graffiti e pichaÇÃo na paisagem urbana de curitiba“rio-fin… · 5 1.2 variaÇÃo do termo...

24
INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA HELOISA VILAS BOAS ARAUJO DA SILVA GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA Curitiba, 2013 Relatório fi nal a ser entregue para o programa de iniciação científica PibicJr, correspondente as atividades desenvolvidas com financiamento CNPq/IFPR entre os meses de Março a Dezembro de 2013. Orientador: Me. Dalvani Fernandes

Upload: others

Post on 21-Jun-2020

3 views

Category:

Documents


0 download

TRANSCRIPT

Page 1: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA

HELOISA VILAS BOAS ARAUJO DA SILVA

GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA

Curitiba, 2013

Relatório final a ser entregue para o programa de iniciação científica PibicJr, correspondente as atividades desenvolvidas com financiamento CNPq/IFPR entre os meses de Março a Dezembro de 2013.

Orientador: Me. Dalvani Fernandes

Page 2: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO............................................................................................................................ 3

1.1 A fotografia a favor do graffiti................................................................................................ 4

1.2 Variação do termo graffiti e interpretações........................................................................... 5

2 REVISÃO DE LITERATURA.......................................................................................................... 7

2.1 História................................................................................................................................... 7

2.2 Relação com o Hip-Hop......................................................................................................... 12

2.3 Graffiti e suas significações................................................................................................... 13

CONCLUSÃO................................................................................................................................ 19

REFERÊNCIAS.............................................................................................................................. 22

Page 3: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

3

INTRODUÇÃO É impossível para qualquer um, que tenha o sentido da visão, passear pela cidade

de Curitiba e não perceber os graffitis e pichações que tatuam muros e paredes. Para

alguns observadores fica o sentimento de repugnância diante de tanta “sujeira” visual

causada pelos “pixos”. Para outros, a fascinação diante da explosão de cores e

criatividade dos graffitis. Mas será que ambas as expressões são assim tão diferentes? De

onde elas surgiram? Qual o seu significado? Quem as faz e por quê? Essas e outras

questões foram o combustível que alimentaram o motor de nosso interesse pelo tema,

que aqui apresentamos em forma de TCC.

No ano de 2013 iniciamos um trabalho de pesquisa financiado pelo CNPq/IFPR no

programa bolsa PibicJr, muito do que oferecemos nesse trabalho é fruto das discussões e

leituras em torno da nossa pesquisa “Graffiti, pichação e propaganda na construção da

paisagem urbana”, orientada pelo professor de Geografia Dalvani Fernandes.

Nossa metodologia se pautou em uma pesquisa qualitativa, voltada para questões

culturais e sociais. Embasamos-nos partindo de uma rigorosa disciplina de leituras e

fichamentos de textos que envolviam a temática graffiti e pichação, principalmente. Entre

os trabalhos lidos contemplamos teses, dissertações, artigos, livros e capítulos de livros.

Constatamos que a biblioteca do IFPR Campus Curitiba não nos oferecia material para

pesquisa, sendo assim, buscamos na internet material digital, bem como, compramos

alguns exemplares bibliográficos. Também assistimos a documentários e fizemos

entrevistas com grafiteiros da cidade, que nos receberam muito bem, todas as entrevistas

foram transcritas. Muitos resultados da pesquisa, como os fichamentos produzidos,

encontram-se a disposição do público no site: http://hip-hop-e-religiao.blogspot.com.br/

Temos consciência que nosso empenho na pesquisa não abarca toda a

complexidade do universo do graffiti. No entanto, acreditamos que nosso esforço é válido

para dar visibilidade ao tema dentro do curso de Processos Fotográficos, bem como, do

IFPR Campus Curitiba. Esperamos que os leitores (as) desse texto sintam-se invadidos

pela mesma curiosidade e fascinação que nos motivou a escrever essas linhas. Boa

leitura!

Page 4: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

4

1.1 A FOTOGRAFIA A FAVOR DO GRAFFITI

“A arte de rua, com sua pequena expansão, precisava ser documentada.” - Banksy

A “grosso modo”, as fotografias podem ser consideradas como registros do

passado. Estas servem como a prova material da existência de um elemento, seja ele um

ser, uma paisagem, um evento ou um produto. Apesar de construída a partir do olhar do

fotógrafo, ao qual este já direciona e mostra seus interesses pela simples escolha de um

enquadramento perante o elemento a ser registrado, a fotografia não se limita a uma

única interpretação. Parte de cada leitor, diante dos seus conhecimentos e valores,

enxergar nela aquilo que se deseja ver, ou aquilo que mais lhe convém. A pesquisadora

Ana Maria Mauad afirma o valor documental e as diferentes interpretações que se pode

ter sobre o conteúdo mostrado por uma fotografia,

A fotografia é uma fonte histórica que demanda por parte do historiador um novo tipo de crítica. O testemunho é válido, não importando se o registro fotográfico foi feito para documentar um fato ou representar um estilo de vida. Sem esquecer jamais que todo documento é monumento, se a fotografia informa, ela também conforma uma determinada visão de mundo. (MAUAD, 1996)

Com este projeto fotográfico buscamos oportunizar as diferentes interpretações

que se pode ter a partir de uma fotografia. Escolhemos o tema "grafittis" a fim de mostrar

as várias inscrições que são feitas dentro das paisagens urbanas e os significados que

podem receber, seja pelos pontos de vista de quem observa a cidade, seja por quem age

sobre ela. A fotografia também foi utilizada para registrar os graffitis, em especial os

curitibanos, e os grafiteiros envolvidos. A vontade em querer mostrar a existência de tais

elementos se dá pelo fato do graffiti ser uma arte que está sujeita às condições do tempo,

competindo diretamente no espaço público com as propagandas e elementos urbanos

por espaço e visualidade social, fatores que reduzem seu “tempo de vida”. Outra questão

pela escolha do registro fotográfico é para a difusão e valorização dessa forma de arte e

de seus autores, bem como o despertar de novos talentos.

Page 5: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

5

1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES

Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite, por este ser o termo mais

utilizado pelos seus autores, procurando uma maior aproximação com este público.

Partindo da interpretação da pesquisadora Tatiana Endo, optamos em não diferenciar

graffiti de pichação neste projeto fotográfico, considerando o fato de haver grafiteiros

que também picham. Assim como ela, há artistas urbanos que optam pela não

diferenciação, como disse o grafiteiro Cimples1 numa entrevista: “graffiti e pichação é

uma coisa só, só que tem estilos diferentes.” Acreditamos que a distinção quanto à

estética parte de cada leitor, já que tanto graffiti quanto pichação são feitos basicamente

por spray e podem assumir o mesmo caráter funcional, seja como um protesto,

manifestação artística, lazer, etc.

No Brasil, costuma-se estabelecer uma diferença conceitual entre o grafite e a pichação. Não há, entretanto, parâmetros objetivos para a distinção entre uma forma e outra. Ambas utilizam basicamente as mesmas técnicas de execução, os mesmos elementos de suporte e podem conter algum grau de transgressão. Ambas tendem a alimentar discussões acerca dos limites da arte, sobre arte livre, liberdade de expressão, mas também sobre crime, violência, disputas de espaço e transgressões. (ENDO, 2009, p.7)

A variedade de significados agregada ao graffiti é tão ampla que até mesmo o

termo “graffiti” sofre variações. Para a pesquisadora Viana, por exemplo, o termo

“grafites” é usado para se referir às várias expressões que se podem encontrar na rua,

sendo compreendido não como uma única atividade,

Adotei a expressão grafites, no plural, para que fosse contemplada não uma referência única, mas várias que abrangessem o sentido múltiplo das expressões de rua. Grafites, portanto, neste estudo, refere-se a uma denominação ampla da experimentação gráfica, inserida espontaneamente nos espaços públicos, ora pintada, escrita, desenhada, arranhada, pichada ou colada, feita com spray, tinta, compressores, marcadores, giz, ou qualquer objeto que produza uma marca. (VIANA, s/d, p.8)

1 Entrevista cedida no dia 15 de outubro de 2013.

Page 6: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

6

Em uma entrevista realizada no Encontro Internacional de Graffiti em Curitiba, no

ano de 2013, o grafiteiro Shock – que grafita há 13 anos – pensa diferente de Viana,

afirmando que: "uma criança pode pegar um lápis e rabiscar a parede, mas fazer graffiti

não". Para ele, um graffiti precisa ser feito necessariamente com spray e, portanto,

abrange uma complexidade maior. Para o grafiteiro Bolacha2, o graffiti pode aderir a

outros instrumentos que não sejam o spray, desde que você seja livre para se expressar:

"Pode ser com pincel, com rolo, mas sendo livre pra você criar o que quiser. Eu acho que

o graffiti é isso. É você ficar livre."

Viana argumenta que o grafite implica numa estética plural e múltipla e faz parte

da sua natureza a mescla de várias linguagens e o apelo à rua. Isto reforça a ideia que

graffiti e pichação fazem parte de uma mesma categoria, visto que o picho3 seria uma

dessas linguagens e parte da pluralidade estética que compõem o graffiti. Outro

argumento seria que o picho teria sido a origem do graffiti, podendo ser interpretado

como um "graffiti primitivo". Os primeiros graffitis eram simples e compostos

basicamente por uma tag4. Eles eram utilizados para demarcação territorial. Com o passar

do tempo é que foi sendo incorporado traços mais elaborados, desenhos e mensagens.

O tag passou a ser usado pelas gangues de jovens como código para demarcação de território dentro do gueto. Foi um jovem grafiteiro, o DJ Kid, que introduziu o desenho ao tag. No início dos anos 70, surgiu o grafiteiro Phase2, que criou painéis coloridos para transmitir mensagens positivas. Por isso ele é considerado o inventor do grafite propriamente dito. (PIMENTEL, 1997, p.9)

A tag, de acordo com Pimentel, foi o que originou o graffiti, encontrando-se nesse

meio tempo a pichação. Para Rodrigo Lages (2004, p.5), o grafite não é uma evolução da

pichação como os administradores das grandes cidades gostariam que fosse. Em sua

visão, ambas as práticas podem coexistir em uma cidade ou em um bairro, ou, ainda, na

mesma pessoa, uma vez que muitos grafiteiros são também pichadores.

2 Entrevista realizada no dia 20 de outubro de 2013. 3 A palavra pichação, de acordo com o uso dos pichadores (as) e grafiteiros(as) sofre algumas derivações, podendo ser encontrada como “picho” ou mesmo “pixo”. 4O termo tag é utilizado para se referir às assinaturas dos pichadores e grafiteiros. Cada um tem sua tag, isto é, sua assinatura nas ruas da cidade.

Page 7: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

7

2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 HISTÓRIA

Muito antes do ser humano ter o aspecto fisiológico que se observa hoje, ele já

gravava inscritos e desenhos nas paredes sedimentares de cavernas. Estas figuras são o

que chamamos de arte rupestre, datada do período Paleolítico Superior. No Brasil há o

Parque Nacional da Serra da Capivara, no Piauí, e o Parque Nacional do Catimbau, em

Pernambuco, onde é possível conhecer um pouco mais sobre essa arte e observar acervos

originais. Na antiguidade, os inscritos feitos já tomam uma postura mais parecida com o

graffiti, como afirma Tatiana Endo,

A erupção do vulcão Vesúvio preservou inscrita nos muros da cidade de Pompéia, que continham desde xingamentos até propaganda política e poesias. Na Idade Média, padres pichavam os muros de conventos rivais no intuito de expor sua ideologia, criticar doutrinas contrárias às suas ou mesmo difamar governantes. (ENDO, 2009, p.7)

Esses são alguns indícios que mostram como é antiga a necessidade que a

humanidade tem em se manifestar, seja num caráter artístico, documental ou religioso

(como era usado em rituais). O uso da parede para esses fins o acompanha logo após seu

surgimento. A diferença entre a arte rupestre e os registros das antigas civilizações

européias para com os graffitis atuais, está nos materiais utilizados para se transpor as

diferentes expressões humanas, seja através da mistura de sangue com argila e

excrementos, seja por tinta spray.

Graffiti e arte rupestre são basicamente artes codificadas próprias de cada tribo e evidenciam sua época, uma manifestação visual distinta, porém, desenvolvidas com significados simbólicos e culturais para aqueles que faziam ou fazem parte de sua estética e linguagem. (ENDO, 2009, p.8)

Após a Segunda Guerra Mundial houve uma popularização do aerosol tornando o

graffiti uma atividade mais rápida e fácil. Até então não se reconhecia tais inscritos como

graffiti. Foi em 1968, na França, que ocorreu o primeiro registro histórico de um graffiti5

5 Vale lembrar que o Brasil é o único país que diferencia graffiti de pichação.

Page 8: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

8

propriamente dito. Ele apareceu em forma de protesto aos regimes governamentais

franceses da época, sendo observado como um meio para se registrar no espaço público

a insatisfação social. Celia Maria nos apresenta este contexto em seu artigo,

Entre inúmeras ações de protesto, panfletos e jornais, frases curtas e inteligentes como É proibido o trabalho alienado, É proibido proibir, A imaginação toma o poder, inscritas nos muros da cidade de Paris, marcaram a presença de jovens na história do protesto e projetaram para muitas outras cidades e grupos de jovens a transgressão lúdica de viver a cidade como espaço de comunicação. (RAMOS, 2007, p.3)

Na década de 1980 e 1990 o graffiti se espalha pelo mundo, porém, é muito

combatido por ser considerado uma expressão marginal e uma “conspurcação ao espaço

público”, como se referiu a lei brasileira 9.605, art. 65 aos atos de pichar e grafitar. Em

2011, esta lei sofreu uma alteração e separou pichação de graffiti, considerando este uma

ação legal “com o objetivo de valorizar o patrimônio público ou privado mediante

manifestação artística, desde que consentida pelo proprietário”. Podemos interpretar

essa medida como uma estratégia do governo para metamorfosear pichadores em

grafiteiros.

Diferente da Campanha “Pichação é crime”, lançada no início de 2013 pela

prefeitura de Curitiba, esta nova estratégia para conter a pichação se mostrou um tanto

eficaz. Abaixo está uma das imagens utilizada na campanha contra a pichação.

Page 9: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

9

Figura 1 – Campanha contra a pichação em Curitiba

FONTE: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/vandalismo-em-curitiba-gera-gasto-publico-de-r-15-milhao-por-ano/30854

De acordo com o gráfico “Arte nas ruas” apresentado pela Gazeta do Povo, o

número de graffitis aumentou na capital paranaense, porém, também ocorreu um

acréscimo de pichações após a disseminação da campanha “Pichação é crime”.

Figura 2 – Gráfico “Arte nas ruas” FONTE: http://www.gazetadopovo.com.br/

Page 10: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

10

Isto nos leva a hipótese de que a pichação é feita para afrontar as normas sociais,

vista como uma demonstração de raiva e rebeldia. Apesar do novo método utilizado pela

prefeitura que incentiva a prática do graffiti e condena a pichação, o grafiteiro Bolacha

disse em uma entrevista que a pichação nunca irá acabar: "sempre colocam na mídia que

vai fazer graffiti pra combater a pichação, mas não é, nunca vai acabar a pichação, não

combate. Isso é pura ilusão". No documentário “Pixo” (2009) de João Wainer e Rodrigo

Oliveira, o pichador Djan Cripta diz: “É pra afronta mesmo, tá ligado. O pichador quer

escancarar mesmo, é anarquia pura, é ódio mesmo” e o fotógrafo Choque afirma que “a

pichação de São Paulo é uma comunicação fechada. É de pichação pra pichação. Ela não

se comunica com a sociedade. Ela é uma agressão. Ela é feita para agredir a sociedade.”

Estas frases reforçam a ideia da pichação quanto agressão e mostra que ela não procura

interagir com a sociedade, por isso a estética agressiva e pouco complexa. Enquanto o

graffiti busca argumentar com a lei, a pichação busca a sua subversão. (SILVA, 2004).

Além da pichação feita para agredir o olhar, há aquelas em que são feitas por causa da

adrenalina gerada na ação de pichar.

Quem faz a pintura noturna da cidade, vive como em um grupo de rapina, cuja motivação é a adrenalina, a aventura, diferente da racionalização manifesta por uma parte sedentária da população que acumula casa, carro e dinheiro em um processo rotineiro de enraizamento. (SPINELLI, 2007, p.114)

Este rompimento dos costumes sociais implica numa marginalização dos

indivíduos que recorreram às atividades de pichar e grafitar. A inserção desta nova

cultura assusta algumas já existentes. Em uma entrevista com Cimples, ele disse frases,

em tom de ironia, como “acham que é ladrão” – se referindo a ele próprio – ou “vão me

matar”, diz rindo – quando peço para tirar uma foto de seu rosto. Isto demonstra que

apesar de dizer em tons irônicos, mesmo sendo um grafiteiro, há nele o sentimento de

ser um marginalizado pela sociedade. Bolacha relatou que já teve vários problemas com a

polícia, apresentando o preconceito por parte das autoridades. Para Perlman (1997,

p.128), o termo marginalidade se aplica a este rompimento dos padrões, abrangendo os

transviados, quer se trate de tipos patológicos, ou talentosos e não-conformistas. No caso

de um artista, um criminoso, um profeta ou um revolucionário, a marginalidade implica

Page 11: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

11

uma falta de participação na corrente ocupacional, religiosa ou política. Spinelli cita as

diferentes formas de marginalização destes artistas urbanos,

No âmbito jurídico, o pichador é marginal quando a prática da pintura urbana pode levá-lo à delegacia. No aspecto físico, o corpo do pichador é marginalizado quando ostenta sinais da atividade, como roupas e mãos sujas de tinta. No sentido moral e cultural, a sociedade não observa com bons olhos o jovem que picha, é visto como delinquente, e também é alvo de fofoca na vizinhança e objeto de preocupação dos pais com a desvalorização dos “bons costumes”. (SPINELLI, 2007)

O graffiti seria a quebra de um paradigma. Ele não se sujeita a homogeneidade

que a sociedade vem se apropriando gerada pela indústria cultural. Então, podemos dizer

que ele é um desses escritos que resistem à homogeneização, que são não apenas

enunciações, mas, sobretudo, engajamento (SILVA, 2004, p.7). Ele não segue uma

linearidade e não tem medo de se mostrar e fugir ao comum. Para o pesquisador Nestor

Canclini, citado por Viana (s/d), o graffiti define um gênero híbrido configurado no

cruzamento de diversos campos, e que subvertem os padrões oficiais e institucionais da

arte. O graffiti, que está presente no campo artístico desde o surgimento das vanguardas

modernistas e dos seus desdobramentos na contemporaneidade, proporcionou uma nova

relação da arte com o espaço público, bem como a desmaterialização da obra e o

desenvolvimento de uma nova dimensão social.

Rodrigo Lages (2004, p.4) vê o graffiti como uma forma do jovem marginalizado,

produto de uma sociedade desigual e excludente, se integrar a sociedade, fazendo valer

sua existência, sua marca – nesse mesmo sentido consideramos também suas vertentes

(pichação, tag, bomb, estêncil). Esse tipo de arte se mostra como uma saída artística

desse jovem, expondo críticas e denuncias através dos traçados de aspecto agressivo e

irregular. Porém, no documentário “Exit through the gift shop” (2010), produzido pelo

grafiteiro Banksy, é possível ver uma apropriação desta arte para fins comerciais. A arte

urbana passa a se tornar uma mercadoria. “De repente todos estavam vendendo arte

urbana e tudo virou uma loucura. Tudo parecia tratar-se de dinheiro. Mas nunca se tratou

de dinheiro” – diz Banksy.

Page 12: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

12

2.2 RELAÇÃO COM O HIP-HOP

Antes do Hip-Hop ter os seus quatro elementos, eram apenas três e o graffiti já

fazia parte deste tripé inicial, como se referiu a revista Caros Amigos (1998), edição

especial "movimento hip hop".

O Hip-Hop surge na década de 1970 para tentar diminuir os embates entre as

gangues dos bairros pobres de New York, transformando os conflitos em disputas

simbólicas, seja no break, no graffiti ou no rap – os três elementos, até então. Hoje, o rap

se transformou em dois novos elementos: o Mc e o Dj.

Atualmente é possível observar fortemente as disputas simbólicas entre os

pichadores, o que também vale para os grafiteiros. Ambas as atividades simbolizam uma

demarcação territorial. Apesar da semelhança desses grupos com as gangues, a diferença

se dá quanto à maneira de dominação e proteção do território. De acordo com Spinelli,

através do ato de grafitar e pichar,

O bairro deixa então de ser o local de atuação, ao contrário das gangues urbanas onde a defesa de um território é prerrogativa básica. Nos bondes6, o bairro só serve como identificação geográfica do grupo, visto que marcam toda a cidade, invadindo áreas de outros grupos em uma disputa hierárquica. A forma de luta difere da violência física das gangues urbanas, pois, nos grupos do piche e do grafite, ela se reduz a uma violência simbólica e provocativa. (SPINELLI, 2007, p.114)

Há uma tentativa e um apoio social para a conversão dos jovens pichadores às

práticas do graffiti. Com a conversão, se busca “uma violência direcionada”, que é um

modo de reedição da palavra, e até mesmo da visão do Hip-Hop, de uma recomposição

da dinâmica da violência, em contraposição ao uso da força física (DIÓGENES, 1998, p.

134). Cimples vê no hip-hop este direcionamento e disse: "A torcida organizada era uma

coisa bem forte na cidade e está sendo a coisa que está acontecendo como em Nova York

também, está se formando grupos, gangues, e existia muita briga na época - em 95, 94 - e

rolava muita rivalidade. Eu vi o hip hop como uma coisa apaziguadora. Uma coisa que

fazia com que os jovens criassem uma identidade entre eles e que fazia com que não

rolassem os conflitos."

6 Os bondes são grupos de pichadores e grafiteiros que se reúnem para picharem e/ou grafitarem em conjunto. Também dito como “coletivo” ou “crew”.

Page 13: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

13

No Brasil, o graffiti chega em 1978, dois anos antes do movimento Hip-Hop pisar

em solo brasileiro, e o primeiro registro anunciado pela mídia desta arte de rua foi o

inscrito "Lerfamú" observado em algum muro da cidade do Rio de Janeiro, como escreveu

da Silva-e-Silva (2011). Os Gêmeos e outros grafiteiros brasileiros se apropriaram do

grafifti como uma forma de denúncia a realidade já esquecida, mostrando com a sua arte

a miséria das ruas.

Imagens de crianças abandonadas sendo estupradas, cheirando cola, pedindo esmola, ocuparam muros do centro de São Paulo. Um recado artístico dirigido aos habitantes da metrópole que parece ter se tornado insensíveis diante dessas cenas da vida real (trecho retirado do texto "Subversão Colorida" da revista Caros Amigos, 2003)

Em entrevista a Caros Amigos (2003), o grafiteiro Zezão afirma: "O graffiti é um elemento do hip hop, mas não necessariamente o hip hop é um elemento do graffiti (...) Noventa por cento da galera que eu conheço que pinta, hoje, são desvinculados do hip hop."

2.3 GRAFFITI E SUAS SIGNIFICAÇÕES Abaixo está a imagem de dois mapas criados ao longo do projeto que buscam sintetizar e facilitar a compreensão dos vários significados que graffiti e pichação podem receber de seus praticantes, do governo e da sociedade.

Figura 3 – Mapa dos significados do graffiti

FONTE: Organizado pela autora.

Page 14: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

14

Figura 4 – Mapa dos significados da pichação

FONTE: Organizado pela autora.

O graffiti e a pichação são inscritos de múltiplas definições e significados. Eles

possuem diversas interpretações de acordo com as referências absorvidas por cada

indivíduo. Pode-se notar uma diferença de opiniões, por exemplo, ao se discutir a prática

de pichar. Para os outsiders, os que veem a atividade por fora, os que não fazem parte do

meio, pichação é um ato de vandalismo, violação da lei, uma agressão e degradação à

sociedade. Já para os insiders, que estão do lado de dentro, são os seus autores, a

pichação pode ser interpretada como um meio de se expressar, de mostrar uma revolta

às pressões sociais, uma busca por adrenalina e forma de se vincular a uma cultura e/ou

grupo de amigos. O que para alguns pode ser considerado poluição visual, para outros é

apenas um reflexo lógico das novas formas de habitar um ecossistema urbano pós-

moderno, profundamente marcado pela economia capitalista de mercado (SPINELLI,

2007, p.117).

Em uma entrevista a revista Caros Amigos (2003), um dos Gêmeos, artistas

grafiteiros hoje consagrados, diz: "Dizem que grafitar é um ato de vandalismo; pra mim,

vandalismo é fazer usina nuclear, propaganda e poluição".

Spinelli (2007, p. 115) afirma que o epicentro das atividades de pichação é o

centro da cidade. É no centro que se reúne uma massa significativa da população, seja ela

Page 15: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

15

fixa ou temporária, devido à concentração dos polos comerciais e de serviços. Isto

ressalta a ideia que graffiti e pichação são feitos para serem vistos pela sociedade, por

isso a apropriação dos espaços públicos. O artista Shepard, em entrevista ao

documentário Exit through the gift shop, afirma: “gostava da ideia de que quanto mais

‘adesivos’ tivesse por aí, mais importante parecia ser, mais gente queria saber o que era,

mais se perguntariam entre eles e isto é um poder.” Neste sentido, o grafiteiro e o

pichador pintam afim de obterem uma atenção social, e secundariamente para ganhar

um maior “IBOPE”, isto é, ter fama. Spinelli diz que na pichação, a hierarquia é medida

pelo número de aparições. O termo “IBOPE” se refere à “fama” da pichação e de seu (s)

autor (es), à sua visibilidade, isso se mede conforme a ousadia. Quanto mais ousada,

maior o IBOPE. É dado valor, sobretudo, a pichos feitos em locais altos e inacessíveis, tais

como pontes, topo de edifícios e locais de grande vigilância policial (PIMENTEL, 2007,

p.114).

“Subíamos nas partes mais altas dos edifícios. Subíamos na parte mais alta de algo.

Não era apenas ilegal, era perigoso. Mas eu fazia porque queria mostrar que era capaz de

fazer” – Mr. Brainwash para o documentário de Banksy. O pichador Djan Cripta, no

documentário “Pixo” (2009), aponta que:

Em São Paulo tem várias categorias de pichação. Tem os caras que só faz muro. Tem os caras que faz janela. Tem os caras que faz mais prédios. Tem os caras que faz escalada. Tem cara que faz tudo. Mas o fundamental daqui da pichação de São Paulo, independente das categorias, é o cara ter bastante pichação.

Abaixo estão algumas fotos que exemplificam os tipos de pichação citados por Cripta no documentário “Pixo”, (2009), feitos na cidade de Curitiba.

Page 16: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

16

Figura 5 – Pichação de muro FONTE: http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/despiche/conteudo.phtml?id=1357364&tit=Projeto-preve-

punicao-educativa-a-pichadores

Figura 6 – Pichação de janela FONTE: http://www.aladimluciano.com.br/?p=922

Figura 7 – Pichação de escalada FONTE: http://site.margaritasemcensura.com/zoom/pichadores-desordem-urbana-em-curitiba

Page 17: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

17

Figura 8 – Pichação de prédio FONTE: http://www.vanguardapolitica.com.br/2011/07/foto-do-dia-19072011/

Este ano, foram publicadas várias matérias em blogs e noticiários mostrando

pichações pela cidade de Curitiba. Dentre elas, está a que diz respeito sobre a pichação

feita no painel de Erbel Stenzel que fica na Praça 19 de Novembro (conhecida

popularmente como Praça do Homem nu). Nele, foi pichada a palavra “Nerd”, tag de uma

crew curitibana, em um dos pontos mais movimentados da cidade de Curitiba,

impressionando pela ousadia e proporção. Este é um exemplo pela busca de visualidade e

IBOPE. A pichação é vista e falada pela cidade e o (s) pichador (es) é (são) reconhecido (s)

entre o meio ao qual pertencem, despertando um sentimento de superação e satisfação

pessoal.

Figura 9 – Pichação feita por “Nerd” em praça pública

FONTE: http://www.circulandoporcuritiba.com.br/2012/04/curitiba-e-pichacao_23.html

Page 18: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

18

O graffiti tem como alvo a sociedade, capaz de transformar os conceitos vistos

num espaço urbano e da juventude que o alimenta (SILVA, 2004). Em contrapartida, o

grafiteiro Zezão foge desta ideia da sociedade como seu alvo. Os lugares escolhidos para

suas obras são geralmente de difícil acesso, paredes escondidas, espaços abandonados e

de pouco movimento, até galerias de esgoto. "Não estava mais importando que minha

arte fosse vista, estava pintando pra mim mesmo. Aquele lugar que era sujo, morto,

sombrio, eu trazia vida. Meu graffiti, hoje, tem mais conceito do que estética", disse

Zezão em uma entrevista à revista Caros Amigos (2003), edição especial "Hip-Hop".

Figura 10 – Graffiti de Zezão no subterrâneo FONTE: http://www.powerofculture.nl/en/current/2008/march/zezao

Figura 11 – Graffiti de Zezão na saída de esgoto FONTE: http://rickkubota.blogspot.com.br/2010/06/zezao.html

Page 19: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

19

No contexto de Curitiba, o grafiteiro Cimples faz um relação entre a vigilância dos

espaços públicos e as pichações. Em suas palavras: "Se você for perceber, onde mais tem

pichação é nos lugares mais abandonados, nos lugares mais esquecidos. Nos lugares mais

cuidados é onde tem menos né", pontua Cimples.

CONCLUSÃO

Apesar da aparente independência do graffiti com o Hip-Hop, ele ainda se

encontra conectado a este meio. Quando foi perguntado “O graffiti ainda possui alguma

relação com o Hip-Hop?” aos grafiteiros Cimples e Bolacha, ícones do graffiti em Curitiba,

ambos responderam que este ainda se encontra numa forte associação, sendo o Hip-Hop

o responsável por levá-los ao encontro das latinhas de spray. “Eu comecei a pintar mesmo

assim por ver uma entrevista dos Gêmeos e por ter contato com algumas pessoas daqui

do Hip-Hop aqui em Curitiba”, disse Cimples.

O Hip-Hop é a cultura que leva os jovens a conhecerem o graffiti, bem como os

Dj's, o rap e o break, e este contato pode se dar desde pequenos encontros com amigos

até grandes festivais de Hip-Hop e cultura de rua.

Através das entrevistas e pesquisas bibliográficas, também fora observado que o

graffiti não só se limita a uma intervenção urbana, mas pode também se tornar um estilo

de vida, uma forma de sustento e meio para fazer e/ou manter amizades. “Eu grafito para

deixar uma parte de mim na cidade”, grafiteiro Cimples7.

É bom lembrar que para muitos grafiteiros os limites entre graffiti e pichação não

são muito claros. Observamos que existe diferença entre graffiti e pichação em dois

sentidos: a) quanto à estética: enquanto graffiti é mais elaborado, carregado de cores,

mensagens e desenhos, a pichação é feita de traços simples, com pouca variação de cor e

geralmente sem o uso de desenhos; b) quanto à questões sociais: enquanto o graffiti é

aceito e promovido, a pichação é combatida e marginalizada.

Porém, eles também possuem suas semelhanças. Graffiti e pichação podem ser

categorizados como uma coisa só, isto é, intervenção urbana, expressão de um indivíduo,

artes de rua, etc.; visto que, por vezes, seus objetivos podem ser os mesmos (passar uma

mensagem, impactar a sociedade, protestar, etc.). Além do mais, ambas as atividades

7 Entrevista realizada no dia 15/10/13.

Page 20: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

20

descendem de um mesmo passado e fazem parte de uma mesma cultura, da cultura hip-

hop, da cultura de rua, da cultura juvenil e se considerarmos arte como a expressão do

indivíduo, graffiti e pichação também estão dentro do meio artístico, e porque não

político.

Oficialmente, para o governo, existe diferença entre graffiti e pichação, sendo que

a pichação é vista como crime e o graffiti passa a ser aceito, desde que se submeta a

autorização para ser realizado. A pichação por ser uma atividade que não se preocupa em

aderir aos padrões sociais de estética aceitos pela maioria das pessoas, acaba ficando a

margem da aceitação popular, por essa razão, acaba tornando-se uma mácula na

paisagem urbana que acaba sendo amplamente combatida pelas ações do Estado. Vale

ressaltar que a questão da autorização per si não delimita o graffiti da pichação, visto que

podem ocorrer, ainda que raros, graffitis sem autorização. Já no caso da pichação, está

em sua essência ser uma ação não autorizada.

Pensar geograficamente os fenômenos do graffiti e da pichação nos levam a

refletir sobra a construção da paisagem urbana. Quem deve interferir nesse processo?

Estado, mercado, artistas, cidadãos comuns? Essa questão é importante para pensarmos

os limites de intervenção na paisagem urbana. Compreendemos paisagem como tudo

aquilo que está visualmente diante de nós, ela é tudo o que vemos. A paisagem está para

nós como um texto que deve ser lido e interpretado (COSGROVE, 1999), no caso da

paisagem urbana é tudo que se vê dentro de um ambiente urbano, dentro das cidades. A

paisagem urbana é feita por todos nós todo o tempo, sendo, portanto, dinâmica. Ela vive

em constante mudança. Cortar a grama, deixar marcas de uma freada brusca no asfalto,

colocar postes de luz, colar uma propaganda em um outdoor, fazer um graffiti são todos

elementos que formam a paisagem urbana. Por ser feita por todos, todos são os

responsáveis pela paisagem, logo, não há um dono da paisagem. O conflito surge quando

alguns buscam ter o controle sobre essa paisagem, impedindo o outro de agir sobre ela,

modificando-a de acordo com suas intenções. Os mecanismos de vigilância são visíveis

em todo centro da cidade de Curitiba, repleta de câmeras de monitoramento

administradas pelo Estado ou pelo mercado. Seguranças particulares, policiais militares e

guardas municipais também contribuem para o controle da paisagem.

Page 21: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

21

Em geral são os jovens que buscam subverter essa lógica do controle. Esse

caminho, no entanto, pode ser perigoso. Apesar das rixas entre grupos de pichadores ser

simbólica, algumas vezes elas podem ser interpretadas mais seriamente. O conflito entre

pichadores, em geral por invasão de “território” 8 pode resultar em violência –

substituindo o spray por ameaça, e até ataques físicos. Atropelar9 um “pixo” ou graffiti

também pode acarretar tal situação. Outra questão de risco é ser flagrado pelas

autoridades, resultando em multa e até o cumprimento de pena. Mais um fator que torna

a pichação uma atividade perigosa são os locais e o horário em que geralmente é feita.

Por ser proibida, os pichadores preferem a madrugada como horário para agir, pois há

menos movimento, a visibilidade é pouca e a adrenalina se torna maior. Os locais nem

sempre são seguros, como topos de prédios, e para se chegar neles às vezes é preciso

passar por cercas, pular muros e adentrar espaços desconhecidos colocando a vida em

risco.

Mas há também lados positivos que podem ser potencializados. Se formos

considerar arte como a expressão do indivíduo, o graffiti (e mesmo a pichação) é um meio

de criação da arte. Assim como a cultura hip-hop, também podem ser vistos como uma

oportunidade de despertar a criatividade e o talento artístico dos jovens, visto como uma

tentativa de desviar aqueles que vivem em ambientes violentos para um meio onde se

desenvolve a arte e as amizades. O graffiti, nesse sentido, tem mais facilidades em ser um

fio condutor que desvie a juventude da violência; a pichação, por sua vez, sendo

marginalizada e reproduzida sem autorização pelos muros e paredes da cidade apresenta

outros caminhos possíveis para os jovens.

Não nos cabe nesse trabalho julgar qual atividade é melhor ou pior. Fato é que são

fenômenos urbanos que existem e ocorrem em nossa cidade, precisando, portanto de

uma compreensão geográfica. Ao que diz respeito a construção da paisagem urbana

identificamos que a questão estética é apenas a ponta do iceberg. Precisamos aprofundar

a discussão sobre cidadania e tentar compreender melhor qual o papel e o espaço dos

jovens em nossa sociedade.

REFERÊNCIAS 8 Para saber mais consultar Spinelli (2007). 9 Dentro do meio que envolve graffiti e pichação, atropelar significa pintar por cima, sendo vista como uma atitude negativa.

Page 22: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

22

ALMEIDA, Júlia. O recado controverso do grafite contemporâneo.Contemporanea, vol. 6, nº 1. Jun, 2008. Disponível em <http://www.portalseer.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/3519/2573>. Acessado em 30/04/2013.

C., Toni. O Hip-Hop está morto!: A história do Hip-Hop no Brasil. 1.ed.São Paulo: Edição do autor, 2012. 150p.

CAMPOS, Ricardo. Movimentos da imagem do Graffiti. Das ruas da cidade para os circuitos digitais. VI Congresso Português de Sociologia. Mundos sociais: saberes e práticas. Lisboa, 2008. Disponível <http://www.aps.pt/vicongresso/pdfs/98.pdf>. Acessado em 30/04/13.

CEARÁ, Alex de Toledo. DALGALARRONDO, Paulo. Jovens pichadores: perfil psicossocial, identidade e motivação. In:Psicologia USP, vol.19, n.3, 2008. São Paulo. Disponível em <http://www.revistas.usp.br/psicousp/article/view/41964/45632>. Acessado em 30/07/13.

COSGROVE, Denis. Geografia cultural do milênio. In: ROSENDAHL, Zeny; CORRÊA, Roberto, L. Manifestações da Cultura no Espaço. Rio de Janeiro: ED. Uerj, 1999. p.17-48.

DIOGENES, Gloria Maria dos Santos. Cartografias da cultura e da violência: gangues, galeras e o movimento hip hop. Fortaleza, 1998. Disponível em <http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/4060/1/1998_Tese_GMSDiogenes.pdf>. Acessado em 11/11/13.

ENDO, Tatiana Sechler. A pintura rupestre da pré-história e o grafite dos novos tempos. São Paulo, 2009. Disponível em <http://www.usp.br/celacc/ojs/index.php/blacc/article/view/215>. Acessado em 09/09/2013.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10.ed. Rio de Janeiro: DP&A,2005. 102p. Disponível em <http://www.geoideias.com.br/geo/images/livros/HALL,%20Stuart.%20A%20Identidade%20Cultural%20na%20pos-Modernidade.pdf>. Acessado em 01/04/13.

HONORATO, Geraldo. Grafite: da marginalidade às galerias de arte. Paraná, 2008/2009. Disponível em <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1390-8.pdf>. Acessado em 30/04/13.

MAUAD, Ana Maria. Através da imagem: fotografia, história interfaces. Tempo, Rio de Janeiro, vol. 1, n °. 2, 1996, p. 73-98. Disponível em <http://www.historia.uff.br/labhoi/node/24>. Acessado em 02/09/13.

MUNHOZ, Daniella RositoMichelena. Graffiti: uma etnografia dos atores da escrita urbana de Curitiba. Curitiba, 2003. Disponível em <http://www.bdae.org.br/dspace/bitstream/123456789/1549/1/tese.pdf>. Acessado em

Page 23: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

23

20/03/2013. PERLMAN. Janice E. O mito da marginalidade: favelas e política no Rio de Janeiro.Paz e Terra, Rio de Janeiro, 2.ed., 1997.

PIMENTEL, S. O livro vermelho do Hip-Hop. São Paulo, 1997. Disponível em <http://www.uff.br/periodicoshumanas/index.php/Fractal/article/download/31/17>. Acessado em 03/11/13.

RAMOS, Célia Maria Antonacci. Grafite e pichação: por uma nova epistemologia da cidade e da arte. Anais: 16° Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores de Artes Plásticas Dinâmicas Epistemológicas em Artes Visuais. Florianópolis, 2007. Disponível em http://www.anpap.org.br/anais/2007/2007/artigos/127.pdf Acessado em 24/04/2013.

SILVA-E-SILVA, William da.Graffitis em múltiplas facetas: definições e leituras iconográficas.Annablume, São Paulo, 1.ed., 2011, 129 p.

SILVA, Rodrigo Lages. Escutando a adolescência nas grandes cidades através do grafite. Porto Alegre, 2004. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pcp/v24n4/v24n4a02.pdf>. Acessado em 24/04/2013.

SPINELLI, Luciano. Pichação e comunicação: um código sem regra. Logos26: comunicação e conflitos urbanos. 2007. Disponível em <http://www.logos.uerj.br/PDFS/26/08lucianospen.pdf>. Acessado em 15/05/2013.

VIANA, Maria Luiza Dias. Dissidência e subordinação: um estudo dos grafites como fenômeno estético/cultural e seus desdobramentos. Disponível em <http://www.gedest.unesc.net/seilacs/dissidencia mariaviana.pdf>. Acessado em 22/03/2013.

REVISTA CAROS AMIGOS. Edição especial "Movimento Hip-Hop". Subversão colorida, nº3. Setembro, 1998. p.30-31.

REVISTA CAROS AMIGOS. Edição especial "Hip-Hop". Além dos muros, nº 24, Junho, 2005. p.31.

LEI 12 408. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12408.htm Acessado em: 22/03/2013.

LEI 9605. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9605.htm#art65 Acessado em 24/04/2013.

VÍDEO DOCUMENTÁRIO “PIXO” (João Wainer e Rodrigo Oliveira, 2009). Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=4_0SrxMYOnQ Acessado em 24/04/2013.

VÍDEO DOCUMENTÁRIO “EXIT THROUGH THE GIFT SHOP” (Banksy, 2010). Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=SW-h8w2Slhwhttp://www.youtube.com/watch?v=cXdKmKUcXAk Acessado em 24/04/2013.

Page 24: GRAFFITI E PICHAÇÃO NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA“RIO-FIN… · 5 1.2 VARIAÇÃO DO TERMO GRAFFITI E INTERPRETAÇÕES Optamos pelo uso da palavra graffiti, ao invés de grafite,

24

Workshop de graffiti com participação do grafiteiro Shock, promovido pelo Encontro Internacional de Graffiti (Streets of Styles) realizado no início de 2013 na cidade de Curitiba.