fundamentos de lingœstica - .fiorin, jos© luiz (org.) introdu§£o  ...

Download FUNDAMENTOS DE LINGœSTICA - .FIORIN, Jos© Luiz (org.) Introdu§£o   Ling¼­stica. ... exterior

If you can't read please download the document

Post on 11-Nov-2018

220 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 215

    FUNDAMENTOS DE LINGSTICA

    Jan Edson Rodrigues Leite

    Apresentao

    Caro Aluno e Cara Aluna

    Este captulo contm grande parte do material necessrio para o aproveitamento da disciplina Fundamentos de Lingstica. A disciplina que estudaremos aborda, de modo geral, os principais fenmenos da linguagem humana. Em um curso de Letras, em que os pro ssionais sero habilitados para o ensino de lngua portuguesa, entender esses fenmenos crucial, visto que a lngua, como ferramenta de comunicao, compreenso e atuao no mundo, abrange dimenses que interessam a todas as atividades humanas, ainda mais ao ensino.

    Procuramos apresentar da forma mais clara possvel as principais questes acerca dos fenmenos estudados pela cincia da linguagem, recorrendo sempre aos livros-texto adotados pelo seu plo de estudo, bem como a pginas da Internet, onde os assuntos discutidos podero ser aprofundados. Nosso objetivo , pois, muni-los do aparato terico bsico para o desempenho e caz de suas atividades, bem como aprofundar seus conhecimentos sobre os fatos gerais que envolvem a capacidade da linguagem.

    Este captulo se divide em seis unidades que discutem os textos tericos e procuram relacion-los prtica lingsticas dos usurios. Essas unidades abordam desde os objetos mais bsicos dos estudos da linguagem, at a histria da lingstica, suas principais teorias, princpios e a anlise da relao lngua e sociedade. Lembre-se de que qualquer aula, presencial ou a distncia, exige dedicao e leituras. Assim importante que as leituras obrigatrias sejam feitas antes do incio de cada unidade temtica para que o seu aproveitamento seja melhorado. Apresentamos tambm leituras complementares que ajudaro no entendimento integral do assunto estudado, procure sempre faz-las.

    Ao estudar esse material, mantenha um caderno de anotaes no qual possa registrar suas dvidas, questionamentos, opinies e sugestes. Use suas anotaes nos encontros com os tutores presenciais e, principalmente, no contato com o Professor e os tutores a distncia. As atividades sugeridas nesse livro contribuiro para o seu aprendizado, no deixe de faz-las e discuti-las em grupo, a m de compartilhar suas opinies com as dos seus colegas. Parte da avaliao da disciplina consiste, exatamente, nos trabalhos, pesquisas e textos que so solicitados nessas atividades. A outra parte da avaliao ser feita atravs de estgios escolares (avaliaes) de modo presencial.

  • 216

    O sucesso do seu aprendizado depende muito de voc, por isso questione, critique, analise posies, compare teorias, proponha sugestes, seja parte ativa desse curso que voc agora comea, para que ao nal das disciplinas suas competncias, habilidades e atitudes tenham sido acrescidas no s por meio de construtos tericos, mas pelo acmulo de experincias positivas.

    Um abrao e muito sucesso! Jan Edson Rodrigues Leite

  • 217

    UNIDADE I

    LINGUAGEM LNGUA E LINGSTICA

    Leitura Obrigatria: PETTER, Margarida. Linguagem, Lngua e Lingstica. In FIORIN, Jos Luiz (org.) Introduo Lingstica. Vol. 1 Objetos Tericos. So Paulo: Contexto, 2002, p. 11-23.

    REFLEXO:

    Aps a leitura do texto acima, destaque os pontos que merecem maior aprofundamento.

    Releia o texto, prestando ateno aos pontos que voc destacou. Agora, prossiga neste captulo fazendo as leituras abaixo

    Sempre que comeamos a estudar uma disciplina ou teoria particular, buscamos apreender os conceitos bsicos que a de nem e a diferenciam de outras teorias e disciplinas. s vezes esses conceitos bsicos so completamente desconhecidos e exigem muito cuidado para que possamos compreend-los com certa profundidade. Outras vezes, trata-se de conhecimentos que j possumos, ou de noes sobre as quais j estudamos e que parecem ser de fcil apreenso. No entanto, no decorrer de nossos estudos, percebemos que o que j sabamos era incompleto, super cial e, em certos casos, at mesmo inadequado.

    A lingstica uma cincia que trabalha com o segundo tipo de conhecimento. As noes que compem essa cincia so, inmeras vezes, conhecidas por qualquer pessoa. Ora, qual o falante que no sabe sua lngua, ou que no conhece os aspectos principais da comunicao verbal? Ao estudarmos a lingstica, discutiremos dois grupos de conceitos e noes bsicas: um que recupera os conhecimentos gerais, no tcnicos sobre a linguagem humana e a lngua em particular; outro que apresenta uma viso tcnica e especializada sobre estes mesmos aspectos. No raro veremos que o conhecimento tcnico da lingstica se assemelha a algumas noes que j possumos, como o caso de certas normas sociais da fala, a diferena entre nossa lngua e outros sistemas de comunicao, entre outros. Algumas vezes, porm, perceberemos que a cincia da linguagem exatamente porque se trata de uma cincia sistematiza o conhecimento da rea em conceitos que so muito profundos e que exigem uma aproximao mais tcnica para sua compreenso e explorao.

    Nosso objetivo nesse captulo abordar de maneira especializada os conceitos e de nies bsicas da Lingstica, correlacionando-os, sempre que possvel, com as noes que fazem parte dos conhecimentos mais gerais dos falantes. Assim, vamos ao que interessa.

  • 218

    Um primeiro conceito a ser descoberto o de linguagem. Ser que esse conceito no su cientemente bvio para ser explicado? O falante comum, no-tcnico, costuma pensar no conceito de linguagem humana como se opondo linguagem de sinais, gestual, corporal, linguagem da propaganda, da computao, etc. As diferenas entre essas noes so, no entanto, o bastante para se formular uma de nio? O conhecimento tcnico de linguagem exige que, paralelamente, estudemos tambm a noo de lngua, uma vez que ambas so realidades muito prximas para se estudar o fenmeno lingstico.

    Algumas lnguas usam apenas um termo para se referir s noes de lngua e linguagem (por exemplo, o termo do ingls language), to prximos so os dois conceitos. Convencionou-se atribuir o termo linguagem capacidade geral que temos, enquanto seres humanos, de utilizar sinais com vistas comunicao. Assim, essa capacidade chega a ns como resultado de um processo evolutivo. Todos os homens e mulheres, independente de falarem uma lngua natural (como portugus), ou de utilizarem lnguas de sinais na comunicao entre surdos, ou de serem acometidos de patologias que prejudicam a comunicao verbal, so portadores dessa capacidade, ou seja, tm linguagem. A lngua, por sua vez, uma noo que sugere que a capacidade de linguagem se atualiza em um material concreto, disponvel culturalmente, uma lngua natural.

    Nos prximos captulos nos deteremos em outras acepes das noes de lngua e linguagem. Por enquanto, su ciente que que claro que todo ser humano nasce dotado de uma capacidade geral chamada linguagem, ou faculdade da linguagem, e que essa capacidade se atualiza, se concretiza em uma lngua espec ca, um conjunto de signos e normas que permitem a comunicao em uma comunidade particular.

    Di cilmente seramos o que somos hoje, em termos de conhecimento, acesso a informaes, desenvolvimento tecnolgico e relaes interpessoais, sem uma linguagem e sem uma lngua. Todas as nossas atividades cotidianas exigem que, direta ou indiretamente, usemos a capacidade lingstica, seja para nos comunicar com outras pessoas, seja para contar histrias aos nossos lhos, seja para negociar com o gerente de nosso banco, seja para contar uma piada, uma mentira, fazer uma fofoca, etc. A lngua/linguagem atividade constitutiva e incontornvel de nossa natureza humana, por isso, possivelmente, qualquer falante tem a habilidade de de nir sua lngua em oposio a uma lngua estrangeira, reconhecer outro falante como usurio de sua prpria lngua, distinguir uma lngua natural de um conjunto de sons ou letras sem sentido.

    A lingstica, porm, como o estudo cient co da lngua/linguagem humanas, se ocupa com questes que provavelmente no incomodariam o usurio comum. Poucos falantes, por exemplo, se preocupariam em estudar a evoluo da lngua, tanto do ponto de vista de como as formas do latim, por exemplo, evoluram at chegar ao que constitui hoje a estrutura das lnguas romnicas, como o portugus, o francs, o romeno, etc.; quanto do ponto de vista de como a capacidade da linguagem evoluiu na espcie humana ao longo dos milhares de anos que separam o homem moderno dos primeiros primatas.

    A lingstica, alm de questes como a tratada acima, estuda o modo como a lngua se estrutura genericamente, atravs de propriedades de associao e distribuio, o que corresponde, parcialmente, s tradicionais anlises morfossintticas que fazamos na escola. Outra preocupao da lingstica

  • 219

    investigar como um falante sai de um estado em que virtualmente no conhece sua lngua materna (porque beb, por exemplo) e passa ao estado em que domina as estruturas de sua lngua, ou seja, adquire e desenvolve conhecimentos lingsticos.

    Muitas outras so as questes discutidas pela lingstica, as quais sero apresentadas e aprofundadas nas prximas pginas deste captulo. Apresentaremos agora algumas de nies e conceitos elaborados por lingistas de renome, que indicam a variedade de abordagens que esses fenmenos recebem no campo da cincia lingstica.

    1.1. Conceitos

    Ferdinand de Saussure (1916)

    A lngua no se confunde com a linguagem; somente uma parte determinada, essencial dela. , ao mesmo tempo, um produto social da faculdade de linguagem e um conjunto de convenes necessrias, adotadas pelo corpo social para permitir o exerccio dessa faculdade nos indivduos. A linguagem multiforme e heterclita; a lngua, ao contrrio, um todo por si e um princpio de classi cao. Ela a parte social da linguagem, exterior ao indivduo.

    Mikhail Bakhtin

    (1929) A verdadeira substncia da lngua no constituda por um sistema abstrato de formas lingsticas nem pela enunciao monolgica e isolada, nem pelo ato psico siolgico de sua produo, mas pelo fenmeno social da interao ve