gestão de embalagens e resíduos de de embalagens e... · principais alterações no fluxo das...

Download Gestão de Embalagens e Resíduos de de embalagens e... · Principais alterações no fluxo das embalagens

Post on 11-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Gesto de Embalagens e Resduos de Embalagens

    23.02.2018

    Painel Sustentabilidade

    LUSOFLORA 2018

  • UNLEXUNILEX Decreto-Lei n. 152-D/2017

    Encontra-se em vigor, desde 1 de janeiro de 2018, o Decreto-Lei n. 152-D/2017, de 11 de dezembro, queconcentra num diploma nico o regime jurdico dos fluxos especficos de resduos, assentes no princpio daresponsabilidade alargada do produtor.

    O novo regime abrange a gesto dos seguintes fluxos especficos de resduos:

    (i) Embalagens e resduos de embalagens,(ii) leos e leos usados,(iii) Pneus e pneus usados,(iv) Equipamentos eltricos e eletrnicos e resduos de equipamentos eltricos e eletrnicos,(v) Pilhas e acumuladores e resduos de pilhas e acumuladores, e(vi) Veculos e veculos em fim de vida.

  • UNLEXUNILEX Decreto-Lei n. 152-D/2017

    Principais objetivos:

    Consolidao dos vrios regimes jurdicos relativos a fluxos especficos de resduos assentes no princpio daresponsabilidade alargada do produtor que se encontram dispersos por diplomas autnomos, que definem asnormas aplicveis gesto por fluxo de resduo e que a par do Decreto-Lei n. 178/2006, de 5 de setembro, queaprova o regime geral de gesto de resduos consubstanciam a disciplina jurdica e a definio da poltica emmatria de gesto de resduos.

    Contribuir, com esta consolidao, para uma maior transparncia e facilidade de conhecimento pelosoperadores econmicos, em particular os que tendo menor dimenso, como o caso das pequenas e mdiasempresas, que apresentam mais dificuldade em conhecer a legislao aplicvel.

    Introduziu racionalizao e coerncia no sistema jurdico, tratando igual forma o que igual, visando a desejvelharmonizao, mas garantir e salvaguardar as diferenas e especificidades de cada fluxo de resduos, mantendode forma distinta o que deve ser efetivamente tratado de forma diferente.

  • UNLEX

    4

    UNILEX

    O diploma nico assegura a transposio para a ordem jurdica interna de vrias diretivas, bem como das suasposteriores alteraes, a saber:

    Diretiva n. 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de dezembro, relativa a embalagens e resduosde embalagens;

    Diretiva n. 2000/53/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de setembro, relativa a veculos em fim devida;

    Diretiva n. 2006/66/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 6 de setembro, relativa a pilhas eacumuladores e respetivos resduos; e

    Diretiva n. 2012/19/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 4 de julho, relativa a resduos equipamentoseltricos e eletrnicos.

    O diploma nico tem em considerao o novo Pacote Resduos no quadro da estratgia da economia circular, quej se encontra em negociao, nas instncias comunitrias.

  • 5

    UNILEX

    Principais alteraes no fluxo das embalagens e resduos de embalagens

    Marcao - no obrigatoriedade de marcao Gesto de embalagens primrias, secundrias e tercirias, de cuja utilizao resulte a produo de resduos

    no urbanos responsabilidade do produtor do resduo

    Principais alteraes gerais

    Natureza e constituio das entidades gestoras Responsabilidade financeira das EG - Caues Modelo do clculo das prestaes financeiras (alinhamento com as licenas apresentao do modelo e

    aprovao pela APA e DGAE) Qualificao OGR Uniformizao de definies (p.e. ponto de recolha, ponto de retoma, centro de receo)

  • 6

    UNILEX

    Principais alteraes no fluxo das embalagens e resduos de embalagens

    Os embaladores que utilizam embalagens no reutilizveis, bem como os fornecedores de embalagens deservio no reutilizveis, ficam obrigados a submeter a gesto dos resduos de embalagens a um sistemaindividual ou a um sistema integrado, apenas podendo ser colocados e disponibilizados no mercado nacionalembalagens de servio no reutilizveis cujos fornecedores tenham adotado um sistema individual ou umsistema integrado.

    A responsabilidade pela gesto das embalagens primrias, secundrias e tercirias, de cuja utilizao resulte aproduo de resduos no urbanos, assegurada pelo produtor do resduo, com exceo das embalagensprimrias de produtos que data de entrada em vigor do presente decreto-lei, estejam ao abrigo de umsistema integrado de gesto, nomeadamente as embalagens primrias de produtos fitofarmacuticos, debiocidas e sementes e de medicamentos veterinrios.

  • 7

    UNILEX

    Principais alteraes no fluxo das embalagens e resduos de embalagens

    Os embaladores e os importadores de produtos embalados que utilizem embalagens reutilizveis devemestabelecer um sistema de gesto que permita recuperar e reutilizar as embalagens depois de usadas peloutilizador final. No ato da compra cobrada ao consumidor um depsito, o qual s pode ser reembolsado noato da devoluo.

    As entidades gestoras de embalagens e resduos de embalagens podem instalar uma rede de recolha prpria,sendo os resduos recolhidos nessa rede encaminhados, sempre que necessrio e nos termos fixados narespetiva licena, para a instalao de triagem do municpio ou da entidade gestora do respetivo sistema derecolha e tratamento de resduos urbanos da respetiva rea de recolha, conforme os casos.

  • Licena anterior cenrio de no concorrncia

    Licenas atuais cenrio de concorrncia

    1 Despacho: Licena da Sociedade Ponto Verde, a qual

    integrava os valores de contrapartidas financeiras, as objetivaes dos SGRU e as ET

    Envolvimento apenas da APA

    6 projetos de Despacho: Licena da Sociedade Ponto Verde Licena da Novo Verde Despacho das contrapartidas financeiras Despacho das objetivaes dos SGRU Despacho do processo de qualificao

    dos OGR entretanto revogado Despacho da metodologia de elaborao

    e atualizao das especificaes tcnicas entretanto revogado (mas previsto no DL 178/2006, cf alterado pelo DL 71/2016 que so definidas pela APA e DGAE ouvidos os vrios interessados)

    Introduo do envolvimento da DGAE em vrias matrias

    As novas licenas SIGRE

  • 9

    As novas licenas SIGRE

    Mat

    ri

    as c

    on

    stan

    tes

    na

    Lice

    na Metas e objetivos

    - Metas de reciclagem e valorizao- Objetivaes dos SGRU- I&D e S&C- ET

    Modelo operacional- Redes de recolha

    - Articulao entre os diferentes intervenientes

    Modelo econmico financeiro- Valores das prestaes financeiras

    - Valores de contrapartida

    Informao/ reporte/ comunicaes - Relatrios de Atividade Anual (RAA)

    Controle e monitorizao- Auditorias aos vrios intervenientes

    - Metas de reciclagem e valorizao- Metas para gastos em I&D e S,C&E- Planos de preveno, I&D e S, C&E- Plano de atividades

    - Redes de recolha- Redes de recolha prpria da EG- Articulao entre EG (auditorias, aes de S&C)

    - Regras para definio do modelo e reviso das prestaes financeiras- Limitao de excedentes financeiros - Caues

    -RAA e RAA resumo Contedo mnimo dos RAA- Informao mnima a divulgar publicamente pela EG no seu portal

    - Auditorias EG- Auditorias aos vrios intervenientes

    Licena anterior cenrio de no concorrncia

    Licenas atuais cenrio de concorrncia

    mbito - Fluxo urbano e no urbano - Fluxo urbano

  • 10

    As novas licenas SIGRE

    Garantir a transparncia da atividade da EG, a qual resulta de uma obrigao pblica

    Estabelecer adequado level playing field no sentido de promover concorrncia

    Garantir uma governana transparente

    Evitar/reduzir conflitos

    Atribuir responsabilidades a cada interveniente

    Definir claramente o papel de cada interveniente

    (embalador, EG, distribuidor, SGRU, OGR)

    Evitar duplicao de auditorias

    Reduzir custos Reforar as relaes de cooperao entre EGs

    A abertura do mercado dos resduos de embalagens visa a implementao de concorrncia entre Entidades Gestoras,como forma de o SIGRE ganhar eficincia.

  • 11

    As novas licenas SIGRE

    Garantir que as quantidades de resduosencaminhados para valorizao so efetivamentevalorizadas

    Garantir que a informao transmitida pela EG epelos restantes intervenientes fivel (auditorias)

    Garantir que no existem gastos excessivos e emreas fora do mbito da licena

    Assegurar que o consumidor paga o custo justopelos produtos (prestao financeira)

    Reforar os mecanismos de controle e monitorizao

    Implementar uma economia circular (do bero ao bero)

    Obter resduos com qualidade que permitam a sua transformao em produtos com valor acrescentado (ET para os RE da recolha indiferenciada)

    Focar no fecho de ciclo de vida dos materiais

  • 12

    Promover custo/benefcio

    Garantir o uso eficiente dos recursos financeirosReforar a S&C e a I&D com a

    avaliao da sua eficcia

    Garantir o cumprimento da hierarquia de resduos, sempre que economicamente vivel

    Promover o ecodesign

    Reforar a preveno de resduos

    Beneficiar os produtores que tm maiorespreocupaes ambientais (utilizao de m.preciclveis, utilizao de menor variedade demateriais, design para o desmantelamento, designpara reciclagem)

    Melhorar modelo de clculo das prestaes financeiras

    As novas licenas SIGRE

  • 13

    Reduzir custos e otimizar logstica

    Assegurar condies operacionais equitativas em regime concorrencial

    Introduzir mecanismos de compensao/alocao

    Garantir que a prestao financeira paga pelos produtores (e repercutida no consumidor) a mais baixa possvel, garantindo simultaneamente o equilbrio financeiro do sistema integrado

    Promover a eficincia

    Controlar os excedentesfinanceiros

    As novas licenas SIGRE

  • Registo de Produtores e EG Porqu e qual a sua importncia

    Previsto na legislao desde 2011.

    Importncia de haver conhecimento do universo de colocao no mercado de determinados