gerenciamento e tratamento de Águas residuárias - ?· gerenciamento e tratamento de Águas...

Download Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - ?· Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias…

Post on 20-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Gerenciamento e Tratamento de guas Residurias - GTAR

    Segunda 15 s 17h

    IC III sala 16

    Turma: 2015/1

    Prof. Larissa Bertoldi

    larabertoldi@gmail.com

  • Aula de hoje..

    Operao e Processo de Tratamento de Esgoto

    Nveis de Tratamento de Esgoto

  • Esgoto Sanitrio..

  • Por que tratar?

    Controlar, Prevenir, Evitar, Interromper Poluio Ambiental e dos cursos dgua, doenas.

    O que tratar?

  • Por que tratar?

    Para minimizar o impacto do lanamento de despejosnos corpos dgua, tanto em sistemas centralizados,como em sistemas descentralizados.

    Realiza-se o tratamento de esgoto

  • Como tratar?

  • Como tratar?

    Os mtodos de tratamento dividem-se em:

    1. Operaes Unitrias

    2. Processos Unitrios

    Integrao entre as

    operaes e os processos

    unitrios

    Sistema de Tratamento

    Os conceitos de operao e processo unitrio podem ser usados concomitantemente.

    Podem ocorrer juntos em uma mesma unidade de tratamento.

  • Como tratar?

    Definies:

    Operaes Fsicas Unitrias mtodos detratamento que predominam as foras fsicas.

    Ex.: Gradeamento, Floculao, Sedimentao, Flotao,Filtrao.

    Processos Biolgicos Unitrios mtodos detratamento que a remoo de contaminantes ocorre pormeio da atividade biolgica.

    Ex.: Nitrificao, Desnitrificao.

    Processos Qumicos Unitrios mtodos detratamento que a remoo ou converso dos nutrientesocorre pela adio de produtos qumicos ou por reaesqumicas.

    Ex.: Desinfeco.

  • Classificao dos mtodos de tratamento

    Dependendo do tratamento a ser utilizado vriosmecanismos podem atuar separadamente ousimultaneamente

    Operaes Fsicas Unitrias

    Processos Biolgicos Unitrios

    Processos Qumicos Unitrios

    Remoo de Poluentes e Contaminantes

  • Operaes e processos de tratamento de esgoto

  • Operaes e processos de tratamento de esgoto

    Esgoto Domstico

  • Operaes e Processos Unitrios

    Slidos

    Mat.

    Orgnica

    Slidos Grosseiros > 1 cm

    Slidos Minerais

    SST > 1m

    SDT < 1m

    Gradeamento

    Sedimentao

    Sedimentao

    Adsoro

    FSICO

    FSICO

    FSICO

    FSICO

    DBO particulada > 1m

    DBO solvel < 1m

    Sedimentao

    Adsoro

    Estabilizao

    FSICO

    FSICO

    BIOLGICO

  • Operaes e Processos Unitrios

    Patgenos

    Cistos e Protozorios

    Bactrias e Vrus

    Nitrognio Orgnico

    Sedimentao

    Filtrao

    Radiao UV

    Desinfeco Cl

    FSICO

    FSICO

    FSICO

    QUMICO

    Nitrognio Amnia

    Nitrato

    Amonificao

    Nitrificao

    Clorao

    Desnitrificao

    BIOLGICO

    BIOLGICO

    QUMICO

    BIOLGICO

    FSICO

    FSICO-

    QUMICO

    BIOLGICODesfosfatao

    Filtrao

    Precipitao

    FosfatoFsforo

  • Tratamento de Esgotos

    Objetivos

    Quais contaminantes/poluentes sero removidos?

    Nvel de Tratamento

    Qual a eficincia da remoo?

    Estudo de Impacto Ambiental no corpo receptor

    Qual a influncia do contaminante/poluente no ambienteaqutico?

    Mecanismos para remover os poluentes e

    contaminantes dos esgotos

  • Tratamento de Esgotos

    O estudo de concepo de sistemas de tratamento deesgoto deve definir:

    1. Impacto ambiental Estudo do corpo receptor

    2. Objetivo do tratamento Principais compostos aserem removidos

    3. Nveis de Tratamento

    4. Eficincia do Tratamento

  • Tratamento de Esgotos

    Associado aos conceitos de:

    1. Nvel de Tratamento

    2. Eficincia de Tratamento

    A remoo dos poluentes e contaminantes no tratamento

    dos esgotos uma forma de adequar o lanamento a:

    - Uma qualidade desejada ou

    - Ao padro de qualidade vigente

  • Tratamento de Esgotos

    Qual o nvel e a eficincia de tratamento necessrios?

    Funo de alguns fatores:

    Corpo Receptor;

    Caractersticas de uso da gua a jusante do ponto delanamento;

    Capacidade de autodepurao do corpo dgua;

    Legislao Ambiental;

    Consequncias do lanamento do esgoto.

  • Tratamento de Esgotos

    Nveis de Tratamento Fase Lquida

    PRELIMINAR

    PRIMRIO

    SECUNDRIO

    TERCIRIO

  • Tratamento de Esgotos fase lquida

    NVEL REMOO

    Preliminar Slidos grosseiros (materiais de maiores dimenses e

    areia)

    Primrio - Slido em suspenso sedimentvel

    - DBO em suspenso (MO componente dos slidos em

    suspenso sedimentveis)

    Secundrio Matria Orgnica

    - DBO em suspenso (MO em suspenso fina, no

    removida no tratamento primrio)

    - DBO solvel (MO na forma de slidos dissolvidos)

    Tercirio Poluentes especficos ou complementao de poluentes

    no suficientemente removidos no tratamento

    secundrio

    - Nutrientes

    - Patgenos

    - Compostos no biodegradveis

    - Metais Pesados

    - Slidos em suspenso remanescentes

  • Tratamento de Esgotos fase lquida

    A definio do nvel de tratamento de uma ETE estassociada ao maior nvel de tratamento existente naETE.

    Exemplo: ETE composta por:

    Remoo de slidos grosseiros

    Remoo de slidos sedimentveis

    Remoo de Matria Orgnica

    Tratamento Preliminar

    Tratamento Primrio

    Tratamento Secundrio

    classificada como uma ETE em

    nvel secundrio

  • Tratamento de Esgotos fase lquida

    Razes econmicas

    H sempre o interesse de se fazer o estritamente

    necessrio em termo de tratamento.

    No h porque se construir, pelo menos de incio, uma estao com tratamento completo

    Se apenas o tratamento primrio for suficiente do ponto

    de vista do corpo receptor

    Processos mais sofisticados custo na implantao da

    ETE, operao e manuteno

  • Tratamento de Esgotos fase lquida

    O tratamento preliminar deve existir em todas asETEs;

    As unidades componentes do tratamento primriopodem ou no estar includas no fluxograma das ETEsem nvel secundrio;

    O tratamento secundrio (biolgico) pode ou no viraps o tratamento preliminar;

    O tratamento tercirio raro em pases emdesenvolvimento;

    Dependendo do processo adotado, a remoo denutrientes e patgenos pode ser considerada comointegrante do tratamento secundrio.

  • Nvel de tratamento

  • Nvel de tratamento

  • Nvel de tratamento fase lquida

  • Nvel de tratamento fase lquida

  • Eficincia da ETE

  • Eficincia da ETE

    Nveis de

    Tratamento

    Eficincia da

    remoo

    O percentual ou eficincia da remoo de determinado

    poluente/contaminante dado pela frmula:

  • Eficincia da ETE

  • EXERCCIO

  • EXERCCIO

  • Material disponvel em:

    http://bertoldi.weebly.com/gtar.html

Recommended

View more >