futebol amador: história, memória e patrimonialização .futebol amador: história, memória e

Download Futebol amador: História, memória e patrimonialização .Futebol amador: História, memória e

Post on 06-Dec-2018

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Futebol amador: Histria, memria e patrimonializao

RAPHAEL RAJO RIBEIRO*

Resumo: O presente texto tem por objetivo promover reflexo a partir da experincia de

produo do Inventrio do Futebol Amador em Belo Horizonte. Iniciada em 2016, a

investigao realiza-se por meio de pesquisas de campo, coletas de acervo e relatos orais e

rene, at o momento, dados sobre mais de 20 agremiaes da cidade. O exame dos indcios

permite traar aproximaes entre a histria do futebol de vrzea na capital mineira, inserindo

o debate em perspectiva com outros casos brasileiros j documentados. Essas percepes da

prtica esportiva em sua durao so capazes de evidenciar as mltiplas articulaes entre a

modalidade atltica e os processos sociais, como, por exemplo, a transformao do tecido

urbano. Tal trajetria do futebol amador indica uma historicidade prpria, que muitas vezes se

distancia da prtica profissional desse esporte e coloca em questo a necessidade de

ampliao de estudos sobre formas de se vivenciar esse fenmeno social.

Palavras-chave: futebol amador, histria do esporte, memria

Introduo

Mesmo antes que se iniciasse a produo acadmica sistemtica acerca do futebol

como fenmeno cultural, o que ocorreu principalmente a partir da dcada de 1990, j havia

reconhecimento social da importncia da prtica para construo da identidade nacional, bem

como de vnculos de pertencimento locais. Seja via periodismo esportivo, seja por meio de

publicaes de natureza memorialstica ou ensastica, havia debate razoavelmente

disseminado acerca da centralidade dessa modalidade atltica na construo de sentimentos de

comunidade que unem brasileiros ou membros de grupos mais especficos.

Apesar dessa percepo, mais ou menos consensual, a qual poderia variar em relao

aos usos polticos que se faziam da prtica, mas que, ainda assim, reconhecia sua fora de

mobilizao social; poucos foram os casos em que essa concepo desembocou em medidas

de reconhecimento do valor cultural do futebol, com a adoo de medidas que promovessem a

modalidade sob esse aspecto ou que propusessem medidas de proteo da manuteno da

expresso. Talvez porque essa noo to arraigada no senso comum no afetasse os

* Doutorando no Centro de Pesquisa e Documentao de Histria Contempornea do Brasil CPDOC/FGV,

mestre em Histria pela Universidade Federal de Minas Gerais UFMG, Tcnico Nvel Superior/Patrimnio

Cultural do Museu Histrico Ablio Barreto/Fundao Municipal de Cultura de Belo Horizonte.

2

responsveis pelas aes patrimoniais, talvez porque no se identificasse risco de

desaparecimento ou de descaracterizao da manifestao. Da mesma forma, as reflexes

acadmicas, ainda que enfatizassem os traos culturais desse esporte, praticamente no

desenvolveram essas possibilidades de articulao.

Raros foram os casos em que tal juno entre futebol e patrimnio se deu, sendo o

tombamento do Parque do Povo pelo Conselho de Defesa do Patrimnio Histrico,

Arqueolgico, Artstico e Turstico CONDEPHAAT, no Estado de So Paulo, um dos mais

exemplares. O reconhecimento do complexo de campos dedicados ao futebol amador desde a

primeira metade do sculo foi fruto de uma articulao entre o rgo consultivo e

pesquisadores da USP, de reas como Antropologia, Geografia e Histria (MAGNANI;

MORGADO, 1996 e SCIFONI, 2013). Caso de proteo de fachadas de estdios a exemplo

do Maracan e do Mineiro tambm so notrios.

O desenvolvimento do Inventrio do Futebol Amador em Belo Horizonte, projeto

conjunto da Fundao Municipal de Cultura e da Secretaria de Esporte e Lazer, articula-se

com essas outras experincias, buscando incorporar mecanismos de salvaguarda mais

adequados, baseados na percepo da prtica como possvel patrimnio imaterial da cidade.

Neste texto, busca-se apresentar os princpios bsicos do trabalho, bem como refletir acerca

dos desafios de tratar a expresso amadora dessa modalidade, com apontamentos de algumas

caractersticas prprias dessa manifestao esportiva e cultural que indicam limites das

interpretaes at ento consolidadas na historiografia do futebol brasileiro.

O Projeto

O Inventrio do Futebol Amador em Belo Horizonte trata-se de parceria da Fundao

Municipal de Cultura FMC e da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer SMEL que teve

incio em 2016 e foi instituda pela PORTARIA CONJUNTA FMC/SMEL N 001/2016. Para

seu desenvolvimento foi constitudo grupo de tcnicos que rene membros, pela FMC, da

Diretoria de Patrimnio, da Diretoria de Museus e Centros de Referncia e da Assessoria do

Gabinete, e pela SMEL, do Centro de Memria do Esporte e do Lazer e da Gerncia de

Planejamento e Controle de Equipamentos Esportivos. A iniciativa tem por objeto subsidiar

tanto o desenvolvimento das polticas pblicas de esporte, quanto de medidas voltadas para o

registro e a preservao do patrimnio cultural do municpio.

3

Para se compreender a atual conformao desse meio esportivo, vale recapitular que a

constituio de equipes que depois viriam a ser denominadas amadoras remonta ao processo

de introduo do futebol em Belo Horizonte. Logo aps a criao dos primeiros clubes no ano

de 1904, os quais tinham forte vnculo com as classes mdias e altas locais, tal prtica atltica

vivenciou, ainda na dcada de 1910, um rpido fenmeno de popularizao, com a formao

de agremiaes em bairros suburbanos, de perfil operrio (RIBEIRO, 2007, p. 72). Mesmo

que houvesse pequeno nmero de competidores nos primeiros campeonatos promovidos na

cidade pela Liga Mineira de Deportes Terrestres, uma distino entre aquelas equipes mais

tradicionais e os times de extrao proletria j se impunha com a presena de duas divises,

que separavam os grupos (RIBEIRO, 2007, p. 90).

Assim, a marca estabelecida entre os futebis profissional e amador, a partir da

regulamentao do novo regime de trabalho dos jogadores em 1933, remete constituio de

diferenas que j eram gestadas desde o incio de seu processo de popularizao. Como

destacam Lage e Medeiros (2014, p. 9-10), foi na 1 diviso, que reunia os clubes tradicionais,

que se concentraram as agremiaes que fizeram a transio para o novo sistema, enquanto as

demais entidades mantiveram-se naquela que se tornaria a diviso amadora da capital.

A emergncia do profissionalismo, portanto, terminou por estabelecer diferenciao

no campo esportivo local, ao criar um circuito competitivo prprio do futebol amador ou de

vrzea, no qual dezenas de clubes de Belo Horizonte se engajaram. Tal distino, no entanto,

no se deu de forma automtica ou imediata, como ser visto adiante, estendendo-se ao longo

de um perodo mais alargado.

Ainda hoje, o futebol amador mobiliza parcela considervel da populao local. Para

que se tenha uma ideia, segundo levantamento da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer

2, a cidade possui mais de cem campos de vrzea. Nos campeonatos promovidos pela

Federao Mineira de Futebol, por meio de seu Setor de Futebol Amador da Capital, h o

envolvimento de ao menos 144 clubes, distribudos em diferentes divises3 e que, em todas as

categorias, inscrevem mais de 12 mil atletas a cada ano nos torneios, incluindo-se cerca de

500 mulheres. Esse universo refere-se apenas s entidades que se engajam no circuito

2 Mapa Interativo Secretaria Municipal Adjunta de Gesto Compartilhada. Disponvel em

http://gestaocompartilhada.pbh.gov.br/sites/gestaocompartilhada.pbh.gov.br/files/mapainterativo.html, acessado em 21 de

julho de 2016. 3 Classificao SFAC Mdulo I 2016. Disponvel em http://fmf.com.br/Competicoes/ProxJogos.aspx?d=8,

acessado em 21 de julho de 2016.

4

competitivo oficial, havendo uma variedade de copas independentes que mobilizam nmero

ainda superior ao apresentado. Como medida da participao do pblico torcedor, cita-se, por

exemplo, a final da Copa Itatiaia realizada em 24 de janeiro de 2016, no Estdio

Independncia, a qual reuniu 16.449 pessoas. 4

O mapa a seguir representa a distribuio dos campos de jogo pela cidade de Belo

Horizonte. Baseado em levantamentos aerofotogramtricos do municpio, bem como em

imagens de satlite, indica aqueles espaos de jogo que existem h mais de 50 anos ou

vinculados a clubes com essa longevidade, o mesmo se aplica aos que existem h cerca de 25

anos, bem como aos que foram criados no ltimo quarto de sculo.

4 De virada, Campolina vence Ica no Independncia e fatura o segundo ttulo da Copa Itatiaia, Copa Itatiaia, 24 de

janeiro de 2016. Disponvel em http://copa.itatiaia.com.br/informacao_detalhes/151, acessado em 21 de julho de 2016.

5

Fonte: Levantamentos aerofotogramtricos do Municpio de Belo Horizonte 1953, 1967 e 1989 e

imagens de satlite Google Earth. Acervo: Arquivo Pblico da Cidade de Belo Horizonte APCBH;

Empresa de Processamento de Dados do Municpio de Belo Horizonte PRODABEL; Google Earth.

Elaborao do autor.

Desde o final dos anos 1940, observa-se o desenvolvimento de poltica pblicas

dedicadas aos clubes menores, inseridos no circuito amador. rgo responsvel por essas

6