hist. da fisioterapia

Download Hist. Da Fisioterapia

Post on 11-Jul-2015

176 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Rev. Fisioter. Univ., So Paulo, 1(1) : 5-10, jul./dez., 1994

ORIGEM E EVOLUO DA FISIOTERAPIA: ASPECTOS HISTRICOS E LEGAISAm.lia pasqual Marques* Eugnio Lopes Sanches**

MARQUES, A.P., SANCHES, E.L. Origem e evoluo da fisioterapia: aspectos histricos e legais. Rev. Fisioter. Univ. So Paulo, 1(1) : 5-10, jul./dez., 1994. RESUMO: Este artigo resume a trajetria da Fisioterapia no Brasil desde o primeiro curso instalado em 1951, apresentando e discutindo os documentos legais que regulamentam seu ensino e exerccio, assim como os rgos de classe que representam e norteiam os profissionais. DESCRITORES : tendncias. Fisioterapia, legislao e jurisprudncia.

Fisioterapia, histria. Fisioterapia, Fisioterapia, educao.

1. ORIGEM DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FMUSP A prtica de Fisioterapia no Brasil iniciou-se no comeo deste sculo, em 1919, quando foi fundado o Departamento de Eletricidade Mdica pelo Professor Raphael de Barros da Faculdade de Medicina da Universidade de So Paulo. Dez anos mais tarde, em 1929, o mdico DI. Waldo Rolim de Moraes instalou o servio de Fisioterapia do Instituto do Radium Arnaldo Vi eira de Carvalho no local do Hospital Central da Santa Casa de Misericrdia de So Paulo. Ele ainda plane-

jou e instalou, no Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da Universidade de So Paulo, o Servio de Fisioterapia do Hospital das Clnicas de So Paulo8. Foi tambm o DI. Rolim quem, em 195 1, planejou o primeiro Curso de Fisioterapia do Brasil, patrocinado pelo centro de estudos Raphael de Barros, cujo objetivo era formar tcnicos em fisioterapia. Suas instalaes eram no 7 andar do Instituto Central do Hospital das Clnicas e as aulas ministradas pelo corpo docente e mdicos do prprio hospital. Ao final os alunos submetiam-se a uma prova terica e

Professora Assistente So Paulo.

do Curso de Fisioterapia

da Faculdade

de Medicina da Universidade da Faculdade

de

Fisioterapeuta e Professor aposentado do Curso de Fisioterapia Universidade de So Paulo, de 1958 a 1991. Endereo: Amlia pasquai Marques - Rua Cipotnea, 05360-000 - So Paulo, SP.

de Medicina da

n. 51 - Cidade

Universitria

- CEP

5

MARQUES, A.P., SANCHES, E.L. Origem e evoluo da fisioterapia: aspectos histricos e legais. Rev. Fisioter. Univ. So Paulo, 1(1) : 5-10, jul./dez., 1994.

uma avaliao terico-prtica, com a participao de fiscais (mdicos e enfermeiras) do Servio de Fiscalizao Profissional do Estado de So Paulo? Este curso formou inmeros fisioterapeutas e persistiu at 1958, quando a Lei 5.029 cria anexo Cadeira de Ortopedia e Traumatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de So Paulo (FMUSP) o Instituto de Reabilitao (IR). Este Instituto surgiu do esforo de alguns mdicos brasileiros, entre eles o Professor Godoy Moreira (catedrtico de Ortopedia e Traumatologia da FMUSP), atravs de entendimentos com a Organizao Panamericana de Sade (OPAS), Organizao Mundial de Sade (OMS) e a World Confederation for Physical Therapy (WCPT). A criao deste Instituto em So Paulo fazia parte de um projeto mais amplo de criao de vrios institutos na Amrica Latina. Foi nesse Instituto que se iniciou entre ns o primeiro curso de Fisioterapia com padro internacional mnimo, com durao de dois anos, para atender aos programas de reabilitao que a OP AS estava interessada em desenvolver na Amrica Latina. Entende-se ento que, por estar vinculado a um Instituto em uma Cadeira da

FMUSP, o Curso de Fisioterapia tambm era um curso da Universidade de So Paulo. Contudo, este aspecto confirma-se somente a 7 de abril de 1967, atravs da portaria GR no 347, onde a Universidade de So Paulo baixa o Regulamento dos Cursos de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Instituto de Reabilitao da Faculdade de Medicina. J a Portaria 1.025 de 16 de janeiro de 1970 afirma que os certificados de concluso dos cursos de tcnicos em Fisioterapia e Terapia Ocupacional, expedidos pelo Instituto de Reabilitao da FMUSP nos anos de 1958 a 1966, consideram-se para efeitos de direito equivalente aos diplomas expedidos nos termos deste regulamento. Como se pode observar no Quadro 1, as disciplinas eram pouco especficas e estavam voltadas especialmente para a reabilitao, que era o aspecto mais importante poca. O Curso de graduao em Fisioterapia da FMUSP, com durao de trs anos, permaneceu at 1979. Em 1980 teve incio o Curso de Fisioterapia, com a durao de quatro anos. Apesar de mudanas da carga horria e da grande expanso do campo de atuao do fisioterapeuta, o currculo de 1963 permaneceu at os anos 80, quando

Quadro

1 - CURSOS DE FISIOTERAPIA

E TERAPIA OCUPACIONAL.

Regulamento Captulo I - Dos Cursos e sua organizao Artigo 1 O Instituto de Reabilitao Ocupacional.

didtica em Fisioterapia e Terapia

ministra cursos normais de graduao

Artigo 2 Os cu'rsos tm a durao de trs anos letivos. Artigo 3 Os cursos compreendem as seguintes matrias e disciplinas, que sero ministradas Instituto de Reabilitao com a colaborao da Universidade de So Paulo: 1 - Fundamentos da Fisioterapia e Terapia Ocupacional 2 - tica e Histria da Reabilitao . 3 - Administrao aplicada 4 - Fisioterapia Geral 5 - Fisioterapia Aplicada 6 - Terapia Ocupacional Geral, compreendendo a disciplina de: a) atividades teraputicas e trabalhos manuais 7 - Terapia Ocupacional Aplicada. Artigo 5 A orientao Fonte: e a responsabilidade do curso cabem pelo

direo

do Instituto.

Portaria de GR 347 de 7 de abril de 1967. Dirio Oficial. p. 3, 13 abr., 1967.

6

MARQUES, A.P., SANCHES, E.L. Origem e evoluo da fisioterapia: aspectos histricos e legais. Rev. Fisioter. Univ. So Paulo, 1(1) : 5-10, jul./dez., 1994.

Quadro 2 - CURRCULO

MNIMO APROVADO

PELO MEC EM FEVEREIRO

DE 1983. foi dividido em qua-

Artigo 1 O currculo mnimo os cursos de Fisioterapia tro ciclos, a saber: I - Ciclo de Matrias Biolgicas II - Ciclo de Matrias de Formao Geral 11/ Ciclo de Matrias Pr-Profissionalizantes IV - Ciclo de Matrias Profissionalizantes Pargrafo nico: Com pequenas complementaes comum para ambas as profisses.

e de Terapia Ocupacional

os ciclos I e li podero ser usados como

tronco

Artigo 2 O ciclo de Matrias Biolgicas consta de: a) Biologia; b) Cincias Morfolgicas, compreendendo Anatomia Humana e Histologia; c) Cincias Fisiolgicas, compreendendo Bioqumica, Fisiologia e Biofsica; d) Patologia, compreendendo Patologia Geral e Patologia de rgos e Sistemas. Artigo 3 O ciclo de Matrias de Formao Geral consta de: a) Cincias do Comportamento, compreendendo Sociologia, Antropologia, ca e Deontologia; b) Introduo Sade Humana, compreendendo Sade Pblica; c) Metodologia de Pesquisa Cientfica, incluindo Estatstica.

Psicologia,

ti-

para a Formao do fisioterapeuta consta de: Artigo 4 O Ciclo de Matrias Pr-Profissionalizantes a) Fundamentos de Fisioterapia, compreendendo Histria da Fisioterapia e Administrao em Fisioterapia; b) Avaliao Funcional, compreendendo Cinesiologia, Bases, Mtodos e Tcnicas de Avaliao em Fisioterapia; c) Fisioterapia Geral, compreendendo Exerccio Teraputico e Reeducao Funcional; d) Recursos Teraputicos Manuais, compreendendo Massoterapia e Manipulao. Artigo 5 O Ciclo de Matrias Profissionalizantes para a formao do fisioterapeuta consta de: a) Fisioterapia aplicada s condies neuro-msculo-esquelticas, compreendendo Fisioterapia aplicada Ortopedia e Traumatologia, Neurologia e Reumatologia; b) Fisioterapia aplicada s condies cardio-pulmonares, compreendendo Fisioterapia aplicada Cardiologia e Pneumologia; c) Fisioterapia aplicada s condies Gineco-Obsttricas e Peditricas, compreendendo Fisioterapia aplicada Ginecologia e Obstetrcia e Fisioterapia aplicada Pediatria; d) Fisioterapia Aplicada s condies sanitrias, compreendendo Fisioterapia Preventiva; e) Estgio Supervisionado, constando de Prtica de Fisioterapia Supervisionada. Artigo 9 O currculo mnimo dos Cursos de Fisioterapia e Terapia Ocupacional deve perfazer um total de 3.240 (trs mil duzentas e quarenta) horas, ministradas num perodo mnimo de 4 (quatro) anos e um mximo de 8 (oito) anos. Os Ciclos I e II devem ocupar 20 por cento desse tempo. O Ciclo Pr-Profissionalizante, 20 por cento, o Ciclo Profissionalizante, 40 por cento, restando 20 por cento para a prtica supervisionada. Fonte: Dirio Oficial. Arto . 26 da lei 5.340, 26 nov., 1968.

os cursos j tinham a durao de quatro anos, e portanto acumulando distores entre o currculo existente e o ministrado pelas faculdades. Aps um longo trabalho empreendido pelos rgos representativos da classe, as escolas de fisioterapia e vrios fisioterapeutas, a resoluo n 4 de 28 de fevereiro de 1983 fixa o currculo mnimo e a durao dos Cursos de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Este currculo, como se pode observar, privilegia aspectos antes esquecidos, como por exemplo as matrias de formao geral que incluem: Sociologia, Antropologia, Psicologia, Sade Pblica, Metodologia de Pesquisa, alm de enfatizar os contedos especficos da rea e os de fundamentao. Considerando a grande expanso do campo de atuao, muitas escolas j vinham adaptando o seu currculo

7

MARQUES, A.P., SANCHES, E.L. Origem e evoluo da fisioterapia: aspectos histricos e legais. Rev. Fisioter. Univ. So Paulo, 1(1) : 5-10, jul./clez., 1994.

s reais necessidades. Assim, as 3.240 horas propostas pelo MEC, o Curso de Fisioterapia da FMUSP tem hoje uma carga horria de 4665 horas.

2. ASSOCIAO FISIOTERAPIA

BRASILEIRA

DE

Apesar de na dcada de 50 o nmero de fisioterapeutas Ser muito reduzido, os mesmos j discutiam seus problemas e suas perspectivas futuras(*), (**). Assim em 1957 nascia em So Paulo aAssociao Paulista de Fisioterapeutas (APF), com o objetivo de promover o aperfeioamento dos fisioterapeutas do ponto de vista profissional, jurdico, ci