História - Pré-Vestibular Impacto - Revolução Industrial I

Download História - Pré-Vestibular Impacto - Revolução Industrial I

Post on 06-Jun-2015

4.628 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

3CONTEDO

PROF: PANTOJA

03A Certeza de Vencer

REVOLUO INDUSTRIAL - lCT260208

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

P

or Revoluo Industrial convencionou-se designar o

processo de transformaes econmicas e sociais, caracterizadas pela acelerao do processo produtivo e pela consolidao da produo capitalista. Tal processo assinala, ainda, a passagem em definitivo da produo baseada em relaes feudais para a produo em que o capital e o trabalho esto definitivamente separados, isto , a produo capitalista. A introduo do sistema de fbricas e a crescente mecanizao das foras produtivas iniciou-se na Inglaterra, em fins do sculo XVIII, espalhou-se, posteriormente, ao longo dos sculos XIX e XX para vrios outros pases. Marx observava que a principal transformao teria sido a substituio da ferramenta, at ento empunhada pela mo humana, por mecanismos cada vez mais complexos, acionados pelo homem agora transformado em verdadeiro autmato, e capazes de realizar mltiplas tarefas. Assim, a ferramenta, acoplada a um imperialismo mecnico, d origem a uma mquina-ferramenta, responsvel pelo trabalho industrial e por um aumento da produo, cujos limites no so mais definidos pela resistncia fsica do operrio, mas da prpria mquina. As caractersticas gerais do novo processo de produo introduzido pela Revoluo Industrial poderiam ser apontadas da seguinte maneira: Produo realizada em grandes unidades fabris, onde predomina a mais intensa diviso do trabalho. Separao entre capital e trabalho, pois o proprietrio dos meio de produo (mquinas, equipamentos, instalaes, matrias-primas, etc) no o produtor direto. Este, agora completamente expropriado de meios prprios de subsistncia, necessariamente tem que vender sua fora de trabalho em troca de um salrio. Produo realizada para um mercado desconhecido, cuja demanda cresce na proporo em que ocorra um barateamento do custo unitrio da prpria mercadoria produzida. Aumento sem precedentes na produo de mercadorias. Desenvolvimento de um grupo intermedirio, entre o capitalista e o operrio, encarregado de gerir o capital. Concentrao da produo industrial em centros urbanos, uma vez que as novas fontes de energia, necessrias ao funcionamento do maquinismo, libertaram o sistema de fbricas de fatores naturais, como o vento (energia elica), queda de gua (energia hidrulica), etc. Com o emprego da energia fornecida pela mquina a vapor e, posteriormente, a energia eltrica ou a utilizao dos derivados do petrleo, as fbricas puderam concentrar-se. O surgimento de um novo tipo de trabalhador (o operrio), que trabalha em conjunto no interior das grandes fbricas, realizando uma produo onde predomina a mais intensa diviso do trabalho. O sistema de fbricas, portanto, socializou a produo, muito embora tenha sido responsvel pela concentrao das riquezas nas mos dos capitalistas.

A Revoluo Industrial , de maneira geral, dividida em duas fases que apresentam caractersticas distintas. O estudo do quadro a seguir possibilitar uma compreenso melhor desta questo.

1 Fase (+-1760/80-1860) Principais reas de concentrao industrial Material industrial bsico Principal fonte energtica Inglaterra, Blgica, Frana Ferro Vapor

2 Fase (+-1860...) Alemanha, norte da Itlia, Rssia, Estados Unidos, Japo, etc. Ao, Sintticos

Eletricidade, Petrleo Petroqumicos, Setor industrial Siderrgicos, Txtil (algodo) predominante Eletrnicos, Automobilsticos, etc Competitivo ou Monopolista ou livre-comercial Financeiro (fuso do Capitalismo (predomnio do capital industrial capitalismo com o capital industrial) bancrio) Explorao em Progressiva larga escala do diminuio da trabalho infantil e jornada de trabalho. feminino. Regulamentao do Jornadas de trabalho feminino e, trabalho de at alguns casos, Condies gerais 16, 18 horas por proibio do da classe dia. Reao dos trabalho infantil. operria trabalhadores Organizao dos atravs do trabalhadores em movimento Sindicatos. luddita e do Organizao da cartismo. Associao Internacional dos Trabalhadores com o objetivo de unificar a luta operria e o movimento proletrio internacional. Em sua primeira fase, embora algumas reas da Frana e da Blgica iniciassem sua industrializao por volta de 1830, a Revoluo Industrial foi um fenmeno predominantemente ingls. Logicamente que toda uma srie de fatores determinou o pioneirismo da Inglaterra. Esquematicamente, poderamos enumerar:

FAO IMPACTO - A CERTEZA DE VENCER!!!

VESTIBULAR 2009

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

Maior acumulao primitiva de capital durante a fase de transio feudalismo/capitalismo (sculo XV ao sculo XVIII). Expropriao dos trabalhadores rurais de meios prprios de subsistncia, atravs do cercamentos dos campos (enclosures), e conseqente expulso dos camponeses. O movimento das cercas produziu importantes transformaes, dentre os quais pode-se destacar: agricultura voltada para um mercado cada vez maior e realizada segundo critrios capitalistas; produo agrria transforma-se em verdadeira empresa capitalista, possibilitando grande quantidade de alimentos s populaes urbanas em crescimento; expulso dos camponeses e conseqente liberao de mo-de-obra necessria ao processo de industrializao. Expanso dos mercados consumidores, tanto a nvel interno (a Inglaterra ao longo do sculo XVII passou de uma populao de cerca de 5 milhes de habitantes para mais de 14 milhes), como a nvel externo (seu prprio imprio colonial e tambm as reas recmemancipadas at ento pertencentes Espanha e Portugal). A Revoluo Inglesa do sculo XVII, que eliminou os entraves feudais ao avano capitalista no campo, acelerou o processo de cercamentos, possibilitou a tomada do poder pela burguesia associada gentry e favoreceu a poltica do laissez-faire. A revoluo tcnica que possibilitou a mecanizao da produo de tecidos de algodo. Graas mquina de fiar, desenvolvida a partir de 1760, foi possvel ao operrio trabalhar com, vrios fios ao mesmo tempo. Dessa maneira, superou-se o descompasso at ento existente entre a produo de fios de algodo, j mecanizada, e a produo de tecidos. Paralelamente, desenvolveu-se a mquina a vapor, revolucionando os recursos energticos. Finalmente, o desenvolvimento dos meios de transportes, com o aparecimento das ferrovias. Logicamente, todas estas transformaes radicais produziram uma sociedade nova e bastante diferente da existente at ento. As implicaes da Revoluo Industrial se fizeram sentir em todos os aspectos da vida humana. Em linhas gerais, pode-se apontar as seguintes transformaes: Proletarizao definitiva dos produtores, diretos. Com o avano da produo mecanizada de tecidos de algodo, os teceles manuais em pouco tempo ficaram arruinados. Afinal, o que uma mquina de tecer, isoladamente, produzia, equivalia produo de 200 teceles manuais juntos. Decadncia da indstria domstica rural, incapaz de concorrer com o nascente sistema fabril. Surgimento das cidades industriais, em decorrncia da concentrao, no apenas do processo produtivo, mas, tambm, de milhares de trabalhadores que vo formar o nascente proletariado. Grande expanso do comrcio internacional e crescente diviso internacional do trabalho, atravs da incorporao das reas perifricas (produtoras de matrias-primas e gneros agrcolas) s economias capitalistas centrais, responsveis pelo processo industrial. Apenas a titulo de exemplo, pode-se lembrar que a Inglaterra, no princpio do sculo XVIII importava cerca de 450 toneladas de algodo; no principio do sculo XIX, esse nmero atingia mais de 25.000 toneladas. Revoluo nos meios de transporte, com a multiplicao das redes ferrovirias e das rotas martimas atingidas pelo navio a vapor. Mecanizao da produo agrcola, acelerando o xodo rural e determinando o aparecimento das grandes cidades industriais. Com a Revoluo Industrial, pela primeira vez na histria das sociedades invertia-se a proporo entre a populao rural e a populao urbana. Por volta de 1830, na Inglaterra, a populao urbana superava a populao rural. Integrao do processo produtivo fabril ao desenvolvimento cientifico, medida em que esse possibilitava um maior rendimento e produtividade da prpria produo. A ntagonismo entre o nascente proletariado e a burguesia proprietria dos meios de produo. Essa confrontao estar na raiz dos movimentos operrios do sculo XIX, assunto que ser estudado posteriormente. Poltica anexionista colocada em prtica pelas potncias industriais, sobretudo a partir de 1870. Este novo imperialismo europeu tinha por objetivo a incorporao de reas coloniais e a subordinao das economias dos paises perifricos ao capital. Pretendia-se a exportao de excedentes de capitais gerados pela industrializao, alm da busca de matrias-primas produzidas a baixo custo, e da ampliao dos mercados consumidores. No se tem o objetivo de esgotar a questo da Revoluo Industrial, o que de resto, seria absolutamente impossivel. Assim, pretendemos aprofundar o problema referente formao da concepo capitalista de trabalho, esperando possibilitar uma viso mais critica da sociedade capitalista a partir do estudo de suas condies de trabalho. Ao mesmo tempo pretende-se distinguir a concepo de trabalho para a classe dominante e para a classe dominada, identificando como os meios de comunicao veiculam a noo capitalista de trabalho, enquanto a legitimam.

FAO IMPACTO A CERTEZA DE VENCER!!!

VESTIBULAR 2009