Geografia - Pr-Vestibular Vetor - Unidade 1 Aspectos Fsicos (Brasil e Geral)

Download Geografia - Pr-Vestibular Vetor - Unidade 1  Aspectos Fsicos (Brasil e Geral)

Post on 06-Jun-2015

3.407 views

Category:

Documents

13 download

TRANSCRIPT

Pr-Vestibular Vetor

Folha de exerccio - Geografia (UERJ)

Prof. Luiz Antonio

Unidade 1 Aspectos fsicos (Brasil e Geral)Q. 55 (2006/1) A explorao das Florestas Nacionais pelo setor privado , para o Secretrio de Biodiversidade e Florestas do Ministrio do Meio Ambiente, Joo Paulo Capobianco, a nica sada possvel para inibir o desmatamento e a grilagem. Para o secretrio, desde o Brasil Colnia, doam-se florestas pblicas para terceiros, que a partir da passam a utilizar essas reas sem nenhum tipo de remunerao para a sociedade. No sistema de gesto, as florestas continuaro pblicas, e os interessados tero de identificar reas prioritrias para conservao e explorar de forma sustentvel as demais. (Adaptado de Carta Capital, 02/02/2005) Esse modelo de gesto florestal, j adotado em outros pases, apresentado sociedade brasileira como uma alternativa tcnica e poltica para a explorao da Floresta Amaznica, frente expanso do desmatamento. Na prtica, para a sociedade brasileira, um aspecto positivo e outro negativo desse modelo esto explicitados, respectivamente, em: (A) manejo da biodiversidade e fiscalizao precria (B) controle do acesso terra e minimizao dos lucros (C) preservao da biomassa e reduo da produtividade (D) manuteno dos recursos hdricos e estatizao dos recursos Q. 48 (2004/1) AS ENCHENTES As chuvaradas de vero, quase todos os anos, causam no nosso Rio de Janeiro inundaes desastrosas. Alm da suspenso total do trfego, com uma prejudicial interrupo das comunicaes entre os vrios pontos da cidade, essas inundaes causam desastres pessoais lamentveis (...). O Rio de Janeiro, da avenida, dos squares, dos freios eltricos, no pode estar merc de chuvaradas, mais ou menos violentas, para viver a sua vida integral. No sei nada de engenharia, mas, pelo que me dizem os entendidos, o problema no to difcil de resolver (...). Infelizmente, porm, nos preocupamos muito com os aspectos externos, (...) e no com o que h de essencial nos problemas (BARRETO, Lima. Crnicas escolhidas. So Paulo: tica, 1995.) de nossa vida urbana, econmica, financeira e social. Lima Barreto considerado um cronista perspicaz da sociedade carioca do incio do sculo XX. O trecho acima apresenta o problema das enchentes, que at hoje tumultua a vida dos cariocas. Dentre as diversas causas apresentadas para a recorrncia das enchentes na cidade do Rio de Janeiro, as duas especialmente ressaltadas por Lima Barreto so: (A) ocupao desordenada e ineficincia das comunicaes (B) stio escarpado da cidade e problemas com a engenharia (C) falta de desenvolvimento tecnolgico e traado colonial da cidade (D) nfase no embelezamento urbano e precariedade da infra-estrutura Q. 52 (2004/1) Com a morte do imperador do Japo a 1 hora e 25 minutos do dia 25 de dezembro de 1926, um fato bastante curioso aconteceu. No dia 24 de dezembro, a embaixada daquele pas, no Rio de Janeiro, decretava o luto pela morte do soberano, e os jornais brasileiros anunciavam: Faleceu hoje o imperador do Japo. A confuso provocada, no Brasil, com o anncio da morte do imperador do Japo, naquele ano, pode ser esclarecida pela seguinte explicao geogrfica: (A) utilizao do Fuso Horrio Civil em trechos do territrio brasileiro (B) posio do Brasil a leste da Linha Internacional de Mudana de Data (C) adoo diferenciada do Horrio Universal de Greenwich em cada pas (D) localizao do Brasil a oeste do limite aceito como Horrio Fracionado Q. 58 (2004/1) Mais 17 dias e, pronto: adeus vero. J vai tarde. Ufa! Foi o vero mais quente dos ltimos tempos e tambm o mais chuvoso, pegajoso e calamitoso. Foi, no, est sendo. E bem possvel que no se despea no equincio de maro, pois o vero no Brasil no costuma acabar quando termina". O que vale dizer que ainda teremos muito calor pela frente. Mais 17 dias e, pronto: adeus inverno. No hemisfrio norte. Para os que l vivem, ele tambm j vai tarde. Brrr! Foi o inverno mais rigoroso e cruel dos ltimos tempos. (...) O tempo piorou, em toda parte. E os meteorologistas advertem: o calor e o frio vo aumentar nas prximas dcadas. Nos dois hemisfrios. (Adaptado de Folha de S. Paulo, 03/03/1996) A mudana climtica global de que trata a reportagem pode ser explicada, dentre outros, pelo seguinte comportamento: (A) emisso de gases poluentes responsveis pela maior reteno do calor irradiado pela superfcie da Terra, ampliando a destruio da camada de oznio (B) intensificao do efeito estufa com a emisso de gases poluentes, destruindo a camada atmosfrica responsvel pela filtragem dos raios nocivos vida na Terra (C) estabilizao da circulao atmosfrica pela reteno de ar frio em baixas altitudes e do ar quente em camadas mais elevadas, promovendo a inverso trmica (D) expanso do fenmeno El Nio, nos meses de final de ano, provocando um deslocamento da massa de gua quente na costa americana do Pacfico para leste.

Q. 52 (2003/1) Este mapa representa cartograficamente uma ideologia presente no Brasil durante o perodo militar. Do ponto de vista geopoltico, pode-se dizer que o mapa, de autoria de um dos porta-vozes da Doutrina de Segurana Nacional, tambm evidencia: (A) o avano sovitico como ameaa para o bloco capitalista (B) as perdas territoriais da URSS aps a crise do socialismo real (C) a difuso comunista rumo s bases areas norte-americanas (D) a expanso russa sobre as rotas comerciais no Oceano ndico Q. 58 (2003/1) O Brasil e a maior parte da Amrica do Sul podem ser considerados como uma das reas mais privilegiadas do planeta em termos da disponibilidade de recursos hdricos. Nesse caso, os problemas recentes como o da diminuio nos nveis das usinas geradoras de hidroeletricidade derivam principalmente de uma poltica caracterizada como: (A) energtica que poupou investimentos e no previu a irregularidade das precipitaes (B) ambiental que transformou as represas em reas de proteo e no priorizou a irrigao (C) industrial que converteu a produo para o uso de energia nuclear e no previu a manuteno das reservas hdricas (D) de transportes que privilegiou o uso dos rios para a navegao e no considerou os riscos para a baixa do nvel das guas fluviaisQ. 62 (2002/2) Compare os mapas A e B e suponha um acrscimo de informaes geogrficas do real em cada um deles. Nesse caso, a proporo da escala cartogrfica e a explicao para a menor riqueza de detalhes no mapa A esto indicadas, respectivamente, na seguinte alternativa: (A) maior / muita variao de elementos (B) maior / pouca variao de elementos (C) menor / maior nmero de vezes de reduo (D) menor / menor nmero de vezes de reduo

Q. 47 (2000) As linhas isotrmicas, como no desenho abaixo, podem ilustrar um fenmeno climtico tpico de grandes cidades, caracterizado pela elevao da temperatura nas reas centrais da mancha urbana devido irradiao de calor para a atmosfera. Esse fenmeno climtico, associado ao aumento dos ndices de poluio, denominado de: (A) chuva cida (B) ilha de calor (C) inverso trmica (D) aquecimento global

Q. 55 (1999) Leia o trecho do roteiro do filme Central do Brasil, dirigido por Walter Salles: 70 - Serto Externa Noite O caminho est parado no meio do mato prximo da estrada. Csar e Dora esto sentados no cho junto a uma fogueirinha. Josu ficou no caminho. Csar: - , no serto tambm faz frio. A caracterstica climtica do serto nordestino que se relaciona ao frio referido no texto acima : (A) intensificao de secas no vero (B) expressiva amplitude trmica diria (C) regularidade na distribuio das chuvas (D) permanente atuao da massa equatorial continental

Q. 46 (1999) O fenmeno apresentado acima resultado principalmente de: (A) instabilidade geolgica com ocorrncia de intensa atividade ssmica (B) cristalizao do material magmtico no interior da Terra com expanso de gases (C) movimentos de curta durao com localizao distante das faixas de contato entre as placas tectnicas (D) presses verticais em camadas geolgicas profundas com levantamento ou rebaixamento dos continentes Q.48 (1999) As Naes Unidas registraram em 1998, pela primeira vez nas ltimas dcadas, uma queda na emisso de substncias qumicas nocivas camada de oznio, escudo natural que protege a Terra dos raios ultravioleta do Sol. Se forem cumpridos os acordos internacionais quanto emisso daqueles poluentes, prev-se uma possvel regenerao da camada de oznio a partir de 2050. (Jornal do Brasil, 23/06/98) A tendncia atual para reverter aspectos da degradao ambiental pode ser melhor explicada atravs de: (A) avano em pesquisa e tecnologia dos ltimos anos, que vem incorporando a preocupao com a questo ambiental (B) crise na produo de manufaturados das economias desenvolvidas, que vem eliminando a emisso de clorofluorcarbonos (C) cumprimento rgido das leis preservacionistas nos pases de industrializao recente, que vem reduzindo a produo de poluentes (D) recuperao espontnea da atmosfera, que vem contrariando as previses alarmistas das organizaes nogovernamentais Q. 46 (1998) O que mais h na Terra paisagem. (...) No faltam cores a esta paisagem. (...) Tem pocas do ano em que o cho verde, outras, amarelo, e depois castanho ou negro. O tipo climtico que, por sua bem definida sucesso das quatro estaes do ano, provavelmente inspirou o autor, denominase: (A) polar (B) equatorial (C) temperado (D) tropical mido Q. 54 (1998) "Mano velho, mando as primeiras notcias desde que deixei voc e a famlia a no nosso lugar. As dificuldades so muitas. A chuva no falta, embora tenha uma poca em que diminui um pouco. J a terra no to frtil quanto parecia: se a gente no cuida, ela logo cansa, porque a gua s leva o que tem de bom. E somente quando se derruba aquela mata densa que se v que o cho no plano, e sim ondulado. Com isto, e ainda mais a distncia at o rio, tudo fica mais difcil.(SARAMAGO, Jos. Levantado do cho. Caminho, Lisboa, 1979.)

De qualquer maneira, ainda est dando para levar melhor do que a na terra natal; pelo menos aqui no tem que ficar pedindo licena a usineiro para plantar umas coisinhas ..." Imagine que o trecho acima seja de uma carta escrita por um migrante para sua famlia. De acordo com os elementos nela contidos, a alternativa que expressa, respectivamente, as reas de imigrao e de emigrao, : (A) campos do Sul - Mata de Araucria (B) cerrades do Centro-Oeste - Agreste (C) caatinga no Nordeste - Pampa gacho (D) terra firme na Amaznia - Zona da Mata nordestina

Q. 56 (1998) Como o desenho acima demonstra, determinadas prticas econmicas agravam o avano da desertificao em reas brasileiras como o cerrado. Alm das causas naturais envolvidas, o processo de desertificao acelerado pelas seguintes aes humanas: (A) desmatamento e criao extensiva de gado em reas tropicais (B) urbanizao acelerada e implantao de loteamentos sobre pastagens (C) abertura de estradas e plantio de pastos artificiais em reas de mata equatorial (D) desvio de cursos de gua em projetos de irrigao e uso de pesticidas na pecuria intensiva

Q. 49 (1997) A ocorrncia da inverso trmica ocasiona, em reas de grande urbanizao como o Rio de Janeiro, uma sensvel e preocupante queda da qualidade do ar. Isto tem como explicao o fato de a inverso trmica dificultar o processo de: (A) disperso de gases txicos e de diversos tipos de poluentes (B) destruio das camadas de oznio da troposfera e da mesosfera (C) criao de ilhas de calor nas reas perifricas e fracamente povoadas (D) absoro da luz solar pelas camadas mais elevadas e secas da atmosfera Q. 54 (1997) Nas ltimas dcadas, o domnio dos cerrados do Brasil Central passou a ser valorizado para a expanso da fronteira agrcola. Para isso, foram desenvolvidas tcnicas que permitiram elevar significativamente a sua produtividade. A tcnica fundamental para a elevao da produtividade agrcola nas reas de cerrados a: (A) rotao de terras e cultivos (B) correo da acidez dos solos (C) tropicalizao de espcies vegetais nativas (D) intensificao do pisoteio dos pastos pelo gado