historia natural doenca nivesi prevencao

Download Historia Natural Doenca Nivesi Prevencao

Post on 08-Jul-2015

76 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

IES Curso de Fisioterapia 1. Fase Profa. Msc. Ana Brasil de Oliveira

A histria natural de uma doena ser tanto mais completa quanto maior o nosso conhecimento das causas em jogo e do seu mecanismo de ao; por sua vez, quanto mais completo for o nosso conhecimento da histria natural de uma doena, maiores sero as possibilidades que teremos para enfrentar ou interceptar as causas. No necessrio que se saiba tudo a respeito da histria natural de uma doena para que se possa atuar preventivamente, mas, muitas vezes, o sucesso no pode ser alcanado porque os conhecimentos existentes so muito escassos. (BARBOSA et al, 2002, p. 7)

Trade Epidemiolgica

` ` ` `

` ` ` ` ` ` ` ` ` ` ` ` `

AGENTE: Todas as substncias, elementos ou foras, animadas ou inanimadas, cuja presena ou ausncia pode, mediante contato efetivo com um hospedeiro suscetvel, constituir estmulo para iniciar ou perpetuar um processo doena. HOSPEDEIRO: organismos passveis de abrigar ou sofrer influncias dos fatores causais capazes de provocar agravos sua sade AMBIENTE: Podem ser biolgicos, nutricionais, fsicos, qumicos, mecnicos ou psico - sociais. INCIDNCIA A incidncia expressa a freqncia de casos novos de uma enfermidade em um determinado espao de tempo, dando a idia dinmica do desenvolvimento do fenmeno. (N de casos novos (iniciados) num perodo/populao expostos ao risco) x 10.000 PREVALNCIA Expressa a freqncia de casos (novos e antigos) de uma enfermidade em um momento determinado = (N de casos existentes (novos e antigos) / populao exposta ao risco) x 10.000 Fases da Historia Natural da Doena PERODO-PR-PATOGNICO - o perodo em que ocorre a interao preliminar entre agentes potenciais, hospedeiros e fatores ambientes no processo da doena. PERODO DE INCUBAO - Perodo durante o qual ocorre a instalao, e eventual multiplicao dos agentes etiolgicos no hospedeiro, sem que seja verificada sintomatologia da doena (doenas transmissveis). PERODO DE EXPOSIO OU CARNCIA doenas no transmissveis. PERODO PATOGNICO Processo resultante da reao desencadeada no organismo do hospedeiro em conseqncia ao estabelecimento do estmulo-doena. Podemos sugerir que ocorra dois tios de relacionamento: Relacionamento Harmnico : evoluo inaparente ou subclnica Relacionamento Desarmnico : incompatibilidade entre o hospedeiro e o parasita forma aparente da doena A evoluo da doena pode ser : Convalescena: recuperao total ou parcial do hospedeiro. Cronicidade: quase sempre prejudicial ao hospedeiro. Morte

Histria Natural e Preveno de DoenasInterao de agentes da doena, fatores ambientais e hospedeiro humano

Doena Precoce Discernvel Horizonte ClnicoPatognese Precoce- Eliminado/destrudo - Sem aumento - Aumentar por multiplicao, adio ou agravamento de carncia

Doena Avanada

Convalescena Morte Invalidez Recuperao

Estmulo Doena

Perodo pr-Patognico

Perodo Patognico

I

II

III Preveno Secundria(antes que se estabelea o defeito)

IV

V Preveno Terciria

Preveno Primria

(depois de instalado defeito)

I - Promoo SadeEducao geral e em sade; bons padres de nutrio ajustados s diferentes fases da vida; habitao e vesturio adequados; condies satisfatrias de trabalho e recreao; ateno para o desenvolvimento da personalidade; educao sexual e aconselhamento matrimonial; aconselhamento gentico.

II Proteo EspecficaImunizaes especficas; profilaxia medicamentosa; higiene pessoal; saneamento ambiental; proteo contra riscos ocupacionais; proteo contra acidentes; nutrientes especficos; proteo contra carcingenos; no exposio a alergenos, substncias txicas ou venenosas; meios de proteo individual (botas, telagem, repelentes, etc.).(BARBOSA et al, 2002, p. 11)

III Diagnstico e Tratamento PrecocesExames mdicos peridicos, gerais ou dirigidos; inquritos para descoberta de casos na comunidade; levantamentos ocasionais; tratamento adequado para evitar a progresso da doena; isolamento para evitar a propagao de doenas; mtodos educativos relativos importncia do diagnstico precoce e aos meios para torn-lo possvel.

IV - Limitao da IncapacidadeTratamento adequado, evitando futuras complicaes e sequelas; busca de casos.(BARBOSA et al, 2002, p. 11 ROUQUAYROL e ALMEIDA FILHO, 2003, P. 32)

V - ReabilitaoProviso de recursos hospitalares e comunitrios para readestramento e educao, visando ao mximo aproveitamento da capacidade remanescente; educao do pblico e dos empregadores para utilizao dos reabilitados; ocupao seletiva; instituies para manutena e tratamento de certos doentes crnicos; educao do pblico para anulao de preconceitos e tabus relativos a certas doenas; fisioterapia; terapia ocupacional.(BARBOSA et al, 2002, p. 11 ROUQUAYROL e ALMEIDA FILHO, 2003, P. 32)

Inter-relao entre Agente: carro Ambiente: Ruas e Rodovias, Desenvolvimento Econmico do Pas Susceptvel:Idade, Sexo. Personalidade, Sono, lcool , Drogas ilcitas, etc que produzem

Doena Precoce Discernvel

Doena Avanada

Convalescena Morte Invalidez Recuperao

Estmulo Doena

Horizonte Clnico

Patognese Precoce

Perodo pr-Patognico

Perodo Patognico