folha de ituiutabflme­po especial de natal - .folha de ituiutabflme­po especial de natal...

Download FOLHA de ITUIUTABflME­po Especial de NATAL - .FOLHA de ITUIUTABflME­po Especial de NATAL Olntoct

Post on 15-Nov-2018

248 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • FOLHA de ITUIUTABflMEpo Especial de NATALOlntoct ERCttlO DOMWGttES DA SILVA Redcrtor-chefe: GERALDO STIMO MOREIRA Redator: MANOEL AGOSTINHO

    ANO XB Ituiutaba (MG), sbado, 23 de dezembro de 1961Administrao, redao e oficinas:Rua 20, 1.086 - Caixa Postal, 63

    N. 1.142

    2 CADERNO: IO PAGINASNAO PODE SER VENIDO SEPARADO

    Mande o Aude: a Seca ns arranjamos Buscando a raiz dos ltimos movimentos sepa-

    ratistas em Minas 0 Estado governadoem funo de Belo Horizonte

    Numa de suas ltimas edi-es, trouxe a revista "Man-chete" ampla reportagemsobre um novo surto sepa-ratista que se esboa no Sulde Minas, tendo por princi-pai foco de irradiao a be-Ia estncia de Poos de Cal-das.

    Como soe acontecer em to-dos os movimentos dessejaez, que j agitaram a zonafronteiria do nosso Estadocom S. Paulo, o descaso dogoverno mineiro pelos prin-cipais problemas das comU-nidades interioranaa a caU-sa invocada com mais fre-' qtncia para justificar essadisposio peridica de des-

    , membrar o nosso territrio.A comparao que se es-tabelece, fcil, com os mu-

    . nicpios paulistas, em tudoe por tudo melhor cuidadose assistidos pelas adminis-traes que passam pelos

    ; Campos Ellsios, agravamainda mais a situao, forta-lecendo, como ocorre, o m-peto secesslonista. Os lderes desses movi-mentos, via de regra, sopessoas responsveis e bemintencionadas, o que noimpede que toda a gama de

    . descontentes e arrivistascom eles faa coro. A ale-gao principal esgrimida por todos que Minas Ge.

    rais s cuida de Belo Hori-zqnte, ignorando por com-pleto os problemas da hin-terlSndia, na qual s respon-dem presente para arreca-dar impostos. E argumen-tam com as marcas dessedescuido, visveis por toda a"parte, refletindo o ." descaso,

    r-M-.dst Ou daquele gover-nante, nias d sucessivasadministraes, que, coloca-das tio Palcio da Liberdade,

    s fazem dar a frente paraa Capital, voltando as costasao restante dos municpiosmineiros.

    Os problemas belorizonti-nos absorvem completamen-te os governadores minei-ros, enquanto o interior sedebate sem escolas, sem es-tradas, sem pontes, sem ser-vios de abastecimento d'-gua, sem esgotos, sem cala-mento, sem assistncia m-dica, sem nada. Sem nada,propriamente, no, porqueainda bem no se instalou omunicpio e j comeou afuncionar sua coletoria es-tadual!

    bom reconhecer essaexceo. Apezar disto, urgeacrescentar que o Estado deMinas arrecada pouco, prin-cipalmente se fr cotejadocom S. Paulo. Mas tal ocor-re, no por culpa dos muni-cplos, e muito menos doscontribuintes, e sim por o-misses clamorosas na tri-butao, com algumas ativi-dades gravadas em excessoe com outras contribuindoapenas simbolicamente paraos cofres estaduais.

    Mais ainda, enquanto S.Paulo insiste sempre em des-centralizar as atividades pro.dutlvas, sugerindo e, por v-zes, forando a instalaono interior at mesmo de in-dstrias- que renem condi-es para ficar na Capital,situando no local mais apro-priado os rgos estatais rlefomento das atividades a-gro-pecurlas, levando a t-das as comunidades os be-nefcios da Instruo oficial,tartto no ciclo jirimrio comosecundrio, bem assim re-cortando o territrio esta-dual

  • FOLHA DE ITUIUTABA

    ^2^~^~~~~~^~^ aa^MafiHafewB^fSME'iWMM&P'&'&%^

    I

    *i

    llll1*1llllllIM!llllllllllllllllll

    jjj!llllll

    t

    Neste ensejo, em que a proximidade das comemoraes do Nas-

    cimento de Jesus Cristo so um insistente convite meditao e uma

    permanente sugesto aos altos ideais ds confraternizao dos homens, o

    nalllliilliillllllIilllllllliiiiiill

    Y

    1961

    $

    3K

    SM

    m

    mm

    No momento em que toda a crlstandad g*se confraterniza comungando a mais s Sgj

    e justa alegria universal

    Banco do Tringulo Mineiro menderea a todos os seu amigos c clientes, bem assim s autoridades

    e s

    famlias de Ituiutaba a sua mais efusiva saudao, de par com votos, oa

    mais calorosos, de FELIZ NATAL e prspero ANO NOVO.

    Que 1962 constitua para todos os lares ituiutabanos um ano de

    Paz e venturosa tranqilidade.

    11962

    '-. -.......".-'""r

    IIIIIIIIlliill1*1llllllllllllllllllllIJllllllllllllll

    mm m

    Indstria e Comrcio Irmos Vilela Ltda. IAvenida 17, n. 1.021 Ituiutaba

    '$

    &

    m

    ;

    formula aos seus amigos, clientes e a todo o

    povo de Ituiutaba e da regio os melhores

    votos para que o Natal e Ano Novo sejam o

    prenuncio de dias melhores para toda a hu-

    manidade.

    mmmmm

    m

    Salvegsffign^r^^^SS |^5^2^S^52iS:i2^S2HSSHS=II

    mn^m^wMm^M^m^m^wMn^mmnmm^mmmm

    19621____ ?&

    wmmm

    1961 1962NATAL

    NILSON JURANDIR CASTANHEIRA

    Edital de ProtestoAntnio Souza Martins,

    Oficial de Protestos desta cl-dade e comarca de Ituiutaba,Estado de Minas Gerais, naforma da Lei, etc.

    na evocao dos sublimes princpios da

    Concrdia e da Paz entre os povos e as naes,

    que constituem a sntese das lies do Divino Mes-

    tre e o anseio maior da Humanidade, que

    A Revoluo

    tem a imensa satisfao de consignar destas oolu-

    nas profundos agradecimentos pela preferncia

    merecida de parte do povo da cidade e da regio.

    sua clientela e a toda a populao trans-

    mite, nesta oportunidade, votos, os mais efusivos,

    de um Natal pleno de felicidades e de um Ano

    Novo que represente a consumao dos melhores

    anseios de todos.

    K

    Avenida 15, n. 852 - Fone 1401 Ituiutaba

    Dia de Natal... Dia das iluses inacabadas, dasalegrias nos coraes, da festa das flores nos jardins in-comensurveis da natureza.

    Dia de Natal... Momentos que por sua beleza,se tornam eternos, como eternos so os sonhos. Em cadacorao, um templo se ergue a Deus, pedindo-Lhe mise-ricrdia, pedindo graas e tambm amor.

    Dia de Natal... Estou triste e s. Foi no Natal quea saudade comeou a reinar em meu corao. As ale-

    grias foram afogadas pelas tristezas. As flores mais be-Ias de minhas esperanas murcharam aos beijos das de-siluses.

    No Natal, risos e lgrimas, paixes e dios, ale-grias e saudades se transformam em uma s prece, emum s cntico de ternura e alento.

    Natal, smbolo maior da magnitude de Deus. En-tretanto, estou triste e s neste Natal. Olho ao meu redore sinto que no estou abandonado. Almas sofredoras so-frem como sofre a minha alma. Ouo ao longo, no ba-dalar melanclico dos sinos das ermidas, o grito de de-sespro dos homens perdidos, o soluo abafado dasmes que choram pela ausncia dos filhos. noite, es-cuto as folhas secas das rvores que caem pesadas aocho. Sinto frio na alma, como sentem frio as criancinhassem agasalhos.

    Quanta desventura existe no Natal... Enquantouns se alegram com a riqueza de seus lares, outros cho-ram a nostalgia de no poder partilhar destas alegrias.

    As msicas de Natal chegam aos meus ouvidos,como se fossem vozes em tumulto. So as vozes dos ino-centes, dos humildes, dos pecadores, dos arrependidos.O vento, em sua.sinfonia, traz nas asas, a esperana eo desencanto; as alegrias e tristezas, a agonia e o de-sespro.

    A despeito da existncia de tanta melancolia, detanta desesperana, de tanto desencanto e amarguras,ainda se ouve no Natal os cnticos singelos e puros dascriancinhas, que embelezam o esprito do Natal, queaproximam os pecadores do arrependimento. Essas s-

    plicas de coraes Inocentes por sua prpria natureza,fazem com que os arrogantes se estremeam ante os hu-mildes, transformam a alma dos ignorantes em mansoslagos azuis de esperanas; fazem renascer no. espritodos. inconformados, o alento.e a confiana.no-porvir,transformam as paixes em f e as atribulae3 da-vidaem caridade.

    Bendito o Natal, que faz surgir a bonana, ondeh tempestade, que faz brotar oraes, onde antes ha-via os lamentos de dio, que transforma cada coraoem altar, cada conscincia em um trono, onde h dereinar, para sempre, o amor, a esperana e a caridade.Bendigo o Natal, que transformou a saudade do meu co-rao na mais bela das esperanas.

    FAZ saber que, para se-rem protestado, por falta ipagamento, se encontram,neste cartrio do segundoofcio e protestos, os segulntes Ttulos: .,

    1.) N. Promissria. Cr$.i.3 000,00. Vencimento em 13de outubro de 1961. Emissode Maria Conceio Ricardaa favor de Afif Paus.

    2.) N. Promissria. Cr$A.3 000.00. Vencimento em 13de outubro de 1901. Emissode Maria Conceio Ricardaa favor de Afif Palis.

    3.) N. Promissria. CrS-.3 000,00. Vencimento em 13de setembro de 1961. Emis-so de Maria Conceio Ri-carda a favor de Afif Palis.

    N8o sendo encontrado odevedor acima referido nes-ta cidade, com o presenteiointimo para, no prazo legalde trs (3) dias, vir a cart-rio efetuar o pagamento dosttulos supra enumerados, rficando, desde j, ciente doseu protesto caso no sejamresgatados, no prazo estlpu-lado.

    Para conhecimento de to-dos os interessados, lavroy-se o presente edital que se-r afixado no lugar pblicodo costume e publicado na

    FAlha de Ituiutaba".Ituiutaba.

    de 1961.18 de dezemhro

    Ant&nlo Souza Martint

    Oficial de Protestos deItuiutaba

    CuriosidadesIOSIRio (ARGUS-PRESS) "Quiosque", do turco "KiOs-

    qui" ou do persa "gojl",

    "canto", uma espcie depavilho de madeira, situa-do em praas onde se ven-dem bebidas e iguarias. Atradio vem da Turquia.Os turcos armavam pavi-lhes nos jardins nos dias degrantte.calor. (AJL*._^

  • W-

    ^attta TE ITUIUTABA

    Balada te ImMnsVINCIUS DE MORAIS

    Lava, lava, lavadeiraA roupa do teu patroSua camisa de Unhoseu meia-confecoEnxgua seu leno sujoTodo sujo de batonPe anil no dito cujoPro trabalho ficar bomBate o lenol, bate a colchaBate bem que pra vocIr de noite ao bate-coxaQue vai ter na gafieiraLavadeira suburbanaDe beira de linha frreaLimpando as vestes da urbeCom o teu sabo de misria:Lava e leva, lava e levaTremellcando com as ancasSobre teu co