historia do brasil boris fausto resumo

Download Historia Do Brasil Boris Fausto Resumo

Post on 12-Jul-2015

622 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Resumo Histria do Brasil (Boris Fausto) por Rafael vilaA Primeira Repblica (1889-1930) Os 15 anos aps o 15 de Novembro foram de grande incerteza. Os representantes polticos das provncias mais importantes (SP, MG e RS) desejavam uma Repblica Federativa, que asseguraria um certo grau de autonomia s unidades regionais. O PRP (SP) e os mineiros sustentavam o modelo liberal; os republicanos gachos eram positivistas. Deodoro da Fonseca se tornou chefe do governo provisrio e algumas dezenas de oficiais foram eleitos para o Congresso Constituinte. Havia rivalidades entre exrcito [artfice do novo regime] e a marinha [vista como ligada Monarquia]. Em torno de Deodoro estavam os tarimbeiros [veteranos da Guerra do Paraguai]. Estes ltimos no estavam ligados s idias positivistas e acreditavam que o exrcito deveria ter um papel maior do que daquele desempenhado no Imprio. Partidrios de Floriano Peixoto eram jovens oficiais que tinham freqentado a escola militar. Por isso, eram positivistas. Para eles, a Repblica deveria ter ordem e progresso, ou seja, a modernizao da sociedade atravs da ampliao dos conhecimentos tcnicos, do crescimento da indstria e da expanso das comunicaes. Porm, positivistas ou no, todos os militares posicionavam-se como adversrios, ou seja, contra a autonomia provincial e com um executivo forte. No plano internacional, Argentina e EUA saudaram a Repblica brasileira. Houve, neste perodo, um deslocamento de eixo da diplomacia brasileira de Londres para Washington, especialmente com o Baro do Rio Branco [1902-1912]. Depois de um tempo, e passada a euforia Brasil-Argentina, os dois passaram a competir, especialmente na esfera comercial e de equipamento militar. O Brasil tratou de captar as simpatias de naes menores, como Uruguai e Paraguai, e de aproximar-se do Chile. Tudo isso para bloquear a influncia Argentina. Rio Branco tentou, sem xito, implantar o acordo do ABC [Argentina, Brasil e Chile). O Brasil entrou em choque com a Bolvia pela questo do Acre, subitamente valorizado pela questo da borracha. A soluo foi dada pelo Tratado de Petrpolis (1903), pelo qual a Bolvia reconheceu a soberania brasileira na regio em troca de 2,5 milhes de libras esterlinas. A Primeira Constituio Republicana O texto constitucional foi promulgado em 24 de fevereiro de 1824. A chave da autonomia dos Estados estava presente no artigo 65 dessa nova constituio. Os Estados ficaram implicitamente autorizados a exercer atribuies diversas, como as de contrair emprstimos no exterior [o que foi vital para que o governo paulista colocasse em prtica os planos de valorizao do caf] e organizar foras militares prprias. Alm disso, deu aos Estados exportadores a possibilidade de decretar impostos sobre a exportao de suas mercadorias. A organizao da justia tambm era atribuio dos Estados. A Unio, por sua vez, ficou com os impostos de importao, com os direitos de criar bancos emissores de moeda e de organizar as foras armadas nacionais, podendo inclusive intervir nos Estados para restabelecer a ordem e para manter a forma republicana federativa. A constituio estabeleceu trs poderes e o presidente seria eleito para um mandato de quatro anos. Constitui-se a cmara dos deputados (eleitos em cada Estado, proporcional ao nmero de seus habitantes, por trs anos) e dos senadores, estes ltimos no mais vitalcios (mandato de nove anos, trs por Estado). Para proceder s eleies, fixou-se o sistema do voto direto e universal (no mais por censo econmico). Eleitores eram cidados com mais de 21 anos (exclua-se analfabetos, mendigos e praas militares e, claro, as mulheres).

O texto constitucional consagrou o direito dos brasileiros e estrangeiros residentes no pas liberdade, segurana individual e propriedade. Extinguiu a pena de morte. Estado e Igreja se tornariam instituies separadas. Os cemitrios passaram administrao municipal, alm de sair da igreja o registro civil para nascimento e morte (1893). Separar estado de Igreja era uma das medidas para integrar imigrantes ao Brasil. Outra medida foi a Grande Naturalizao. O Encilhamento Os primeiros anos da Repblica foram da febre pelos negcios e especulao financeira conhecida como Encilhamento. O problema era a falta de meio circulante na economia. Rui Barbosa, ministro da fazenda, tentou resolver isso expandindo o crdito. Em 1891 veio uma forte crise (derrubada dos preos das aes, falncia de estabelecimento bancrios e empresas) que levou desvalorizao monetria. Com isso, o custo de vida ficou cada vez mais alto. Neste nterim, Deodoro assume a presidncia e junto com o Baro de Lucena (tradicional poltico monrquico) tentaram reforar o Poder Executivo. Em 3 de novembro de 1891, Deodoro fechou o Congresso, prometendo novas eleies e uma reviso constitucional. Ele queria unidade da magistratura (fim da autonomia em termos de justia dos Estados) e a igualdade na representao dos Estados na Cmara (anulando assim o peso dos grandes Estados). Em 23 de novembro de 1891, Deodoro renunciou. Subiu ao poder Floriano. Este, pensava em construir um governo estvel, centralizado, vagamente nacionalista, baseado sobretudo no Exrcito e na mocidade das escolas civis e militares. Isso chocava diretamente com a chamada Repblica dos Fazendeiros (liberal e descentralizada). Porm, assumindo o poder, Floriano fez um acordo com o PRP. Foi um acordo que garantia a governabilidade Floriano. Revoluo Federalista A Revoluo Federalista ops os adeptos ao positivismo (PRR) e os liberais (posteriormente representados pelo Partido federalista os maragatos , cuja maioria era de estanceiros). Este ltimo defendia a revogao da constituio estadual positivista do RS e a instaurao de um governo parlamentar. A Guerra Civil entre estes dois grupos comeou em 1893 e s terminou dois anos e meio depois, no governo de Prudente de Morais. O ponto alto da guerra foi quando os federalistas se juntaram aos da Revolta Armada. Com foras unidas, os revoltosos invadiram o Paran e tomaram Curitiba. Posteriormente tiveram que recuar ao RS e se render. Prudente de Morais desde o incio se posicionou favor do PRR. Prudente de Morais Prudente de Morais foi eleito presidente em maro de 1894 e representou o fim dos militares no governo (excetuando Hermes da Fonseca 1910-1914). Enfrentou uma aguda oposio, j existente poca de Floriano, entre a elite polticas dos grandes Estados e o republicanismo jacobino (membros da classe mdia baixa, alguns operrios e militares atingidos pela carestia e as ms condies de vida), concentrado no RJ. Canudos 1893, Arraial de Canudos, 20-30 mil sob o comando de Antnio Conselheiro. A pregao de conselheiro concorria com a da Igreja. Um episdio sem muita significao levou o governo baiano a se posicionar contra o povo de Canudos que apanhou. Duas outras expedies tambm apanharam. A rebeldia de Canudos levou a protestos em outros locais como, por exemplo, no RJ. Uma expedio (8 mil homens) sob o comando do Gal. Arthur Oscar arrasou o arraial em agosto de 1897.

Campos Sales (outro paulista 1898-1902). Campos Sales concebeu um arranjo conhecido como poltica dos governadores. Dava prestgio aos grupos mais fortes em cada Estado. Seus objetivos podem ser resumidos em: reduzir as disputas polticas no mbito dos Estados; chegar a um acordo entre Estados e a Unio; harmonizar as relaes entre legislativo e executivo (domesticando a escolha dos deputados). Os Problemas Financeiros O governo republicano herdara do Imprio uma dvida externa alta. Este quadro tendeu a se agravar com o aumento do dficit pblico (muitas despesas foram com operaes militares). O apelo ao crdito externo foi utilizado o que piorou a dvida. A ampliao da oferta de caf fez com os preos declinassem. Deste modo, diminui-se a entrada de divisas. O governo tentou vrias vezes negociar a dvida. Ao final do governo Campos Sales, assinou-se o funding loan (fundamentalmente era um novo emprstimo com emisso de novos ttulos). Evitava-se assim desembolsar dinheiro. Houve ainda a suspenso das amortizaes por trs anos. Em contrapartida, o governo aceitou um duro programa de deflao, inclusive com queima de papel moeda. Caractersticas Polticas da Primeira Repblica (Repblica Oligrquica, Repblica dos Coronis, Repblica do Caf com Leite) Oligarquia significa governo de poucos pessoas, pertencentes a uma classe ou famlia. A questo que aqui o poder foi controlado por um reduzido grupo de polticos em cada Estado. As tentativas de organizar partidos nacionais foram transitrias ou fracassaram. Os partidos republicanos decidiam os destinos da poltica nacional e fechavam os acordos para a indicao de candidatos presidncia da Repblica. Em SP, a elite poltica oligrquica esteve mais prxima dos interesses dominantes, ligados economia cafeeira e, com o correr do tempo, tambm indstria. O PRR imps-se como uma mquina poltica forte, inspirada em uma verso autoritria do positivismo, arbitrando os interesses de entancieiros e imigrantes em ascenso. A oligarquia mineira tambm no obedeceu aos cafeicultores ou aos criadores de gado. Os mineiros criaram uma mquina de polticos profissionais. A porcentagem de votantes no perodo oscilou entre 1,4% (Eleio de Afonso Pena) da populao e 5,7% (Jlio Prestes). O voto no era secreto e a maioria dos eleitores estava sujeita presso dos chefes polticos. Como se isso no bastasse, havia a fraude eleitoral atravs da falsificao de atas, do voto dos mortos, dos estrangeiros. Os Coronis (da antiga guarda nacional proprietrios rurais com base local de poder) O coronelismo representou uma variante de uma relao sociopoltica mais geral o clientelismo , existente tanto no campo como nas cidades. Essa relao resultava da desigualdade social, da impossibilidade de os cidados efetivarem seus direitos, da precariedade ou inexistncia de servios assistenciais do Estado, da inexistncia de uma carreira no servio pblico. Todas essas caractersticas vinham dos tempos da Colnia, mas a Repblica criou condies para que os chefes polticos locais concentrassem maior soma de poder. O coronel controlava os vot