gestÃo de estoques para merenda escolar: um ?· gestÃo de estoques para merenda escolar: um...

Download GESTÃO DE ESTOQUES PARA MERENDA ESCOLAR: UM ?· gestÃo de estoques para merenda escolar: um estudo…

Post on 08-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • GESTO DE ESTOQUES PARA

    MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE

    CASO EM UMA ESCOLA PBLICA DE

    ENSINO INTEGRAL EM ANANIDEUA,

    PAR.

    taelen de jesus ferreira sousa (UEPA )

    taelen_ferreira@hotmail.com

    antonio do nascimento branco (UEPA )

    antonionascimentobranco@hotmail.com

    Ney Teixeira de Lacerda Junior (UEPA )

    juca_boyy@hotmail.com

    Nayana Teixeira Dias (UEPA )

    nayana.t.dias@hotmail.com

    avylon silva santos (UEPA )

    santosavylon@gmail.com

    A merenda escolar constitui-se como um item indispensvel para a

    permanncia dos alunos no ambiente. O Programa Nacional de

    Alimentao Escolar (PNAE) estabelece um conjunto de alimentos que

    so indispensveis na merenda em todo o Brasil. TTendo como base as

    exigncias do PNAE e a classificao de materiais em estoque XYZ,

    buscou-se analisar o controle da merenda fornecida em uma

    instituio pblica localizada em Ananindeua, Par com o intuito de

    propor melhorias. Para atingir este objetivo foram realizadas visitas e

    entrevistas no colgio em questo, assim como pesquisas bibliogrficas

    para embasar o assunto do estudo. Notou-se que a escola estudada

    possui grandes deficincias em relao s exigncias nacionais, o que

    ficou evidente aps a construo de parmetros de comparao entre

    os insumos que a escola j possui e o que exigido pelo PNAE. Por

    fim, com a classificao XYZ dos alimentos fornecidos pela instituio,

    o presente estudo alcanou seu objetivo, ou seja, propor melhorias.

    Palavras-chave: merenda escolar, PNAE, classificao XYZ, propor

    melhorias.

    XXXVI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCO Contribuies da Engenharia de Produo para Melhores Prticas de Gesto e Modernizao do Brasil

    Joo Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016.

  • XXXVI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCO Contribuies da Engenharia de Produo para Melhores Prticas de Gesto e Modernizao do Brasil

    Joo_Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016. .

    2

    1. Introduo

    As escolas pblicas, no Brasil, esto sujeitas a muitos riscos inerentes sua continuidade.

    Assim, Morini (2005) aborda sobre os diversos riscos que tanto as escolas quanto as empresas

    enfrentam. No que refere atuao com baixos nveis de estoque de merenda escolar, o que

    pode acarretar na falta de materiais para a produo desta. Por esse motivo, a gesto eficiente

    de insumos tambm indispensvel para a correta manuteno das atividades escolares das

    instituies pblicas. Desse modo, quando so analisadas as escolas pblicas de ensino, torna-

    se ainda mais relevante a gesto de insumos em funo da contribuio por parte das redes de

    ensino, nutrio e ao crescimento de jovens (MORINI, 2005).

    Nesse sentido, o FNDE (2002) e o Programa Nacional de Alimentao Escolar (PNAE) foram

    implantados com a finalidade de promover a sade; alimentao adequada e saudvel nas

    escolas pblicas, pois tais entidades consideram esta, um fator fundamental para o rendimento

    do aluno. Segundo Oliveira (1997), a merenda escolar representa um importante atrativo que

    possibilita a manuteno da frequncia numa certa porcentagem. Constituindo assim, uma

    atividade integrada de ensino pblico. Tal situao se deve ao fato de que muitos alunos das

    escolas pblicas brasileiras, tem a merenda escolas como a sua nica refeio diria (Abreu,

    1995; Fnde, 2002).

    Conforme exposto no FNDE (2012), deficincias nutricionais na adolescncia apresentam

    relevantes impactos para a vida adulta do indivduo, pois nesta fase que acontece as

    mudanas fisiolgicas, relativas ao crescimento e a maturao das caractersticas sexuais

    desses indivduos (Eisenstein et al., 2000). Desta forma, a gesto da merenda escolar se faz

    fundamental para o desenvolvimento educacional e nutricional para os alunos. Levando a

    considerar que a gesto de estoques no mbito da merenda escolar indispensvel para

    garantir tais objetivos.

    Neste caso, segundo o direcionamento do FNDE (2012), o controle desses materiais deve ser

    correlacionado com a nutrio mnima aceitvel para cada faixa etria de alunos. Uma vez

    que, estabelecido pelo FNDE que a merenda escolar seja capaz de suprir no mnimo 20%

    (vinte por cento) das necessidades nutricionais de estudantes beneficirios, entre 11 a 18 anos

    de idade, caso estes permaneam apenas em um perodo na instituio. Dada a relevncia do

    tema, o presente trabalho, tem como objetivo analisar como se d o controle da merenda

    escolar numa instituio pblica, localizada no municpio de Ananindeua, estado do Par, sob

    a tica dos conceitos da gesto de estoques. A fim de propor melhorias para tal gesto

  • XXXVI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCO Contribuies da Engenharia de Produo para Melhores Prticas de Gesto e Modernizao do Brasil

    Joo_Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016. .

    3

    relacionando exigncias do Plano Nacional de Alimentao Escolar (PNAE) com a

    classificao de materiais.

    2. Referencial terico

    2.1. Gesto de estoque

    A prtica da formao de estoques algo recorrente em qualquer atividade produtiva.

    Independentemente do segmento de atuao, inmeras variveis externas e internas acabam

    influenciando a deciso de estocar materiais diversos. Nesse sentido, segundo Viana (2002),

    estoques so recursos ociosos que possuem valor econmico, com a finalidade de incrementar

    a produo e servir aos clientes.

    Autores como Slack et al (2002), ao tentarem explicar esse fenmeno, consideram a criao

    de estoque como uma forma de se precaver em um ambiente incerto. Para eles, os estoques

    existem por causa da diferena entre o fornecimento e a demanda dos produtos. Ballou

    (2004), complementa esta afirmao, pois para ele, os principais motivadores para a

    estocagem so:

    A proteo contra incertezas na demanda e no tempo de ressuprimento;

    A proteo contra o aumento de preos;

    A permisso de economia de escala em compras e no transporte;

    A segurana contra contingenciamentos.

    Figura 1 Representao do estoque como meio de compensao entre o ritmo de fornecimento e demanda

    Fonte: Adaptado de Slack et al (2002)

    Por outro lado, conforme exposto por Fernie e Sparks (2009), a manuteno de estoques

    excessivos pode ser oneroso empresa, oferecendo, dentre vrios riscos, o de obsolescncia

    dos produtos. Tal fato, segundo Viana (2002), ocasionado pelos representativos aspectos

  • XXXVI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCO Contribuies da Engenharia de Produo para Melhores Prticas de Gesto e Modernizao do Brasil

    Joo_Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016. .

    4

    econmicos, financeiros e operacionais crticos envolvidos na manuteno de estoques.

    Segundo Viana (2002), os recursos financeiros alocados em estocagem devem ser

    empregados da forma mais racional possvel, ou seja, atravs de uma gesto eficiente dos

    estoques.

    Nesse contexto, segundo os direcionamentos de Viana (2002), a gesto de estoques um

    conjunto de atividades que visam ao pleno atendimento das necessidades da empresa, com

    mxima eficincia e ao menor custo, atravs do maior giro possvel de capital investido em

    materiais. Segundo ele, seu objetivo principal consiste na busca pelo equilbrio entre o

    estoque e o consumo, pois conforme o autor ressalta, a preocupao da gesto de estoques se

    faz presente em qualquer empresa, principalmente em relao ao equilbrio entre as variveis:

    custo de aquisio, estocagem e distribuio; nvel de atendimento das necessidades dos

    usurios.

    2.2. Classificao de materiais

    A Classificao de Materiais, segundo Viana (2002), um processo de aglutinao de

    materiais por caractersticas semelhantes. Para ele, boa parte do processo de gerenciamento de

    estoques depende essencialmente da boa discriminao dos materiais. Ao mesmo tempo,

    dependendo da situao, o autor aborda outras importantes utilidades para este sistema de

    classificao como, por exemplo, utiliz-lo como mtodo para identificar e decidir as

    prioridades dentro da gesto do estoque. Slack et al (2002), complementam esta proposio,

    pois, para eles, a complexidade envolvida no gerenciamento de um grande nmero de

    materiais, acaba por induz utilizao de um mtodo para o controle desses materiais.

    Segundo eles, indispensvel discriminar os diferentes itens estocados, com a finalidade de

    aplicar um grau de controle a cada item segundo sua importncia, assim como: investir em

    um sistema de processamento de informao, com o objetivo de auxiliar no controle de

    estoque com os seus particulares conjuntos de circunstncias.

    Nesse contexto, existem vrias formas para se controlar o estoque atravs da classificao de

    materiais. Todavia, Viana (2002) ressalta quais os principais atributos devem ser considerados

    para a realizao de uma boa classificao de materiais, a saber:

    Abrangncia: a classificao de materiais deve tratar de uma gama de caractersticas,

    ao invs de reunir apenas materiais para serem classificados;

  • XXXVI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCO Contribuies da Engenharia de Produo para Melhores Prticas de Gesto e Modernizao do Brasil

    Joo_Pessoa/PB, Brasil, de 03 a 06 de outubro de 2016. .

    5

    Flexibilidade: a classificao de materiais deve permitir interfaces entre os diversos

    tipos de classificao, de modo a proporcionar uma ampla viso do gerenciamento de

    estoques;

    Praticidade: a clas

Recommended

View more >