harm - funções secundárias

Click here to load reader

Post on 29-Dec-2015

57 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    FUNES SECUNDRIAS

    Campo Harmnico Diatnico

    * Construo de acordes sobre cada um dos graus da escala diatnica. * Vocabulrio, conjunto de unidades acordais que podem aparecer e efetivar a tonalidade em um acontecimento musical. * Estoque que dispe os acordes e permite opo de escolha. * Memria que armazena toda uma paleta de sonoridade de acordes disponveis para o uso.

    Modo Maior

    O campo harmnico estabelecido atravs da construo de ttrades sobre cada um dos graus de uma escala diatnica maior.

    II Lei Tonal:

    Todo acorde diatnico de funo secundria est relacionado funo principal vizinha de tera superior ou inferior e pode funcionar como seu substituto.

  • 2

    * Cada acorde de funo principal (I7M IV7M V7) tem do seu lado dois outros acordes, a uma distncia de tera, que podem substitu-lo desempenhando a mesma funo.

    * Grupos Funcionais: Grupo da Tnica, Grupo da Subdominante, Grupo da Dominante. * Os acordes de funo secundria possuem trs notas em comum com o acorde de funo principal, o que explica o fato de poderem substitu-lo, desempenhando a mesma funo.

    * Acordes de dupla funo: acordes que pertencem a dois grupos funcionais (VIm7 e IIIm7).

    Cifragem Funcional

    * Acordes de um mesmo grupo funcional so identificados utilizando a primeira letra do nome do grupo a que pertencem.

    T = Grupo da Tnica. S = Grupo da Subdominante. D = Grupo da Dominante.

    * Os acordes de funo secundria so identificados acrescentando a letra principal (T, S ou D) a letra r ou letra a. * A letra r identifica os acordes relativos que se encontram uma tera menor abaixo da funo principal (no modo maior). * A letra a identifica os acordes anti-relativos que se encontram uma tera maior acima da funo principal (no modo maior). * Tanto os acordes relativos quanto os acordes anti-relativos devem ser acordes perfeitos menores (consonantes), portanto o acorde de VIIm7(b5) no se enquadra nesse conceito, o que ser discutido e estudado mais adiante.

  • 3

    * A cifragem utilizada pela harmonia funcional possui uma srie de smbolos como pode ser observado na tabela que segue, retirada do livro Harmonia Funcional de Koellreuter (1986).

    * Nesta apostila ser utilizada uma forma mais simples de classificao funcional dos acordes utilizando apenas trs sinais (T S D) para designar todas as funes (principais e secundrias). Esta proposta apresentada por Freitas (1995), e aqui adotada tem, por objetivo separar a organizao terica da harmonia da sua manifestao concreta.

  • 4

    Exemplificando: um acorde de V7 no estado fundamental, ou com a tera no baixo, ou com a quinta no baixo, ou com a stima no baixo ser sempre um acorde de Dominante sob o ponto de vista da anlise. Ou seja, as mltiplas possibilidades de escrita no alteram o significado funcional do acorde. a diferena entre estrutura e escritura.

    Da mesma forma como a palavra adjetivo estoca uma quantidade de adjetivos possveis, a funo rene um conjunto de acordes que podem aparecer em uma mesma situao. Assim sendo, levando-se em conta a classe funcional, um nico termo funcional suficiente para deixar as coisas totalmente claras em uma anlise harmnica.

    Classificao Funcional dos Acordes

    SUBDOMINANTE:

    * Os acordes que pertencem ao Grupo da Subdominante, alm do IV7M, so: IIm7 e VIm7.

    * Tomando a cadncia perfeita I7M IV7M V7, podemos criar outras duas cadncias substituindo o IV7M grau pelo relativo (IIm7) e o anti-relativo (VIm7) e verificar seu grau de eficincia na funo Subdominante.

    I7M IV7M V7 I7M C7M F7M G7 - C 7M

    I7M IIm7 V7 I7M C7M Dm7 G7 C7M

    I7M VIm7 V7 I7M C7M Am7 G7 C7M

    * O IIm7 funciona mais efetivamente como subdominante isto porque pertence somente ao grupo funcional da subdominante. O acorde de VIm7, por ser de dupla funo (pertence a mais de um grupo funcional), no funciona to bem. * Enquanto alguns autores defendem a utilizao do VIm7 como funo Subdominante, mesmo sendo mais fraco do que os IIm7, outros discordam totalmente com sua utilizao nesta funo.

    * No repertrio da msica popular brasileira o IIm7, no papel de subdominante o acorde mais utilizado (mais at do que o acorde do IV grau). Pode-se afirmar que a

  • 5

    cadncia IIm7 V7 I7M a cadncia mais utilizada na MPB. Para fins de anlise harmnica existe um smbolo especial para identificar esta cadncia.

    IIm7 V7 I7M

    * A organizao do grupo da subdominante com o IV7M e o IIm7 justifica-se assim: A) As ttrades IIm7 e IV7M mantm entre si trs notas em comum. B) Possuem a quarta nota da escala na sua estrutura bsica.

    Exerccios

    1) Estruturar a cadncia IIm7 V7 I7M em todas as tonalidades.

    Tonalidades IIm7 V7 I7M

    C Dm7 G7 C7M

    G

    D

    A

    E

    B

    F#

    C#

    F

    Bb

    Eb

    Ab

    Db

    Gb

    Cb

  • 6

    2) Tocar, em um instrumento harmnico os encadeamentos abaixo, transpondo-os para todas as tonalidades.

    A) I7M - IIm7 V7 I7M

    B) I7M - IIm7 I7M

    3) Fazer anlise harmnica e meldica.

  • 7

    Classificao Funcional dos Acordes

    DOMINANTE: * Os acordes que pertencem ao Grupo da Dominante, alm do V7, so: IIIm7 e VIIm7(b5) * Sob a tica da funo Dominante, que representa conflito, tenso, movimento, aproximao, que ser feita uma anlise dos dois acordes acima. Lembrando que o

  • 8

    intervalo caracterstico da funo Dominante o trtono, formado pela 3 maior e pela 7 menor do acorde V7.

    IIIm7

    * Alguns autores como Freitas (1995) descartam totalmente a possibilidade de uso do IIIm7 na funo Dominante justamente pela falta do trtono. Alm disso, o IIIm7 pertence tambm ao Grupo da Tnica. Ora, sem dvida pouco provvel que um mesmo acorde, em um mesmo campo harmnico possa, ao mesmo tempo, desempenhar a funo de tenso (Dominante) e repouso (Tnica). * Outros autores como Ribeiro sugerem que, ao utilizar o IIIm7 com a 3 no baixo, pode-se reforar seu carter dominantal uma vez que esta tera no baixo corresponde fundamental do acorde Dominante.

    VIIm7(b5)

    * Segundo a teoria da harmonia funcional um acorde relativo ou anti-relativo obrigatoriamente deve ser um acorde perfeito. Dentro desta tica o acorde VIIm7(b5) fica excludo do sistema. Segundo a mesma teoria, este acorde pertence categoria dos acordes derivados, que so acordes cuja fundamental real est omitida. * O que confere a uma nota o status de fundamental a presena implcita ou explicita da quinta justa (5J). Desta forma a fundamental do acorde de VIIm7(b5) conhecida como fundamental aparente uma vez que no consegue estabelecer uma base acstica para o acorde. * A fundamental dos acordes diminutos, segundo a teoria da harmonia funcional, encontra-se oculta uma tera maior (3M) abaixo de sua fundamental aparente. Portanto, trata-se nada mais nada menos do acorde de V7 sem a presena de sua fundamental. Assim, segundo essa

  • 9

    teoria, o acorde de V7 e o acorde de VIIm7(b5) so considerados o mesmo acorde escrito sob formas diferentes.

    * A organizao do grupo da Dominante com o V7 e o VIIm7(b5) justifica-se assim: A) As ttrades do V7 e VIIm7(b5) graus, mantm entre si trs notas em comum. B) Possuem a quarta e a stima nota da escala na sua formao (o trtono).

    Exerccios

    1) Estruturar os acordes em todas as tonalidades conforme exemplo.

    Tonalidades I7M VIIm7(b5) I7M C C7M Bm7(b5) C7M G

    D

    A

    E

    B

    F#

    C#

    F

    Bb

    Eb

    Ab

    Db

    Gb

    Cb

  • 10

    2) Tocar, em um instrumento harmnico os encadeamentos abaixo, transpondo-os para todas as tonalidades.

    A) I7M VIIm7(b5) I7M

    B) I7M IIm7 VIIm7(b5) I7M

    Classificao Funcional dos Acordes

    TNICA: * Os acordes que pertencem ao Grupo da Tnica, alm do I7M, so: IIIm7 e VIm7. * A nica ttrade que provoca uma sensao efetiva de repouso, concluso, ponto final... aquela formada sobre o I Grau. * As ttrades sobre o IIIm7 e o VIm7, quando precedidas pelo V7, daro uma sensao de repouso relativo ou passageiro com uma significativa diminuio da tenso harmnica.

    * Cadncia Interrompida ou Cadncia de Engano

    I7M IIm7 V7 VIm7 C7M Dm7 G7 Am7

    I7M IIm7 V7 IIIm7 C7M Dm7 G7 Em7

    * Toda cadncia de engano pressupe uma continuidade do discurso harmnico j que nem o VIm7 nem o IIIm7 proporcionam uma sensao definitiva de concluso. Isto se explica teoricamente no fato destes acordes pertencerem a dois grupos funcionais distintos fazendo com que seus papis no tenham a mesma preciso como, por exemplo, o IIm7 que pertence exclusivamente ao grupo funcional da Subdominante. * Verifica-se que o VIm7 um pouco mais resolutivo do que o IIIm7. A justificativa encontra-se no fato de que o VIm7 o relativo do I7M o que estabelece uma maior afinidade. Outra explicao encontra-se nas notas comuns entre os dois graus. So elas: a fundamental, a tera e a quinta do I7M.

  • 11

    A) I7M IV7M V7 VIm7 IIm7 V7 I7M D7M G7M A7 Bm7 Em7 A7 D7M

    B) I7M IIm7 V7 IIIm7 IV7M V7 I7M F7M Gm7 C7 Am7 Bb7M C7 F7M

    C) I7M IV7M V7 IIIm7 VIm7 IIm7 V7 I7M Eb7M Ab7M Bb7 Gm7 Cm7 Fm7 Bb7 Eb7M

    * A organizao do Grupo da Tnica com I7M, VIm7 e o IIIm7 justifica-se assim: A) As ttrades de I7M, VIm7 e IIIm7 mantm entre si trs notas em comum. B) No possuem a quarta nota da escala na sua formao bsica.

    Exerccios

    1) Estruturar a cadncia I7M - IIm7 - V7 - VIm7 em todas as to