Gesto de projetos_sociais

Download Gesto de projetos_sociais

Post on 24-May-2015

96 views

Category:

Business

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li> 1. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS O contraponto da globalizao o desenvolvimento de identidades prprias. gestoAtecnologiatrouxe uma nova sociedade com mecanismos prprios de apresentao de seus interesses. deprojetosTemas da vida privada invadiram as arenas polticas. No desapareceu a velha sociedade civil, mas tornou-se mais complexa a dinmica de apresentao dos interesses coletivos.sociais H um novo padro de participao democrtica. coleo gestores sociais Podemos imaginar uma relao mais colaborativa entre governo e sociedade. coordenao: Clia M. vila 3a edio revista </li></ul><p> 2. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS Buscando atender s necessidades das organizaes no-gover- namentais (ONGs) participantes dos concursos do Programa Capacitao Solidria, a Associao de Apoio ao Programa Comunidade Solidria (AAPCS) concebeu o Projeto Ges-tores Sociais, organizando e realizando, desde 1997, um curso voltado para o aprimoramento dos profissionais envolvidos em projetos sociais. Resultado da troca permanente de experincia entre tcnicos, colaboradores e organizaes, o curso tem como objetivos aprimorar o desempenho de todos os envolvidos e otimizar as metas pretendidas em cada projeto, fortalecendo as organizaes que atuam na rea social. O livro Gesto de projetos sociais uma coletnea dos textos elaborados para dar suporte a esse curso. Escritos por profissionais competentes, eles no apenas contribuem para a reflexo sobre o tema, mas tambm registram um pouco da experincia vivida e das lies aprendidas, fornecendo orientaes prticas e procedimentos necessrios a uma boa gesto em projetos sociais. O conjunto da obra se apia na viso de que a ao organizacional deve considerar os novos paradigmas estabelecidos por este nosso mundo em mudana, no qual se destaca a atuao do chamado terceiro setor (nem Estado, nem mercado), com a enor- me expanso das organizaes da sociedade civil e de fundaes empresariais sem fins lucrativos. A proposta uma nova atitude: um dilogo que busque o consenso sem apagar as diferenas, abrindo um novo caminho para uma ao social efetiva. 3. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS AAPCS ASSOCIAO DE APOIO AO PROGRAMA CAPACITAO SOLIDRIA Diretor Presidente Eduardo Carvalho Tess Diretoras Snia Miriam Draibe Maria Helena Gregori Superintendente Executiva Clia M. de vila Conselho Deliberativo Tito Enrique da Silva Neto (Presidente) Eduardo Carvalho Tess Mirian Faury Luiz Felipe Dvila Snia Miriam Draibe Raul Cutait Suplentes Lourdes Sola Renato Tavares de Magalhes Gouvea Thereza Sophia Jlia Hantzschel Margarida Bulhes Pedreira Genevois Dalva Funaro Gasparian Bernadete Angelina Gatti Conselho Fiscal Miguel Reale Jnior Paulo Egydio Martins Luiz Olavo Baptista 4. GESTO DE PROJETOS SOCIAISCOLEO GESTORES SOCIAIS Gesto de projetos sociais Clia M. de vila Coordenao 3 edio revista AAPCS 2001 So Paulo 5. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP) (Cmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Gesto de projetos sociais / Clia M. de vila coordenao. 3 ed. rev. So Paulo : AAPCS Associao de Apoio ao Programa Capacitao Solidria, 2001. (Coleo gestores sociais) Vrios autores. ISBN 85-87603-05-1 1. Assistncia social - Brasil - Administrao 2. Brasil - Poltica social - Administrao 3. Servio social - Brasil - Administrao I. vila, Clia M. de. II. Srie. 01-2756 CDD-361.610981 Copyright by Associao de Apoio ao Programa Capacitao Solidria Coordenao geral Clia M. de vila Coordenao editorial AAPCS Edio de texto e de arte Plural Assessoria e Servios Editoriais Capa Cida Santos/Plural Produo grfica Maria Ins Jaen Rodriguez/Plural ndices para catlogo sistemtico: 1. Brasil : Projetos sociais : Gesto 361.610981 2. Gesto de projetos sociais 361.610981 6. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS SSSSSUMRIOUMRIOUMRIOUMRIOUMRIO Apresentao 7 Clia M. de vila Prefcio: A construo de um novo dilogo 10 Ruth Cardoso Introduo temtica da gesto social 13 Maria do Carmo Brant de Carvalho (adaptado) Administrao em organizaes de produto social: articulaes possveis 19 Ana Luisa Curty Elaborao de projetos sociais 37 Thereza Christina Holl Cury Avaliao de projetos sociais 59 Maria do Carmo Brant de Carvalho Avaliao de aes sociais: uma abordagem estratgica 90 Rebecca Raposo Gesto administrativa e financeira de projetos sociais 102 Maria Rosria de Souza 7. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS AAAAAPRESENTPRESENTPRESENTPRESENTPRESENTAOAOAOAOAO Q uando iniciamos o Programa Capacitao Profissio- nal de Jovens Capacitao Solidria no segundo semestre de 1995, tnhamos algumas certezas. Entre elas, a de que, para uma implantao eficaz do Programa nos diversos estados, era preciso envolver a imensa rede de organi- zaes que este pas possui, tanto pela sua experincia como pela sua proximidade com o pblico-alvo e sua facilidade de insero nas comunidades que lhes so pertinentes. J saba- mos, no entanto, da enorme diversidade entre elas. Nessa ocasio tnhamos tambm clareza de que, para fazer chegar os recursos financeiros a essas organizaes de forma justa e democrtica, seria necessrio criar algum tipo de competio entre projetos que apresentasse transparncia e seriedade de critrios de seleo. Lanamos ento concursos de projetos com regras, normas e procedimentos publicados em edital e ampla- mente divulgados nas regies de abrangncia. Em fevereiro de 1996 foi lanado o edital do I Concurso de Projetos para Capacitao Profissional de Jovens nas regies metropolitanas de So Paulo e Rio de Janeiro. Recebemos perto de 150 projetos, dos quais conseguimos selecionar apenas 33. No entanto, embora o edital apresentasse orientao clara e roteiro bem explicado, percebemos que a maioria das organiza- es tinha muita dificuldade para elaborar um projeto, desde ex- plicar com clareza a inteno de sua proposta at falta de lgica e coerncia, alm de problemas de redao. Em muitos casos, o item oramento e custos no apresentava a menor consistncia. A partir dessa constatao, criamos o Projeto Gestores Sociais, que se constitui no desenho e implementao de cursos para desenvolvimento de competncias de profissionais que atuam na rea social. Hoje, o Projeto Gestores Sociais do Programa Capacitao Solidria oferece trs modalidades de cursos: Ges- to Social, Planejamento e Gesto de Microempreendimentos e Habilidades Interpessoais e Administrativas. O curso Gesto Social foi o primeiro a ser estruturado e seus resultados so comprovados pela crescente qualidade das propostas inscritas nos Concursos de Projetos do Programa 7 8. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS Capacitao Solidria e pelo aumento da demanda, tanto por parte de profissionais que atuam no terceiro setor como dos tcnicos que atuam em programas e projetos sociais em insti- tuies pblicas, fundaes e empresas privadas. Em quatro anos, realizamos 71 cursos de Gesto Social, envolvendo mais de 5 mil profissionais de 19 estados, do Norte ao Sul do pas. Nessa trajetria, fomos sistematicamente avaliando e reavaliando a for- ma e o contedo dos mdulos, refletindo e incorporando ajustes, aprendendo com o contato e a experincia dos profissionais participantes. No ano de 2001 sero ministrados 53 desses cursos, envolvendo outros 3 mil profissionais, o que soma mais de 8 mil profissionais beneficiados. Sempre tendo como meta o fortalecimento das organiza- es sociais e a capacitao profissional dos jovens e a sua insero no mercado de trabalho , desenvolvemos o curso Planejamento e Gesto de Microempreendimentos. Esse mdulo oferece, aos orientadores pedaggicos das organizaes capa- citadoras que executam os cursos para os jovens, informaes sobre as mais diversas formas de organizao econmica da produo de bens e servios, incluindo cooperativa, trabalho autnomo e ainda informaes sobre como abrir uma micro- empresa, o que custo, lucro, etc. At o final de 2001, teremos realizado 81 cursos dessa modalidade, que beneficiaro cerca de 4 mil profissionais do terceiro setor em oito regies metropolitanas. No incio de 2001, criamos um novo curso, Habilidades Interpessoais e Administrativas, que tem por finalidade despertar e formar lideranas comunitrias. Neste ano sero realizados, em parceria com a Secretaria de Assistncia Social do governo federal, 52 cursos para capacitar mais de 2 mil jovens dos municpios com o menor IDH (ndice de Desenvolvimento Humano) do pas. Esse novo mdulo aborda temas essenciais para o trabalho em comunidade, tais como comunicao, nego- ciao, conduo de reunies comunitrias, liderana, relaes humanas e administrao de conflitos, entre outros. Hoje, o Projeto Gestores Sociais incorpora a experincia propiciada pela anlise e avaliao de mais de 11 mil projetos de capacitao profissional de jovens, pela execuo e avaliao de centenas de cursos para profissionais da rea social e pela convivncia com cerca de 3 mil organizaes da sociedade civil que participaram do Programa Capacitao Solidria. APRESENTAO 8 9. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS Ns que coordenamos e administramos o Projeto Gestores Sociais temos a convico de que, alm dos contedos consis- tentes e adequados de seus cursos, uma das principais razes do sucesso deles tem sido a competncia e a seriedade dos pro- fissionais e professores envolvidos. Agradecemos a colaborao da Prof Ruth Cardoso e de Elisabeth Braz, Maria Ieda Lopes da Silva, Srgio Bressane e Sonia Maria Silva, que, alm dos nomes que assinam os textos desta publicao, tambm participaram do Projeto Gestores Sociais. Esperamos que as idias e informaes aqui trabalhadas continuem contribuindo para o bom desempenho das diferen- tes funes de cada um em seus futuros desafios. Clia M. de vila Superintendente Executiva da AAPCS Coordenadora Nacional do Programa Capacitao Solidria APRESENTAO 9 10. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS PPPPPREFCIOREFCIOREFCIOREFCIOREFCIO AAAAA CONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOCONSTRUO DEDEDEDEDE UMUMUMUMUM NONONONONOVVVVVOOOOO DILDILDILDILDILOGOOGOOGOOGOOGO A o iniciarmos, em 1995, as atividades do Conselho da Comunidade Solidria, estvamos experimentando uma proposta de atuao na rea social resultante de um tra- balho coletivo realizado por pessoas convencidas da necessida- de imediata de abrir novos canais de participao. Tomando a srio as mudanas havidas na sociedade brasileira quanto ao seu grau de associativismo e de participao, procuramos o apoio de teorias e novas prticas que j podiam ser observadas em outros pases. Nosso primeiro propsito foi o de propor um dilogo entre a sociedade organizada e algumas reas de governo, convenci- dos que estvamos da importncia das novas formas associativas como instrumentos de atuao em sociedades democrticas. A revoluo tecnolgica a que assistimos neste fim de scu- lo, que transformou a comunicao em instrumento impres- cindvel, colocando o mundo todo em contato on line, trouxe mudanas fundamentais no modo de produzir. O conceito de globalizao, to invocado, descreve essa mudana, mas freqentemente obscurece os processos no- econmicos em curso. O que pouco reconhecido que o avano tecnolgico trouxe tambm uma nova sociedade, com mecanismos prprios de apresentao de interesses e novos atores polticos. O contraponto da globalizao o desenvolvi- mento de identidades prprias, ligadas experincia pessoal de cada um no espao em que lhe cabe viver. Esse processo, vivenciado de modo diferente em diferentes regies, cria, entretanto, nas mais diversas sociedades, uma nova dinmica social, que responde ao novo padro de participao democrtica. A sociedade se fragmentou em espaos de ao poltica que no mais se confundem com as formas tradicionais de represen- tao,masquepodemformarredesqueconectam,solidariamente, os vrios ncleos que as formam. E no se pense que esses ncleos tm perspectivas e objetivos no-conflitivos. A grande caracters- ticadessassociedadesadiversidadedepontosdevistaqueacolhem, e legtima a manifestao dessas posies. 10 11. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS Essa caracterstica faz da sociedade contempornea um es- pao diferente, que Manuel Castells chama de sociedade-rede, e que se diferencia daquela que designvamos como sociedade civil, que legitimava o Estado ao mesmo tempo que o desafiava com movimentos que visavam a sua transformao ou o seu fim. Os movimentos cujo objetivo era alcanar o poder tinham que estar baseados em propostas globais para toda a sociedade. Agora, acabaram os esquemas explicativos e as receitas totalizan- tes. O jogo entre atores polticos hoje mais complicado, por- que o significado e o estilo da luta pelo poder foram alterados. Temas da vida privada invadiram as arenas polticas, e comuni- dades se fazem ouvir trazendo para o cenrio suas experincias cotidianas e novos tipos de reivindicao. Por tudo isso, torna-se necessria a introduo de padro diferente de integrao entre reas especficas de ao governa- mental e esses ncleos, que tm propostas especficas baseadas em suas experincias comunitrias, discriminatrias ou de pre- servao da natureza. No desapareceu a velha sociedade civil, mas tornou-se mais complexa a dinmica de apresentao dos interesses coletivos. O Conselho da Comunidade Solidria pretendeu e preten- de ser um espao e no o nico para essa comunicao entre grupos sociais que elaboram propostas de significado geral para a sociedade. Porque existem esses grupos e eles esto interessa- dos em implementar suas idias, podemos imaginar uma rela- o mais colaborativa entre governo e sociedade. Para que isso ocorra acreditamos que, em primeiro lugar, certas atividades podem ser executadas em parcerias, ganhan- do eficincia. Assim, procuramos pr em prtica novas formas de parceria, planejando programas que contaram e contam com o apoio de empresas, universidades e do governo. O xito desses programas pode ser medido por sua expan- so e por sua flexibilidade, que permite contnuos desdobra- mentos, gerando novas atividades. Atravs da articulao das colaboraes, aprendemos que possvel alcanar nossos ob- jetivos sem um fundo pblico governamental, ainda que utili- zando recursos pblicos, que se somam ao trabalho voluntrio e aos mais diversos recursos privados. Em segundo lugar, podemos abrir um dilogo produtivo em que essas vozes que expressam novas identidades polticas possam se manifestar e, principalmente, se encontrar. 11 A CONSTRUO DE UM NOVO DILOGO 12. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS A poltica contempornea exige a construo de consensos que no apagam as diferenas, mas abrem caminhos para a ao efetiva. O Projeto Gestores Sociais, parte integrante do Programa Capacitao Solidria, sem dvida est contribuindo para a cons- truo desse novo dilogo. Ruth Cardoso Presidente do Conselho da Comunidade Solidria 12 A CONSTRUO DE UM NOVO DILOGO 13. GESTO DE PROJETOS SOCIAIS INTRODUO TEMTICA DA GESTO SOCIAL AdaptaodetextooriginaldeautoriadeMariadoCarmo Brant de Carvalho. 13 14. GESTO DE PROJETOS SOCIAISQ uando falamos em gesto social estamos nos referindo gesto das aes sociais pblicas. A gesto social , em realidade, a gesto das demandas e necessidades dos cidados. A poltica social, os programas sociais, os projetos so no apenas canais dessas necessidades e demandas, mas tambm respostas a elas. Foi neste sculo, propriamente, que as necessidades e...</p>