formulario projeto pesquisa 2012

Download Formulario Projeto Pesquisa 2012

Post on 11-Aug-2015

29 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Av. Roberto Freire, 1684 Capim Macio CEP 59082-902, Natal/RN, Brasil laureate.net www.unp.br Pr-Reitoria de Pesquisa, Extenso e Ps-Graduao

Telefone: +55 84 3215.1234

FORMULRIO PARA APRESENTAO DE PROJETO DE PESQUISA Para uso da ProPEP Cdigo Projeto: Data de Entrada na ProPeP: / / Resultado Parecer: Data Parecer ComPesq: / / 1 Identificao da Pesquisa: Renovao ( ) Pesquisa Nova ( x ) 1.1 Ttulo: FITOBAC, Enxaguante Bucal Fitoterpico 1.2 Incio da Pesquisa: 13 / 02 / 2012 1.3Trmino da Pesquisa: 01/ 06 / 2012 1.4 Nome do Curso: a) Grupo de Pesquisa (Anexo IV do edital): Arte e Cincia em Odontologia b) Linha de Pesquisa (Anexo IV do edital): Estudo de materiais, tcnicas e equipamentos odontolgicos. c) Identificao da Pesquisa da Escola a qual a pesquisa est vinculada (Anexo I do edital): 1.5 Outro(s) Curso(s) Envolvido(s): 1.6 Equipe Executora: a ) Coordenao do Pesquisa: Dacio Michel da Cruz Souza b ) Professores Colaborador(es): Maria Leonor Assuno Soares Camara; Ligia Maria Rodrigues de Melo; Alex Jos Souza dos Santos. c ) Alunos(as): Amaro Batista Alves de Frana; Francisco Rikilly de Arajo; Marcos Cunha dos Santos Junior; Robson Roberto Medeiros de Souza. 2 A pesquisa ser desenvolvida: ( x ) na UnP ( ) Outro Local. Citar Qual:

3 Infra-estrutura da UnP utilizada para o desenvolvimento da pesquisa: Biblioteca UnP, Unidade Salgado Filho 4 Atividades que integram esta pesquisa ao Ensino (indicar a disciplina e a metodologia a ser utilizada):

5 Atividades que integram esta pesquisa Extenso:

2 6 Instituies Parceiras: 7 Objeto da Solicitao: 7.1 Cadastramento da pesquisa na ProPesq ( ) SIM ( ) NO 7.2 Cadastramento da pesquisa e solicitao de recursos outra instituio. Caso positivo, indicar a instituio: 7.3 Cadastramento da pesquisa e solicitao de recursos ProPEP para: ( ) Pesquisador ( ) Iniciao cientfica ( ) Material 8 Cadastro dos Pesquisadores 8.1 Coordenao do Projeto a)Nome do professor: b) Titulao: Dr ( ) ; Ms ( ) ; Esp ( ) rea do Conhecimento: c) Telefone: d) E-mail: e) Link para o currculo latttes: 8.2 Professor(es) Colaborador(es) a) Nome do professor: b Titulao: Dr ( ) ; Ms ( ) ; Esp ( ) rea do Conhecimento: c) IES de origem: d) Endereo: e) Telefone(s): f) E-mail: g) Link para o currculo latttes: a) Nome do professor: b Titulao: Dr ( ) ; Ms ( ) ; Esp ( ) rea do Conhecimento: c) IES de origem: d) Endereo: e) Telefone(s): f) E-mail: g) Link para o currculo latttes: a) Nome do professor: b Titulao: Dr ( ) ; Ms ( ) ; Esp ( ) rea do Conhecimento: c) IES de origem: d) Endereo: e) Telefone(s): f) E-mail: g) Link para o currculo latttes: a) Nome do professor: b Titulao: Dr ( ) ; Ms ( ) ; Esp ( ) rea do Conhecimento: c) IES de origem: d) Endereo: e) Telefone(s): f) E-mail: g) Link para o currculo latttes:

3 9 Introduo (Problemtica e Justificativa da Pesquisa) De acordo coma Organizao Mundial de Sade, as plantas medicinais podem ser as melhores fontes para obter uma variedade de drogas. Cerca de 80% de indivduos em pases desenvolvidos usam medicina tradicional que contem compostos derivados de plantas medicinais. O Brasil o quinto produtor mundial de medicamentos e 48% dessa produo encontram-se distribudas para uma parcela da populao de 15% da populao com renda mensal acima de dez salrios mnimos e apenas 16% da produo destina-se s necessidades de sade dos 51% da populao que tem renda abaixo de quatro salrios. Alm disso o Brasil possui a mais rica flora em todo mundo, com mais de 56.000 espcies de plantas, cerca de 20% da flora mundial. Essa biodiversidade pode ser uma rica fonte de matria-prima de produtos naturais com atividade antimicrobiana e representa uma alternativa promissora no combate das cepas multirresistentes. O uso de fitoterpicos te sido mais estudado e divulgado na medicina do que em outras reas da sade, como a odontologia. Porm, muito provvel que muitas propriedades investigativas de carter mdico possam ser aplicadas na odontologia. O biofilme dental um aglomerado de microrganismos, contido m uma matriz orgnica formada por substancias da saliva, dieta do hospedeiro e por polmeros bacterianos. A remoo mecnica do biofilme dental um fator importante para na preveno da crie e doena periodontal. No entanto, diversos autores confirmam que existem dificuldades na remoo quando realizada pelo prprio paciente. Frente as limitaes dos mtodos mecnicos de higiene, agentes antimicrobiano tem sido propostos por apresentar ao especifica no controle ou desenvolvimento do biofilme dental. Os produtos de origem vegetal foram pouco estudados in vivo apesar de se mostrarem potencialmente eficazes in vitro no que se refere a sua atividade antimicrobiana sobre varias espcies de microrganismos da cavidade bucal. O Fitobac, um enxaguante bucal a base de plantas medicinais usado popularmente pela sociedade. Constitudo de Mirra (Commiphora myrrha), Rom (Punica Granatum), Camomila (Matricaria recutita Linn) e Hortel pimenta (Mentha piperita), cada uma desempenhando papeis importantes na cavidade oral na preveno de doenas comuns como carie e gengivite. Buscando uma alternativa natural para complementar a escovao, chegando onde a escova no consegui limpar, alm de trazer frescor e combater o mau-hlito.

4 10 Fundamentao Terica (Inserir antecedentes cientficos / Reviso de Literatura) O uso de enxaguante bucal um auxiliar na manuteno da sade oral. Os teores alcolicos mesmo sendo baixo nesses produtos apresentam propriedade irritativa em mucosas. De acordo com a ANVISA (Agncia Nacional de Vigilncia Sanitria), fabricantes so obrigados a informar na embalagem a presena de lcool na composio. Mas muitas marcas, no informam o teor etanlico, pois segundo a mesma agncia os antisspticos bucais so classificados como cosmticos, implicando na no obrigatoriedade da prestao da referida informao. E atualmente estudos apontam uma correlao evidente entre lcool e cncer na orofaringe. Existem diversas polmicas em torno do uso dos enxaguatrios bucais, que prometem uma limpeza mais profunda em locais que a escova de dente no consegue chegar. Alguns estudos ao redor do mundo mostraram que utilizar o produto em excesso faz mal a sade e pode at ajudar o desenvolvimento de um cncer bucal e orofaringe. Apesar disso, no existem indcios precisos sobre esse problema. A maioria dos dentistas indicam o uso dos enxaguatrios depois de cirurgias, raspagem de dentes, doenas gengivais, casos com alta incidncia de crie e para pessoas que tm dificuldades de coordenao motora e no conseguem realizar uma boa escovao. Mas, para o resto da populao a recomendao de uso opcional. Os especialistas afirmam que pessoas que desejam utilizar o produto todos os dias devem optar pelos que no possuam lcool em sua composio. Somente o dentista poder determinar quais pacientes precisam ou no utilizar o enxaguatrio bucal e como esse uso deve ser feito, dirio ou com moderao. Glucanato de Clorexidina O gluconato de clorexidina (citado tambm como Digluconato de clorexidina, comercialmente s vezes chamado apenas de clorexidina) um anti-sptico qumico, com ao antifngica e bactericida, capaz de eliminar tanto bactrias gram-positivas quanto gram-negativas. Possui tambm ao bacteriosttica, inibindo a proliferao bacteriana. So utilizados no combate ou preveno de afeces bucais como a gengivite, periodontite e a pericoronarite. Deste modo, o uso da clorexidina como enxaguatrio, pode ter efeitos altamente positivos em pacientes que no podem escovar seus dentes de modo efetivo, tais como indivduos com alguma limitao motora ou mental e pacientes hospitalizados ou como ao complementar das escovao. Contudo clorexidina precisam de cuidados redobrados. O ideal utilizar o produto apenas com indicao do especialista, para os casos em que existe a doena periodontal, j que tem o melhor resultado no combate placa bacteriana, o uso prolongado dos enxaguatrios com clorexidina, no entanto, pode provocar manchas escuras nos dentes, alm de perda temporria da gustao. Para o uso dirio, esses enxaguatrios pode ter mais contra-indicaes do que benefcios. Rom A rom, cujo nome cientfico Punica granatum L, pertence famlia das punicceas. utilizada na medicina popular no tratamento de diversas afeces bucais, em forma de gargarejo contra aftas e dores de garganta. Contudo so muitas suas propriedades, por ser constitudas quimicamente principalmente por alcaloides e taninos pode ser usada como agente cicatrizante, anti-inflamatrio, antimicrobiano e antissptico. Tem como partes utilizadas no tratamento fitoterpico as sementes, casca da raiz e do fruto. Sendo a casca do fruto, a parte da planta

5 utilizada na odontologia por meio do seu extrato, que possui atividade antissptica e antimicrobiana, agindo diretamente sobre as principais bactrias causadoras da crie. Desempenha um excelente papel sobre a Streptococcus mutans, Staphylococcus aureus e Streptococcus pyogenes. Estudos in vitro sobre a ao anticariognica de taninos extrados de plantas tm sido relatados nas ultimas dcadas, o extrato de rom tem demonstrado ao antibacteriana e antiaderente sobre microrganismos Gram-positivos, afirmando ainda que o Streptococcus mutans possui sensibilidade ao extrato da rom no que se refere ao seu crescimento apresentando atividade bactericida e bacteriosttico. A inibio da sntese de glucano e sua ao bactericida possibilitam ao extrato um efeito no controle do biofilme j estabelecido e consequentemente preveno da carie dentaria e da gengivite. Mirra A Commiphora myrrha da famlia de Burseraceae , conhecido localmente como mirra cujo nome nos muito conhecido por estar entre os presentes que os Reis Magos levaram a Jesus (ouro, incenso e mirra) Provem da resina seca de pequenas rvores espinhosas do gnero Commiphora , originaria do Reino da Arbia Saudita e Somlia e outros pases da costa africana. Tem como partes utilizadas no tratamento fitoterpico leo essencial, resina, folhas. a Com uma pesquisa devida comprovamos que a mirra tem alto poder medicinal como adstringente, anestsi