GÊNEROS ORAIS E ENSINO: O DEBATE REGRADO COMO ?· gÊneros orais e ensino: o debate regrado como prÁtica…

Download GÊNEROS ORAIS E ENSINO: O DEBATE REGRADO COMO ?· gÊneros orais e ensino: o debate regrado como prÁtica…

Post on 11-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO

    MESTRADO EM LINGUSTICA

    GNEROS ORAIS E ENSINO: O DEBATE REGRADO COMO

    PRTICA LINGUSTICO-DISCURSIVA DE SUJEITOS EM

    FORMAO

    AGMAR RIBEIRO JUSTINO DOS SANTOS

    Orientadora: Profa. Dra. Ana Elvira Luciano Gebara

    Dissertao apresentada ao Mestrado em Lingustica, da Universidade Cruzeiro do Sul, como parte dos requisitos para a obteno do ttulo de Mestre em Lingustica.

    SO PAULO

    2015

  • AUTORIZO A REPRODUO E DIVULGAO TOTAL OU PARCIAL DESTE TRABALHO, POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU ELETRNICO, PARA FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADA A FONTE.

    FICHA CATALOGRFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA CENTRAL DA

    UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL

    S233g

    Santos, Agmar Ribeiro Justino dos. Gneros orais e ensino: o debate regrado como prtica

    lingustico-discursiva de sujeitos em formao / Agmar Ribeiro Justino dos Santos. -- So Paulo; SP: [s.n], 2015.

    87 p. : il. ; 30 cm. Orientadora: Ana Elvira Luciano Gebara. Dissertao (mestrado) - Programa de Ps-Graduao em

    Lingustica, Universidade Cruzeiro do Sul. 1. Anlise do discurso 2. Gneros textuais 3. Lingustica textual

    4. Lngua portuguesa Processo de ensino-aprendizagem 5. Livro didtico Ensino fundamental 6. Parmetros curriculares nacionais. I. Gebara, Ana Elvira Luciano. II. Universidade Cruzeiro do Sul. Programa de Ps-Graduao em Lingustica. III. Ttulo.

    CDU: 8142(043.3)

  • UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL

    PROGRAMA DE PS-GRADUAO

    GNEROS ORAIS E ENSINO: O DEBATE REGRADO COMO

    PRTICA LINGUSTICO-DISCURSIVA DE SUJEITOS EM

    FORMAO

    AGMAR RIBEIRO JUSTINO DOS SANTOS

    Dissertao de mestrado defendida e aprovada

    pela Banca Examinadora em 27/02/2015.

    BANCA EXAMINADORA:

    Prof. Dr. Ana Elvira Luciano Gebara

    Universidade Cruzeiro do Sul

    Presidente

    Prof. Dr. Guaraciaba Micheletti

    Universidade Cruzeiro do Sul

    Prof. Dr. Alessandra Ferreira Ignez

    Instituto de Federal de So Paulo

  • Dedico este trabalho aos meus pais, Antonio (in memoriam) e Ansia que

    sempre tiveram na vida: foco para um objetivo alcanar, fora para nunca desistir

    de lutar e principalmente f para se manter de p.

  • AGRADECIMENTOS

    A Deus pela vida e sade.

    Ao meu esposo Juscelino e ao meu filho Diogo pela pacincia e compreenso.

    minha orientadora, Professora Doutora Ana Elvira Luciano Gebara, pelo

    acolhimento, inteligncia, doura, humor e pelas cuidadosas leituras

    acrescidas de valiosas sugestes que nortearam meu trabalho.

    Professora Doutora Guaraciaba Micheletti e Professora Doutora

    Alessandra Ferreira Ignez, pelas enriquecedoras sugestes apresentadas no

    Exame de Qualificao.

    A todos os professores do programa de mestrado da Universidade Cruzeiro do

    Sul, pelo compromisso e dedicao ao trabalho.

    professora Doutora Elisangla Vieira de Araujo, que disse-me um dia que

    essa etapa seria possvel.

    A todos os colegas de curso, em especial Fabiana e Dbora nos momentos

    de companheirismo, ansiedade e alegria que passamos juntas.

  • A estrada

    Voc no sabe o quanto eu caminhei

    Pra chegar at aqui

    Percorri milhas e milhas antes de dormir

    Eu nem cochilei

    Os mais belos montes escalei

    Nas noites escuras de frio

    Chorei, ei, ei ...

    A vida ensina

    E o tempo traz o tom

    Pr nascer uma cano

    Com a f no dia-a-dia

    Encontro a soluo...

    Meu caminho s meu Pai

    Pode mudar ...

    Toni Garrido, Cidade Negra,1998.

  • SANTOS, A. R. J. Gneros orais e ensino: o debate regrado como prtica lingustico-discursiva de sujeitos em formao. 2015. 87 f. Dissertao (Mestrado em Lingustica)-Universidade Cruzeiro do Sul, So Paulo, 2015.

    RESUMO

    O ensino dos gneros orais no Ensino Fundamental I e II tem sido feito de maneira

    ainda insuficiente dada a importncia da modalidade oral e dos gneros que nela se

    fundam. Embora existam estudos que apresentam abordagens e estudos de casos

    desses gneros, os livros didticos de Lngua Portuguesa no tm reservado muitas

    atividades para eles. Em virtude desse quadro, a presente dissertao, inserida na

    linha de pesquisa Texto, discurso e ensino: processos de leitura e de produo do

    texto escrito e falado, tem como objetivo analisar as atividades sobre o gnero

    debate regrado nos livros didticos de Lngua Portuguesa do Ensino Fundamental,

    a partir da abordagem terico-metodolgica do grupo de Genebra (SCHNEUWLY;

    DOLZ, 2004), que desenvolve pesquisas relacionadas ao ensino-aprendizagem da

    produo de gneros textuais orais e escritos, e da concepo de gneros prevista

    pelos documentos publicados pelo Ministrio da Educao e Cultura - MEC,

    intitulado Parmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - PCNs de

    Lngua Portuguesa (1998) que considera o ensino dos gneros orais de fundamental

    relevncia para a formao do cidado consciente e defensor de seus direitos. Esse

    estudo verifica em que medida os exerccios propostos nos livros didticos da

    coleo: Projeto Radix: Portugus 6 ano e Portugus Linguagens 9 ano colaboram

    efetivamente para a formao de um sujeito que possa fazer uso da argumentao

    oral nas mais diversas circunstncias sociais, sejam elas formais ou informais, e

    prope caminhos a partir dessa anlise.

    Palavras-chave: Gneros orais, Debate regrado, Ensino do gnero debate, Debate

    e o LDP.

  • SANTOS, A. R. J. Teaching and genres oral: the debate as a linguistic-discursive practice of subjects in development. 2015. 87 f. Dissertao (Mestrado em Lingustica)-Universidade Cruzeiro do Sul, So Paulo, 2015.

    ABSTRACT

    The teaching of oral genres in elementary school has been developed but not

    sufficiently given the importance of oral modality and of genres that are based on this

    modality. Although there are studies that present approaches and case studies of

    these genres, the textbooks of Portuguese have not developed many activities on

    this subject. In this context, this dissertation, inserted in the research line "Text,

    speech and education: reading processes and text production written and spoken",

    aims to analyze the activities on the debate (as a genre) in textbooks of Portuguese

    for elementary school, from the theoretical and methodological approach of the

    Geneva group (SCHNEUWLY; DOLZ, 2004), which conducts research related to the

    teaching-learning production of oral and written genres, and the development of

    genres provided by published documents the Ministry of Education and Culture -

    MEC, entitled National Curriculum Standards for Elementary Education - PCN (s)

    Portuguese (1998) that considers fundamental, the teaching of oral genres for the

    formation of a citizen, conscious and defender of their rights. This study evaluates

    how the proposed exercises in textbooks (collections Radix Project: 6th year

    Portuguese and Portuguese languages 9th grade) collaborate effectively for the

    formation of students who can use of the strategies of argumentation in the most

    diverse social circumstances, whether formal or informal, and proposes alternatives

    from the results of the present analysis.

    Keywords: Oral genres, Debate, Teaching the debate as a genre, Debate and the

    LDP.

  • SUMRIO

    INTRODUO .......................................................................................................... 10

    CAPTULO 1 ............................................................................................................. 13

    O GNERO TEXTUAL ORAL NA ESCOLA: O DEBATE ........................................ 13

    1.1 Gnero e ensino ............................................................................................ 13

    1.2 Os gneros orais: de objeto de aprendizagem a objeto de ensino .......... 16

    1.3 A importncia de se trabalhar com gnero debate regrado em sala

    de aula ........................................................................................................... 21

    1.4 Os elementos organizadores da interao: categorias de anlise do

    gnero debate regrado ................................................................................. 24

    1.4.1 Os marcadores conversacionais ................................................................. 25

    1.4.2 Os modalizadores ......................................................................................... 27

    1.4.3 Os operadores argumentativos ................................................................... 29

    CAPTULO 2 ............................................................................................................. 34

    ANLISE DO GNERO DEBATE NOS LIVROS DIDTICOS DOS 6 ANOS E

    9 ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL .................................................................. 34

    2.1 Corpus da pesquisa...................................................................................... 34

    2.2 Composies dos mdulos e captulos do livro didtico Projeto

    Radix: Portugus .......................................................................................... 34

    2.3 Como a estrutura dos captulos no livro didtico Projeto Radix:

    Portugus ...................................................................................................... 37

    2.4 Concepes dos autores do livro didtico Projeto RADIX:

    Portugus, Ernani Terra e Floriana Toscano Cavallete em relao

    aos gneros orais ......................................................................................... 39

    2.5 Apresentaes do gnero debate no livro didtico Projeto Radix:

    Portugus ...................................................................................................... 42

    2.6 Anlises das atividades do gnero oral debate no livro didtico

    Projeto Radix Portugus do 6 ano .......................................................... 45

  • 2.7 Composies do livro didtico Portugus Linguagens 9 ano dos

    autores William Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhes ................. 50

    2.8 Concepes dos autores William Roberto Cereja e Thereza Cochar

    Magalhes em relao aos gneros orais .................................................. 51

    2.9 Apresentaes das atividades do gnero debate no livro didtico

    dos autores William Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhes ......... 52

    2.10 Anlises das atividades do gnero debate nas propostas no livro

    Portugus Linguagens do 9 ano ............................................................. 58

    CONSIDERAES FINAIS ...................................................................................... 62

    REFERNCIAS ......................................................................................................... 65

    ANEXO ..................................................................................................................... 67

  • 10

    INTRODUO

    Nas escolas brasileiras, devido antiga tradio de ensino e

    aprendizagem da lngua materna, que privilegiam a leitura e a produo de

    textos escritos, os gneros orais no so um lcus que exigem reflexo e

    avaliao por parte dos professores.

    Em nossa prtica em sala de aula, causou-nos (e ainda causa)

    preocupao, a falta de atividades sistematizadas nos livros didticos de

    Lngua Portuguesa relacionadas especialmente ao gnero debate, que

    poderiam propiciar ao aluno oportunidade de apropriar-se de maneira eficiente

    dos recursos lingusticos, textuais e comunicativos mais adequados s prticas

    orais na escola e fora dela.

    Foi a partir dessas inquietaes que nos sentimos motivados a

    pesquisar sobre esse assunto, pois, ao longo de nossa trajetria como

    professora de Lngua Portuguesa em escolas pblicas de So Paulo,

    verificamos que atividades dedicadas ao desenvolvimento das competncias

    lingustica textual e comunicativa apropriadas ao domnio do debate eram

    restritas, ou muitas vezes, no existiam.

    Por essa razo, este trabalho tem como ponto principal analisar as

    atividades sobre o gnero debate em dois volumes de livros didticos de

    Lngua Portuguesa do Ensino Fundamental, sendo: Projeto Radix: Portugus

    6 ano dos autores Ernani Terra e Floriana Toscano Cavallete, editora Scipione

    e Portugus Linguagens 9 ano, dos autores William Roberto Cereja e

    Thereza Cochar Magalhes, editora tica, buscando a adequao dessas

    atividades s concepes de gnero debate oral.

    As colees foram escolhidas para comporem o corpus da pesquisa por

    fazerem parte dos livros aprovados pelo MEC e por circularem nas escolas

    estaduais. Os volumes escolhidos, 6 e 9 ano, representam o incio do

    trabalho no Fundamental II e o trmino desse trabalho. Dessa forma, o corpus

  • 11

    se apresenta como amostragem significativa de um trabalho com gnero que

    deve ser desenvolvido segundo a concepo do ensino em espiral, em que os

    gneros se repetem sendo a cada ocorrncia aprofundados em seu estudo.

    Para desenvolver as anlises, por sua vez, propomo-nos, nas atividades

    com o gnero debate apresentadas pelos autores desses dois livros; identificar

    as concepes desse gnero e verificar se estas atendem s propostas, que

    consideramos modelares quanto concepo de gneros, dos Parmetros

    Curriculares de Lngua Portuguesa e dos estudiosos genebrinos Schneuwly;

    Dolz (2004), sistematizadas na abordagem da sequncia didtica elaboradas

    pelos mesmos autores.

    Nos recentes trabalhos sobre o ensino de lngua materna, destaca-se o

    dos pesquisadores Schneuwly; Dolz que tem como objetivo o ensino-

    aprendizagem da produo de gneros textuais orais e escritos.

    Schneuwly; Dolz postulam que comunicar-se oralmente ou por escrito

    pode e deve ser ensinado sistematicamente (2004, p.43). Os autores afirmam

    que se deve partir de uma estratgia que servir tanto para a produo oral

    como para a escrita. Eles nomeiam essa srie de estratgias de sequncia

    didtica que consiste em mdulos de ensino organizados sistematicamente que

    tem por objetivo melhorar uma determinada prtica de linguagem (pode-se

    comear por um aspecto de um gnero at o gnero propriamente dito).

    J os PCN (1998), ao serem utilizados como apoio para orientar as

    prticas de ensino de lngua materna, pontuam questes centrais relativas aos

    processos de ensino e aprendizagem perpassados pela teoria dos gneros

    para melhorar a aprendizagem dos alunos em termos de desenvolvimento da

    linguagem.

    Tal documento ressalta que a leitura e a produo de textos, tanto orais

    quanto escritos, so as prticas discursivas que, combinadas com a reflexo

    sobre as estruturas da lngua, devem ser priorizadas no trabalho com a lngua

    materna.

  • 12

    Assim, os Parmetros Curriculares de Lngua Portuguesa colocam como

    objetivo fundamental trabalhar o conhecimento necessrio sobre as diferentes

    formas de realizao da linguagem na sociedade, a fim de que os sujeitos

    envolvidos no processo de aprendizagem possam se comunicar

    produtivamente nos grupos sociais de que participam. A estrutura da

    dissertao segundo a metodologia est assim organizada: no captulo 1

    buscamos explicitar de forma sucinta o conceito de gnero sob a perspectiva

    dos tericos Schneuwly; Dolz (2004), bem como algumas aproximaes entre

    os estudiosos sobre estudos de gneros, Bakhtin (2011), Bazerman (2004) e

    Marcuschi (2008).

    A seguir, ainda nesse captulo, partir dos estudos de Schneuwly; Dolz

    (2004) e Ribeiro (2009), apresentaremos o gnero oral e suas modalidades,

    focalizando as caractersticas do gnero debate na escola.

    No captulo 2, constar a apresentao dos livros didticos em sua

    organizao e composio, as atividades relacionadas ao gnero debate, a

    concepo dos autores e, em seguida, anlise das atividades do gnero debate

    nos livros do corpus.

    Nas consideraes finais, retomaremos a questo das dificuldades

    encontradas pelo professor ao trabalhar com esse gnero na escola bem como

    as possibilidades de insero do debate nas atividades escolares.

  • 13

    CAPTULO 1 - O GNERO TEXTUAL ORAL NA ESCOLA: O

    DEBATE

    Este captulo busca explicitar o conceito de gnero sob a perspectiva

    dos tericos Schneuwly; Dolz (2004), bem como algumas aproximaes entre

    autores que tm fundamentao terica sobre estudos de gnero como ao

    linguareira social, e as recomendaes dos PCN (1998, p.23) para o ensino de

    Lngua Portuguesa por meio dos gneros textuais. Em seguida,

    apresentaremos a importncia de se trabalhar com o gnero debate regrado

    em sala de aula baseado nos estudos de Dolz e Schneuwly (2004) e sob a luz

    da teoria de Koch (2000) e Ribeiro (2009) analisaremos os fatores lingusticos

    no processo de argumentao, os operadores argumentativos no processo de

    interao entre os participantes do evento comunicativo elementos centrais

    para esse gnero.

    1.1 Gnero e ensino

    Ao longo de toda a histria da humanidade, os diferentes tipos de

    atividades sociais geraram diferentes gneros, denominados por Bakhtin (2011,

    p.262) como tipos relativamente estveis de enunciados (orais e escritos),

    compostos por contedo temtico, estilo verbal e construo composicional

    especficos de uma determinada esfera de ao humana. Para Bakhtin, a

    linguagem aceita como um fenmeno social, histrico e ideolgico e os

    gneros so tipos de enunciados que existem nas diferentes esferas da

    atividade humana:

    Esses gneros do discurso nos so dados quase como nos dada a lngua materna que dominamos com facilidade antes mesmo que lhe estudemos a gramtica. A lngua materna, a composio de seu lxico e sua estrutura gramatical, no a aprendeu nos dicionrios e nas gramticas, ns a adquirimos mediante enunciados concretos que ouvimos e reproduzimos durante a comunicao verbal viva que se efetua com os indivduos que nos rodeiam. Assimilamos as formas da lngua somente nas formas assumidas pelo enunciado, e juntamente com essas formas. As formas da lngua e as formas tpicas do enunciado, isto , os gneros do discurso, introduzem-se em nossa experincia e em nossa conscincia juntamente e sem que a sua estreita relao seja rompida. (BAKHTIN, 2011, p.282-283).

  • 14

    A partir dessa concepo de Bakhtin, mas com outra abordagem

    Marcuschi (2008, p.20) compreende que os gneros textuais so fenmenos

    histricos que se ligam as atividades sociais e culturais dos sujeitos e, por isso,

    so eventos textuais altamente maleveis, dinmicos e plsticos.

    Com essa perspectiva, o nosso trabalho pretende mostrar como o

    gnero dinmico, se adapta a vrias circunstncias das esferas sociais e se

    apresenta em constante construo na interao com o outro.

    Ainda segundo Marcuschi (2008, p.187), um gnero seria uma noo

    cotidiana usada pelos falantes que se apoiam em caractersticas gerais e

    situaes rotineiras

Recommended

View more >