GOVERNO DE D.PEDRO I (1822 1831) - upvix.com.br ? a confederao do equador (1824)

Download GOVERNO DE D.PEDRO I (1822  1831) - upvix.com.br ? a confederao do equador (1824)

Post on 11-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

GOVERNO DE D.PEDRO I (1822 1831) Livro 4, aula 13 (Extensivo Mega) 3 ano / Pr-vest Ano 2018 Prof. Abdulah AS LUTAS PS-INDEPENDNCIA Resistncia Independncia ou ao modelo de Independncia (Par, Maranho, Bahia e Cisplatina) Lutas contra Portugal at 1825 General Thomas Cochrane liderou alguns movimentos emancipacionistas na Amrica. PROVNCIAS DO BRASIL APS A INDEPENDNCIA BANDEIRA DO IMPRIO BRASILEIRO (1822-1889) O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DA INDEPENDNCIA 1824: Estados Unidos Doutrina Monroe 1825: Portugal 2 milhes de libras esterlinas e o afastamento do Brasil de Angola 1827: Inglaterra reafirmao dos Tratados de 1810 (BRA/INGL) A CONSTITUIO DA MANDIOCA (1823): ABORTADA O PROJETO PREVIA: Eleies censitrias e indiretas: - Eleitor de Parquia (150 alqueires de mandioca) - Eleitor de Provncia (250 alqueires de mandioca) - Deputado (500 alqueires de mandioca) - Senador (1000 alqueires de mandioca) Diviso do poder em Legislativo, Executivo e Judicirio Restrio participao de estrangeiros na vida poltica O Imperador no poderia dissolver o Legislativo e nem vetar suas decises Jos Bonifcio de Andrada: Idealizador da Constituio da Mandioca. A NOITE DA AGONIA (12/11/1823) D. Pedro I dissolve o Parlamento, prende os deputados, cria o Conselho de Estado (Partido Portugus) e outorga a Constituio de 1824. A CONSTITUIO OUTORGADA DE 1824 DETERMINAES: Voto censitrio e indireto: eleitor primrio (renda de 100$000), eleitor secundrio (renda de 200$000), Deputado (renda de 400$000) e Senador (renda de 800$000) Senado vitalcio Poder Executivo, Legislativo, Judicirio e Moderador Monarquia hereditria a partir da maioridade Relao ESTADO IGREJA: Regalismo, Padroado, Beneplcito A CONFEDERAO DO EQUADOR (1824) A vocao revolucionria do Nordeste Liberais radicais pernambucanos recusaram-se a aceitar a Constituio outorgada de 1824, de carter unitarista, e deflagraram a Revoluo LDERES: - O poltico e mdico Cripriano Barata e o Frei Joaquim do Amor Divino, o frei Caneca PROPSITOS: - Repblica federativa espelhada na estadunidense - Constituio da Gr-Colmbia (Colmbia, Equador e Venezuela) - Proibio do trfico negreiro A CONFEDERAO DO EQUADOR (1824) O governo tomou emprstimos com a Frana e a Inglaterra para compor tropas e dissolver o movimento Vrios revoltosos foram presos ou mortos Frei Caneca foi fuzilado A CRISE DO REINADO DE D. PEDRO I Impopularidade do Rei Crise econmica Questo sucessria portuguesa (1826) Independncia da Cisplatina (1828) Assassinato do jornalista Lbero Badar Comitiva de D. Pedro I pelo resgate da sua prpria imagem: FALHOU Noite das Garrafadas (12 de maro de 1831) A dissoluo do Ministrio dos Brasileiros e a nomeao do Ministrio dos Marqueses A renncia de D. Pedro I em favor do seu filho, Pedro de Alcntara (07/04/1831) (ENEM_CANCELADO_2008) A Confederao do Equador contou com a participao de diversos segmentos sociais, incluindo os proprietrios rurais que, em grande parte, haviam apoiado o movimento de independncia e a ascenso de D. Pedro I ao trono. A necessidade de lutar contra o poder central fez com que a aristocracia rural mobilizasse as camadas populares, que passaram ento a questionar no apenas o autoritarismo do poder central, mas o da prpria aristocracia da provncia. Os lderes mais democrticos defendiam a extino do trfico negreiro e mais igualdade social. Essas ideias assustaram os grandes proprietrios de terras que, temendo uma revoluo popular, decidiram se afastar do movimento. Abandonado pelas elites, o movimento enfraqueceu e no conseguiu resistir violenta presso organizada pelo governo imperial. FAUSTO, B. Histria do Brasil. So Paulo: EDUSP, 1996 (adaptado). Com base no texto, possvel concluir que a composio da Confederao do Equador envolveu, a princpio, a) os escravos e os latifundirios descontentes com o poder centralizado. b) diversas camadas, incluindo os grandes latifundirios, na luta contra a centralizao poltica. c) as camadas mais baixas da rea rural, mobilizadas pela aristocracia, que tencionava subjugar o Rio de Janeiro. d) as camadas mais baixas da populao, incluindo os escravos, que desejavam o fim da hegemonia do Rio de Janeiro. e) as camadas populares, mobilizadas pela aristocracia rural, cujos objetivos incluam a ascenso de D. Pedro I ao trono. X 3 ano / Pr-vestAno 2018Prof. AbdulahNmero do slide 2Nmero do slide 3Nmero do slide 4Nmero do slide 5Nmero do slide 6Nmero do slide 7Nmero do slide 8Nmero do slide 9Nmero do slide 10Nmero do slide 11Nmero do slide 12Nmero do slide 13Nmero do slide 14Nmero do slide 15Nmero do slide 16

Recommended

View more >