabe-Israelense (1956): interveno armada da Frana e da Inglaterra, juntamente com Israel, no Egito, que tentara nacionalizar o canal de Suez. Aes da Organizao para a Libertao da Palestina (OLP): criada em 1964, esta organizao visava a realizao de guerrilhas em Israel, com o objetivo de restabelecer o territrio palestino. A Guerra dos Seis Dias ou Terceira Guerra rabe-Israelense (1967): vitria de Israel, que com o apoio das potncias ocidentais, tomou a faixa de Gaza, a Cisjordnia, as colinas de Gol e a Pennsula do Sinai (territrios pertencentes aos palestinos e a outros pases rabes). A Guerra do Yom Kippur ou Quarta Guerra rabe-Israelense (1973): tentativa das naes rabes de recuperar os territrios perdidos. Contudo, terminou com uma nova vitria de Israel, com o apoio das potncias ocidentais. A situao do povo palestino: ________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ OS FENCIOS 1) Aspectos geogrficos: Norte da Palestina, atual Lbano 2) Organizao poltica: cidades-Estado, como Biblos, Sidon e Tiro 3) Economia: comrcio martimo (Mediterrneo): desenvolvimento do comrcio por toda a regio do mar Mediterrneo, onde fundaram diversas colnias. Entre elas, podemos citar Cartago, no norte da frica. Obs.: A Talassocracia ___________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 4) Cultura: O alfabeto fencio Primeiro alfabeto fontico da histria, possua 22 letras e visava agilizar as relaes comerciais com outros povos 6 OS PERSAS 1) Aspectos geogrficos: Planalto do Ir 2) Origem: Unificao dos reinos da Mdia e da Prsia, por Ciro I, em 550 a.C. Formao de um vasto imprio: ______________________________________________________ _______________________________________________________________________________ As Guerras Mdicas (sc. V a. C.): ____________________________________________________ ______________________________________________________________________________ 3) Aspectos econmicos: Comrcio e artesanato Criao do Drico: devido ao carter imperialista, os persas desenvolveram a atividade comercial e criaram uma moeda de grande circulao no mundo antigo. 4) Organizao poltico-administrativa: as Satrpias capitais do imprio persa, interligadas por estradas pavimentadas e por um eficiente sistema de correios. Cada uma era governada por um strapa, que por sua vez era fiscalizado por funcionrios do rei (os olhos e ouvidos do rei). 5) Religio dualista: o zoroastrismo ou mazdesmo havia diversas divindades, sendo duas as principais: Ormuz-Mazda (deus do bem e da luz) e Arim (deus do mal e das trevas). O imperador persa era visto com um enviado do deus do bem. Obs.: O dualismo persa influenciou profundamente o judasmo e, principalmente, o cristianismo. A GRCIA ANTIGA 1) Aspectos geogrficos: Pennsula Balcnica, Bacia do Mediterrneo; entre os mares Egeu, Jnico e Adritico O litoral recortado: funcionou como portos naturais para o desenvolvimento do comrcio martimo no mar Mediterrneo. O relevo montanhoso e o isolamento: as dificuldades de comunicao entre as regies da Grcia, devido ao relevo acidentado, provocaram uma organizao poltica baseada em cidades-Estado. 2) Evoluo poltica: a) Perodo Creto-Micnico (sc. XV XII a.C.): desenvolvimento comercial A invaso dos Drios e a Primeira Dispora Grega: _______________________________________ 7 b) Perodo Homrico (sc. XII VIII a.C.): desenvolvimento das Comunidades Gentlicas sociedades coletivistas, em que no havia propriedade privada, nem classes sociais. A decadncia das Comunidades Gentlicas e a Segunda Dispora Grega: ______________________ ____________________________________________________________________________________ 8 Formao da Plis grega: uma parte da populao das comunidades gentlicas formou o demo (povo) nas cidades da Grcia Antiga c) Perodo Arcaico (sc. VIII VI a.C.): formao da Plis Atenas (regio da tica): conheceu trs formas de governo: monarquia, oligarquia e democracia. A economia era comercial (comrcio martimo), e a cultura era voltada para a mente e o corpo. Esparta (regio da Lacnia): desenvolveu um Estado oligrquico e militarista, com uma economia essencialmente agrcola, e uma cultura voltada para o corpo. d) Perodo Clssico (sc. V IV a.C.): Apogeu da Polis grega A democracia ateniense: ____________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ Obs.: As mulheres de Atenas: ____________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ A invaso persa (as Guerras Mdicas): tentativa de invaso da Grcia pelos persas. Foi a primeira vez em que as cidades-Estado gregas se uniram contra um inimigo comum. A Confederao de Delos e o imperialismo ateniense: a cidade de Atenas passou a utilizar os recursos desta liga militar, que unia diversas polis gregas, para seus prprios interesses, alm de assumir uma postura imperialista na Grcia. Oposio de Esparta a Atenas e a Guerra do Peloponeso: a postura imperialista da polis de Atenas levou os espartanos a criarem a Liga do Peloponeso, ocorrendo um conflito entre as duas ligas militares. Esta guerra foi responsvel pelo enfraquecimento das cidades-Estado gregas. e) Perodo Helenstico (sc. IV II a.C.): Invaso e conquista da Grcia por Filipe II e Alexandre da Macednia. Constituio de um vasto imprio: Grcia, Palestina, Mesopotmia, Egito, Prsia e parte da ndia Morte prematura de Alexandre: Diviso do Imprio entre seus generais (Ptolomeu, Seluco e Epaminondas) Surgimento de uma nova cultura: a Cultura Helenstica __________________________________ ____________________________________________________________________________________ 9 Cultura Helnica Cultura grega pura Cultura Helenstica Cultura grega misturada cultura e aos valores orientais Obs.: Alexandre trouxe dos Estados teocrticos orientais a idia de divinizao do rei. Esta idia, no Imprio Romano, serviu de base para a adorao do imperador. 3) A cultura grega: a) principais caractersticas: Antropocentrismo: _________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ Racionalismo e o esprito cientfico: _________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ b) A filosofia: busca de explicaes racionais para os fenmenos fsicos e humanos c) O teatro grego: Origem: festa em honra a Dionsio. As temticas abordadas eram crticas s tradies, a poltica e aos costumes, alm de reflexes sobre o comportamento humano Obs.: teatro grego X psicologia as obras do teatro grego estabeleceram algumas referncias que influenciaram a psicologia contempornea, na anlise do comportamento humano. (Ex.: complexo de dipo) Principais destaques: Sfocles, Aristfanes, Eurpides e squilo d) A arquitetura e a escultura: marcadas pelo racionalismo, humanismo e equilbrio. Principais estilos: Drico (Esparta), Jnico (Atenas) e Corntio (Corinto) Ex.: Partenon (templo dedicado deusa Atena). e) A religio na Grcia Antiga: Politesmo Antropomrfico: alm da forma humana, os deuses da Grcia Antiga possuam os mesmos desejos, sentimentos e fraquezas dos seres humanos. Carter cvico: a religio na Grcia Antiga estava vinculada s cidades-Estado. Cada cidade possua o seu deus protetor, alm do culto s demais divindades. Principais divindades: Zeus, Atena, Apolo, Dionsio, Afrodite, Ares e Hades, entre outros. O mito e a moral grega: atravs de narrativas fictcias, a mitologia grega revelava caractersticas do pensamento e da moral grega. Exemplos de mitos gregos: Narciso, Prometeu acorrentado, os doze trabalhos de Hrcules etc. Drico Jnico Corntio 10 Obs.: _________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ Obs.: _____________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ A ROMA ANTIGA 1) Aspectos geogrficos: Pennsula Itlica, bacia do mar Mediterrneo, na regio do Lcio. 2) Povos que habitavam a pennsula itlica: etruscos, pelasgos, sanios, gregos e latinos povos que habitavam a regio frtil do Lcio, influenciaram os demais povos, difundiram o idioma latino e criaram o senado. 3) Origem de Roma: a) Verso lendria (Eneida, Virglio): a origem de Roma atribuda aos irmos Rmulo e Remo. b) Verso histrica: Roma seria um centro de defesa dos povos latinos, para se proteger dos etruscos. 4) Evoluo poltica: Monarquia (sc. X VI a.C.) Repblica (sc. VI I a.C.) Imprio (sc. I a.C V d.C.) 5) A Monarquia: reis de origem etrusca, sendo o ltimo desses reis deposto pelos latinos comeo da Repblica 6) A Repblica romana: poder concentrado nas mos do senado, composto por latinos (patrcios), com funo administrativa, jurdica e militar a) Lutas polticas (patrcios X plebeus): a plebe reivindicava por mais direitos polticos, ou seja, por participao no senado romano. b) Conquistas da plebe: Os tribunos da plebe (494 a.C.): ______________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Lei das Doze Tbuas (450 a.C.): ______________________________________________________ ________________________________________________________________________________ As Leis Licnias (367 a.C.): __________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ A Lei da Canulia: _________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Obs.: na prtica, estas leis s beneficiavam uma pequena parcela da plebe, que havia enriquecido com a atividade comercial. c) As conquistas romanas: Guerras Pnicas (Roma X Cartago) disputa pela hegemonia comercial no mar Mediterrneo. Consequncias: Predomnio de grandes propriedades rurais (latifndios) nas reas conquistadas xodo rural (inchao dos centros urbanos) Aumento do nmero de escravos (prisioneiros de guerra) Concentrao de riqueza no patriciado Aumento das tenses sociais em Roma Influncia militar na poltica, com o objetivo de conter as revoltas sociais Crise da Repblica. 11 d) A crise da Repblica: A manipulao da plebe: polticas assistencialistas, a fim de conter as tenses sociais em Roma. As reformas dos irmos Tibrio e Caio Graco: A Lei Frumentria (Lei do Po): venda de trigo mais barato para os pobres. A Reforma Agrria: limitao da extenso das propriedades rurais nos territrios romanos. Esta lei no foi aceita pelos patrcios. As ditaduras de Mrio e Sila O primeiro triunvirato (Pompeu, Crasso e Jlio Csar): diviso dos territrios romanos entre trs militares. A revolta de Spartacus: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ O golpe de Jlio Csar: destituiu Pompeu do poder aps a morte de Crasso e declarou-se Ditador Vitalcio de Roma. O governo de Jlio Csar: promoveu uma poltica de expanso territorial, transformou o Egito em protetorado romano e aproximou-se da plebe marginalizada, atravs de uma poltica assistencialista. Segundo triunvirato (Marco Antnio, Lpido e Otvio) Crise social em Roma aps a morte de Jlio Csar em decorrncia da marginalizao da plebe O golpe de Otvio com o apoio do patriciado: declarou-se Defensor, Imperador e Augusto (divino) o patriciado apoiou Otvio na criao de um regime poltico mais centralizado e autoritrio, com o objetivo de conter as revoltas da plebe e evitar uma revoluo social em Roma. Incio do Imprio (31 a.C.). 12 7) O Imprio Romano: a) O Alto Imprio (sc. I a.C. III d.C.): A Pax Romana: apogeu do Imprio Romano, havendo o equilbrio das fronteiras (vigilncia), relaes comerciais com as provncias e criao de uma extensa burocracia para administrar o imprio. A poltica do po e circo: distribuio de comida gratuita e realizao de espetculos pblicos (lutas de gladiadores, execues de criminosos etc.), com o objetivo de atenuar as tenses sociais. Esta poltica, iniciada no fim da Repblica, foi intensificada durante a fase imperial. Expanso territorial e crescimento do nmero de escravos (prisioneiros de guerra). Investimentos em arte, arquitetura e cultura Nascimento e morte de Jesus Cristo na Palestina Outras dinastias do Alto Imprio: Jlio-claudianos, Flvios, Antoninos e Severos b) O Baixo Imprio (sc. IV V d.C.): Crise generalizada esgotamento das conquistas, provocando escassez de mo-de-obra escrava, propagao do cristianismo (crtica estrutura do Imprio Romano), germanizao do exrcito romano, altos nveis de corrupo e invases dos povos brbaros. Obs.: quem eram os brbaros? _______________________________________________________ __________________________________________________________________________________ Diocleciano e a Lei do Colonato (sc. III d.C.): obrigava os camponeses a permanecer nas grandes propriedades em que trabalhavam. Constantino e o dito de Milo (313 d.C.): estabeleceu liberdade de culto para os cristos, levando o cristianismo a sair da clandestinidade. Teodsio e o dito de Tessalnica (380 d.C.): decretou a oficialidade e a obrigatoriedade do cristianismo no Imprio Romano, determinando a perseguio aos pagos (no-cristos) Diviso do Imprio em duas partes (395 d.C.): Ocidental (Roma) e Oriental (Bizncio) Queda de Roma (476 d.C.): Invaso e saque de Roma pelos povos germnicos (brbaros) 13 8) A cultura romana: a) Principal caracterstica: influncia da cultura grega b) A religio romana: Primeira fase: politesmo antropomrfico (semelhana com os deuses gregos) Segunda fase: propagao do cristianismo (Paulo) Obs.: A ofensiva do Imprio contra o cristianismo os cristos negavam o carter divino do imperador e criticavam a postura imperialista de Roma. Por isso, eram considerados criminosos. Obs.: A oficialidade do cristianismo, incorporado pelo Estado romano e fundao da Igreja Catlica Apostlica Romana incio da perseguio aos pagos (no-cristos) c) O direito romano: maior contribuio dos romanos para o mundo atual influenciou decisivamente a constituio do direito nos pases ocidentais. A diviso do Direito Romano: Jus Civilis: para os cidados Jus Gentium: para os habitantes que no possuam cidadania Jus Naturales: para ambos Direito Pblico X Direito Privado: ____________________________________________________ __________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Os objetivos do Direito Romano: ______________________________________________________ ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ d) Literatura: Eneida (Virglio) obra sobre a fundao de Roma e) Arquitetura romana: vultuosidade, luxo e poder a arquitetura romana representava o poder e a riqueza do imprio, alm do seu carter conquistador e expansionista. Construo de ginsios, teatros, arenas e aquedutos 14 LISTA DE EXERCCIOS Disciplina: Histria Geral / Contedo: Idade Antiga 1. (UFPB 2007) As relaes entre as explicaes mticas e as cientficas encontram, na origem da espcie humana, um dos pontos fundamentais e controvertidos. Sobre tais explicaes, leia as afirmativas. I. O livro do Gnesis estabelece, sobretudo para as tradies religiosas judaico-crists, o mito do den, no qual viviam Ado, criado por Deus e feito sua semelhana, e Eva, criada tambm por Ele a partir de uma costela de Ado. Desse casal, descenderiam todos os homens. Os partidrios dessa explicao so chamados de CRIACIONISTAS. II. O livro "A Origem das Espcies", de autoria do naturalista ingls do sculo XIX, Charles Darwin, estabelece, nas tradies modernas, a consolidao de uma explicao cientfica sobre o aparecimento da vida e o surgimento do 'homo sapiens', que seria resultado das mutaes genticas adaptativas de smios. Essa explicao ficou conhecida como EVOLUCIONISTA. III. O conhecimento histrico, baseado nas concepes cientficas, demarca o aparecimento da espcie humana no perodo Paleoltico ou Idade da Pedra Lascada, ao que se segue o perodo Neoltico ou Idade da Pedra Polida e depois o perodo da Idade dos Metais, que, reunidos, compem a chamada "PR-HISTRIA". Est(o) correta(s): A) apenas I B) apenas II C) apenas I e II D) apenas II e III E) I, II e III 2. (Fuvest-SP) Sobre o surgimento da agricultura - e seu uso intensivo pelo homem - pode-se afirmar que: a) foi posterior; no tempo, ao aparecimento do Estado e da escrita. b) ocorreu no Oriente Prximo (Egito e Mesopotmia) e da se difundiu para a sia (ndia e China), Europa e, a partir desta, para a Amrica. c) como tantas outras invenes, teve origem na China, donde se difundiu at atingir a Europa e, por ltimo, a Amrica. d) ocorreu, em tempos diferentes, no Oriente Prximo (Egito e Mesopotmia), na sia (ndia e China) e na Amrica (Mxico e Peru). e) de todas as invenes fundamentais, como a criao de animais, a metalurgia e o comrcio, foi a que menos contribuiu para o ulterior progresso material do homem. 3. (UFRN) No vale do rio Nilo, situado no nordeste da frica, formou-se o primeiro Estado unificado da histria, o Egito. Tal Estado se alicerava: A) na servido coletiva, cabendo populao camponesa pagar impostos sob a forma de produtos ou trabalhos. B) na agricultura familiar praticada em inmeras aldeias, que exploravam as margens fertilizadas pelas enchentes. C) na explorao da mo-de-obra de povos estrangeiros dominados e escravizados em conseqncia das campanhas imperialistas dos faras. D) na rede comercial que se estendia ao longo da bacia mediterrnica e era controlada pelo fara, representante da classe mercantil. 4. (UFRN) Com a formao do Estado, no Egito Antigo, O fara passou a concentrar todos os poderes em suas mos, sendo cada vez mais considerado um deus vivo. Boa parte das terras passou a ser controlada por ele, a quem a populao deveria pagar tributos e servir, por meio de trabalho compulsrio. A personificao do Estado na figura do fara e a sua identificao com um deus, permitenos, portanto, falar em uma monarquia teocrtica no Egito Antigo. VICENTINO, Cludio; DORIGO, Gianpaolo. Histria para o ensino mdio: histria geral e do Brasil: volume nico. So Paulo: Scipione, 2001. p. 40. Muitos Estados nacionais, no mundo contemporneo ocidental, orientam-se pelo iderio laico e liberal-democrtico, diferentemente do Estado organizado no antigo Egito, no qual predominava A) o carter autocrtico, fundamentado na Teoria do Direito Divino dos Reis, formulada pelos 15 pensadores Santo Agostinho e So Toms de Aquino. B) a vinculao entre religio e poltica, que norteou a organizao do antigo Estado, originado com a unidade entre o Alto e o Baixo Egito. C) o papel desempenhado pelos sacerdotes na construo de uma proposta poltica que contemplasse os interesses dos camponeses. D) a organizao de uma diarquia teocrtica, segundo os princpios propostos por Amenfis IV, quando da implantao da reforma religiosa. 5. (Vunesp) Os Estados Teocrticos da Mesopotmia e do Egito evoluram acumulando caractersticas comuns e peculiaridades culturais. Os Egpcios desenvolveram a prtica de embalsamar o corpo humano porque: a) se opunham ao politesmo dominante na poca. b) os seus deuses, sempre prontos para castigar os pecadores, desencadearam o dilvio. c) depois da morte a alma podia voltar ao corpo mumificado. d) construram tmulos, em forma de pirmides truncadas, erigidos para a eternidade. e) os camponeses constituam categoria social inferior. 6. (UCS-RS) Na Antigidade, podemos observar caractersticas especficas a cada povo. Assinale a alternativa cuja seqncia relaciona corretamente os povos desse perodo com sua principal caracterstica religiosa. (1) Egpcios (2) Mesopotmicos (3) Fencios (4) Cretenses (5) Hebreus ( ) Acreditavam na imortalidade da alma, a qual se separa do corpo aps a morte, mas vinha procur-lo no seu tmulo, depois de passar pelo julgamento de Osris. ( ) Os profetas desempenharam um papel importante na preservao da pureza da religio, frente influncia dos deuses estrangeiros. ( ) Adoravam a Grande Me, deusa da terra e da fertilidade, representada por uma pomba e uma serpente. ( ) Preservavam rituais sangrentos, at com sacrifcios humanos, durante muito tempo. ( ) Acreditavam na magia, na adivinhao e na astrologia, meios que usavam para descobrir a vontade dos deuses. a) 4, 5, 1, 3, 2 b) 1, 2, 4, 3, 5 c) 2, 5, 4, 3, 1 d) 2, 5, 3, 4, 1 e) 1, 5, 4, 3, 2 7. (Fatec-SP) Entre as principais caractersticas da civilizao fencia merecem destaque especial: a) a economia agrcola de regadio, a sociedade de castas e a organizao poltica teocrtica. b) a economia mercantil, a organizao poltica sob a forma de cidades-estados e a criao do alfabeto. c) a religio monotesta, a escrita cuneiforme e a sociedade nmade-pastoril. d) a religio dualista, o regime poltico democrtico e a escrita hieroglfica. e) a sociedade estamental, a economia de subsistncia e o expansionismo militar. 8. Indicar a alternativa que identifique corretamente os eventos: A. Sada gloriosa dos hebreus, do Egito, guiados por Moiss. B. Disperso do povo hebreu provocada pelos romanos. C. Diviso das tribos hebraicas em dois reinos: Israel e Jud. D. Movimento feito pelos hebreus espalhados pelo mundo inteiro, para a volta Terra Prometida. Assim temos, respectivamente: a) Dispora xodo Cisma Sionismo b) xodo Dispora Cisma Sionismo c) Cisma - Dispora xodo Sionismo d) xodo Cisma Dispora Sionismo 9. Da Antiguidade: Possuam um grande Imprio, que foi dividido em 30 Satrpias, ou provncias, cada uma delas governadas por um Strapa, nomeado pelo rei. Para garantir a honestidade, criaram uma rede de espies conhecidos como os olhos e ouvidos do rei. Ainda, para manter o Imprio unificado, construram grandes estradas reais, algumas chegando a ter 2500 quilmetros. No campo religioso, afirmaram a existncia de um Deus do bem, da luz e da justia (Ahuramazda) e um poder mau e das trevas (Ahriman). Acreditavam 16 que no fim dos tempos, o bem venceria o mal, passando a reinar por toda eternidade, os malditos sofreriam para sempre e os bons viveriam a vida eterna. O texto acima refere-se: a) Aos hebreus, povo guerreiro, que dominaram um grande imprio, tendo sido a religio a sua maior contribuio para a posteridade. b) Aos gregos, que conquistaram todo o Oriente Mdio e mantiveram os vencidos subjugados atravs da religio. c) Aos persas, que dominaram um grande imprio e criaram uma religio que teve importantes efeitos sobre o cristianismo. d) Aos muulmanos, que na Antiguidade desenvolveram um Imprio em bases religiosas. e) Aos bizantinos, que transformaram a religio num fundamento poltico para justificar o absolutismo imperial. 10. (UFRN) No ano 70 d.C., o Estado romano, sob o controle do imperador Tito, destruiu a cidade de Jerusalm, e os judeus se dispersaram por outras terras. Dispora tem sido a palavra usada para designar essa disperso. Aps a dispora, os judeus A) ficaram sem um territrio prprio por sculos; mas, por meio da religio e dos laos familiares, mantiveram sua identidade cultural e sua unidade como povo. B) perderam todas as suas propriedades; mas, em razo da decadncia do Imprio Romano, voltaram para a Palestina e reconstruram sua identidade cultural. C) foram dominados pelos rabes e perderam sua identidade cultural como povo; mas, em 1948, com a criao do Estado de Israel, voltaram a unificar-se. D) foram impedidos de realizar seus cultos; mas, durante a Idade Mdia, em razo do fortalecimento do cristianismo, conseguiram firmar sua identidade cultural. 11. (UEL-PR) Com a nova diviso da sociedade, qualquer cidado poderia participar das decises do poder. Apenas os escravos e os metecos (estrangeiros) no participavam das decises polticas, pois no tinham direito de cidadania. Ao texto pode-se associar: a) Dracon e a expanso colonial em direo ao Mediterrneo. b) Slon e a militarizao da poltica espartana. c) Psstrato e a helenizao da pennsula balcnica. d) Pricles e a hegemonia cultural grega no peloponeso. e) Clstenes e a democracia escravista ateniense. 12. (FEI SP) Atenas foi considerada o bero do regime democrtico no mudo antigo. Sobre o regime democrtico ateniense correto afirmar que: a) era baseado na eleio de representantes para as Assemblias Legislativas, que se reuniam uma vez por ano na gora e deliberavam sobre os mais diversos assuntos. b) apenas os homens livres e atenienses eram considerados cidados e podiam participar livremente das decises tomadas nas assemblias da cidade-estado. c) os estrangeiros e mulheres maiores de 21 anos podiam participar livremente das decises tomadas nas assemblias da cidade-estado. d) era erroneamente chamado de democrtico, pois negava a existncia de representantes eleitos pelo povo. e) a inexistncia de escravos em Atenas levava a uma participao quase total da populao da cidade-estado na poltica. 13. (UFRN) Nos primeiros meses de 430 a. C., Pricles proferiu um discurso em homenagem aos mortos da Guerra do Peloponeso. Nesse discurso ele afirmou: Temos um regime que nada tem a invejar das leis estrangeiras. [...] Se, em matria de divergncias particulares, a igualdade de todos diante da lei assegurada, cada um, em virtude das honras devidas posio ocupada, julgado naquilo que pode ocasionar sua distino: no que se refere vida pblica, as origens sociais contam menos que o mrito, sem que a pobreza dificulte a algum servir cidade por causa da humildade de sua posio. PINSKI, Jaime (Comp.). 100 textos de histria antiga. So Paulo: HUCITEC, 1972. p. 94-95. Desse fragmento do discurso de Pricles, pode-se inferir A) a existncia de um critrio censitrio como elemento definidor dos cidados atenienses, aos quais cabia, com exclusividade, aprovar as leis e decidir questes relativas paz e guerra. B) a existncia de um cdigo de leis extremamente severas, o que mantinha, em Atenas, os privilgios da aristocracia. 17 C) a presena de uma estrutura social flexvel da democracia em Atenas, que permitia aos escravos deixarem essa condio e se tornarem cidados. D) a singularidade da estrutura da vida democrtica ateniense, que se caracterizava pela primazia do espao pblico e pelo zelo igualdade entre os cidados. 14. (PUC/SP) No sentido contemporneo do termo, sobretudo com implicaes de unidade poltica, a palavra nao no pode ser aplicada Grcia Antiga. Tanto assim que: a) prevaleciam padres culturais diferenciados nas vrias regies. b) as formas de governo foram nicas, mas guardavam total autonomia. c) no havia unidade de lngua e religio entre as vrias populaes urbanas. d) as cidades eram independentes nos assuntos de seu prprio interesse. e) predominavam as tendncias proibio de atividades econmicas semelhantes. 15. (UFRN) Acerca de Alexandre Magno (356-323 a. C.), o historiador ingls Arnold Toynbee comenta: Alexandre viveu o bastante para superar a estreita concepo de uma ascendncia helnica sobre os no-helenos, em favor de um ideal maior da fraternidade da humanidade. Em seu contacto com os persas, reconheceu e admirou todas as virtudes que lhes permitiram governar uma parte do mundo por mais de duzentos anos, e passou a sonhar com um mundo governado em conjunto por persas e helenos. TOYNBEE, Arnold J. Helenismo: histria de uma civilizao. Rio de Janeiro: Zahar, 1975. p. 118. Analisando-se a evoluo histrica do perodo, pode-se afirmar que, em parte, o ideal de Alexandre realizou-se na medida em que suas conquistas A) estimularam a retomada do despotismo oriental, que se somou s conquistas de liberdade e direitos que fundamentaram a democracia grega. B) favoreceram a fuso entre as culturas dos povos asiticos dominados e os valores gregos, originando a cultura helenstica. C) possibilitaram o domnio das provncias asiticas pelos romanos, que difundiram a cultura helenstica em toda a Europa ocidental. D) expandiram os direitos de cidadania a todos os sditos, adotando a autonomia e as liberdades gregas como modelo de administrao do Imprio. 16. (Fatec-SP) Em relao ao sistema produtivo das cidades-estados gregas, podemos dizer que predominava: a) o trabalho dos camponeses livres, rendeiros dependentes e artesos urbanos. b) trabalho comunal nas aldeias agrcolas, sendo a escravido secundria. c) a escravido, ento convertida em modo de produo sistemtico. d) o trabalho livre junto s propriedades rurais e pequenas unidades artesanais. e) a vassalagem originria do comitatus germnico e do colonato romano. 17. (FUVEST SP) Roma expandiu-se consideravelmente pelo Mediterrneo no perodo republicano. No sculo II a. C., foram consequncias dessa expanso: a) o aparecimento da classe mdia de proprietrios e o desaparecimento dos latifndios b) o aumento da populao rural na Itlia e a diminuio da populao urbana. c) o sensvel afluxo de riquezas e o crescimento do nmero de escravos. d) a formao de grande nmero de pequenas propriedades e o fortalecimento do sistema assalariado. e) A prescrio das magistraturas culturais estrangeiras e a difuso do cristianismo . 18. (UFPA) Enfraquecida pelas lutas internas e pelas conseqncias do expansionismo, a Repblica cedeu lugar ao imprio na Roma Antiga. Em relao ordem imperial, afirma-se que: a) a concentrao dos poderes de Otvio, nos primeiros momentos do imprio, respondia pelas necessidades da nobreza senatorial em dispor de um governo capaz de sufocar a anarquia e as rebelies de escravos. b) a organizao do imprio contou com expressiva participao popular, haja vista a importncia que o Partido Democrtico ocupou na queda do regime republicano. c) o imprio nasceu no interior da grave crise econmica que caracterizou os ltimos tempos 18 da Repblica, crise provocada pelas derrotas de Roma nas guerras pela conquista da Itlia. d) a criao do imprio, obra elaborada pelo Primeiro Triunvirato, representou o produto da vontade dos generais no sentido de criar um governo capaz de controlar a crise social do final da Repblica. e) as bases do imprio foram, politicamente falando, sustentadas pelo poder dos camponeses romanos, principais interessados na existncia de uma ordem que lhes assegurasse o domnio da terra. 19. (UFRN) Sidnio Apolinrio, aristocrata da Glia romana, escrevendo a um amigo, num perodo de grandes transformaes culturais, assim se expressou: O vosso amigo Eminncio, honrado senhor, entregou uma carta por vs ditada, admirvel no estilo [...]. A lngua romana foi h muito tempo banida da Blgica e do Reno; mas se o seu esplendor sobreviveu de qualquer maneira, foi certamente convosco; a nossa jurisdio entrou em decadncia ao longo da fronteira, mas enquanto viverdes e preservardes a vossa eloqncia, a lngua latina permanecer inabalvel. Ao retribuir as vossas saudaes o meu corao alegra-se dentro de mim por a nossa cultura em desapario ter deixado tais traos em vs [...]. Apud PEDRERO-SNCHEZ, Maria Guadalupe. Histria da Idade Mdia: textos e testemunhas. So Paulo: Editora UNESP, 2000. p. 42-43. A opinio contida no fragmento da carta est diretamente relacionada s A) invases dos territrios do Imprio Romano pelos povos germnicos, provocando mudanas nas instituies imperiais. B) influncias da cultura grega sobre a latina aps a conquista da Grcia pelos romanos e sua anexao ao Imprio. C) vitrias dos romanos sobre Cartago nas chamadas Guerras Pnicas (264-146 a. C.), impondo a cultura do Imprio a todo o norte da frica. D) crises que se abateram sobre o Imprio Romano depois do governo de Marco Aurlio (161-180 d. C.), quando o exrcito passou a controlar o poder. 20. (Vunesp) O Direito Romano, instituio legada pelo Imprio Romano civilizao ocidental, resultou da preocupao em: a) determinar as obrigaes dos patrcios em relao aos plebeus. b) garantir aos primitivos italiotas seus direitos diante dos invasores etruscos. c) assegurar aos primeiros reis de Roma a continuidade de seu poder. d) aumentar o poder da Repblica romana diante das naes vizinhas. e) regulamentar a vida do cidado romano estabelecendo seus direitos e deveres diante do Estado. 21. (UFRN) Entre as primeiras Civilizaes Orientais, a Civilizao Egpcia sobressaiu-se como uma das mais grandiosas e a mais duradoura. As necessidades de desenvolvimento da agricultura irrigada nas margens do rio Nilo exigiam uma direo centralizada. Nessas circunstncias, a Civilizao do Egito Antigo organizou-se em torno de uma Monarquia. Entre as imagens mais populares ligadas ao Egito Antigo, esto as pirmides. As mais conhecidas so as de Giz, construdas no primeiro perodo da histria poltica do Estado Egpcio, entre 3200 e 2300 a.C., conhecido como Antigo Imprio, retratadas na Figura abaixo. Disponvel em:. Acesso em: 12 ago. 2010. 19 A) Mencione e comente duas caractersticas do Governo no Egito Antigo. B) Explique o significado das pirmides, relacionando-as ao poder no Egito Antigo. 22. (UFRN) O historiador Pedro Paulo Funari apresenta, na obra Grcia e Roma, um paralelo entre os deuses gregos e o Deus cristo. Num trecho dessa obra, o autor afirma: Os deuses e heris gregos eram muito diferentes da noo que ns, herdeiros da tradio hebraica e crist, temos de Deus. Segundo a Bblia, base desta tradio, os homens foram criados semelhana de Deus e este Deus , tambm, nico. Os homens, por terem se distanciado da perfeio divina, tornaram-se cheios de desejos e, conseqentemente, de insatisfaes e imperfeies. Os homens tm sentimentos, como o amor e o dio, dizem a verdade e mentem, nascem, crescem e morrem. Nada disso acontece com Deus, o Todo-Poderoso, que serve de modelo para o homem, com a perfeio que no abalada pelos sentimentos humanos. FUNARI, Pedro Paulo. Grcia e Roma. So Paulo: Contexto, 2001. p. 57-58. Tomando como referncia o texto acima, compare a noo de divindade aceita pelos gregos antigos com aquela aceita pelos cristos. 23 . (EEM-SP) O Imprio Romano, to slido e praticamente sem inimigos externos significativos, comea, no fim do sculo II, a entrar num processo de declnio, para atingir, no decorrer do sculo III, o abismo da desorganizao interna, habitualmente denominada "crise do sculo III". Que fatores concorreram para levar o imprio a essa crise? 24. (UFRN) As invases brbaras ao Imprio Romano, nos sculos IV e V, propiciaram novas relaes entre a cultura dos romanos e a dos povos brbaros e provocaram profundas transformaes na Europa Ocidental. Muitos historiadores tomam esses acontecimentos para demarcar o fim da Antigidade e o incio da Idade Mdia. Considerando os acontecimentos mencionados, atenda s solicitaes abaixo. A) Esclarea quem eram os brbaros. B) Comente duas mudanas que ocorreram na sociedade da Europa Ocidental a partir do contato com os brbaros. 25. (UFRN) O estudo da Histria permite a compreenso da dinmica de permanncia e mudana a que esto submetidas as instituies, as formaes sociais, a cultura material e os modos de pensar das sociedades. Assim sendo: Grcia e Roma, o que que tm a ver com a gente? [...] Nossa sociedade moderna ligase, de muitas maneiras, s civilizaes clssicas e sempre h grande interesse pelos mais variados aspectos da cultura antiga que se fazem manifestar, de forma mais ou menos explcita, aqui ou ali, gerando primeiro a curiosidade e, em seguida, o interesse por saber mais. FUNARI, Pedro Paulo. Grcia e Roma. So Paulo: Contexto, 2002. p. 9-11. A partir das consideraes contidas no fragmento textual acima, mencione e explique trs elementos da cultura greco-romana presentes no cotidiano do mundo contemporneo. 0 CURSINHO DO DCE -UFRN- HISTRIA GERAL MDULO II: IDADE MDIA PROFESSORES: Jlio Csar Ricardo Gomes 1 INTRODUO IDADE MDIA 1) Origem: Decadncia do Imprio romano ocidental. Crise do escravismo: escassez de mo-de-obra Ruralizao da sociedade do ocidente da Europa 2) A Idade Mdia Oriental: Formao do Imprio Bizantino e do Imprio rabe-islmico 3) A Idade Mdia Ocidental: os Reinos Brbaros Germnicos e a Formao do Feudalismo. O IMPRIO BIZANTINO 1) Origem de Bizncio (Constantinopla): Capital do Imprio romano do oriente, estabelecida pelo imperador Teodsio _____________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ 2) O governo de Justiniano (527 565): Apogeu de Bizncio a) Criao de um complexo sistema burocrtico: Justiniano estabeleceu uma burocracia estatal que submetia as provncias a um intenso controle e cobrana de pesados impostos. b) Expanso territorial: Constituio de um vasto imprio reconquista de vrios territrios do antigo Imprio Romano do Ocidente. Contudo, estas conquistas tiveram um carter efmero, devido expanso rabe para o ocidente. c) Criao do Codex Jris Civilis (Cdigo de Justiniano): compilao do Direito romano _________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________ 3) Decadncia do Imprio bizantino: morte de Justiniano, revoltas internas e avano turco-otomano (povos muulmanos). Obs.: _______________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 2 4) Cultura bizantina: a) A influncia grega: havia forte presena da cultura grega no Imprio Bizantino, sendo o grego o idioma oficial em Constantinopla. b) A influncia oriental: as heresias devido influncia das religies orientais em Bizncio, surgiram nesta cidade idias religiosas diferentes das defendidas pela Igreja de Roma. Tais idias eram denominadas pela Igreja Catlica como heresias. A iconoclastia: ____________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ O monofisismo: _________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ c) O cisma do Oriente (1054) e o Cesaropapismo: diviso do cristianismo em duas partes: Igreja Catlica Apostlica Romana, com sede em Roma e chefiada pelo papa; e Igreja Ortodoxa Grega, com sede em Bizncio e chefiada pelo imperador (Csar). CIVILIZAO RABE-ISLMICA 1) Os rabes antes de Maom: organizavam-se em tribos semi-nmades no interior, e eram sedentrios no litoral. Alm disso, eram politestas. 2) Maom e a criao do Islamismo: a) Principais caractersticas do Isl: ______________________________________________________ _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ b) A Hgira (622): Fuga de Maom de Meca para Yatreb, que passou a se chamar Medina (Cidade do Profeta) Marca o incio do calendrio Islmico c) A expanso do Islamismo na Idade Mdia: Causas: Djihad (Guerra Santa) e comrcio. Conseqncias: isolamento da populao europia no interior, reduo drstica do comrcio na Europa ocidental e, conseqentemente, formao do feudalismo. 3 d) Diviso do Islamismo aps a morte de Maom: Sunitas: __________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Xiitas: __________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ e) Contribuies rabes para o mundo ocidental: Filosofia: _____________________________________________________________________ Medicina: _______________________________________________________________________ Literatura: _______________________________________________________________________ Arquitetura: _____________________________________________________________________ Qumica: _______________________________________________________________________ Matemtica: ______________________________________________________________________ f) Os muulmanos no sculo XX: A questo da Palestina (rabes X Judeus): Criao do Estado de Israel em 1948 Guerra de Independncia (1948/1949) A guerra dos Seis Dias (1967) A Guerra de Yom Kippur (1972) A Intifada (Revoluo das pedras): se deu quando os muulmanos palestinos passaram a combater o exrcito israelense, utilizando pedras em grandes manifestaes. O fundamentalismo: faces do islamismo que estabelecem uma relao entre a religio islmica e a luta contra o imperialismo ocidental. O terrorismo: prtica bastante difundida no mundo atual, em que atos de violncia contra potncias ocidentais so utilizados como forma de luta. OS REINOS BRBAROS GERMNICOS 1) As invases brbaras ao Imprio Romano do Ocidente: a) A Presso dos Hunos: o povo huno, liderado por tila e originrio da sia, iniciou uma campanha militar nas fronteiras do Imprio Romano, levando os povos germnicos a adentrarem nos territrios do imprio. b) Os tipos de invases: Sculos II e III: As migraes (invases pacficas) os germnicos eram recrutados pelo imprio para trabalhar na agricultura e para servir ao exrcito romano. Sculos IV e V: Invases blicas neste caso, os germnicos invadiam as cidades e propriedades rurais do imprio, promovendo saques e pilhagens. c) Queda do Imprio Romano Ocidental, em 476 d. C.: transio da Antiguidade para a Idade Mdia. 2) Formao dos Reinos Germnicos: a) Principais reinos: Reino dos Suevos Reino dos Visigodos Reino dos Anglo-saxes Reino dos Vndalos Reino dos Ostrogodos Reino dos Francos 4 b) Principais caractersticas: Aspectos culturais: adoo da religio crist (catolicismo) pelos povos germnicos e predominncia do idioma latino na escrita. Estes aspectos culturais romanos se misturaram religiosidade e ao idioma dos germnicos. Carter efmero: apesar dos germnicos terem constitudo reinos at certo ponto centralizados na Europa, estes reinos tiveram curta durao, com exceo do Reino dos Francos. 3) O Reino Franco: regio da Glia a) A Dinastia Merovngia e os reis indolentes (sculos V VIII): ____________________________ _________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ A importncia de Carlos Martel: _____________________________________________________ _________________________________________________________________________________ b) A Dinastia Carolngia e o apogeu do Reino (sculos VIII IX): o governo de Carlos Magno (768 814) Ampliao territorial: os Francos, comandados por Carlos Magno, submeteram diversos povos germnicos e constituram um grande imprio. Apoio da Igreja Catlica Apostlica Romana: Carlos Magno recebeu do papa Leo III o ttulo de imperador do Novo Imprio Romano do Ocidente. A Igreja pretendia com isso unificar o ocidente sob o comando de um rei cristo. O Renascimento Carolngio (sculo IX): ________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Criao de um vasto sistema administrativo: dividiu o imprio em marcas e condados. Os nobres que administravam estes territrios, os condes e marqueses, eram fiscalizados por inspetores reais (Missi-Dominici). c) Diviso do Reino Franco: O Tratado de Verdum (843) diviso do Reino Franco entre os netos de Carlos Magno, promovendo um processo de descentralizao poltica. 5 d) Decadncia do Reino franco X Formao do Feudalismo: a decadncia do Reino Franco foi marcada pela transferncia do poder central para o poder local, exercido pelos nobres. Portanto, contribuiu para a formao do feudalismo na Europa. 4) As invases dos sculos IX e X: Sul: Muulmanos Leste: Hngaros (Magiares) Norte: Vikings (Escandinavos) Invases X Formao do Feudalismo: a populao europia, em busca de proteo, refugiou-se em grande nmero no campo (xodo urbano), onde passaram a viver sob a proteo e a autoridade dos nobres (senhores). Alm disso, a insegurana provocada pelas invases levou diminuio do comrcio na Europa. O FEUDALISMO 1) Origem do feudalismo: a) Decadncia do Imprio Romano do ocidente e crise do escravismo. b) Decadncia do Reino Franco: transferiu o poder do rei para a nobreza local, contribuindo para o processo de feudalizao na Europa. c) As invases dos muulmanos, magiares e vikings Europa: isolou a populao europia no campo e diminuiu a atividade comercial. d) Elementos romanos e germnicos: A clientela: _______________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ O colonato: ______________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ O precarium: ____________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ O comitatus: _____________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ O beneficium: ____________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________ 6 2) Caractersticas gerais: a) A economia agrcola de subsistncia: ________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ b) Poder poltico fragmentado: descentralizao poltica na prtica, o poder era exercido pelos senhores feudais (nobres). Os reis possuam apenas poder simblico. Obs.: o nico poder considerado acima dos demais era o da Igreja, que tambm possua grandes propriedades de terra. c) A cultura teocntrica: o papel ideolgico da Igreja ___________________________________ _____________________________________________________________________________________ d) Um feudo medieval: Manso Senhorial: terras exclusivas do senhor feudal, que eram trabalhadas pelos servos em alguns dias da semana. Geralmente, eram as melhores terras. Manso Servil: terras cuja produo era destinada aos servos. Porm, sobre esta produo recaa uma srie de impostos e obrigaes. Manso Comunal: terras de uso dos servos e dos senhores. Podiam ser bosques, florestas e pastagens. Obs.: praticamente no havia comrcio inter-regional e a produo do feudo era destinada, principalmente, para o consumo prprio. O excedente era reduzido e acabava sendo monopolizado pelos senhores feudais. Obs.: A rotao de culturas _____________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ e) Vnculos pessoais de obedincia e proteo entre os mais fortes e os mais fracos. 3) A sociedade feudal: a) As ordens sociais (estamentos): _____________________________________________________ _________________________________________________________________________________ Nobres (bellatores ou guerreiros): ___________________________________________________ _________________________________________________________________________________ Clero (oratores ou rezadores): ____________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Servos (laboratores ou trabalhadores): _______________________________________________ ________________________________________________________________________________ Obs.: Os viles no estavam presos terra e no pertenciam a nenhuma das trs ordens. Poderiam ser mercenrios, artistas ou pequenos comerciantes. b) Relaes verticais no feudalismo (senhores x servos): As obrigaes servis: Talha: _____________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ Corvia: ____________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Banalidades: ________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 7 Mo morta: __________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ Tosto de Pedro: ______________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ A situao de um servo medieval: no eram proprietrios das terras em que trabalhavam, eram submetidos a uma srie de obrigaes e estavam presos terra. Alm disso, era o seu trabalho que sustentava a nobreza e o clero. Obs.: os servos eram mal alimentados, suscetveis a vrias doenas e possuam baixa expectativa de vida. c) Relaes horizontais no feudalismo (senhores x senhores) Suserano: era o senhor que doava um benefcio (feudo). Em troca tinha a fidelidade do vassalo. Vassalo: era o nobre que recebia o benefcio, devendo ser fiel ao seu suserano. Geralmente, devia lhe conceder servios (principalmente auxlio militar). Obs.: A homenagem e a investidura ________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Obs.: as relaes de suserania e vassalagem determinavam obrigaes para as duas partes envolvidas. Obs.: os reis, apesar de no possurem amplos poderes, eram considerados grandes suseranos; estando, portanto, suscetveis s obrigaes das relaes horizontais do feudalismo. IGREJA E CULTURA MEDIEVAL 1) Caractersticas da cultura medieval: a) O teocentrismo _______________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ b) O monoplio da Igreja Catlica Apostlica Romana: controlava boa parte da produo intelectual e cultural da Idade Mdia, alm de exercer forte influncia sobre o pensamento das pessoas. 2) Origem do poder da Igreja Catlica: Religio oficial no final do Imprio Romano Ocidental Converso (catequizao) dos povos brbaros (germnicos) Poder temporal: enorme quantidade de bens, principalmente terras, que haviam sido entregues Igreja atravs de doaes. Obs.: A instituio do celibato (1074): ________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ Obs.: O papel ideolgico da Igreja na legitimao da estrutura feudal a Igreja dava legitimidade religiosa para a organizao social do feudalismo, baseada na explorao dos servos. Tal estrutura era apontada como vontade divina. 3) Organizao do clero: a) Clero secular: regulava as relaes entre a Igreja e os fiis. Possua uma hierarquia que ia do proco (padre) ao papa. b) Clero regular: era composto pelos sacerdotes que viviam nos mosteiros (monges), obedecendo a regras de isolamento, orao e trabalho, estabelecidas pelas ordens religiosas. Os monges eram tambm responsveis pela cpia, traduo e conservao dos manuscritos greco-romanos. Exemplos de ordens religiosas: beneditinos, franciscanos, dominicanos, carmelitas e agostinianos. 4) O pensamento da Igreja medieval: a) Santo Agostinho e a patrstica (sc. IV): _____________________________________________ __________________________________________________________________________________ b) Santo Toms de Aquino e a escolstica (sc. XIII): _____________________________________ __________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 5) As universidades medievais: Ligao com a Igreja: a maior parte das universidades europias surgidas a partir do sculo XII eram corporaes controladas pelo clero catlico. 8 Principais universidades da Europa medieval: Salermo, Paris, Cambridge, Montpellier, Salamanca, Npoles, Roma e Coimbra. 6) Cultura e produo artstica na Idade Mdia: Obs.: Influncia do cristianismo grande parte da produo artstica e cultural da Idade mdia tem ligao com a religiosidade, o cristianismo e a Igreja catlica. a) Arquitetura: O estilo Romnico (sc. XI XII): ____________________________________________________ _________________________________________________________________________________ Exemplo: Igreja de So Miguel (Lucca) O estilo Gtico (sc. XII XVI): ______________________________________________________ ________________________________________________________________________________ Exemplo: Catedral de Notre Dame (Paris) b) Msica: A msica sacra: o canto gregoriano A msica popular: Os trovadores e os menestris inspirao em temas romnticos ou em feitos hericos dos cavaleiros 9 c) Literatura: Poesia pica: procurava enaltecer os feitos dos cavaleiros Poesia lrica: exaltava o amor da nobreza Pr-renascimento: Dante Alighieri, em A Divina Comdia Crtica Igreja e sociedade de seu tempo. d) Cultura popular: Obs.: Apesar do predomnio cultural da Igreja Catlica, houve durante a Idade Mdia manifestaes populares que se contrapunham cultura oficial, e que criticavam a sociedade e os costumes. Principais manifestaes e suas caractersticas: Humor (bufes e bobos) Festejos carnavalescos Encenaes teatrais burlescas (cmicas e satricas) Pardias: recriao de textos bblicos, oraes, hinos religiosos e lendas clssicas 7) Decadncia do poder da Igreja: corrupo, crise moral entre os membros do clero e contestao do poder e dos dogmas catlicos a) A Questo das Investiduras (sc. XI XII): confronto entre o papa (Gregrio VII) e o imperador do Sacro Imprio Romano-Germnico (Henrique IV), devido nomeao de bispos pelo monarca. A Concordata de Worms (1122): estabeleceu-se que os bispos deviam obedincia espiritual ao papa, mas tambm deviam jurar fidelidade ao imperador. b) O Cisma do Ocidente (sc. XIV): oposio entre o papa e o rei francs, Felipe IV, levando ao estabelecimento de um segundo papado em Avignon, na Frana. c) As heresias e a Inquisio: As heresias: qualquer viso ou opo religiosa que divergisse dos dogmas (doutrina) estabelecidos pela Igreja Catlica. Geralmente, possuam influncia de antigas crenas orientais, gregas ou germnicas. Exemplos: as heresias dos ctaros (albigenses) e dos valdenses O Tribunal da Inquisio: __________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ A ao do Tribunal da Inquisio: ______________________________________________________ ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ Obs.: A perseguio aos Judeus e cristos-novos principalmente na Espanha e em Portugal, houve grandes perseguies aos judeus e aos cristos-novos (judeus recm convertidos ao catolicismo). Obs.: A bruxaria prticas religiosas e de curandeirismo, geralmente ligadas s antigas crenas germnicas, que eram perseguidas com extrema violncia pela inquisio catlica, sendo taxadas como adorao ao diabo. Obs.: As mulheres e a bruxaria as mulheres eram os principais alvos das acusaes de bruxaria, aparecendo como a maior parte das vtimas da Inquisio, sobretudo, as camponesas, vivas e curandeiras. A DECADNCIA DO FEUDALISMO E A FORMAO DO MUNDO MODERNO 1) O movimento cruzadista: a) Objetivos das Cruzadas: Recuperar a Terra Santa (Jerusalm) Impedir o avano do Imprio Turco Reunificar as Igrejas Romana e Ortodoxa (Bizncio) Escoar o excedente populacional da Europa Expandir o comrcio europeu 10 b) Origem: papa Urbano II, no Conclio de Clermont (1095) prometeu a salvao para quem participasse da reconquista de Jerusalm, alm de afirmar que matar muulmanos no era pecado. Principais cruzadas: 1096 1099: Primeira Cruzada (Cruzada dos Nobres): ________________________________________ ___________________________________________________________________________________ 1189 1192: Terceira Cruzada (Cruzada dos Reis): __________________________________________ ____________________________________________________________________________________ 1202 1204: Quarta Cruzada (Cruzada Comercial): ________________________________________ _____________________________________________________________________________________ c) Consequncias: Empobrecimento dos senhores feudais: se deu por causa dos elevados dos gastos com as campanhas militares. Fortalecimento do poder dos reis: medida que os senhores feudais perdiam o seu poder, os monarcas aumentavam a sua autoridade. Desenvolvimento comercial: reabertura do mar Mediterrneo, possibilitando o comrcio da Europa Ocidental (principalmente as cidades italianas) com o oriente. Ampliao do universo cultural europeu, atravs do contato com povos orientais. 2) O Renascimento comercial e urbano europeu: a) Surgimento das feiras medievais: centros de comrcio inter-regional, onde os comerciantes de vrias regies da Europa vendiam seus produtos. b) Surgimento das Guildas ou Corporaes de Ofcio: associaes de artesos de uma mesma cidade, cujo objetivo era garantir o padro de qualidade e unificar os preos dos produtos. c) Surgimento das Hansas: Associao de comerciantes de vrias cidades, com o objetivo de unificar impostos, pesos e medidas, visando facilitar a atividade comercial. 11 d) O Renascimento urbano: Os burgos: _______________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ As Cartas de Franquia: ________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ 3) A crise do sculo XIV: a) Crescimento demogrfico: incompatibilidade entre o crescimento populacional e o aumento da produo. b) A Guerra dos Cem Anos (1337 1453): Frana X Inglaterra Disputa pela regio de Flandres: importante centro comercial no norte da Frana (atualmente Blgica) com uma significativa produo de l. c) A peste negra: epidemia que dizimou um tero da populao europia. d) As revoltas camponesas: os Jackeries os servos passaram a fugir dos feudos, saqueando castelos, cidades e aldeias, provocando um clima de insegurana em algumas regies da Europa. 4) Formao das monarquias nacionais: centralizao do poder (Portugal, Espanha, Frana e Inglaterra) 12 LISTA DE EXERCCIOS Disciplina: Histria Geral / Contedo: Idade Mdia 1 (Fuvest) Do Grande Cisma sofrido pelo cristianismo no sculo XI, resultou: a) o estabelecimento dos tribunais da Inquisio pela Igreja catlica b) a Reforma protestante, que levou quebra da unidade da Igreja catlica na Europa Ocidental. c) a heresia dos albigenses, condenada pelo papa Inocncio II. d) a diviso da Igreja em catlica romana e ortodoxa grega. e) a Querela das Investiduras, que proibia a investidura de clrigos por leigos. 2 (UFJF-MG) O islamismo, religio fundada por Maom e de grande importncia na Unidade rabe, tem como fundamento: a) o monotesmo, influncia do cristianismo e do judasmo, observado por Maom entre povos que seguiam essas religies. b) o culto dos santos e profetas atravs de imagens e dolos. c) o politesmo, isto , a crena em muitos deuses, dos quais o principal Al. d) o princpio da aceitao dos desgnios de Al em vida e a negao de uma vida ps-morte. e) a concepo do islamismo vinculado exclusivamente aos rabes, no podendo ser professado pelos povos inferiores. 3 (UFRN) No ano de 786, Carlos Magno afirmou: A nossa funo , segundo o auxlio da divina piedade, (...) defender com as armas e em todas as partes a Santa Igreja de Cristo dos ataques dos pagos e da devastao dos infiis. PINSKY, Jaime (Org.). O modo de produo feudal. 2. ed. So Paulo: Global, 1982. p. 101. O fragmento acima expressa a orientao poltica do Imprio Carolngio no governo de Carlos Magno. O objetivo dessa poltica pode ser definido como um (a) A) esforo para estabelecer uma aliana entre os carolngios e a Igreja bizantina para fazer frente ao crescente poderio papal. B) inteno de anexar a Pennsula Ibrica aos domnios do papado, com a finalidade de impedir o avano rabe. C) desejo de subordinar os domnios bizantinos dinastia carolngia, no intuito de implantar uma teocracia centralizada no Imperador. D) tentativa de restaurar o Imprio Romano, com vistas a promover a unio da cristandade da Europa Ocidental. 4 (UFSM RS) A respeito do feudalismo na Europa medieval, pode-se afirmar: A) o trabalho era fundado na servido, o que mantinha os trabalhadores presos terra e subordinados a uma srie de obrigaes como impostos e servios. B) utilizao da tecnologia mais avanada no sculo V at o VII, como o uso do arado e a rotao de culturas, permitiu uma produo agrcola em larga escala, comercializada entre os reinos. C) o cultivo da terra, a qual era propriedade dos servos, atendia ao consumo local; reas restritas eram exploradas em benefcio dos senhores feudais. D) a sociedade feudal era dividida em dois grupos, senhores e servos, que repartiam a terra, de forma que cada grupo ficasse com a parte que conseguia explorar. E) o capital comercial acumulado com a produo agrcola permitiu que os estados nacionais europeus se lanassem s grandes navegaes no sculo XIII. 5 (UFRN) O feudalismo substituiu o escravismo antigo e estabeleceu novas relaes de trabalho, baseadas na explorao da mo-de-obra servil. Nessa condio, os servos A) seriam tratados como mercadorias e vendidos nas feiras realizadas nos burgos, quando aprisionados nas guerras feudais. B) eram trabalhadores que deviam obedincia e obrigaes ao seu senhor e estavam ligados terra em que viviam, no podendo ser vendidos. C) eram considerados propriedade dos senhores feudais e poderiam ser trocados ou vendidos nos mercados locais. D) seriam transformados em trabalhadores assalariados caso no pagassem regularmente os tributos devidos ao senhor. 6 (PUC SP) Dentre as caractersticas do feudalismo pode-se destacar: 1 A) intensa mobilidade social, economia agrria e Estado centralizado. B) sociedade estamental, economia urbana e mentalidade fortemente religiosa. C) cultura clericalizada, economia auto-suficiente e estado monrquico forte. D) economia monetarizada, laos de vassalagem e explorao burguesa da terra. E) regime de trabalho servil, fragmentao poltica e economia agrria. 7 (UFRN) A catedral de Chartres, reproduzida na figura abaixo, representativa da arquitetura gtica, que predominou na Baixa Idade Mdia. Esse estilo arquitetnico est ligado s circunstncias histricas e s concepes religiosas do final da Idade Mdia. Nesse sentido, o estilo gtico relaciona-se A) prosperidade da economia urbana e s aspiraes espirituais orientadas para Deus e os cus. B) estabilidade da economia rural e ao culto domstico, que era presidido pelo chefe da famlia. C) ao desenvolvimento das comunidades de monges e celebraes coletivas, com nfase no modo de vida simples. D) ao progresso da agricultura feudal e religiosidade individualista, que estimulava a prtica da solido. 8 Leia com ateno a definio abaixo: Capitalismo: sistema econmico e social predominante na maioria dos pases industrializados ou em industrializao. Neles, a economia baseia-se na separao entre trabalhadores juridicamente livres, que dispem apenas da fora de trabalho e a vendem em troca de salrio, e capitalistas, os quais so proprietrios dos meios de produo e contratam os trabalhadores para produzir mercadorias (bens dirigidos para o mercado) visando obteno de lucro. SANDRONI, Paulo (Org. e sup.). Dicionrio de economia. So Paulo: Crculo do Livro, 1992. p. 40. Considerando as caractersticas apresentadas acima, o modelo socioeconmico do feudalismo europeu na Idade Mdia se diferencia do modelo capitalista, pois, entre outros elementos, A) as demandas do comrcio internacional por produtos agrcolas possibilitaram aos camponeses grandes lucros com a venda de excedentes da produo. B) as revoltas camponesas do sculo XV aboliram as taxaes feudais e favoreceram a adoo do sistema de colonato no regime feudal. C) a maioria da mo de obra era empregada no campo, dedicando-se a uma produo de subsistncia e ligando-se por laos servis classe aristocrtica. D) a burguesia urbana enriquecida comprava ttulos de nobreza e agravava a explorao da classe camponesa, submetida servido. 9 (UFRN adapatada) O fragmento textual a seguir aborda elementos essenciais do feudalismo medieval. O feudalismo foi constitudo pela articulao entre dois eixos de relaes: as relaes feudo-vasslicas e as relaes servis de produo. As relaes feudovasslicas estabeleciam-se entre membros da aristocracia militar e territorial e baseavam-se no feudo, na fidelidade e na reciprocidade. As relaes servis de produo estabeleciam-se entre o senhor da terra e o trabalhador e estavam baseadas na desigualdade de condies e na explorao do trabalho. PEDRO, Antonio; LIMA, Liznias de Souza; CARVALHO, Yvone de. Histria do mundo ocidental: ensino mdio. So Paulo: FTD, 2005. p. 97. A partir da anlise do fragmento textual, sobre a sociedade medieval na Europa Ocidental correto afirmar: 2 A) A reciprocidade tpica das relaes entre suseranos e vassalos tambm estava presente nas relaes servis de produo, devido s desigualdades sociais existentes entre nobres e servos. B) As relaes de produo predominantes no mundo feudal estavam assentadas na explorao do trabalho dos viles, que viviam nas comunas, base poltica e econmica de suseranos e vassalos. C) As relaes servis de produo adquiriram importncia e serviram de sustentculo para a manuteno da aristocracia feudal, no interior da qual se estabeleceram relaes de suserania e de vassalagem. D) O desenvolvimento das relaes servis de produo, graas a sua alta produtividade no final do perodo medieval, reforou, ainda mais, os vnculos entre suseranos e vassalos em toda a Europa. 10 (UFRN) Durante a Idade Mdia, a Igreja influenciou profundamente o pensamento da Europa Ocidental. Nesse sentido, MOTA e BRAICK analisam: O clero sempre procurou transformar os temores do mundo em receios da vida eterna. O peso da violncia, o medo do sexo e da morte, eis alguns ingredientes do perodo capazes de criar nos indivduos uma culpa surda e servir de obstculo felicidade dos homens. O medo do inferno se revelava mais forte que a crena na salvao: afinal, os diabos so seres terrveis, sempre espreita. Contra eles a Igreja apresentou protetores capazes de neutralizar os projetos dos demnios e ao mesmo tempo de ajudar as pessoas no seu dia-a-dia. Adaptado de: MOTA, Myriam Becho; BRAICK, Patrcia Ramos. Histria: das cavernas ao terceiro milnio. So Paulo: Moderna, 1997. p. 69. A leitura do fragmento nos conduz a afirmar que na Idade Mdia A) os homens e as mulheres, em sua grande maioria, eram contrrios noo de felicidade imposta pela liderana da Igreja, mas a aceitavam com medo das punies. B) a igreja catlica pregava que para atingir a vida eterna era necessrio trabalhar arduamente e acumular riqueza, sinal da bno divina. C) o clero pretendia unificar todas as religies, enfraquecendo o poder do demnio e ajudando as pessoas a conquistarem a salvao eterna. D) a Igreja concebeu a existncia de santos e anjos para frustrar os projetos do diabo, tais como a doena, a esterilidade da terra e dos rebanhos e as catstrofes naturais. 11 (UFRN) O trecho abaixo, escrito pelo historiador Jacques Le Goff, trata do movimento encabeado por Francisco de Assis, na primeira metade do sculo XIII. A intransigente vontade de praticar um Evangelho integral [...], o desejo de fazer reinar entre os Menores uma igualdade quase absoluta [...] a paixo da misria levada at manifestao exterior do nudismo que Francisco e seus irmos praticaram semelhana dos adamitas, o lugar dado aos leigos, tudo isso parecia perigoso, quase suspeito, cria romana. LE GOFF, Jacques. So Francisco de Assis. Rio de Janeiro: Record, 2001. p. 111. A respeito da relao desse movimento com a Igreja Catlica, correto afirmar que o franciscanismo A) realizava a livre interpretao da Bblia, recusando a doutrina professada pela Igreja Catlica. B) pregava o retorno aos ideais propagados por Cristo, reagindo s ambies de riqueza e poder da Igreja Catlica. C) apoiava as seitas herticas, contestando a autoridade do papa como lder da Igreja Catlica. D) condenava a hierarquia eclesistica, pregando a igualdade entre os fiis e os clrigos da Igreja Catlica. 12 (UFRN) Nas regras que orientavam a vida dos monges, So Bento (480-543), fundador do monasticismo ocidental, prescrevia: Ora et labora ora e trabalha. O cio o inimigo da alma. Assim os irmos devem estar ocupados, em tempos determinados, no trabalho manual, e em horas determinadas tambm leitura divina. [...] Aos irmos doentes e de sade frgil dar-se- um servio ou um trabalho apropriado, de maneira que no fiquem ociosos. FRHLICH, Roland. Curso bsico de histria da Igreja. So Paulo: Paulinas, 1987. p. 46. 3 Comparando-se as percepes sobre o trabalho expressas no documento acima com aquelas que eram dominantes na Grcia Antiga, correto afirmar: A) as concepes da regra beneditina favoreciam a ociosidade e a guerra na sociedade crist, diferentemente dos ideais gregos, que incentivavam o trabalho em todas as classes sociais. B) os ideais da vida monstica valorizavam o trabalho e enalteciam sua importncia para a salvao eterna, diferentemente da concepo grega, que via o trabalho como atividade prpria de seres inferiores. C) os princpios da regra beneditina reafirmaram os conceitos sobre o trabalho que tinham sido defendidos na Grcia Clssica, reservando aos monges apenas o servio divino. D) as orientaes dos monges beneditinos perpetuaram o regime escravocrata grego, durante a Idade Mdia, no Ocidente, uma vez que os religiosos deveriam dedicar-se apenas s oraes. 13 (UFRN) O lingista russo Mikhail Bakhtin (1895- 1975) analisou concepes e prticas culturais vigentes na Idade Mdia. Em uma de suas anlises, ele afirmou: O riso era condenado pelo cristianismo oficial da Idade Mdia. O tom srio caracterizava a cultura medieval oficial, sendo a nica forma de expressar a verdade, o bem e tudo o que era importante. Apud: COTRIM, Gilberto. Histria global: Brasil e geral. So Paulo: Saraiva, 2005. p. 153. As reflexes de M. Bakhtin foram incorporadas pela pesquisa histrica contempornea que trata do quadro cultural da Idade Mdia. O panorama da Idade Mdia delineado por essas pesquisas revela que A) uma cultura popular, impregnada de humor, tambm se manifestava por meio dos festejos carnavalescos, das encenaes cmicas e satricas e dos gracejos dos bufes e dos bobos. B) a influncia da Igreja Catlica conseguiu homogeneizar a cultura do Ocidente medieval, moldando-a segundo seus valores e extinguindo as criaes humorsticas, consideradas profanas. C) uma srie de elementos culturais trazidos pelos novos invasores (normandos e magiares) alteraram significativamente o modelo cultural predominante na Europa ocidental. D) a cultura universitria, tambm pregando a austeridade e consagrando a diviso social dominante, foi o mais eficiente sustentculo dos modelos defendidos pela Igreja e pelos senhores feudais. 14 (UFRN) Em 1095, um cronista, testemunha dos eventos do Conclio de Clermont, registrou o seguinte pronunciamento do papa Urbano II: Considerando as exigncias do tempo presente, eu, Urbano, tendo, pela misericrdia de Deus, a tiara pontifical, pontfice de toda a Terra, venho at vs, servidores de Deus, como mensageiro para desvendar-vos o mandato divino [...] urgente levar com diligncia aos nossos irmos do Oriente a ajuda prometida e to necessria no momento presente. Foucher de Chartres. Apud PEDRERO-SNCHEZ, Maria Guadalupe. Histria da Idade Mdia: textos e testemunhas. So Paulo: Ed. UNESP, 2000. p. 83. Essa declarao papal favoreceu A) a aproximao entre cristos latinos e gregos, que ficaram, depois das Cruzadas, sob o comando do papado romano. B) um projeto de unio da Cristandade contra os infiis, detentores dos Lugares Santos, que h sculos estavam sob o domnio muulmano. C) a desorganizao da economia mercantil italiana, uma vez que as relaes comerciais com o Oriente foram prejudicadas em razo do conflito com os infiis. D) um enriquecimento da cultura muulmana, que, por meio dos cruzados, recebeu a rica herana da cincia e da filosofia greco-romana. 15 (UFRN) As muralhas construdas em torno das cidades medievais deram-lhes feio fsica semelhante dos castelos fortificados dos senhores feudais. No entanto, a organizao dessas cidades era distinta das estruturas feudais, pelo fato de, no espao urbano, A) estruturar-se uma vida econmica com base nas atividades comerciais e industriais. B) desenvolver-se uma agricultura voltada produo de excedentes comerciais. C) manter-se o trabalho das oficinas urbanas com a utilizao da mo-de-obra servil. D) cobrarem-se altos tributos dos servos da gleba, em benefcio da burguesia urbana. 4 16 (Cescem-SP) As corporaes de ofcio eram organizadas com o objetivo de: a) defender os interesses dos artesos diante dos patres. b) proporcionar formao profissional aos jovens fidalgos. c) aplicar os princpios religiosos s atividades cotidianas. d) combater os senhores feudais. e) proteger os ofcios contra a concorrncia e controlar a produo. 17 (FUVEST SP) A estrutura bsica da sociedade feudal exprimia uma distribuio de privilgios e obrigaes. Caracterize as trs ordens, isto , camadas sociais que compunham esta sociedade. 18 (UNESP SP) A fome um dos castigos do pecado original. O homem fora criado para viver sem trabalhar se assim o quisesse. Mas, depois da queda, no podia resgatar-se seno pelo trabalho... Deus imps-lhe, assim, a fome para que ele trabalhasse sob o imprio dessa necessidade e pudesse, por esse meio, voltar s coisas eternas. (Trecho do Elucidarium. Citado no livro A civilizao do ocidente medieval) A) Como o texto, escrito durante a Idade Mdia, justifica a fome? B) Como era organizado o trabalho na propriedade feudal? 19 (UFRN 2009) Os documentos a seguir se referem ao mundo muulmano na Idade Mdia. DOCUMENTO I (Trecho do Coro) crentes! Ponde-vos em guarda! Lanai-vos contra os nossos inimigos em grupos ou em bloco. [...] Combatei na senda de Allah contra os que compram a vida mundana com a ltima! queles que combatem na senda de Allah, quer estejam mortos, quer estejam vitoriosos, conceder-se- uma enorme recompensa. [...] Os que acreditam, combatem na senda de Allah. Os que no acreditam combatem na senda de Tagut: combatei os inimigos do demnio [...]. Apud: PEDRERO-SNCHEZ, Maria Guadalupe. Idade Mdia: textos e testemunhas. So Paulo: Unesp, 2000. p. 60-61. DOCUMENTO II (Mapa dos domnios muulmanos no sculo VIII) ARRUDA, Jos Jobson de A.; PILETTI, Nelson. Toda a histria. So Paulo: tica, 1996. p. XI. 1 Considerando os documentos apresentados, A) explique de que modo as idias contidas no fragmento textual influenciaram na definio dos territrios representados no mapa; B) cite uma conseqncia de natureza econmica, decorrente da expanso islmica; C) cite uma conseqncia de natureza cultural, tambm ligada a essa expanso. 20 (UFRN 2008) Os mapas abaixo representam a Europa Ocidental em dois momentos distintos: no final da Antigidade (Mapa 1) e no incio da Idade Mdia (Mapa 2). Mapa 1 Mapa 2 ARRUDA, Jos Jobson de A.; PILETTI, Nelson. Toda a histria. So Paulo: tica, 1996. p. XI. MOTA, Myriam Becho; BRAICK, Patrcia Ramos. Histria: das cavernas ao terceiro milnio. So Paulo: Moderna, 2002. p. 85. 2 Com base nas informaes contidas nesses dois mapas, A) analise cada uma das organizaes polticas da Europa Ocidental representadas, destacando as diferenas existentes entre elas; B) analise duas causas das mudanas ocorridas na configurao espacial do territrio representado nos mapas.

Recommended

View more >