gerações interativas brasil

Download Gerações Interativas Brasil

Post on 08-Jan-2017

234 views

Category:

Documents

10 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Geraes Interativas BrasilCrianas e adolescentesdiante das telas

  • Telefnica

  • GERAES INTERATIVAS BRASIL: CRIANAS E ADOLESCENTES DIANTE DAS TELAS

    So Paulo, 2012

  • Geraes Interativas BrasilCrianas e Adolescentes Diante das Telas

    Fundao TelefnicaFranoise Trapenard. Diretora Presidente (Brasil)Gabriella Bighetti. Diretoria de Programas e Aes SociaisMilada Tonarelli Goncalves. Gerente de Educao e AprendizagemLuis Fernando Guggenberger. Gerente de Debate e ConhecimentoAnna Paula Pereira Nogueira. Debate e Conhecimento

    COORDENAO GLOBAL DO PROJETOFrum Geraes Interativas

    COORDENAO GLOBAL DO PROJETO CIENTFICOXavier Bringu Sala. Faculdade de Comunicao, Universidade de Navarra, EspanhaCharo Sdaba Chalezquer. Faculdade de Comunicao, Universidade de Navarra, Espanha

    COORDENAO DO PROJETO CIENTFICO (BRASIL) - ESCOLA DO FUTURO | USPBrasilina Passarelli. Coordernadora Cientifica Antonio Hlio Junqueira. Coordernador AcadmicoAlan Angelucci. Pesquisador AssociadoSamantha Kutscka. Gerente de Projeto e Relaes InstitucionaisDavid De Cunto. Gerente Administrativo do Projeto e Relaes InstitucionaisJlio Boaro. EstatsticoJefferson Pereira da Silva. Designer Grfico e Ilustrador

    ENTIDADES COLABORADORASFundao Telefnica | VivoFrum Geraes InterativasUniversidade de NavarraEscola do Futuro Universidade de So Paulo (USP)IBOPE

  • PrefcioO Grupo Telefnica tem por princpio pautar sua atuao de forma socialmente responsvel, buscando entre outras coisas a sustentabilidade empresarial e o desenvolvimento das comu-nidades onde atua. Garantir o acesso conectividade, disseminar o conhecimento e promover o uso responsvel das Tecnologias de Informao e Comunicao so formas de atingirmos esses objetivos.

    Em 2005, juntamente com a Universidade de Navarra e no mbito do projeto Geraes Inte-rativas, a Fundao Telefnica aplicou uma primeira pesquisa sobre o uso das telas digitais (TV, Internet, Celular e Videogames) por crianas e adolescentes da regio ibero-americana. A relevncia desse trabalho mostrou-se tamanha que decidimos investir numa segunda rodada investigativa, desta vez mais aprofundada a respeito do comportamento dos brasileiros e mais abrangente em termos geogrficos.

    E assim chegamos ao presente trabalho, denominado Geraes Interativas Brasil Crianas e Jovens diante das Telas. Participaram da nova rodada investigativa mais de 18 mil responden-tes entre crianas e jovens com idades entre 6 e 18 anos, do ensino pblico e particular nas cinco regies do pas, tanto da zona urbana quanto rural. Com essa dimenso, acreditamos ter um panorama bastante representativo da gerao do futuro, que j vanguarda no uso das tecnologias.

    Nas prximas pginas, esto estampados aspectos de como, quando e com quem as crianas e os jovens acessam a Internet, o celular, a TV e os videogames. Quais as peculiaridades do uso por faixa etria, gnero e regio; se h prticas de acompanhamento e controle por parte dos pais; qual o papel das escolas na integrao do acesso e uso das tecnologias. Enfim, procura-mos entender que tipo de necessidade e satisfao a gerao interativa busca.

    Alm de ser um instrumento de atualizao, essa nova pesquisa cumpre o papel de nos forne-cer subsdios para o desenvolvimento de aes ligadas inovao educativa. Ou seja, quanto mais conhecermos as crianas e jovens que j nascem conectados, melhor poderemos fazer planos de aprendizagem e promover o uso responsvel das telas digitais.

    Para a realizao desse estudo, a Fundao Telefnica contou com parceiros de peso, que sem dvida conferem grande credibilidade ao trabalho ora apresentado, que so o IBOPE e a Escola do Futuro, da Universidade de So Paulo, sem contar a parceria original com a Universidade de Navarra, da Espanha. A todos, deixamos nossos agradecimentos pelo empenho e dedicao observados.

    Por fim, gostaria, aqui, de reafirmar o compromisso do Grupo Telefnica em propiciar acessi-bilidade s tecnologias digitais, por meio da conectividade levada a moradores dos mais dis-tantes municpios brasileiros. Espero que esse precioso contedo seja elucidativo e til. um privilgio e um orgulho para ns poder oferec-lo.

    Antonio Carlos ValentePresidente do Grupo Telefnica no Brasil

  • Sumrio

    1. INTRODUO - O PROJETO LA GENERACIN INTERACTIVA: NIOS Y ADOLESCENTES ANTE LAS PANTALLAS 13

    2. O HIBRIDISMO DO CONTEMPORNEO CONECTADO 17

    2.1 Literacias Emergentes dos Atores em rede: a segunda onda da Incluso Digital 19

    2.1.1 Para melhor compreender o termo ainda pouco usado no Brasil # literacia 23

    3. AS TELAS DIGITAIS NO BRASIL: CONTEXTOS E PERSPECTIVAS 31

    3.1. Computador: deslocamentos rumo mobilidade 333.1.1. Novos contornos da incluso digital no Brasil 37

    3.1.2. Literacias digitais: protagonismo pessoal e participao social em ascenso 38

    3.1.3. Deslocamentos e novos papis sociais para as lan houses 39

    3.1.4. Qualidade da conexo Internet no Brasil e o Plano Nacional da Banda Larga (PNBL) 40

    3.2. Celular: convergncia na era da mobilidade do acesso Internet 41

    3.3. Televiso: prxima da universalidade do acesso 45

    3.4. Games: indstria e consumo no Brasil 48

  • 4. GERAO INTERATIVA BRASIL: O QUE DIZEM AS CRIANAS E OS JOVENS 57

    4.1. Metodologia de coleta dos dados 584.1.1. Perfi l da amostra 58

    4.1.2. Caractersticas das famlias e dos domiclios das crianas e dos adolescentes pesquisados 61

    4.1.3. Recursos fi nanceiros disponveis para as crianas e adolescentes: mesadas, premiaes e rendimentos do trabalho 62

    4.2. Anlise dos resultados obtidos 654.2.1 Computador e Internet 66

    4.2.1.1. Posse, uso e compartilhamento do computador no domiclio 664.2.1.2. Internet: acesso, uso e apropriaes 72

    4.2.1.2.1. A conexo supera o acesso domiciliar 764.2.1.2.2. Atividades e interatividade na Internet 794.2.1.2.3. Locais de acesso: a predominncia do domiclio 834.2.1.2.4. O uso da Internet durante a semana 884.2.1.2.5. Companhia e compartilhamento na navegao 914.2.1.2.6. Uma gerao de nativos digitais: autonomia do aprendizado e do uso da navegao na Internet 964.2.1.2.7 O tempo entre tarefas: o que muda com a chegada da Internet? 1014.2.1.2.8. Ferramentas e atividades: as preferncias dos jovens 1044.2.1.2.9. Contedos explorados na Internet: a prevalncia do entretenimento 1084.2.1.2.10.Ferramentas interativas para a comunicao instantnea: generalizao do uso do Messenger 112 4.2.2.11. Personas: redes sociais e experimentaes identitrias 1144.2.1.2.12. Jogar em rede 1244.2.1.2.13. Produo e distribuio de contedos na Web 1294.2.1.2.14. Controles e interdies; castigos e recompensas 1344.2.1.2.15. Vises e percepes sobre a Internet na vida cotidiana 1504.2.1.2.16. Valor relativo do computador/Internet frente s outras telas 155

  • 4.2.2. Celular 1584.2.2.1 Posse, usos e compartilhamento 1584.2.2.2. E na hora de pagar a conta? 1704.2.2.3 Celular: a tela da convergncia das mdias contemporneas 1754.2.2.4 Os interlocutores: com quem falam os jovens? 1814.2.2.5. Proibies e interdies; castigos e recompensas:o que o celular tem a ver com isso? 1874.2.2.6 A conexo em continuum: jovens sempre conectados 1954.2.2.7 Os usos perigosos do celular: bullying e vcio 2004.2.2.8. Valorao relativa do celular frente s outras telas 203

    4.2.3 Games 2054.2.3.1. Game: posse, uso e compartilhamento 2064.2.3.2. A prtica de jogar games durante a semana 2304.2.3.3. Pirataria no setor de games: uma prtica conhecida pela juventude 2334.2.3.4. Controles e interdies; castigos e recompensas 2364.2.3.5. O tempo entre jogos: o que muda com os games? 2464.2.3.6. Os usos perigosos do game: violncia e vcio 249

    4.2.4 Televiso 2534.2.4.1. Posse, uso e compartilhamento 2534.2.4.2. O tempo frente tela: hbitos e comportamentos ao longo da semana 2604.2.4.3. Gerao multitarefa 2714.2.4.4. Controles e interdies: a vez da televiso 2744.2.4.5. Quem decide a programao que ser assistida? 2794.2.4.6. O que se v na TV: consumo juvenil de programao televisiva 2824.2.4.7. A televiso no cotidiano dos jovens brasileiros: comportamentos e percepes 290

    5. O QUE NS APRENDEMOS AT AGORA... 297

    5.1 Conectividade em alta 298

    5.2 Convergncia e multifuncionalidade das telas 299

    4.2.3.6. Os usos perigosos do game: violncia e vcio

    4.2.4.2. O tempo frente tela: hbitos e comportamentos ao longo da semana

    4.2.4.4. Controles e interdies: a vez da televiso

    4.2.4.6. O que se v na TV: consumo juvenil de programao televisiva

  • 5.3 Simultaneidade na execuo de diferentes tarefas 299

    5.4 A multiplicidade das mediaes 3005.4.1 Hbitos e comportamentos diferenciais entre os gneros 300

    5.4.1.1. Frente TV, elas so mais multitarefa do que eles; mas eles sabem mais sobre Internet 3015.4.1.2 Crescimento da solido com as telas 302

    5.4.2 Famlia: controle, ensino, partilha 3035.4.2.1. Controles e interdies; castigos e recompensas 3035.4.2.2. Literacias digitais diferenciadas entre pais e mes 304

    5.4.3 Escola: esforos na integrao do acesso e uso das tecnologias de informao e comunicao 305

    5.4.4 Comportamento diferencial entre faixas etrias 3065.4.4.1. Ordem das preferncias pelas diferentes telas 3075.4.4.2. Compartilhamentos no uso das telas 3075.4.4.3. Apropriaes funcionais das telas 307

    5.4.5 Macrorregies geogrfi cas: mediaes da cultura, condio socioeconmica e da infraestrutura 3075.4.5.1. Diferenas socioeconmicas entre as regies impactam na posse e acesso s telas 3085.4.5.2. Infraestrurura e condio socioeconmica infl uenciam hbitos e preferncias culturais 310

    5.4.6. Entre o rural e o urbano 310

    5.5 Tecendo futuros 311

    6. REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS 315

    7. AUTORES E EQUIPE 331

    8. LISTA DE GRFICO 335

    5.4.1 Hbitos e comportamentos diferenciais entre os gneros

    das tecnologias de informao e comunicao

    .4.3. Apropriaes funcionais