História do Brasil - Pré-Vestibular - 1967 - Guerrilha do Caparaó

Download História do Brasil - Pré-Vestibular - 1967 - Guerrilha do Caparaó

Post on 06-Jun-2015

1.134 views

Category:

Documents

8 download

TRANSCRIPT

Conflitos na Histria do Brasil - Regime MilitarDitadura Militar Guerrilha do Capara: 1967A Guerrilha do Capara foi uma guerrilha ocorrida na Regio Sudeste do Brasil, entre 19661967, onde preparava-se para uma luta armada contra a ditadura militar ento estabelecida. A Histria do Brasil entre o ano de 1964 at o final da dcada de 70 foi marcado por acontecimentos importantssimos que jamais podem ser esquecidos pelos brasileiros. A Nao brasileira foi governada por mo de ferro pela ditadura militar onde a democracia ficou margem. Foi uma poca nebulosa onde a livre expresso e o direito de ir e vir foi cerceado pela censura e pela imposio ditatorial. Mas como no possvel exterminar o pensamento humano e os ideais de liberdade, vrios vozes se levantaram em movimentos contra o regime ento implantado. Dentre vrios movimentos inconformados com a situao vivida, destacou-se em nossa regio o levante denominado Guerrilha do Capara. Foi um importante movimento revolucionrio e a primeira oposio armada contra o regime militar ora vivido pelo pas.Ocultamento das informaesApesar de representar um movimento revolucionrio de grande importncia histrica para o Brasil, pouco se falou e pouco se conhece. A sua pouca difuso se deve ao fato de que o governo militar tinha por princpio abafar e calar qualquer manifestao contra o citado regime. Qualquer divulgao poderia representar risco para o governo. A imprensa era censurada e no tinha acesso aos fatos. Aquele que de alguma forma manifestasse o seu pensamento, poderia ser interpretado como opositor ao governo e declarado subversivo, podendo ser levado priso e submetido a torturas, sem qualquer direito de se defender. Diante do controle da imprensa e do medo de um povo reprimido, os fatos ficaram sob o domnio e conhecimento de uma parcela reduzida da populao.Primeiro movimento armadoA Guerrilha do Capara foi o primeiro movimento armado que, nos anos de 1966 e 1967, se levantou contra o regime militar implantado no Brasil em 1964. Foi constitudo por intelectuais, militares cassados e militantes de esquerda que, influenciados pelos ideais revolucionrios de Che Guevara difundidos em toda Amrica Latina e pelo pensamento de Fidel Castro, em Cuba, se rebelaram contra o governo.Movimento Nacional RevolucionrioO movimento foi organizado pelo MNR Movimento Nacional Revolucionrio - organizao fundada com o objetivo de lutar contra o regime militar vigente. Baseado em ideais revolucionrios, consistia em estabelecer estratgias e treinar guerrilheiros para, em futuras incurses armadas, lutar contra o sistema vigente. Segundo o jornalista Gilson Rebello em sua obra Guerrilha da Capara publicado pela Editora Alfa e mega em 1980, a Casa de Pedra no conhecido Terreiro, localizada na metade do trilho que d acesso ao Pico da Bandeira pelo lado mineiro, o local histrico onde aconteceu a primeira reunio do MNR. Os principais municpios que serviram de cenrio para a Guerrilha foram Capara, Alto Capara, Espera Feliz, Alto Jequitib, Manhumirim e Manhuau pelo lado mineiro e Dores do Rio Preto, Guau, Santa Marta e Ina pelo lado capixaba. Nestes locais se viram desfilar um grande contingente de soldados, comboios de carros de combate e o sobrevo de um grande nmero de avies e helicpteros de guerra.Leonel BrizolaMas sem dvida o nome de destaque na Guerrilha do Capara foi o do ex-governador do Rio, Leonel Brizola. Cassado pelo governo militar, ficou exilado no Uruguai, de onde passou a acompanhar os acontecimentos no Brasil. Inconformado com os acontecimentos, se props organizar movimentos de resistncia ditadura militar. Foi o brao direito do MNR acompanhando e provendo recursos financeiros para financiar o movimento. O movimento chegou a receber recursos do governo cubano de Fidel Castro que pretendia desviar a ateno de seu pas para outros movimentos revolucionrios em toda Amrica Latina. Interessante notar que Brizola sempre que questionado sobre o movimento de Capara, se esquivava e no gostava de comentar o assunto. Dizia que se tratava de ferida ainda no cicatrizada e que futuramente se pronunciaria sobre o episdio, porm morreu sem fornecer maiores detalhes. Provavelmente isto se deve ao fato de que o movimento foi derrotado fragorosamente ou, possivelmente, pelo fato de ter recebido recursos no explicados de governos estrangeiros, o que at hoje proibido pela nossa Constituio. Outro ponto tambm controvertido a ligao do movimento de Capara e Leonel Brizola com o movimento revolucionrio promovido por Che Guevara. Brizola tambm no se pronunciou sobre o caso. No entanto, existe informaes do acontecimento de um encontro entre os dois, no Uruguai. Coincidentemente, ao mesmo tempo que acontecia a Guerrilha do Capara, tambm acontecia o movimento de revolucionrio de Che Guevara na Bolvia. Poucos meses mais tarde, em Outubro de 1967, foi morto Che Guevara.Parque Nacional do CaparaPara organizar o evento, foi escolhido estrategicamente a regio do Parque Nacional do Capara, por ser um regio com acidentes geogrficos propcios, de difcil acesso, favorvel defesa armada e com esconderijos naturais. Os guerrilheiros se instalaram na rea do parque montando diversos acampamentos em locais como a Macieira, Casa Queimada, Cristal , do Tat, Gmeas, Casa dos Porcos, Rancho do Antnio Leite, onde revezavam estadia para no levantarem suspeitas. Fizeram vrias picadas que davam acesso ao parque, como a que existe no crrego do Paraso at a Casa Queimada e a que passava pela cabeceira da fazenda do Sr. Ren Rabelo em Alto Capara, passando pela Cachoeira do Aurlio, at chegar ao acampamento da Macieira. Este ltimo era o acesso mais fcil entre a extinta estao ferroviria de Taquaruna e o parque. O movimento era bem organizado e com estrutura bem montada. Possuam um armazm na cidade de Guau, no lado capixaba, onde eram fornecidos os vveres. Os guerrilheiros chegavam de trem pela extinta ferrovia que cortava a regio, desembarcando nas estaes de Capara e Taquaruna e permaneceram na regio por mais de 5 meses. Apesar de todo o cuidado, o MNR foi descoberto pelo servio de inteligncia do governo que imediatamente deflagrou uma operao de guerra denominada Martelo e Bigorna para sufocar o levante. A operao contou com o apoio da Polcia Militar de Minas Gerais atravs do 11 Batalho de Polcia de Manhuau, do Exrcito e da Aeronutica que, no incio do ms de Abril de 1967, em poucos dias, rechaou o movimento revolucionrio. Muitas pessoas foram presas, inclusive moradores das cidades envolvidas que, sob a menor suspeita, eram detidos e submetidos a interrogatrios e investigaes. O Governo destacou para a regio um grande contingente militar composto por milhares de soldados, pra-quedistas carros de combate, avies e helicpteros que assustaram as populaes das localidades prximas. Para minimizar as conseqncias, sem assustar os habitantes locais e ganhar o apoio da populao, o Exrcito tambm promoveu uma grande atividade social junto s comunidades, prestando atendimento mdico gratuito, palestras nas escolas e programaes culturais com exibio de filmes educativos, dentre outras. Os primeiros guerrilheiros presos foram Juarez de Souza Moreira e Gregrio Mendona logo aps o desembarque na estao de trem da cidade de Capara. Um grupo de guerrilheiros, aps muita perseguio, saiu da rea de Capara, passaram pela Vargem Grande em Alto Jequitib, atravessaram a regio de Luizburgo e foram presos quando estavam alcanando a rodovia BR 116prximos a So Joo do Manhuau. Um grupo de oito guerrilheiros foi preso em um dos acampamentos situados na rea do parque chamado de Fazendinha, aps um de seus integrantes ter sido preso em Alto Capara onde fora conseguir medicamentos para um dos guerrilheiros que estava doente atingido pela peste bubnica. Dois outros guerrilheiros foram presos em uma barbearia em Espera Feliz quando participavam de uma misso para levarem cartas para o comando da Guerrilha. Ainda outros dois guerrilheiros foram presos no crrego da Vista Bela, pouco depois de desembarcarem na estao de trem de Taquaruna, ocasio que, segundo informaes, foi a nica vez em que houve troca de tiros entre as foras revolucionrias e as foras do governo. Os guerrilheiros presos foram enviados para o presdio de Linhares em Juiz de Fora, em Minas Gerais onde cumpriram pena. Foram investigados e submetidos impiedosamente a torturas de todos os tipos. Dentre alguns fatores que contriburam para o insucesso do movimento destacam-se alguns: Primeiramente no contaram com o apoio da populao local. Nesta poca o comunista carregava um pesado estigma, principalmente entre a populao menos informada. Era visto como pessoa do mal contra a religio, contra a moral e os bons costumes. Os guerrilheiros cabeludos, barbudos e com mochilas nas costas bem ao estilo Che Guevara no eram bem quistos. Alm disso, para sobreviverem, os guerrilheiros subtraram e abateram animais de fazendas vizinhas ao parque, motivo pelo qual foram denunciados pelos proprietrios. Enfrentaram ainda um clima muito desfavorvel nos ltimos meses de treinamento. Foram meses de incessantes chuvas e temperaturas prximas de zero grau, comuns no Pico da Bandeira. Guerrilheiros foram infectados pela peste bubnica transmitida por ratos, comuns naquela regio, principalmente em se tratando de acampamentos improvisados. Apesar de sua pouco divulgao a Guerrilha do Capara hoje j faz parte de alguns livros de Histria. O assunto tem despertado o interesse de muitas pessoas. J em 1980 o jornalista Gilson Rebello escreveu A Guerrilha do Capara que traz importantes revelaes sobre o assunto, principalmente por vivenciar junto com o guerrilheiro Amadeu Rocha uma viagem pelo local da Guerrilha. Recentemente o tambm jornalista capixaba Jos Caldas da Costa produziu um excelente trabalho A Guerrilha do Capara que, mesmo antes de ser publicado, virou tema de um documentrio premiado, recebendo o prmio "E tudo verdade" Tambm pode-se conhecer mais sobre a Guerrilha conversando com habitantes da Regio de Capara contemporneos ao movimento. Dentre estas pessoas que presenciaram os acontecimentos est o Sr. Juvercy Emerick, residente em Alto Capara, funcionrio aposentado do Parque Nacional do Capara e hoje se encontra com sua sade j bastante abalada. Ele foi um dos que, pela sua experincia e conhecimento do local, serviu de guia para as foras militares em suas incurses. Foi ele quem levou os militares ao local onde foi preso o Grupo dos Oito. Segundo ele me informou, existe at hoje muito armamento escondido pelos guerrilheiros na regio do parque e que provavelmente nunca sero achados. A Guerrilha do Capara no pode ficar esquecida pela nossa Histria, principalmente para os habitantes da regio do entorno do Parque Nacional do Capara. A sua importncia se d por ser o primeiro movimento armado a se levantar contra a ditadura militar ora implantada. Apesar de ser violentamente sufocado, tambm serviu para fazer aflorar o sentimento democrtico e incentivar novos movimentos com o mesmo objetivo, como a Guerrilha do Araguaia, e culminar mais tarde com a abertura poltica, a anistia aos exilados e presos polticos, a redemocratizao do Pas e o fim da Ditadura Militar com a eleio de Tancredo Neves.