História - Pré-Vestibular Impacto - Revolução Inglesa II

Download História - Pré-Vestibular Impacto - Revolução Inglesa II

Post on 06-Jun-2015

885 views

Category:

Documents

12 download

TRANSCRIPT

3CONTEDO

PROF: ANDERSON COSTA

01A Certeza de Vencer

REVOLUO INGLESA III (Cont.)KL 180208

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

TRABALHANDO TEXTOS Na Inglaterra, por volta de 1640, a monarquia dos Stuart era incapaz de continuar governando de maneira tradicional. Sua poltica externa era deploravelmente fraca, em parte pela falta de dinheiro; as medidas econmicas, s quais foi obrigado a recorrer, alienaram tanto seus aliados potencias como seus inimigos. [...] Por volta de 1640, porm, as foras que acompanharam o capitalismo ou foram liberadas pela sua ascenso, especialmente na agricultura, no podiam mais ser contidas no velho quadro poltico a no ser por meio de represso violenta, de que o governo de Carlos I se mostrou incapaz. Entre as foras sociais que acompanharam a ascenso do capitalismo devemos incluir no apenas o individualismo daqueles que queriam obter dinheiro, fazendo o que podiam com seus meios, como tambm o individualismo dos que quiseram seguir suas prprias conscincias adorando a Deus, o que os levou a desafiar as instituies de uma sociedade hierarquicamente estratificada. Presses e tenses similares produziram conflitos anlogos em outros paises europeus, e estavam ligadas, sem dvida, tanto ao crescimento da populao quanto a ascenso do capitalismo. O resultado na Inglaterra foi diferente, todavia, do de todos os demais paises da Europa, com exceo dos paises baixos. Na Espanha, Frana e outros lugares, a monarquia absoluta sobreviveu crise dos meados do sculo. Na Inglaterra, esta crise ps fim s aspiraes da monarquia de edificar um absoluto baseado num exrcito regular e numa burocracia.(Christopher Hill. Uma revoluo burguesa?, Revista Brasileira de Histria, n 7 . So Paulo, Editora Marco Zero/ Associao Nacional dos professores Universitrios de Histria, maro de 1984, p.10)

A Guerra civil: vitria dos puritanos O exercito parlamentar, comandado por Oliver Cromwell, venceu as tropas do rei, na Batalha de Naseby (1645). Carlos I se refugiou na Esccia, mas o parlamento escocs o entregou ao parlamento ingls por uma soma em dinheiro. O rei foi ento decapitado em janeiro de 1649. Alguns meses depois, a Cmara dos Comuns aboliu a Cmara dos Lordes e proclamou a Repblica sob a liderana de Cromwell. A supresso da Cmara dos lordes contribuiu para eliminao das estruturas feudais que entravavam o pleno desenvolvimento do capitalismo mercantil. Foi criado um Conselho de Estado, composto de 41 membros, mas o poder de fato estava nas mos de Cromwell. Este apoiado pelo exrcito puritano, que sufocou rebelies na Irlanda (1649), contribuindo para aumentar o prestigio do lder puritano. No plano externo, a medida mais importante da Repblica de Cromwell foi a promulgao dos Atos de Navegao (1651), pelos quais ficou estabelecido que todas as mercadorias importadas deveriam vir para a Inglaterra em navios ingleses ou em barcos de pases de origem. Esses decretos no s estimularam o desenvolvimento econmico, mas tambm reforaram a defesa nacional. No plano interno, Cromwell reprimiu com violncia a ao dos Digges e outros, que reivindicavam medidas democrticas, como o sufrgio universal e reforma agrria. Ao lado disso, dissolveu o Parlamento em 1653 e proclamouse Lorde Protetor da Inglaterra, impondo uma ditadura pessoal apoiada no exrcito que durou at 1658, ano de sua morte. Richard, seu filho e sucessor, no conseguiu manter a Repblica unida e renunciou ao cargo em favor dos chefes militares. TRABALHANDO TEXTOS Texto I [...] Antes ramos governados por um rei, lordes e comuns, agora o somos por um general, uma corte marcial e a cmara dos Comuns; e peo que me digais onde est a diferena! [...]. Texto II

(Panfleto Leveller. In: HILL, Christopher. O mundo de ponta-Cabea. S. Paulo, Companhia das letras, 1991).

(MOTA, Myrian B, Histria das Cavernas ao Terceiro Milnio. S.Paulo. Moderna 2002)FAO IMPACTO - A CERTEZA DE VENCER!!!

VESTIBULAR 2009

Oliver Cromwell: quem era? Oliver Cromwell nasceu em 25 de abril de 1599 em Huntingdon, na Inglaterra. Foi criado no meio Calvinista puritano, o que lhe conferiu um profundo conhecimento da Bblia. Eleito membro do parlamento em 1628, distinguiu-se pela defesa do puritanismo e por ataques hierarquia da igreja Anglicana. Em 1640, foi eleito novamente para o parlamento, como representante de Cambridge, e uniu-se aos radicais, parlamentares que atacavam duramente a poltica do rei Carlos I. Quando, em 1642, comeou a guerra civil, Cromwell tornou-se conhecido pelo extraordinrio senso de organizao e comando, graas criao do Exrcito de Novo Tipo. Em 1649 proclamou a Repblica (Commonwealth) e em 1653 assumiu o ttulo de Lorde Protetor. Ficou frente do governo at sua morte, em 1658.

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

Texto III

CROMWEEL: de Revolucionrio Ditador

No governo de Cromwell inegvel o crescimento econmico da Inglaterra, seu fortalecimento poltico tambm foi notrio. Os atos de Navegao, a unidade poltica e as grandes conquistas foram mrito do Governo Cromwell. Porm tudo isso teve um preo relativamente alto, a comear pela decepo geral da arraia mida, que via neste lder uma esperana de um mundo melhor. Enquanto revolucionrio Cromwell defendia o parlamento, mas no poder expurga-o. Antes de chegar ao poder, era visto como um republicano moderado, que defendia a tolerncia religiosa, porm ao se tornar senhor da Inglaterra implantou uma ditadura puritana. O homem que ganhou a confiana de grupos como os Digges e monta um exrcito chamado de Novo Tipo, agora liquida os que pedem democracia. A revoluo Puritana trouxe em sua bagagem uma ditadura de um homem que pelo uso da fora subjuga no s Ingleses, mas tambm escoceses e Irlandeses. Se suas medidas foram necessrias ou se o poder mudou seus pensamentos, a histria ainda no deu a completa resposta, pois este no o nico caso em que revolucionrios se tornam ditadores. O povo e a histria v isto ainda hoje.(COSTA, Anderson. A Histria para o Dia-a-Dia).

A Restaurao da monarquia dos Stuart: Carlos II e Jaime II Houve na Inglaterra, logo aps o fracassado e rpido governo do filho de Cromwell, uma disputa de generais. Monk, um deles, encontrou uma soluo para a crise poltica, que foi apoiada por todo o pas: em 1660, Carlos II, filho de Carlos I, assumiu o trono ingls. Carlos II (1660-1685) era adepto do Absolutismo. Suas atitudes eram recebidas com desconfiana pelo Parlamento e pela populao. As relaes amistosas com Lus XIV, rei da Frana, aumentavam ainda mais a desconfiana. O Parlamento pressionava cada vez mais o rei, aprovando novos impostos sempre em troca de autonomia. Alm disso, Carlos II era simptico ao catolicismo, seu irmo, futuro rei, j havia publicamente convertido a esta religio. Esse fato acirrava ainda mais as divergncias entre o Parlamento e o monarca. Com a morte de Carlos II e a ascenso de seu irmo Jaime, os problemas continuaram. A burguesia inglesa temia uma rebelio armada, como aquela que conhecera anteriormente. Esperava-se que o rei morresse e deixasse o trono para uma de suas filhas protestantes. Mas o rei teve um filho homem, o que garantia a sucesso catlica ao trono ingls. A Revoluo Gloriosa: Temerosa do absolutismo de Jaime II e da rebelio popular, a Inglaterra encontrou como soluo entrar em acordo com Guilherme de Orange, da Holanda, casado com a filha protestante de Jaime II. O plano consistia em destituir Jaime II substituindo-o por Guilherme. Guilherme de Orange desembarcou na Inglaterra, com seu exrcito, em 1688. Jaime II tentou resistir, mas os soldados passaram para o lado de Guilherme. Ao velho rei absolutista s restou fugir para a Frana. Guilherme de Orange e sua mulher foram reconhecidos como soberanos da Inglaterra pelo Parlamento, que, temendo um novo absolutismo, promulgou um segundo Bill of Rights em 1689. A partir da, passou a prevalecer, na Inglaterra, o principio de que o rei reina, mas quem governa o parlamento. O governo ficava sob autoridade do Parlamento, que, a cada ano, limitava ainda mais o poder real. A Revoluo Gloriosa foi inspirada nas teorias de John Locke, o grande terico do liberalismo poltico que vigorou na Europa e na Amrica a partir do sculo XIX. (GRUPPI. 1990) TRABALHANDO TEXTOS John Locke e a Revoluo Inglesa A produo intelectual de John Locke est diretamente ligada aos acontecimentos da Inglaterra do final do sculo XVII. Filho de um puritano que lutara ao lado de Cromwell, ele escreveu a maioria de suas obras no contexto da discusso poltica em torno da Revoluo Gloriosa. Aperfeioada por Montesquieu, sua doutrina poltica foi incorporada na constituio dos Estados Unidos. Locke se opunha viso de Hobbes, de que o estado de natureza seria o estado de guerra, com destruio mtua dos homens. Para Locke seria o estado de liberdade, com os homens vivendo juntos segundo a razo, sem uma autoridade para julg-los. O governo seria um remdio contra os males gerados pelo fato de, em estado de natureza, cada homem ser juiz em causa prpria e atacar as propriedades de outrem. Esse Estado, no entanto, teria de cumprir um contrato com a sociedade, zelar pelo bem pblico, defender a propriedade, caso contrario os homens teriam direito a uma rebelio. O poder do governo jamais se estenderia alm do bem comum. Se o governo tentasse ser absoluto e violasse os direitos naturais dos indivduos, perderia a fidelidade dos sditos. Nesse caso, poderia ser legitimamente derrubado. A comunidade teria o direito de pegar em armas contra o soberano para assegurar um contrato justo e proteger a propriedade privada.(CAMPOS, Flvio. Oficina de Histria. S. Paulo. Moderna).

FAO IMPACTO A CERTEZA DE VENCER!!!

VESTIBULAR 2009