Histria da Emigrao Portuguesa-dossier para uma espcie de recanto da histria, uma nota de rodap ... A emigrao de Portugal continental dirigia-se sobretudo para o Brasil. O

Download Histria da Emigrao Portuguesa-dossier   para uma espcie de recanto da histria, uma nota de rodap ... A emigrao de Portugal continental dirigia-se sobretudo para o Brasil. O

Post on 27-Feb-2018

213 views

Category:

Documents

1 download

TRANSCRIPT

EI-LOS QUE PARTEM A Histria da Emigrao Portuguesa Uma srie documental que nos obriga a reflectir sobre a nossa identidade e o nosso lugar no mundo Em 1978, Vitorino Magalhes Godinho considerou a emigrao uma constante estrutural da demografia portuguesa, cujo volume de sadas ter atingido nveis sem precedentes entre meados do sculo XIX e a dcada de 70 do sculo XX. Mesmo nos ltimos trs decnios, o fluxo emigratrio portugus no parou corresponder a um nmero inferior de sadas (entre 20 000 e 27 000 indivduos por ano, nos incios do sculo XXI), assumir um carcter mais temporrio, ser caracterizado por uma maior diversidade e at descobriu novos destinos (e.g. Gr-Bretanha). E depois, mesmo que o fluxo emigratrio se tenha atenuado, subsiste a condio diasprica dos portugueses mais de 4,5 milhes de nacionais e luso-descendentes espalhados por uma mirade de pases dos cinco continentes (equivalentes a cerca de 40% dos residentes em territrio nacional!) -, avivada continuamente pelas remessas que continuam a chegar (ainda hoje, cerca de 2% do Produto Interno Bruto), pelas comunicaes constantes (telefnicas, televisivas, postais), pelas visitas que animam e transformam tantos lugares do interior de Portugal continental e das regies autnomas Se verdade que Portugal se transformou, no incio dos anos 90, num pas de imigrao, uma vez que os fluxos de entrada de estrangeiros passaram a suplantar as sadas de portugueses para o exterior, no menos verdade que o pequeno Estado Ibrico continua a ser um pas de emigrantes. que os 4,5 milhes de compatriotas (ou descendentes destes) a residir no estrangeiro, so mesmo muita gente, e gente das nossas famlias afinal, os nossos tios da Amrica, primos da Frana ou amigos da Inglaterra! Afinal, se no perodo contemporneo a emigrao assume um carcter bem menos estrutural na demografia portuguesa, ela continua a marcar o nosso imaginrio colectivo e a nossa sociedade. Infelizmente, o discurso acadmico, jornalstico e sobretudo poltico do ltimo decnio, tem remetido, progressivamente, a emigrao e os emigrantes portugueses, para uma espcie de recanto da histria, uma nota de rodap colocada nas notcias de Vero dos jornais e telejornais nacionais, onde a imigrao e as comunidades imigrantes instaladas em Portugal assumem uma visibilidade muitssimo maior. este apagamento da emigrao que a iniciativa da RTP EI-LOS QUE PARTEM A Histria da Emigrao Portuguesa, em boa hora vem contrariar. Esta srie de cinco documentrios explora os traos fundamentais que caracterizam os trs ciclos da emigrao portuguesa. Os trs primeiros programas, realizados por Jacinto Godinho, incidem sobre o ciclo transocenico, que se prolonga de meados do sculo XIX at aos anos 30 do sculo XX. O Brasil e os Estados Unidos, destinos dominantes destes emigrantes, funcionam como os espaos de referncia, sendo retratado o carcter definitivo desta emigrao, as experincias pioneiras no Oeste americano e nos cafezais brasileiros, assim como o estabelecimento de colnias e a criao, por parte dos prprios emigrantes, de uma rede de estruturas de apoio social (associaes, bibliotecas, hospitais), sobretudo ntida no Brasil. Para estes programas foi efectuada uma investigao documental profunda, que inclui imagens e informaes escritas inditas, que acrescentam informaes novas histria j conhecida. Fernanda Bizarro realizou o quarto documentrio que nos posiciona no contexto do ciclo Europeu (finais dos anos 50-1973/74), perodo em que mais de um milho e meio de portugueses abandonaram o pas. A Frana, destino claramente dominante, funciona como referncia espacial e a histria do episdio transporta-nos do Portugal da ditadura, politicamente fechado e marcadamente rural, onde a transio para uma economia moderna no conseguia criar um nmero suficiente de novos empregos, para o destino francs, onde a plena expanso econmica implicava o recrutamento de trabalhadores para funes pouco qualificadas na indstria transformadora, na construo civil ou no emprego domstico. As experincias da emigrao clandestina, o funcionamento das redes de recrutamento baseadas em conterrneos, as dificuldades residenciais e a mobilidade social das mulheres emigrantes so retratados neste documentrio, que ainda nos leva a dimenses mais recentes, como a manuteno dos laos com Portugal, designadamente ao nvel local. Tratando do perodo da emigrao que mais marca o imaginrio colectivo das geraes ainda vivas, este programa fornece um olhar novo e diferente sobre uma realidade incontornvel da histria portuguesa das dcadas de 60 e 70 do sculo XX. O ltimo programa da srie, realizado por Paulo Costa, trata dos destinos que se afirmaram na sequncia da emigrao para Frana. De certo modo, pode ser classificado como um programa de transio, uma vez que mostra como o destino francs permitiu derivaes para outros pases, que se foram mantendo como destinos relevantes no 3 ciclo contemporneo da emigrao portuguesa (ps-incios dos anos 80 do sculo XX). Neste caso, o Luxemburgo a referncia, sobretudo pela visibilidade e pelo significado da populao portuguesa no Gr-ducado (mais de 15% dos residentes). Abordam-se questes como o empresarialismo dos emigrantes portugueses, o significado da 2 gerao e as suas ligaes a Portugal, o carcter temporrio dos movimentos mais recentes ou a manuteno dos referenciais identitrios que passam pela religio catlica, o futebol, o folclore e a msica. Ao abordar uma realidade que estabelece a continuidade entre o passado recente (do pas de emigrao propriamente dito) e o presente (do pas de imigrantes com milhes de emigrantes e descendentes), este programa apresenta a fora do documentrio-vivo e abre a porta para o quadro econmico e social da emigrao portuguesa dos dias de hoje. Jorge Macasta Malheiros Consultor Cientfico EI-LOS QUE PARTEM a Histria da Emigrao Portuguesa SINOPSES DE EPISDIOS Os trs primeiros episdios da Histria da Emigrao abordam o ciclo transatlntico. Entre 1820 e 1930 a Amrica foi a terra do sonho e das oportunidades para milhes de europeus. Na Europa a revoluo industrial e a mecanizao dos campos produzia desemprego e fome. Na Amrica o fim da escravatura abriu milhes de postos de trabalho. Durante todo o sculo XIX e primeira metade do sculo XX um milho e meio de portugueses abandonou o pas em busca de trabalho nos Estados Unidos e no Brasil. Foi a primeira grande vaga da emigrao portuguesa. 1 Episdio Primeiros emigrantes. O primeiro episdio investigou as razes da emigrao para a Amrica. New Bedford na Nova Inglaterra foi a primeira capital portuguesa dos EUA tornando-se num destino prioritrio para emigrantes aorianos e madeirenses. Quais os motivos que levaram os emigrantes a reunirem-se naquela pequena cidade porturia? A rota dos grandes veleiros normalmente apontada como a responsvel pela ida dos primeiros emigrantes aorianos para os EUA. Mas a investigao do programa foi mais longe descobrindo que a emigrao dos ilhus est ligada a uma outra dispora a dos judeus portugueses. Aaron Lopez fugiu de Portugal em 1752. Tornou-se num dos principais comerciantes americanos. Foi Lopez quem desenvolveu o negcio das velas feitas com leo de baleia possibilitando que New Bedford se tornasse no porto baleeiro mais importante do mundo. A sua enorme frota de veleiros cruzava o Atlntico tripulado por muitos aorianos contratados nas ilhas. A emigrao de Portugal continental dirigia-se sobretudo para o Brasil. O comrcio do Rio de Janeiro e de outras cidades brasileiras foi, durante anos, dominado por portugueses. O monoplio era alimentado pela chamada rota dos caixeiros. Os caixeiros eram mo-de-obra de confiana educada no norte de Portugal, Porto e Alto Minho. As famlias nortenhas preparavam os filhos para trabalharem no Brasil. Enviavam-nos ainda crianas, com 13, 14 anos para se empregarem como caixeiros por conta de familiares. Trabalhavam dia e noite amealhando para se tornarem mais tarde proprietrios das lojas. Esta a histria desconhecida de muitos portugueses clebres como o Conde de Ferreira, o Baro de Nova Cintra, Ferreira de Castro, autor do livro A selva, entre outros. A partir de 1850, com o fim do trfico de escravos inicia-se um outro perodo, mais negro, da emigrao portuguesa para o Brasil conhecido como escravatura branca. Os fazendeiros brasileiros das exploraes de caf para compensar a falta de mo-de-obra financiaram redes de clandestinidade para atrair mo-de-obra europeia. Emigrantes que depois, nas fazendas, eram explorados como se fossem escravos. Autor: Jacinto Godinho Imagem: Carlos Aranha Edio: Paulo Marcelino Produo: Eduardo Ricou Pesquisa e documentao Lusa Vaz Sonoplastia Antnio Garcia Genrico Nicolau Tudela Grafismo Jlio Castanheira e Vtor Martins Locuo Jos Neto 2 Episdio Fortunas Americanas No segundo episdio analisam-se as fortunas dos Brasileiros de Torna Viagem. Aqueles que enriqueciam com a emigrao gostavam de ostentar o sucesso construindo casas apalaadas ou mesmo palacetes extravagantes. O impacto das fortunas brasileiras na economia do pas ainda hoje gera alguma polmica. Uns consideram que apesar de fraca a industrializao do pas s foi possvel com os dinheiros da emigrao. Outros sustentam que a remessa do emigrante, ansiosamente aguardada, alimentou no pas uma cultura da subsidiodependncia e de conformismo. O segundo episdio evoca tambm uma das mais extraordinrias epopeias portuguesas: a emigrao para o oeste americano. Por volta de 1850 muitos portugueses participaram na clebre corrida ao ouro. Fundaram colnias na Califrnia e contriburam para a ocupao do territrio ndio. Entre outros apresenta-se o caso de Manuel Brasil o aoriano que ajudou o xerife Pat Garret a prender o clebre pistoleiro Billy the Kid. A partir de 1878 Portugal negociou com o Imperador do Havai o envio de mo-de-obra para as plantaes de acar daquelas ilhas do Pacifico. Foram as ltimas aventuras dos picos veleiros que cruzaram o Atlntico durante o sculo XIX. As viagens demoravam quase quatro meses e os emigrantes percorriam metade do globo para chegar ao local de trabalho. A comunidade portuguesa do Havai chegou a ter 20 mil emigrantes. Autor: Jacinto Godinho Imagem: Carlos Aranha Edio: Paulo Marcelino Produo: Eduardo Ricou Pesquisa e documentao Lusa Vaz Sonoplastia Antnio Garcia Genrico Nicolau Tudela Grafismo Jlio Castanheira e Vtor Martins Locuo Jos Neto 3 Episdio - Sonho e Desespero A partir de 1880 com o fim escravatura e o incio da Repblica no Brasil inicia-se um novo ciclo na emigrao portuguesa. A perturbao poltica no Brasil fez cair as remessas de emigrantes o que contribuiu para agravar a crise econmica em Portugal. Entre os portugueses cresce o desejo de emigrar. No Brasil o Governo incentiva a emigrao espontnea, pagando viagens e oferecendo contratos. O caf est em franco desenvolvimento. Nos mares reina agora o barco a vapor. As viagens que demoravam 40 dias nos veleiros passam a demorar apenas 10, 12 dias nos transatlnticos. A Amrica pede trabalhadores e a Europa tem milhes de pobres para enviar. o incio da emigrao de massas. Entre 1890 e 1920 um milho de portugueses sai do Pas. Na poca este nmero representava um quinto da populao. No Brasil dirigiam-se para as fazendas de caf mas tambm para as cidades. No limite desenrascavam-se com negcios de rua para sobreviver. Tornaram-se alvo das anedotas dos brasileiros. Na Amaznia surgiram as fortunas da borracha. Ferreira de Castro emigrou aos 12 anos. A sua biografia e os seus livros como A Selva e Os Emigrantes so o melhor testemunho desses anos de sonho e desespero para os emigrantes portugueses. Nos EUA os negcios ligados com pesca baleia faliram depois da descoberta do petrleo. As cidades da Nova Inglaterra substituram a baleia pelos txteis. As comunidades portuguesas de New Bedford e Fall River atraam agora emigrantes para fbricas. Nos anos 20 os americanos estabeleceram cotas o que fez diminuir a emigrao portuguesa. O problema agravou-se em 1929 com a quebra bolsista de Wall Street. A chamada Grande Depresso que fez falir muitas fbricas na Nova Inglaterra. Muitos emigrantes regressaram aos Aores e outros arranjaram emprego perto de New York em Newark onde fundaram uma das maiores comunidades de portugueses nos Estados Unidos. A crise econmica americana afectou tambm as exportaes brasileiras de caf. A emigrao portuguesa para o Brasil entra numa fase de declnio. Por volta de 1955, quando comea o salto dos emigrantes em direco a Frana praticamente j ningum emigra para o Brasil. O sonho dos portugueses numa vida melhor passou a estar do outro lado da fronteira terrestre. Autor: Jacinto Godinho Imagem: Carlos Aranha Edio: Paulo Marcelino Produo: Eduardo Ricou Pesquisa e documentao Lusa Vaz Sonoplastia Antnio Garcia Genrico Nicolau Tudela Grafismo Jlio Castanheira e Vtor Martins Locuo Jos Neto 4 Episdio - A Sangria da Ptria A Sangria da Ptria a histria dos emigrantes portugueses que nos anos 60 abandonam os campos e partem para a Europa. A seguir II Guerra Mundial a reconstruo Europeia faz-se com base em polticas de recrutamento activo de trabalhadores do Sul da Europa e as portas abrem-se emigrao. O atraso secular de Portugal, os entraves modernizao da agricultura, o incio da guerra colonial e o endurecimento poltico do regime, empurram para fora do pas os camponeses, sem perspectivas e cansados de uma vida de misria. Em apenas 10 anos mais de um milho e meio de pessoas sai de Portugal. Dessas, perto de um milho vai para a Frana. A salto, clandestinamente, atravessam a Espanha e os Pirinus e instalam-se aos milhares nos bairros de lata volta da cintura de Paris, na chamada Ile de France. O programa retrata a situao social, poltica e econmica da poca e traa o percurso at aos dias de hoje desses homens e mulheres a que o jornal francs Le Monde chamou les soutiers de lEurope (os homens do poro da Europa) e que em pouco tempo ascendem a um nvel social e econmico inesperado. A RTP ouviu os protagonistas da Histria e tambm historiadores e investigadores que estudaram aquela a que o Prof. Eduardo Loureno chama a verdadeira Epopeia dos Portugueses. Alm do prprio Eduardo Loureno, A Sangria da Ptria inclui depoimentos de Irene Pimentel, que tem investigado os Arquivos de Salazar, Victor Pereira com uma tese de doutoramento sobre a emigrao no Estado Novo, Albano Cordeiro, Coordenador do Departamento de Sociologia da Imigrao na Sorbonne, Marie-Christine Volovitch-Tavares historiadora e Coordenadora da seco portuguesa do Museu da Imigrao que abrir em breve as suas portas em Paris e ainda Juliette Minces, autora de vrias obras sobre a imigrao portuguesa em Frana e o trabalho. Uma histria praticamente desconhecida, nunca contada at hoje na televiso Portuguesa, com imagens nunca vistas do maior bairro de lata da Europa, por onde passaram pelo menos quinze mil portugueses. O testemunho vivo de um tempo para que nunca se possa apagar a memria de um povo. Autor: Fernanda Bizarro Imagem: Pedro Escoto Edio: Paulo Alexandre Produo: Eduardo Ricou Pesquisa e documentao Lila Lacerda e Lusa Vaz Sonoplastia Lus Mateus Genrico Nicolau Tudela Grafismo Jlio Castanheira e Vtor Martins Locuo Jos Neto 5 Episdio - A emigrao portuguesa para o Luxemburgo um dos mais ignorados destinos da emigrao lusa. E, no entanto, em nenhum outro pas europeu os portugueses se concentraram em tais propores. H mesmo uma localidade Larochette - onde superam a populao Luxemburguesa. De acordo com os dados oficiais, os emigrantes so j cerca de setenta mil (14 % da populao) num dos menores pases da Unio Europeia (sessenta quilmetros de largura por oitenta de extenso). So jovens (idade mdia de 29 anos) e tm grande presena no mercado de trabalho (77% de activos). "Os portugueses so tantos aqui que se ns formos na rua e chamarmos " Z" h logo cinco cabeas que se voltam para trs..." - exemplifica Lus Barreira, o director da muito lusitana "Rdio Latina". Os portugueses comearam a chegar em fora ao Luxemburgo no final dos anos sessenta. Vinham quase todos "a salto", via Frana, fugidos misria. "Foi a grande vaga", diz Mili Tasch, que se lembra das "filas interminveis" de homens procura de um passaporte frente ao consulado de Portugal, onde era secretria. a poca "negra" da histria da emigrao. Logo surge a xenofobia numa sociedade muito conservadora. "Accs interdit aux portugais et espagnols" diz por exemplo um aviso num caf, reproduzido a 11 de Setembro de 1971 na primeira pgina do "Rpublicain Lorrain". H confrontos porta dos "foyers" e at manifestaes hostis. Os portugueses tornam-se entretanto nos pedreiros e nas mulheres-a-dias de quase todo o Luxemburgo. Sero mesmo os seus "novos negros", na perspectiva do gegrafo Jorge Arroteia. Formam ainda hoje grande parte da mo-de-obra empregue na construo civil. E, noite, nos corredores dos bancos e pelas escadas do gro-ducado, tambm se fala a lngua de Cames: 60 % das empregadas de limpeza so de nacionalidade portuguesa... Mas os antigos trabalhadores braais sem eira nem beira foram melhorando a sua situao e diversos conseguiram estabelecer-se. Hoje h mil e oitocentos empresrios e algumas grandes fortunas. a histria destes ignorados heris da emigrao contempornea portuguesa que se pretende contar neste documentrio. So em geral pessoas humildes, os descamisados europeus dos anos sessenta e setenta. Tiveram de abandonar o torro natal, mas deixaram a sua marca no Luxemburgo. A pequena aldeia transmontana do Fiolhoso um bom exemplo doutras consequncias a longo prazo da emigrao. O Fiolhoso pode ser considerada a aldeia mais luxemburguesa de Portugal: a maior parte dos filhos da terra esto l emigrados. A aldeia desenvolveu-se muito, tem at um lar de terceira idade modelar (que foi financiado pelo Gro-Ducado). Tem cada vez menos jovens. Como alerta, o gegrafo Jorge Freire Coimbra, ele prprio filho de emigrantes e a viver no Luxemburgo, a segunda gerao j s vem para as festas e para as frias. As aldeias dos seus ancestrais ainda os atraem, mas "habituaram-se modernidade..." Os portugueses continuam entretanto a afluir em grande nmero ao Luxemburgo. Foram cerca de oito mil, s no ano passado... Autor: Paulo Costa Imagem: Carlos Aranha, Albano Esprito Santo e Pedro Escoto Edio: Paulo Alexandre Produo: Eduardo Ricou e Brigitte Kerger Pesquisa e documentao Lusa Vaz Sonoplastia Lus Mateus Genrico Nicolau Tudela Grafismo Jlio Castanheira e Vtor Martins Locuo Jos Neto O projecto inclui imagens de arquivo oriundas dos seguintes arquivos: RTP, ANIM, INA, Gaumont, e Tlevision Francaise. Os documentrios que compem a srie foram construdos a partir de referenciais cientficos e tiraram partido de uma extensiva pesquisa e investigao, que acaba por reforar o rigor histrico e social. Para l disto, conta sobretudo o esforo de combinar, de forma feliz, a histria cientfica da emigrao com as narrativas quotidianas dos nossos emigrantes. Para seguir semanalmente na RTP1, a partir de dia 18 de Abril.

Recommended

View more >