hidrogrÁfica do ribeirÃo sÃo bartolomeu, viÇosa observatoriogeo ?· porcentagem. para o...

Download HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO SÃO BARTOLOMEU, VIÇOSA observatoriogeo ?· porcentagem. Para o estabelecimento…

Post on 17-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1

DETERMINAO DA FRAGILIDADE AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRFICA DO RIBEIRO SO BARTOLOMEU, VIOSA MINAS GERAIS, BRASIL, ATRAVS DE GEOPROCESSAMENTO E ANLISE

MULTICRITRIO

Raquel de Castro Portes1; Nolan Ribeiro Bezerra2; Carlos Henrique Crespo da Silva3; Diogo Noses Spinola4; Elpdio Incio Fernandes Filho5; Carlos Antnio Oliveira

Vieira6; Rafael Kopschitz Xavier Bastos7. (1) Gegrafa, mestranda do programa de ps-graduao em Solos pela Universidade Federal de Viosa - UFV, raquel_portes@yahoo.com.br; (2) Engenheira Ambiental, doutoranda do programa de ps graduao em Engenharia Civil, UFV nolanbezerra@gmail.com; (3) Engenheiro Agrimensor, mestrando do programa de ps graduao em Engenharia Civil, UFV carcrespo_ufv@yahoo.com.br; (4) Estudante de graduao em Geografia, UFV diogo_geo_ufv@yahoo.com.br; (5) Engenheiro Agrnomo, Professor do Departamento de Solos, UFV elpidio@ufv.br; (6) Engenheiro Agrimensor, Professor do Departamento de Engenharia Civil, UFV carlos.vieira@ufv.br; (7) Engenheiro Civil, Professor do Departamento de Engenharia Civil, UFV rkxb@ufv.br. INTRODUO

As atividades humanas sejam elas no campo ou na cidade produzem o espao geogrfico que est em constante transformao. As formas econmicas de ocupao do solo ao longo da histria, na maioria das vezes, ocorreram de forma degradante para o meio ambiente.

A situao atual de degradao do ambiente est no bojo das discusses acerca da qualidade de vida para a populao humana. As questes relacionadas aos recursos hdricos ganharam ateno de pesquisadores, polticos e das sociedades em geral, preocupados com a qualidade e quantidade de gua disponvel pelos mananciais de abastecimento pblico.

A Organizao Mundial de Sade - OMS no ano de 2004 publicou um Guia sobre a qualidade da gua para consumo humano, no qual recomenda que as entidades gestoras de sistemas de abastecimento de gua desenvolvam planos de segurana para garantir a qualidade da gua, incorporando metodologias de avaliao e gesto de riscos, bem como prticas de boa operao dos sistemas. (VIEIRA, 2005)

A legislao brasileira sobre a qualidade da gua para consumo humano atravs da Portaria n. 518/2004 estabelece alm das tradicionais anlises laboratoriais, novas responsabilidades para as operadoras de sistema de abastecimento de gua, como aes cabveis para a conservao do manancial de abastecimento bem como anlises de risco sade humana.

Entretanto, esta norma no estabelece de forma sistematizada a metodologia por ela apresentada, como uma ferramenta de pronta utilizao, dificultando o seu cumprimento. neste contexto que surge a necessidade de elaborao de metodologias sistematizadas para aplicao da legislao atual, como o desenvolvimento de Planos de Segurana da gua.

Um Plano de Segurana da gua sob a perspectiva da OMS e contemplando a legislao brasileira um instrumento que identifica e prioriza perigos e riscos em um sistema de abastecimento de gua, desde o manancial at o consumidor, visando estabelecer medidas de controle para reduzi-los ou elimin-los e estabelecer processos para verificao da eficincia da gesto dos sistemas de controle e da qualidade da gua produzida.

2

Esta concepo renovadora privilegia a abordagem da segurana da gua de modo preventivo, visando contribuir para a diminuio da contaminao da gua no manancial, facilitando assim, o tratamento pela operadora e prevenindo a contaminao dos sistemas de distribuio.

O Plano de Segurana da gua da Universidade Federal de Viosa - PSA-UFV um projeto pioneiro no Brasil e tem por objetivo desenvolver uma proposta metodolgica para implementao de futuros de Planos de Segurana de gua no pas. Para isto, a proposta est sendo testada e validada por meio de estudos de caso.

Neste contexto, o conhecimento da fragilidade ambiental presentes no sistema de uma bacia hidrogrfica possibilita compreender a realidade dinmica da relao homem/natureza e obter informaes relevantes de problemas para subsidiar aes futuras.

A determinao da fragilidade ambiental em bacias hidrogrficas seja no espao urbano ou rural vem sendo aplicada em diversos estudos utilizando tcnicas de suporte a deciso e Sistemas de Informaes Geogrficas como o caso de Ghezzi (2003), Kawakubol et al. (2005) e Pachechenik (2004). Tais estudos so baseados na metodologia proposta por Ross (1994) que estuda a relao do espao geogrfico em conjunto com a anlise espacial. Esta metodologia segundo Ghezzi (2003) fundamenta-se no princpio de que a natureza apresenta funcionalidade intrnseca entre seus componentes fsicos e biticos que foram preconizadas por Tricart, 1977 atravs da teoria das Unidades Ecodinmicas.

Neste sentido, a tica dinmica deve ser o ponto de partida da avaliao ambiental, sendo integradas as variveis fsicas do meio como, rochas, relevo, solos, clima, fauna etc. com as variveis sociais e econmicas. O estudo da fragilidade ambiental aliado a esta viso integrada entre natureza e sociedade, de acordo com Ghezzi (2003) indica a vulnerabilidade de um ambiente a algum tipo de uso ou ocupao, quer por decorrncia de sua explorao, quer por fatores naturais prprios e tem por objetivo observar como um ambiente, que naturalmente pode apresentar graus de fragilidade, se comporta ou pode vir a se comportar com o advento da interferncia humana. Desta forma, a fragilidade ambiental pode ser compreendida como risco ambiental que a bacia hidrogrfica apresente, sendo o somatrio da fragilidade potencial que a vulnerabilidade que o meio natural apresenta considerando com a varivel uso do solo.

A Cincia da Geoinformao tem dado suporte a vrios setores que tratam da questo ambiental. Os Sistemas de Informaes Geogrficas (SIGs) permitem na anlise espacial utilizar vrios elementos do meio ambiente de forma integrada, gerando resultados eficientes com rapidez e custo baixo.

SIG aliado a anlise multicritrio proporciona diversos benefcios para anlise espacial, uma vez que soluciona problemas influenciados por diversos fatores, permitindo balancear os valores de cada critrio da anlise. Isto permite a gerao de modelos capazes de demonstrar as reas com diferentes graus de fragilidade ambiental.

Sendo assim, a anlise multicritrio definida como um conjunto de tcnicas e mtodos aplicados para auxiliar ou apoiar a tomada de decises, dada uma multiplicidade de critrios, estabelecendo uma relao de preferncias entre as alternativas pr-avaliadas. Ela lida com problemas de otimizao de processos (ALMEIDA & COSTA, 2003).

Deste modo, o objetivo deste trabalho foi determinar a fragilidade potencial e a fragilidade ambiental da bacia hidrogrfica do ribeiro So Bartolomeu, no municpio

3

de Viosa em Minas Gerais - Brasil. Os resultados da anlise serviro de subsidio ao Plano de Segurana da gua Projeto piloto Brasil da Universidade Federal de Viosa. REA DE ESTUDO

A bacia hidrogrfica do ribeiro So Bartolomeu, sub-bacia do Rio Turvo Sujo, encontra-se em sua totalidade nos limites do municpio de Viosa na Zona da Mata Mineira, entre as coordenadas geogrficas 425258 W e 42 5056 W de longitude e 204342 S e 205012S de latitude, totalizando uma rea de 5.438 hectares. (Figura 1)

O clima da regio de acordo com a classificao de Kppen, o CWa - clima mesotrmico, caracterizado por veres quentes e midos e invernos frios e secos, com precipitao mdia anual de 1.200 mm e temperatura do ms mais frio inferior a 18C e, do ms mais quente, superior a 22C (ORLANDINI, 2002). A rea est embasada em rochas referentes ao Pr-Cambriano inferior ou Indiviso, compreendendo gnaisses e migmatitos diversos. Sedimentos Quaternrios ocorrem ao longo dos vales, constituindo depsitos aluvionares de carter argiloso, argilo-arenoso ou arenoso, representados por terraos e leitos maiores de deposio mais recente (QUINTERO, 1997). Essa rea apresenta relevo dominantemente forte ondulado e montanhoso (Mar de Morros), com encostas de perfil convexo-cnvavo embutido em vales de fundo chato, formados por terraos e leitos maiores, onde meandram cursos dgua pouco expressivos (CORRA, 1984). A altimetria da bacia em questo varia de 614 a 902m, com elevao mdia de 758m.

Em relao aos solos da bacia, a classe dos Latossolos predominante, seguido por Argissolos, Cambissolos, Gleissolos e Neossolos Flvicos (aluviais).

A bacia uma importante fonte de oferecimento de gua para abastecimento pblico, segundo Fontes et al. (2006) a gua captada do ribeiro So Bartolomeu atende 65% da populao de Viosa, (Estao de Tratamento de gua I ETA I) e 100% do campus universitrio da Universidade Federal de Viosa (ETA-UFV), enquanto o Rio Turvo Sujo (ETA II) atende os demais 35% da populao Viosense.

A situao fundiria da microbacia do So Bartolomeu caracterizada por pequenas propriedades, em reas predominantemente no planas. Como normalmente observado na Zona da Mata mineira, essa rea rural formada por pequenas propriedades que desenvolvem em sua maioria, atividades de subsistncia (FONTES et al, 1996). Esta predominncia de pequenas propriedades rurais resultado, entre outros, do fracionamento das fazendas, pelo sistema de Herana (PANIAGO, 1983).

A rea de estudo deste trabalho compreende parte da bacia do ribeiro So Bartolomeu, da cabeceira da bacia at os pontos de captao de gua pelas ETA-UFV e ETA I, entre as coordenadas geogrficas 425056 W e 425136 W de longitude e 205012 S e 20557 S de latitude, perfazendo uma rea de 3.514 hectares. (Figura 1)

O recorte espacial foi definido atravs da importncia ambiental que esta rea possui por refletir sobre a qualidade da gua que captada pelas estaes ETA I e ETA-UFV para abastecimento pblico.

4

Figura 1 Localizao da rea de estudo PROCEDIMENTOS METODOLGICOS 1 Etapa

5

Para a determinao da fragilidade potencial e ambiental tornou-se necessrio, em primeiro momento, a definio dos critrios a