heródoto história antiga

Download Heródoto   história antiga

Post on 18-Dec-2014

308 views

Category:

Education

15 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. 1
  • 2. Histria Herdoto (484 A.C. - 425 A.C.) Traduzido do grego por Pierre Henri Larcher (17261812) Fontes digitais desta edio Digitalizao do livro em papel Volumes XXIII e XXIV Clssicos Jackson W. M. Jackson Inc.,Rio, 1950 Verso para o portugus de J. Brito Broca Les Deux Terres 2terres.hautesavoie.net site consacr l'GYPTOLOGIE com o texto integral de Larcher: Hrodote Histoire tome I et II, Charpentier, Paris, 1850. L'Antiquit Grecque et Latine de Philippe Remacle, Franois-Dominique Fournier, J. P. Murcia e Thierry Vebr [Texte Numris et mis en page para Franois-Dominique Fournier] remacle.org Perseus Digital Library - Tufts University www.perseus.tufts.edu Los Nueve Libros de la Historia Traduo do Pe. Bartolom Pou, S. J. (1727-1802) Ed. eBooksBrasil - Agosto 2006 Verso para eBook eBooksBrasil Trechos colocados entre [ ] correpondem a trechos ininteligveis na fonte digitalizada completados com a traduo em espanhol Capa Lonidas aux Thermopyles Jacques-Louis David (1748-1825) Muse du Louvre, Paris Verso para eBook eBooksBrasil USO NO COMERCIAL * VEDADO USO COMERCIAL 2006 Herdoto 2
  • 3. Nota Editorial Comeo com uma advertncia, dirigida principalmente aos estudandes de Histria: esta edio no passa de um aperitivo. O verdadeiro repasto est na edio francesa, integral, que pode ser encontrada na web. L, sim, esto todas as notas da edio original de Larcher, no includas nem aqui, nem na edio digitalizada, base desta naquela, com certeza, por economia de papel; nesta, por preguia mesmo. Para me redimir um pouco deste pecado capital, c foram inclusos a Nota do Editor de 1842, a A Vida de Herdoto e o Plano da Histria de Herdoto com que Lacher iniciava sua traduo. Algumas discrepncias entre a edio de Lacher e a verso para o portugus da fonte digitalizada foram dirimidas com a consulta ao texto original da traduo de Lacher en ligne e com o original, original mesmo, disponvel em Perseus. Bons tempos em que, no antigo Clssico, em colgios selecionados (no Culto Cincia em Campinas, p.ex.) se podia ter umas tinturas de grego! Mas agora, os que viro, tero Filosofia e Cincias Sociais. Pelo que vale... Sobre a importncia de se beber nas fontes, remeto o eventual leitor discusso, sobre as tradues, travada na Conferncia de Levi Carneiro, em 1938, que pode ser encontrada nas estantes virtuais: O Problema do Livro Nacional - Levi Carneiro. Este livro, como outros recm colocados na web, faz parte de uma fornada de eBooks feitos para gudio prprio, como parte de merecidas releituras. Vai-se lendo, estudando, consultando... e formatando. Rende! Mas provvel que tenham passados muitos gatos; perdoem-lhes os miados. 3
  • 4. Mas por que deixar no meu HD e no libert-los, para que sigam em frente, servindo a outros? essa a idia bsica da web e, agora, do Scribd. por isso que esto sendo colocados antes no Scribd. frente, talvez, em outros formatos no eBooksBrasil. Boa leitura! Teotonio Simes eBooksBrasil 4
  • 5. HISTRIA HERDOTO (484 A.C. - 425 A.C.) Traduzido do grego por Pierre Henri Larcher (1726 D.C. - 1812 D.C.) 5
  • 6. Nota do Editor Mais de meio sculo escoou desde a publicao do Herdoto de Larcher, e durante este meio sculo o sucesso desta obra no cessou de crescer. hoje um livro clssico, e os prprios sbios lhe deram o justo lugar, assinalando-o como o monumento durvel de um grande trabalho que absorveu a vida inteira de seu autor. Quando Larcher publicou esta traduo, creu necessrio juntar-lhe um grande nmero de notas tiradas das fontes as mais sbias, e teis seja para o estabelecimento do texto, seja para a inteligncia dos fatos. Estas notas encheram quatro volumes de sua primeira edio, e seis de sua segunda. Era muito, era demais, sem dvida; e entretanto Larcher preparava uma terceira edio, que vimos, qual juntara um bom nmero de novas notas. Acusaram-no com razo deste luxo desenfreado de erudio; e Volney, sbio notvel, e ademais homem de gosto, expressou o desejo que uma mo amiga se encarregasse de desbastar este cipoal da cincia, sob o qual a rvore vigorosa de Herdoto ficava como que embalsamada. O objetivo seria eclarar e no sufocar o historiador. este trabalho que oferecemos hoje ao pblico; tentmos realizar o voto de Volney, de suprimir a erudio intil, acolher os esclarecimentos indispensveis, e reunir em um muito pequeno nmero de notas, emprestadas de outros comentadores, tudo o que pudesse facilitar o estudo do pai da histria, ou, como o chamava o douto Sainte-Croix, do grande rival de Homero. L. AIM-MARTIN. 26 de maio de 1842 6
  • 7. Vida de Herdoto por Larcher Herdoto, nascido em Halicarnasso no ano de 4230 do perodo juliano, 484 anos antes de nossa era, era Drio de extrao, ilustre de nascimento. Teve por pai Lixas e por me Drio, que tinham um lugar de destaque entre seus concidados. Paniasis, poeta clebre, ao qual alguns escritores adjudicam o primeiro posto aps Homero, embora outros o coloquem aps Hesodo e Antmaco, era seu tio por parte de pai ou de me; nada h de certo a respeito. Paniasis nasceu, se dssemos crdito a Suidas, na 78a. olimpada, isto , no ano 4247 do perodo juliano, 407 anos antes da era vulgar. No posso compartilhar esta opinio, porque se seguiria que Herdoto, seu sobrinho, seria 17 anos mais velho do que ele. No ignoro que h tios mais jovens que seus sobrinhos: tenho exemplos. Tambm insisto menos nesta razo do que sobre o tempo em que faleceu Paniasis, embora no possa ser fixada de maneira certa. Mas sabemos que Ligdamis, tirano de Halicarnasso, foi derrubado no anos 4257 do perodo juliano, 457 anos antes de nossa era. Ter-se-ia pois que fazer morrer este poeta no mais tardar em 4.256 do perodo juliano, 458 anos antes da era vulgar. Se a assero de Suidas fosse verdadeira, Paniasis teria 7
  • 8. no mximo 9 anos quando faleceu. Como, com esta idade, poderia ter feito sombra ao tirano? como poderia ter composto estas obras que lhe deram to grande reputao? Prefiro, por esta razo, colocar seu nascimento na 68a. olimpada. Teria pois 50 anos quando Ligdamis o mandou matar, e teria tido tempo para compor este grande nmero de obras que o imortalizaram. Ademais, o prprio Suidas admite que h autores que o fazem mais velho. Paniasis era conhecido pelo Heracleiade e pelo Inicos. O Heracleiade era um poema herico em honra a Hrcules; nele o poeta celebrava as conquistas deste heri, em catorze livros contendo nove mil versos. Diversos escritores o mencionam com distino. Isaac Tzetzs em seus Prolegmenos sobre a Cassanda de Licofron, Proclus em seu Chrestomatia, Suidas na palavra Paniasis, Pausanias, que at lhe cita dois versos, e o escoliasta de Pndaro, que menciona um do terceiro livro. Quintiliano, bom juiz nestas questes, nos diz que ele no igualava em eloqncia nem Hesodo nem Antimaco, mas que ultrapassava o primeiro pela riqueza de seu tema, e o segundo pela disposio que lhe dera. Denis de Halicarnado, que no se destacava menos na crtica do que na histria, nos traz tambm o mesmo juzo. Atenho-me a estas autoridades, s quais poderia juntar as de diversos outros autores, tais como Apolodoro, santo Clemente de Alexandria, Ateneu, etc. O mesmo Paniasis tinha escrito em versos pentmetros um poema sobre Codrus, Neleu e a colnia inia, que se chamava Os Inicos. Este curioso poema, do qual nunca seria demais lamentar a perda, porque entrava em uma infinidade de detalhes histricos sobre esta colnia, compreendia sete mil versos. S nos restou deste poeta dois pequenos pedaos de versos com um fragmento, em que Paniasis celebra o vinho e os prazeres da mesa tomados com moderao. Stobeu e Ateneu os conservaram para ns. Podemos encontr-los em diversas coletneas, e muito mais corretamente na dos poetas gnmicos, 8
  • 9. publicada em 1784 em Strasburgo por Brunck, crtico cheio de gosto e de sagacidade. H ainda cinco versos deste poeta que se podem ler em tienne de Bizncio, na palavra Tremlh. Suspeito que so do Heracleida. Brunck no julgou apropriado lhes dar um lugar em sua coletnea. Nestes belos sculos da Grcia, tomava-se um cuidado particular na educao da juventude, formando-lhes o corao, cultivando-lhes o esprito. de se presumir que a educao de Herdoto no tenha sido negligenciada, embora ignoremos quais foram seus mestres. No podemos sequer duvidar, quando o vemos empreender em uma idade pouco avanada longas e penosas viagens, para aperfeioar seus conhecimentos e para adquirir novos. A descrio da sia por Decideu, a histria de Ldia, de Xantus, as da Prsia de Helanicos de Lesbos e Charon de Lampsaco, gozavam ento a mais alta reputao. Estas obras agradveis, interessantes, foram sem dvida devoradas por Herdoto nesta idade em que se vido por conhecimentos, e lhe inspiraram o vvido desejo de percorrer os pases cujas descries o haviam encantado. No era contudo uma vaga curiosidade que o levava a viajar; ele se pr