fu vest 2012

Download Fu Vest 2012

Post on 10-Dec-2015

28 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Gabarito

TRANSCRIPT

  • 1 DDObserve as charges.

    http://historiaemprojetos.blogspot.com e http://dalciomachado.blogspot.com. Acessados em julho/2011.

    As charges, respectivamente, dos cartunistas Henfil(1982) e Dalcio (2011) esto separadas por quase trintaanos de histria, mas unidas na crticaa) ao preo, no mercado internacional, da madeira

    extrada das florestas brasileiras.b) presena de capital estrangeiro na explorao de

    madeiras de florestas no pas.c) exportao ilegal, via pases vizinhos, de madeira

    extrada das florestas brasileiras.d) ao desmatamento extensivo e indiscriminado das

    florestas brasileiras.e) ao uso recorrente de queimadas na eliminao de

    florestas no pas.ResoluoAs charges apresentadas criticam a questo do desma -tamento no Brasil, ou seja, sua ilegalidade re presen ta -da pelo uso irracional das florestas. As aeseconmicas promovem o desmatamento extensivo dasflorestas e a apropriao predatria e indiscrimi na dados recursos vegetais.

    FFUUVVEESSTT ((11aa.. ffaassee )) NNOOVVEEMMBBRROO//22001111

  • 2 AAConsidere os mapas.

    Spolon, 2006. Adaptado.

    Com base no mapa e em seus conhecimentos, corretoafirmar que, tendo em vista as dinmicas espaciais nacidade de So Paulo, os hotisa) acompanharam o desenvolvimento, na cidade, de

    novas reas de centralidade.b) expandiram-se para o sudeste da cidade, devido ao

    desenvolvimento do setor primrio.c) deslocaram-se em direo s avenidas marginais,

    acompanhando o processo de conurbao.d) migraram em direo regio sudoeste, em funo do

    despovoamento do centro histrico.e) foram atrados para a periferia, devido

    descentralizao das indstrias paulistanas.ResoluoO desenvolvimento da infraestrutura urbana entre1970 e 2000 gerou a expanso da rede hoteleira paulis -tana. Outrora concentrada na poro central dacidade, essa rede disseminou-se acompanhando odesloca mento de novas reas centrais para a AvenidaPaulista e para a Avenida Lus Carlos Berrini, na zonasul.

    FFUUVVEESSTT ((11aa.. ffaassee )) NNOOVVEEMMBBRROO//22001111

  • 3 DDAinda no comeo do sculo 20, Euclides da Cunha, empequeno estudo, discorria sobre os meios de sujeio dostrabalhadores nos seringais da Amaznia, no chamadoregime de peonagem, a escravido por dvida. Algoprximo do que foi constatado em So Paulo nestes dias[agosto de 2011] envolvendo duas oficinas terceirizadasde produo de vesturio.

    Jos de Souza Martins, 2011. Adaptado.No texto acima, o autor faz meno presena deregime de trabalho anlogo escravido, na indstriade bens

    a) de consumo no durveis, com a contratao de imi -gran tes asiticos, destacando-se coreanos e chineses.

    b) de consumo durveis, com a superexplorao, pormeio de empresas de pequeno porte, de imigranteschilenos e bolivianos.

    c) intermedirios, com a contratao prioritria deimigrantes asiticos, destacando-se coreanos echineses.

    d) de consumo no durveis, com a superexplorao,principalmente, de imigrantes bolivianos e peruanos.

    e) de produo, com a contratao majoritria, por meiode empresas de mdio porte, de imigrantes peruanos ecolombianos.

    ResoluoAtualmente, o trabalho anlogo ao do escravo, adespeito dos esforos governamentais para combat-lo, pode ser constatado, na cidade de So Paulo, naindstria de bens no durveis, sobretudo o setortxtil, que absorve imigrantes bolivianos e peruanos,principalmente.

    FFUUVVEESSTT ((11aa.. ffaassee )) NNOOVVEEMMBBRROO//22001111

  • 4 CC

    Os mapas representam, respectivamente, os temas

    ResoluoOs mapas apresentados ilustram a distribuio doseguintes aspectos sociais brasileiros: I Alfabetizao,com as melhores taxas em So Paulo, Rio de Janeiro,Amap e no Distrito Federal; II Trabalho Infantil,com percentuais mais expressivos na Regio Nordeste;III IDH (ndice de Desenvolvimento Humano), comvalores menores no Nordeste e maiores no centro-sul.

    I II III

    a) Natalidade Mortalidadeinfantil IDH

    b) Mortalidadeinfantil Alfabetizao Trabalho infantil

    c) Alfabetizao Trabalho infantil IDH

    d) Natalidade IDH Trabalho infantil

    e) Alfabetizao Mortalidadeinfantil Natalidade

    FFUUVVEESSTT ((11aa.. ffaassee )) NNOOVVEEMMBBRROO//22001111

  • 5 BBObserve os mapas do Brasil.

    Considere as afirmativas relacionadas aos mapas.I. Alta concentrao fundiria e pouca diversificao da

    atividade econmica so caractersticas de um bolsode pobreza existente no extremo sul do Brasil.

    II. A despeito de seus excelentes indicadores econ mi -cos bem como de seu elevado grau deindustrializao, a Regio Sudeste abriga bolses depobreza.

    III. A biodiversidade da floresta assegura alta renda percapita aos habitantes da Amaznia, enquanto mora -dores da caatinga nordestina padecem em bolses depobreza.

    IV. Embora Braslia detenha alguns dos melhores indica -dores socioeconmicos do pas, o prprio DistritoFederal e arredores abrigam um bolso de pobreza.

    Est correto o que se afirma ema) I, II e III, apenas. b) I, II e IV, apenas. c) II e III, apenas. d) III e IV, apenas.e) I, II, III e IV.ResoluoNa assertiva I, so caractersticas das reas de criaode gado da Campanha Gacha a elevada concen -trao fundiria e a baixa diversidade de atividades, oque acaba por resultar na concentrao de renda e osurgimento de bolses de pobreza; na assertiva II, aelevada industrializao e demais atividades deagricultura e servios torna a Regio Sudesteresponsvel por quase 60% do PIB nacional, mas oscontrastes sociais so constantes e os bolses depobreza surgem ao lado das reas de riqueza (comoos enclaves fortificados ao lado de favelas); naassertiva III, no h dvida de que a biodiversidadeda Floresta Amaznica riqussima, mas essa riquezano compartilhada pela populao, j que, muitasvezes, o produto da biodiversidade concentrado namo de poucos. J em Braslia, os bolses de pobrezasurgiro principalmente nas chamadas cidadessatlites, aquelas que ficam volta da capital federale recebem os imigrantes pobres que l se concentramna perspectiva de melhorar a vida.

    FFUUVVEESSTT ((11aa.. ffaassee )) NNOOVVEEMMBBRROO//22001111

  • 6 EELogo aps a entrada de milhares de imigrantes norte-africanos na Itlia, em abril deste ano, o presidente daFrana, Nicolas Sarkozy, e o primeiroministro da Itlia,Silvio Berlusconi, fizeram as seguintes declaraes arespeito de um consenso entre pases da Unio Europeia(UE) e associados.

    Queremos mant-lo vivo, mas para isso precisoreform-lo.

    Nicolas Sarkozy.

    No queremos coloc-lo em causa, mas em situaesexcepcionais acreditamos que preciso fazer alteraes,sobre as quais decidimos trabalhar em conjunto.

    Silvio Berlusconi.

    http://pt.euronews.net. Acesso em julho/2011. Adaptado.

    Sarkozy e Berlusconi encaminharam pedido UE,solicitando a reviso doa) Tratado de Maastricht, o qual concede anistia aos

    imigrantes ilegais radicados em pases europeus hmais de 5 anos.

    b) Acordo de Schengen, segundo o qual Itlia e Franadevem formular polticas sociais de natureza bilateral.

    c) Tratado de Maastricht, que implementou a UnioEconmica Monetria e a moeda nica em todos ospases da UE.

    d) Tratado de Roma, que criou a Comunidade EconmicaEuropeia (CEE) e suprimiu os controles alfandegriosnas fronteiras internas.

    e) Acordo de Schengen, pelo qual se assegura a livrecirculao de pessoas pelos pases signatrios desseacordo.

    ResoluoO Espao Schengen foi um acordo assinado porvinte e cinco pases europeus que permite a livrecirculao dos cidados que para a Europa se dirigem.Uma vez adentrado num pas do espao, o indivduoque entrou ganha o direito de circular livrementepelos pases. A crise ocorrida no norte da frica (aRevoluo de Jasmim) levou inmeros refugiados aem barcar clandestinamente para a Ilha deLampeduza, na Itlia, seguindo dali para a Frana. Oque o presidente francs e o primeiro-ministro italianosugerem a adoo de novas regras para o tratado,como polticas sociais bilaterais que lhes permitamcontrolar os imigrantes.

    FFUUVVEESSTT ((11aa.. ffaassee )) NNOOVVEEMMBBRROO//22001111

  • 7 CCConsidere as afirmativas, o mapa, o grfico e a imagemdas casas semissoterradas, na China, para responder questo.

    Science & Vie. Climat 2009.

    Est correto o que se afirma ema) I e II, apenas.b) II e III, apenas.c) I, III e IV, apenas.d) II, III e IV, apenas.e) I, II, III e IV.ResoluoForam apresentados na questo um mapa da China,destacando a poro setentrional ( Deserto de Gobi) ea regio de Pequim, e um grfico de pluviosidade emPequim, alm da imagem de casas semissoterradaspor areia. Ao julgarmos os itens apresentados,

    I.

    Tempestades de areia que tm atingido Pequimnos ltimos anos relacionam-se a ventos quesopram do deserto de Gobi em direo a essacidade.

    II.A baixa presso atmosfrica predominantesobre o deserto de Gobi responsvel pelaformao de ventos fortes nessa regio.

    III.

    A diminuio de ndices de precipitaoatmosfrica na regio de Pequim e o avano deterras cobertas por areia so indcios de umprocesso de desertificao.

    IV.A grande regio desrtica asitica, da qual fazparte o deserto de Gobi, liga-se macrorregioformada pelos desertos do Saara e da Arbia.

    FFUUVVEESSTT ((11aa.. ffaassee )) NNOOVVEEMMBBRROO//22001111

  • conclumos que as tempestades de areia relacionam-se aos ventos que sopram de Gobi, como se afirma emI. A diminuio da precipitao em Pequim e o avanodas terras cobertas por areia so indcios dedesertificao, como se afirma em III. Outracaracterstica refere-se grande regio desrticaasitica Gobi, que se liga macrorregio formadapelos desertos da Arbia e do Saara, como se afirmaem IV. A incorreo da assertiva II est nacaracterizao do Deserto de Gobi como rea de baixapresso, quando, na verdade, o deserto frio e umarea predominantemente de alta presso atmosfrica.

    8 EEObserve o mapa, no qual esto assinaladas reas deplantio de um im